Arquivo para 13 de setembro de 2007

A VERGONHA

“A vergonha é a cólera contra si mesmo”, diz Marx. Nesse enunciado filosófico/político, Marx nos conduz ao entendimento que o ato de envergonhar-se não cabe na redução egóica descarteana do “Penso Logo Existo”, fundamentação moral da cultura burguesa. Ainda mais quando se sabe que esse pensar não é tido como experiência do novo, mas como projeção imaginativa. “A absolvição do Renan é uma vergonha”! A vergonha marxiana encontra-se ligada a filosofia de Sartre do sujeito revelado em situação como projeto de si mesmo: “ A miséria só acabará quando o Homem pensar um mundo onde ela não seja possível”. Eis a esfinge cognitiva/afetiva do senso comum da classe dominante. “Decifra-me ou te devoro”! Só tem devorado. O estágio da cólera contra si, só se atinge quando o sujeito salta da alienação do si, e se envolve fora como outro com os outros, para quem é um outro sujeito da práxis política. Um trabalhador produtor da História. Sujeito examinador em situação, como diz Sartre, de um mundo alienado/alienante em que foi lançado e mistificado desde seu nascimento. Então, envergonha-se. Torna-se responsável pelo mundo. Engaja-se em liberdade na criação do seu Projeto de Homem. Envergonha-se, responsabilizando-se pela História de quem nada lhe escapa. Parafraseando Primo Levi, “como homens, o holocausto é de nossa responsabilidade”. A vergonha. De quem deu a volta em si: desalienou-se historicamente. Saltou do niilismo decadente burguês.

A VERGONHA DE NOSSA “POLÍTICA”

Renan é absolvido por seus pares: os que votaram a favor e contra sua absolvição. Isto porque, a realidade política/jurídica democrática do corpo senatorial está ocultada pela subjetividade imaterial (idéias) composta pela maior parte dos senadores. É impossível encontrar um enunciado que carregue elementos democráticos saído da crítica que suspeitou do mundo como quimera. Os comentários pós resultado comprovam a mistificação política aí dominante. A exacerbação do senso comum. O relator do processo, Renato Casagrande (PSB-ES) disse que o senado não respeitou o desejo do povo. Entenda-se, o povo que está em seus anseios. Pois o povo brasileiro, em sua maioria, a tempo sabe que este senado não tem pauta para ele. Tião Viana (PT-AC), primeiro vice-presidente do senado, envolvido pela mística, disse que a agonia e o calvário vai continuar. Ora, pois. Errou de Cristo. Cristóvam Buarque, na força imobilizadora da mágoa, responsabilizou o PT e Lula que quer um senado fraco para poder mandar. Os nossos orgulhos amazonenses, queridos da mídia sequelada, um se dilacera em moralismo ressentido e o outro em fabulação. E o outro do outro falou em iniciar o processo seguinte. Para entender melhor esta subjetividade opaca que predomina no senado, basta entender que para estes senhores e senhoras, o Congresso Nacional é o grande amor idealizado. Entendido isso, avente como a maioria foi eleita em seus estados, analisando suas linguagens, conteúdo e gestual. Mão-Santa, o caricato-verborrágico. Tasso Jereissati, o maneirista transferente. Azeredo, o avô do mensalão, ‘padrinho’ de Marco Valério. E por aí vai, Agripino Maia, Roberto Freire… E se for possível, aplique-lhe um teste: O que é República? O que é Democracia? O que é Ética? As respostas afirmarão a impossibilidade da vergonha. Pois, esta grande parte, carrega de uma forma ou de outra, elementos anti-democráticos que Renan carrega. Por isso, sempre haverá um para servir de acusação para os outros mostrarem à opinião publica suas vergonhas. A vergonha do eterno ressentido/enfezado, Boris Casoy. Vergonha saída da imaginação/supersticiosa.

A INCRÍVEL TEIMOSIA DA PONTE QUE CAIU

Desde o início de abril que a ponte da rua José Romão, que liga os bairros Tancredo Neves e Novo Aleixo, conhecida como Ponte do 7, já não existe, quando cedeu durante uma alagação. Depois a Prefeitura de Manaus foi lá e terminou de derrubá-la por oferecer perigo aos transeuntes que se arriscavam passar, é o que conta a este blog a senhora Yane, moradora e proprietária de uma panificadora à cabeceira da ponte. Ela nos fala do empenho dela, do marido e dos outros moradores em pressionar a Prefeitura e em construir passagens de madeira.

Já veio até o prefeito aqui; há mais ou menos um mês atrás ele veio aqui. Fez mil promessas, que promessa ele sabe fazer bastante. Já presidente do bairro eu nem sei se tem aqui, dizem que tem um cara aí, a gente foi atrás dele, mas a gente nunca encontra esse tal presidente do bairro. Mas se não fossem os moradores se reunir: fizeram a primeira ponte; deu outra chuva, caiu a primeira, que era ali onde está aquela de ferro. Depois que caiu essa, meu marido se reuniu com o pessoal, dois de um, dois de outro, 1 Real de um, pra comprar madeira de novo, e novamente fizeram outra. Caiu de novo. Essa já é a terceira ponte construída. Os mototaxistas se reuniram com o pessoal e fizeram novamente a ponte. Fora a encanação, que vem do lado de lá pra cá, a população também está tendo de ajeitar, porque quando a água vem, não só a ponte, mas também a encanação vai por água abaixo. No comércio, tem atrapalhado bastante, principalmente na parte de mercadoria; não mexe tanto com o pão, porque o pão, por ser mais barato, às vezes é café, merenda, almoço e janta de muitas pessoas. Três pessoas daqui já fizeram abaixo assinado. O pessoal que veio lá da outra ponte, fazendo abaixo assinado também nada conseguiram. De vez em quando aparece um e chama: “vamos tentar mais uma vez”… Já falaram com o pessoal da televisão, Conceição já veio aqui, até a filha do Garcia já veio aqui. Só fazem filmar, bater foto, e a gente não vê nem falar na televisão.

Se ao poder público compete as disposições a respeito das coisas públicas, percebe-se aí que a população está tendo que se unir para realizar aquilo que ao governo compete e não está sendo realizado. Xxxxxxxx, outro morador, acrescentou alguns problemas enfrentados pelas comunidades dos dois bairros com a queda da Ponte do 7 e do esforço de seu pai, José Batista Carneiro, um dos envolvidos nas construções das pontes de madeira pelos comunitários.

Depois que a ponte caiu, o ônibus 072 não passa mais por aqui. Ele vem ali pelo Novo Aleixo e retorna. Às vezes o pessoal, quando estão mais avexados, andam até a Grande Circular. Não tem outra rota não. Quando ele passava aqui na feira, era beleza. Meu pai é que se ajunta com o pessoal, o pessoal da panificadora, o Manuelzinho, os peixeiros; arrecadam dinheiro pra comprar talba, pediam 1 Real de cada motoqueiro que passava, e assim construíram essa outra aí.

Pela fala do mototaxista Márcio, percebe-se a desconfiança em relação a alguma medida advinda da Prefeitura a fim de solucionar o problema da ponte caída, ele ridiculariza a ponte de ferro colocada por ela e afirma que a única possibilidade é a reflexão crítica do voto nas próximas eleições.

Só promessas. Os políticos vem aí, vem a televisão. Filmam, tiram foto, inclusive, no mês passado, o prefeito esteve aqui. Ele prometeu que no final do mês passado a ponte seria construída. Até agora, nada. Depois que ela caiu, a erosão está corroendo tudo por aqui, olhe que está tudo partido. E eles não fazem nada. A gente é que se uniu aqui com o pessoal e fizemos essa ponte aí de madeira, para passar moto. Antes, passou várias semanas sem ponte. É essencial isso aí, é o que liga os dois bairros; mas o prefeito não liga, as autoridades não ligam. Quando ele veio, veio com um monte, veio o secretário de obras. Não resolvam nada. E está ficando cada vez pior, o buraco está ficando maior. Depois de a gente reclamar, pedir, eles fizeram aquela pontezinha ali. Segundo o pessoal comentou, essa ponte foi avaliada em 7 mil Reais. O movimento da gente caiu. Não é só pra gente, mototáxi; caiu pra todo mundo. Antes aqui tinha um movimento na rua, na feira. O rapaz aí até fechou a banca de peixe dele porque não tem pra quem vender. Ninguém vem mais por aqui. O rapaz que estava construindo a ponte disse pra mim que tem oito pontes que caíram pra serem reconstruídas, mas aí a Prefeitura joga pra cima do Governo, que o governador não liberou dinheiro pra Prefeitura. O povo tem que entender que a gente tem de se vingar deles no voto: quando chegar a eleição, a gente pega eles, os partidos que estão aliados com eles e ‘fode’ eles. A gente paga nossos impostos, a gente tem de exigir. Agora vá ver a fortuna que não vai sair uma ponte dessas. A empresa que trabalhava aqui derrubando a ponte ainda disse que ia parar a obra, porque a Prefeitura não pagava. Essa ponte aí foi feita pela gente, e aquele senhor na cadeira de rodas lá, ele, nós e as outras pessoas necessitam…

A PONTE DO 7 À ESPERA DO BOI VOAR

Quando o holandês Maurício de Nassau, em 1633, construiu a primeira grande ponte das Américas, em Recife, quando a construção da ponte emperrou, ele mesmo se pôs à frente da empresa. Para a inauguração, consta que João Maurício faria um boi voar sobre a ponte, e fez, usando roldanas em um boi de couro. Parece que na política manoniquim, os políticos querem fazer seu boi de canga voar, mas sem a ponte. A população diz que o boi dos políticos não alçará longo vôo e acabará afogado no Igarapé do 40.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.241.987 hits

Páginas

setembro 2007
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos