Arquivo para 23 de agosto de 2007

A CPI QUE FOI MAS NÃO FOI

Não há dúvidas de que a prefeitura na gestão Serafim continuou, e até aprofundou as relações íntimas entre governo e proprietários das empresas de transporte, que se arrastavam por governos anteriores. Depois da prisão dos “baderneiros”, da tentativa de uso eleitoral da manifestação dos trabalhadores do transporte coletivo, agora a manobra ocorreu no sentido de evitar a abertura de uma CPI na câmara municipal para investigar se as empresas realmente não respeitam os direitos trabalhistas de seus funcionários.

Talvez acreditando que seria uma assinatura “boa de votos”, alguns governistas canetaram o abaixo-assinado promovido pelo vereador-intensivo Waldemir José (PT), dando margem numérica para a abertura da CPI. No entanto, menos de 24h depois, e após consulta ao presidente da IMTU, Marcelo Ramos (comunista, como o secretário da SEPROR, Eronildo), os mesmos vereadores recuaram e retiraram suas assinaturas. Dentre eles, estão: Tatá (PSDC), Mirtes Sales (PP), Glória Carrate (PMN), Paulo Nasser (PSC), Irailton Sena (PSB) e Lúcia “comunista como o Eronildo” Antony (PC do B).

Waldemir, que continua mostrando que é exceção na CMM, argumentou que os vereadores não tem capacidade de se indignar. Tem razão, a indignação só é possível àqueles que diante da dor conseguem conceber um mundo onde ela não seja necessária, e para isso é preciso sair do ressentimento. Coisa que os vereadores não conseguem, ou não suportam, já que, como eficientes apassivados pela subjetividade do Estado Capitalístico, precisam cultuar a dor para manter a ilusão da existência.

A POTÊNCIA SOCIALISTA/DEMOCRÁTICA HUGO CHÁVEZ

Hugo Chávez

Para a grande maioria dos venezuelanos foi quem tirou o país da neocolonização imperial americana e arrefeceu as forças das oligarquias internas. Foi odiado por isso pelas classes altas e pela mídia, que lhe aplicaram o golpe de estado, mas que foram logo golpeadas pela multidão. E daí, com suas intenções humanistas e a autenticidade de sua palavra, ele resolveu utilizar o petróleo venezuelano não só para um progresso egoísta da Venezuela, mas também para auxiliar Bolívia, México, Cuba, Costa Rica, Colômbia, Equador, Peru, além de negociar com o Irã, Alemanha, Rússia… Como se vê, sem distinções, bolivarianos ou não. Alguns doutores chegados a lugar comum o chamam de “o fenômeno Chávez”; outros, mais afeitos à superstição, acreditam ser o diabo que veio para se unir ao diabo velho, Fidel. Mas ele a usar da palavra para conclamar o povo, como Bolívar, e para deprecar os inimigos como só o Cristo de Mateus sabia fazer. Já chamou o presidente da Coca-Cola, Fox, de “cachorro do imperialismo” e ao tibiesco congresso brasileiro de “papagaios dos americanos”. E assim, com inteligência e ação, em sua singularidade, Hugo Chávez foi se tornando sujeito de enunciação (Deleuze/Guattari) das mudanças possíveis hoje na América Latina e outras partes do mundo. Em outro contexto, com uma disposição de Che Guevara. E por isso quase todo dia temos notícias nas mídias internacionais sobre ele. Só esta semana, começou segunda-feira, quando foi preciso ele afirmar que Fidel não havia morrido, como estava sendo disseminado em ruminações virtuais agourentas, que nada tem de reais. Também na segunda, ele se ofereceu para intermediar junto a Marulanda, o líder das Farc, e o presidente, Uribe, um acordo para “desbloquear o jogo bloqueado” sobre os reféns colombianos nas mãos dos guerrilheiros, que exigem a libertação de outros guerrilheiros presos. E também esta semana, chega da portentosa Grã-Bretanha, que em cumprimento a uma doação de US$ 32 milhões que a PDVSA fez a prefeitura de Londres, serão distribuídas a partir desta semana carteiras com as quais os pobres da capital inglesa pagarão apenas a metade da passagem, enquanto os ingleses auxiliarão tecnicamente a melhorar o transporte coletivo de Caracas. Certos ressentidos ingleses o criticaram, a oposição venezuelana também, assim como criticaram quando ele vendeu gasolina com 40% de desconto para o aquecimento de pobres do próprio arqui-inimigo, Estados Unidos, mas também na mesma cota para o Irã. E fazem a lista, que por sinal tem o Brasil como o quarto país em volume dessas doações. Para a economia globalitária, que não vê outra forma de negociação que não seja através da chantagem, do lucro, da exploração, da formação da riqueza de uns privilegiados sobre nações inteiras, é estranho; para seus chefes de estado ambiciosos e ressentidos, é insuportável. Mas para todos que se apresentam como sujeitos da práxis e da linguagem (Hannah Arendt), a potência democrática de Chávez se apresenta como uma possibilidade de um socialismo real. Sem populismo, sem messianismo, como constatou o australiano John Pilger, pelas palavras de Mavis Mendez, de 95 anos, em esclarecedor artigo no site resistir.info.

“Não contávamos para nada no sentido humano. Vivíamos e morríamos sem uma verdadeira escola e sem água corrente, e sem comida que não podíamos comprar. Quando adoecíamos, os mais fracos morriam. No leste da cidade, onde estão as mansões, éramos invisíveis ou éramos temidos. Agora já sei ler e escrever o meu nome e, como eu, muito mais gente; e seja o que for que os ricos, e os seus media digam, plantamos as sementes duma verdadeira democracia, e sinto-me muito contente por ter vivido para assistir a isto.”

PLANO DE CARGOS DA ALE É PLANO CONTRA SERVIDOR

O Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração que o presidente da ALE-AM (Assembléia Legislativa do Estado do Amazonas), Belarmino Lins, Belo Belão, apresentou ao funcionalismo daquela casa está causando o maior frisson de descontentamento; pois, segundo 90% dos servidores, o plano beneficia alguns apaniguados e deixa fora a maioria protegida por direito constitucional, como os servidores ativos, inativos e pensionistas, que não são atingidos pelo enquadramento na nova lei aprovada. De acordo com o tal plano, aposentados e pensionistas ficarão no nível 12 e 14. Enquanto aqueles com menos tempo de casa, e não concursados, passarão para o nível 20, o mesmo nível dos autores do projeto.

Segundo os servidores prejudicados, o Ministério Público do Amazonas encontrou no Plano elementos inconstitucionais que ferem o Direito do Servidor Público. O que pode ser comprovado na ADIN – Ação Direta de Inconstitucionalidade, com o número 200601483-2/Manaus. Agora, espera-se para esta semana o julgamento do Pleno Tribunal de Justiça do Amazonas, sob a responsabilidade do Desembargador João Simões.

TRÊS NOTAS DA MESMA CANÇÃO

Cançao Desafinada

Primeira Nota. Professores da Faculdade de Medicina se reuniram ontem, segunda-feira, no Auditório Dr. Zerbine para discutirem a posição tomada pelo reitor da UFAM, Hidembergue Frota , que desmembrou a Faculdade de Ciências da Saúde antes composta pelos Cursos de Medicina, Odontologia e Farmácia, e extinguiu seus departamentos. Para os professores, a atitude do reitor, executada de cima para baixo, foi simplesmente arbitrária, ultrajante e prepotente, pois não seguiu as estâncias burocráticas institucionais que exigem decisões como estas, que seria ouvir os próprios professores e funcionários. No final da reunião, os professores assinaram um documento comprometendo o curso a entrar com ação judicial contra a posição da reitoria. Segundo os professores, ainda cabe tal recurso.

Segunda Nota. Enquanto a prefeitura marketeia um programa de grande investimento na educação, a Escola Francisco Queiroz, no Bairro Tancredo Neves, tem pela quarta vez, na gestão Serafim/Cyrino, a suspensão das aulas em razão do entupimento da fossa. Segundo comentários dos alunos, não é aceitável que este problema não seja resolvido de uma vez, e tenham que sempre ter as aulas suspensas por causa de uma fossa. Estas fossas da Manaus Metropolitana lembram a estória do mendigo que toda noite sonhava ser rei, mas quando acordava estava com os pés na lama.

Terceira Nota. Enquanto a administração Serafim desliza nos desencontros, e não desentope uma fossa, seus sinceros aliados na Câmara Municipal já estão em plena campanha, visando às eleições de 2008 para dar continuidade a histórica política de crescimento de Manaus. É o caso do ex-fiel e destemido defensor do ex-governador Amazonino, Brás Silva, que, juntamente com Evilásio Nascimento, irmão do bom padrinho de João Pedro, Alfredo Nascimento, nesta segunda-feira, no Núcleo 16 da Cidade Nova, não economizaram apertos de mãos, abraços e promessas para solucionar os problemas que afligem os comunitários.

DO PARASITISMO DE ALGUNS GOVERNOS E DO JORNALISMO-MARKETING

Jornal televisivo anuncia duas novas unidades da farmácia popular em Manaus. Na notícia, fala dos preços mais baixos e das vantagens para a população de baixa renda. Detalhe: a reportagem diz que o mesmo é coordenado pelo CDH (da esposa do governador) e de responsabilidade da SUSAM, tanto que ao final, o secretário fantasma, Alecrim, aparece balbuciando algumas palavras inteligíveis, e que o editor deixou passar provavelmente por falta de opção.

O que Dudu guerreiro de sempre faz há tempos com o farmácia popular (e não funciona), Serafim quer fazer com o bolsa-família.

Duas observações: primeiro, o parasitismo de alguns governos, incluídos aí os de Dudu guerreiro de sempre Braga e Serafim, que como não possuem em seus quadros e em si mesmos elementos que carreguem fluxos comunitários necessários à leitura da realidade como produção social, são incapazes de produzir projetos governamentais que alterem a condição social das pessoas. Destes executivos e seus legislativos, só se esperam projetos esdrúxulos e hilariantes. Daí a necessidade eleitoreira de pegar carona nos projetos federais, estes sim carregando fluxos comunitários, como o Bolsa-Família, Sistema Único de Assistência Social e a Farmácia Popular.

Segundo: o uso marketista do jornalismo dos canais, sejam públicos ou concessões, para distorcer informações e truncar a notícia, tentando fazer a população acreditar que peça publicitária é informação. Como se toda a campanha da mídia branca e cansada não desaguasse numa votação maciça no governo de Lula e suas sucessivas aprovações nas pesquisas de opinião, mesmo as da própria mídia cansada. E no plano estadual e municipal, como se a população não soubesse que os projetos que têm relevância comunitária são todos do governo federal.

COLUNA VERTEBRAL

Se a Vertebral não analisou nada se realizou

 Coluna Vertebral

# E então, que achaste da Parada Gay daqui de Belém?”, inquiriu Nanda. “Minina, coisa de louca. Toda essa brincadeira, essas conversas que tivemos só mostra que aqui em Belém eles estão resistindo à homofobia com inteligência”, afirmou Zana. “Ai!, aquela Caravana de Cinema Arco-Íris, tudo contando com o apoio da Secretaria de Cultura do governo de Ana Júlia Carepa”, disse o Gil. “É, parece que o PT daqui é mais ligado nas lutas populares do que o da gente”, provocou o Rissa. “Mas é que em Manô eles não tem o governo”, a Altina quis amenizar. “Qual, nada, eles estão é em todas. No estado, na prefeitura. Estão até na Manaus Metropolitana”. “Pessoal, eu acho que com essa experiência, a gente vai poder conversar com a Bruna La Close para ajudar na concepção da Parada GLBT de Manô sem ter que se corromper com vereador que se autodenomina padrinho da Parada, outra que quer ser homenageada”, interveio a Nanda. “É verdade, se quiser assumir, pode assumir, não precisa se segurar, mas sem querer lucrar com a dismunhecação, pô”. “Então vamos pra Manô”, convidou o Gil…

# A imprensa está sentando o pau no sindicato de vocês”, falou o policial militar em conversa com o motorista do ônibus. “Depende que imprensa. Porque umas trabalham para o Eduardo Braga e outras para o Serafim. E, se estão batendo no sindicato, não atingem, porque ele sabe o que está fazendo”, replicou o motorista. A Carminha nos contou este diálogo que ouviu, na noite de sábado, em um ônibus que pegou, segundo ela, um conglomerado de objetos velhos que confirmam as exigências dos usuários e também dos motoristas e cobradores. O que a imprensa servil não pode ocultar. Acrescente ao transporte mambembe as ruas cheias de abismos, que cada solavanco força a descida do acompanhante da TDPM — Transtorno Disfórico Pré Menstrual. E se os solavancos forem em uma segundona, a nega aborta.

# Dizem que amazonense é muito leso, e que sua leseira é confundida com hospitalidade. Bem, alguns são mesmo. Pelo menos os que estavam ontem à noite no bar em que nos encontrávamos. As leseiras estavam tristes pela derrota da seleção brasileira de Vôlei para a seleção dos Buhs, em uma tal de Copa América. Nós ouvimos alguns lamentos, como se fossem decisivos para a paz mundial, ao mesmo tempo que respondíamos entre nós os lamentos. Torcer por uma equipe que se toma como grande família, composta por garotões classe média alienados representados por um vazio Giba e que tem o calculista Bernadinho como técnico. E ainda teve retardado que pagou 300 tocos para assistir à palestra que ele teve dando sobre o otimismo capitalista de como vencer na vida, fazer sua empresa prosperar, como ele no vôlei. Nem cotoco, só muita leseira. E leseira maior, uma seleção reserva em uma Copa inútil e anódina, como se fosse o maior feito esportivo cabocal. E ainda leseiraram em cima do Ricardinho, que denunciou a mão de ferro e o nepotismo de Bernardinho. “É esse bando de leseira que paga para ver a afilhada do ACM, a avoada Ivete Sangalo”, observou a Kima, empurrando o quinto chop.

# “Decididamente, a televisão exerce, com seu fator dissipação, um dominante fascínio sobre as consciências cinzentas. Ontem à noite, deslizando com o controle, aportei em um canal cognominado de TVBrasil. Vocês precisavam ver o apresentador, Augusto Nunes. Uma mistura de Clodovil com Hebe Camargo e Boris Casoy, mais uma boquinha de envergonhado. Coloquem esta figura brejeira em um quadro junto com a cara de naftalina, a socióloga reacionária Lúcia Hipólito, mais a atordoada jornalista Taham, que vocês terão a essência da comunicação”, sentenciou, estendendo umas calcinhas, a Laís. Uma estrondosa gargalhada foi o comentário dos presentes.

# Recebemos do nosso amicíssimo Mário Freire, a 4ª edição do Jornal dos Jornalistas. Mário é o editor deste jornal, que foi reativado na gestão de César Wanderley à frente do Sindicato dos Jornalistas do Amazonas, que retirou a entidade das pautas dos interesses dos patrões e agora, já em mais esta edição, continua a linha dos textos críticos, com informações e discussões fundamentais para os jornalistas/cidadãos que querem mais do que seguir a ordem do capital. Os garotos são entendidos. Eu, pelo menos, vertebralmente, me entendo com eles.

# Estava na cozinha, preparando aquela tigela de açaí com tapioca, quando ouvi aquele riso quase histérico do Zildo. Corri no quarto, ele tava às gargalhadas. Perguntei qual era a piada. Ele, a muito custo, recuperou o fôlego, e disse que ninguém melhor que a Direita pra fazer paródia cômica de si. Eu perguntei se era alguém tirando onda com a imprensa golpista, ele disse que era um vídeo da TV Vi o Mundo, onde ele entrevistou dois cansados sobre as declarações do presidente do Cansei sobre o Piauí. Ele botou o vídeo pra eu ver. Ri tanto que me melei toda no açaí, o cara pensou que a frase era do Lula, e meteu o pau. Não sabia que o Cansei era patrocinado, e pra completar, citou o grande geógrafo Lulu Santos pra desmentir o Lula. Só tu vendo pra acreditar. Se bem que sendo da direta, é de se esperar.

                        Cansei do Rock!

                                   Mas não canso do estoque

                                          entulhado de fricote

                                                      do reaça não me toque.

                           Beijos Vertebrais!

UMA SERAFINADA REELEITORAL

O prefeito Serafim, em um programa da TVUFAM, ameno, de cordialidade insuspeita, perguntado pelo bom apresentador, sem nenhum emaranhamento com o jornalismo político, professor de educação física, sobre sua possível candidatura à reeleição, respondeu que no caso iria enfrentar dois tipos de candidato: um, vindo do executivo, falaria sobre seus feitos; outro, neófito ao cargo, falaria sobre o que iria fazer. Só que teria de mostrar como iria conseguir dinheiro. No caso dele, mostraria que depois de anos foi o prefeito que fez uma maternidade. Não fez! Mas antes, perambulemos sobre esta locução, “Eu fiz!”.

NINGUÉM ESTÁ SÓ

Pois bem, esta tentativa de centralizar atos sociais é a narcisação (ilusão de ser invejado) pública que um alcunhado político assume: nada saber sobre política. A não ser o que viram, e lembram, dos governantes. Por isso, todos, apanhados na acusação da culpa histórica, sempre usam este imperativo sem jamais suspeitarem que é exatamente esta confissão que os desnudam democraticamente. Mostram como não tem a vivência democrática como pluralidade de fluxos e quantas sociais. O “Eu fiz!” é um transtorno egóico construído na ilusão da heroicidade materializada como sedução. “Eu sou mais do que Eu sou Eu posso! Acreditem em mim, que só eu posso fazer por vocês”. Sem perambulação histórica, podemos afirmar: em democracia, egoicidade, não pode. Não se faz. Em democracia, um governante é nada mais do que o sujeito político pontuador do Direito Civil de todas as necessidades que à priori foram concebidas pela comunalidade como contrato Bem Comum. O que o povo sentiu e compreendeu como lhe sendo necessário. Nisso, todo governante democrata é um poiético produtor da cartografia de desejos democráticos juntamente com os cidadãos. Desta forma, Serafim não fez a maternidade. Foram as linhas pulsantes, moventes e construtoras que o levaram à efetivação deste corpo arquitetônico/médico. Talvez ele diga: “Mas foi eu quem viu a necessidade da população”. Não viu. Ela se mostrou. E pode continuar: “Mas eu poderia não ter feito”. Alguém iria fazer. É a potência do povo. Em democracia não há como escapar. Um dia vai acontecer, apesar das miragens teocráticas. Daí que essa serafinada, brechtianamente fabulante, o irmana ao seu desafeto maior, Amazonino: “Foi eu quem fiz!”.

DINHEIRO NÃO PRODUZ EDUCAÇÃO

O resultado da avaliação do Ministério da Educação sobre a produção educacional no Brasil afirma o óbvio: o dinheiro não é suficiente para efetivar o exercício ontológico educacional. Até mesmo quando reduzido à tese fundamental do Ministério: capacitar o estudante a trabalhar com familiaridade as quatro operações, ler corretamente, construir frases, períodos, conjugar verbos, identificar sujeitos e predicados para poder construir textos. Entretanto, o educare filosófico como ultrapassar, mudar, avançar, colocar-se adiante cognitiva e afetivamente, não é um mero produto da metodologia técnica/burocrática do dinheiro como enfatizam os cursos de educação e os órgãos de ensino do estado. Mas sim, um compromisso histórico social saído das vivências e percursos daqueles que estão envolvidos nesta contínua práxis construtora de modus alegres de ser comunitário. Engajamento deviriano conjugado aos outros como sujeitos poiéticos criadores existenciais de afirmação da vida. Nesse entendimento, a filósofa judia-alemã Hannah Arendt afirmava que só deveria se envolver com a educação pais e educadores historicamente compromissados com o mundo. Pois a educação é uma ventura histórica atemporal. Ou, como disse o outro filósofo alemão, Nietzsche, arrefecimento da vontade de potência não é ducação. Tudo que vemos naqueles que acreditam ser a educação uma questão burocrática/financeira. Principalmente secretários que confundem suas existências afetivas/materiais rígidas com uma lógica de ensino rígida/material. “Filosofia na educação é bom, mas sem dinheiro não se faz educação!”. A máxima dos velhacos da educação. Defesa contra seus fracassos ontológicos.

A EDUCAÇÃO NA BAIXA METROPOLITANA

No caso do Amazonas, a avaliação do Ministério da Educação, mesmo equivocada quanto ao conceito ontológico de educação, serve para mostrar o quanto governantes, tanto governadores e prefeitos, historicamente, desconheciam e desconhecem o mínimo de educação. Por isso a envolvem nas mesmas práticas materialistas de outras instâncias do estado e das prefeituras. Principalmente as perversas práticas captadoras de signos eleitorais. Com uma compreensão de democracia forjada no conceito arcaico de demagogia, aproveitam a aura mitificada que carrega o conceito de educação como transformação e crescimento de vida cidadã, usam os recursos públicos de acordo com estes entendimentos. Daí o miserável resultado: quase a metade dos municípios do Amazonas em nível muito abaixo da média. Um resultado esperado dado o atavismo da ignorância política que acomete a maior parte dos governantes. E o pior, que de acordo com esta enfermidade/política crônica, não devemos ter expectativas de melhora. Mesmo com os recursos financeiros e tecnológicos que serão aplicados pelo governo federal e as promessas do governador Eduardo Braga diante do Ministro Haddad, de que na próxima avaliação o resultado será diferente, como acreditar, se municípios da própria região metropolitana apresentam deprimentes níveis, como Presidente Figueiredo, Iranduba, Castanho, além de Itacoatiara, vizinha de Manaus? Realidade confirmadora que o estabelecimento de Manaus como região metropolitana foi mais uma ilusão ufanista desvairada de seus autores. Pois, não são quereres pessoais que transformam magicamente uma deplorável realidade em uma realidade fabulante. Daí que, enquanto a educação não for sentida e compreendida como modus de ser em hábitat: Ética. Cartografia de desejos criativos constituída por todos, carregaremos esta perversa realidade que nos imobiliza e nos faz prisioneiros históricos de um passado cruel. E o estado será tão somente uma quimera, mesmo com todos seus suportes técnicos/ jurídicos.

ENCONTROS CASUAIS

Encontros Casuais

! Trinta e três anos, solteiro, seu único e maior amor: a mãe. O pavor de perdê-la conduzia-o toda noite, antes de dormir, ao quarto dela para se certificar se estava bem. Nas últimas três noites sua angústia exacerbou-se: encontrou-a dormindo agitada. Temendo sua morte, acordou-a. Certo dia, ao comer um cheeseburguer no McDonald, engasgou-se, desesperado virou a cabeça para cima e viu, envolta em um manto azul, voando em sua direção, a mulher mais linda que jamais vira em toda sua vida. Ela se aproximou, olhou profundamente em seus olhos e disse que por três noites tentara levar sua mãe, mas ele não deixara. Mas que, embora não houvesse chegado o seu momento, ela iria levá-lo, já que os homens criaram um mundo em que o justo é que os filhos paguem pelos pais.

!! No palco, a cantora dizia na canção que amava dois homens. Quando ela terminou de cantar, ele a chamou e perguntou se ela amava mesmo dois homens. Ela respondeu que só amava seu marido. Ele sorriu, afirmando que ela mentia. Para cantar como cantava era preciso ver dois homens. Pensativa, disse que via, mas não sabia quem era o outro. Perguntou se não poderia ser ele. Respondeu que não. Solícito, pediu que cantasse outra vez, mas sem imaginar o marido, só o outro homem. Ela cantou e voltou dizendo que só vira o homem. Como a canção falava de dois homens, argumentou que ela mentira. Pediu que cantasse mais uma vez, agora imaginando dois homens: o outro e ele. Ela cantou e voltou confessando que vira os dois. Então, apaixonado, abraçou-a, conduzindo-a para a rua, confidenciando que como o outro homem não existia e ele era real, seu verdadeiro amor era ele.

!!! A mesa havia sido quebrada e fora retirada da sala. E o professor, sentado ali na cadeira, sentindo-se mais inseguro ainda sem a sua mesa, não conseguia se fazer ouvir, apesar de gritar seu ódio nos adolescentes. Atentou mais em um na segunda fileira à esquerda, levantou e foi andando em sua direção e fulminando-o com o olhar. O garoto correu, rindo, para o fundo da sala. O professor foi recuando para trás em curtos passos até sua cadeira, mas quando foi sentar-se sua bunda foi ao chão e sua cabeça bateu forte na parede. Não percebeu que outro garoto havia removido-a da posição. Como um abrir e fechar de olhos, o professor teve uma síncope, mas já não lembrava de nada. Por isso, quando viu todos aqueles alunos rindo entre si e também para ele, também sorriu. Os alunos nunca haviam visto aquele professor sorrir. O barulho não diminuíra, mas tinha agora uma estranha harmonia. O professor perguntou quem eles eram. Nunca naquela escola nenhum professor havia perguntado quem eles eram. Por isso começaram a conversar. O professor nunca mais lembrou de nada, mas os estudantes adoraram ele ter se tornado um educador.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.020 hits

Páginas

agosto 2007
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos