Arquivo para 25 de setembro de 2007

SÁBIA GENTE BRASILEIRA

? Fernando Henrique, comentando a posição de Hugo Chávez: “Hugo Chávez tem que ver que está se colocando em uma posição de muita intransigência, de muitas questões, e que algumas delas ferem a consciência democrática da região do Mercosul”.

? Posição do amigo de partido, senador Arthur Neto sobre o mesmo tema: “Não adianta ele pressionar com esse discurso atrasado e com esse cacoete de insultar parlamento para forçar a aprovação do ingresso do seu país no Mercosul, em marcha batida rumo a um regime ditatorial, o governo de Chávez não preenche o requisito da cláusula democrática a do tratado do Mercosul”.

? O jornalista Juca Kfouri da SPN e da Folha de São Paulo, explicando a um companheiro de equipe que fora comparado por um telespectador com Lúcia Hipólito: “É uma mulher inteligente, é da CBN, Veja, faz parte do quadro do programa do Jô ‘As meninas do Jô’”.

? “O voto aberto difere do fechado, porque o aberto expõe a pessoa à pressão do poder econômico, do poder político e de setores da mídia. Se faz fechado justamente para que isso não aconteça”, afirmou o senador Renan Calheiros.

? “Como a votação a favor da CPMF já estava a favor do governo, preferi me abster, como voto de protesto”, argumentou o deputado Clodovil.

? “Um monopólio acontece quando uma empresa detém a oferta de um produto ou serviço e controla o preço. Isso não vai acontecer aqui porque quem determina o preço da tarifa é a prefeitura, não a empresa”, afirmou o secretário do transporte coletivo Marcelo Ramos, protestando contra a liminar que suspendeu a licitação do sistema de transporte coletivo que viu no edital possibilidade de formação de monopólio.

? “Jornalismo na veia para editorial independente no sangue”. Slogan da BandNews.

? Propaganda do partido Democratas (sempre PFL) coloca ao final da vinheta o ex-deputado Pauderney Avelino com a frase: “É um novo partido, venha fazer parte!”.

? Presidente da CMM, Leonel Feitoza (PSDB) falou ao senador Efraim Moraes (DEM-PFL), na reunião do Interligs na casa: “Peço a sua ajuda, senador, porque o Amazonas é diferente de todos os outros estados brasileiros. Mas, acredito que a partir do momento que as câmaras municipais estiverem integradas poderemos oferecer os mais diversos cursos e assim melhorar a condição de vida do caboclo amazonense”.

? Governador Eduardo Braga não declara a quem apoiará na eleição do ano que vem e afirma que “até lá tem muita água para rolar”.

? Já na vinda de Lula a Manaus, o governador amazônida foi contundente: “Nós estamos aqui apenas para agradecer o muito que o governo federal tem feito e está fazendo por todos nós do Amazonas”.

? Presidente do IMTU, o comunista Marcelo Ramos, sobre a suspensão da licitação do transporte coletivo de Manaus, pelo MP: “Um monopólio acontece quando uma empresa detém a oferta de um produto ou serviço e controla o preço. Isso não vai acontecer aqui porque quem determina o preço da tarifa é a prefeitura, não a empresa”.

 

MANAUS – UM PASSEIO PELA NÃO-CIDADE

Em Manaus, os governos acreditam muito mais na força do marketing do que na potência de agir das pessoas. Eles não sabem o que é uma cidade. Confundem cidade com aglomeração, chamam de cidade, comunidade, apenas uma aglutinação de pessoas no gerir seus interesses particulares, quase sempre patologizados pela subjetividade capitalística.

Uma cidade só pode existir como um organismo afetivo-afetante. Não se cria uma cidade. Ela é engendrada. Só há cidade quando a política surge como produção humana da coletividade, onde as potências se aglutinam numa potência-comunalidade, e os interesses são criados a partir dos acasos tomados pelas pessoas e tornados expressões de singularidades. Para tal, é necessário produzir condições para que as pessoas tomem a cidade como sua, no plano da razão, e passe a utilizar seus talentos na produção de outros modos de existir. Tal pode se dar nas mais diversas formas de expressão humanas, e quando tal ocorre, temos um período rico nas artes, nas ciências, na filosofia.

Infelizmente, não é o caso de Manaus. Tomada como abstração marketista, Manô não pode ser considerada cidade, no sentido que tomamos aqui. Não há por parte dos governos iniciativas políticas de publicidade (no sentido do acontecimento que se torna visível ao público pelos movimentos que engendra e pelas modificações que produz nos modos de existir das pessoas). Assim, torna-se difícil criar uma subjetividade mais afeita à produção de conexões afetivas que permitam às pessoas se posicionar no mundo e sentir como seu o espaço vivido, sentir que pertencem à cidade e que ela pertence a si, para além do microfascismo do amor do censor, que toma o si como cristalização dos ressentimentos e por isso precisa se apossar dos objetos para ter a ilusão do existir.

Não por acaso tem força em Manaus duas ocorrências, expressões desta subjetividade dura:

1) um re-sentimento esvaziado e produzido pela mídia e governos locais, travestido de “valorização cultural”, que prega o culto cego às produções locais, sem o olhar afetante pela razão. Toma-se o efeito pelas causas: é bom por que é de Manaus, por que é do Amazonas (o boi nestlecocacolizado, os artistas subservientes à força do dinheiro, a universidade-cadáver, são ilustrações). Movimento semelhante à valorização da cultura do Reich que se deu na Alemanha pós-1ª guerra, e que se tornou terreno fértil para a ascensão de Hitler, e de manifestações xenófobas, como as de preconceito contra os negros e judeus, que culminou no Holocausto. Fenômeno semelhante dá sinais em Manaus, em relação aos paraenses. Só teme o diferente aquele que desconhece a si.

2) A partir do momento que Manaus (ou qualquer outra não-cidade) não consegue produzir elementos corporais e incorporais que permitam às pessoas se posicionarem no mundo a partir dos seus talentos, estas pessoas estabelecem uma relação de alheamento com o seu entorno. O filósofo do engajamento estético-político, Sartre, explica como construímos nosso entorno e nosso próprio existir a partir das relações que estabelecemos com os objetos. Assim, quando nosso ambiente é pobre de possibilidades de construções subjetivas-coletivas, é natural que não consigamos estabelecer vínculos afetivos com a cidade. Não há então comunidade, e o direito natural (guerra) se fortalece. Cada um é inimigo potencial. Situações como a banalidade da violência, o descuido das pessoas para com os locais onde vive (o jogar dos resíduos do consumo nas ruas e igarapés, por ilustração), o estado de confronto generalizado entre professores e alunos nas escolas, a inépcia redundante da mídia local, a mercantilização da saúde, a proliferação das igrejas apocalípticas, são sintomas da impossibilidade de estabelecer conexões afetivas-afetantes nesse modo de existência que são engendrados pelos governos, anteriores e atuais.

E como, contra a estupidez que é produto da ignorância, somente o conhecimento como linha afetiva-constitutiva pode constituir modos de resistência, este bloguinho inicia hoje uma outra coluna, “Manaus- Um Passeio Pela Não-Cidade”, onde coloca situações cotidianas da Manô (vale também a RMM – Região Metropolitana) em uma outra perspectiva, diferente da oficial, e convida o leitor intempestivo a produzir outros entendimentos acerca do que se quer estabelecer como realidade social em Manaus.

O leitor intempestivo pode participar produzindo textualizações ou imagens fotográficas sobre alguma situação que existe ou que ocorreu em Manaus, e compartilhar com os afinados, através do emeio.

RODA MORTA DIANTE DE MANO BROWN

O líder… Opa! “Vamos parar por aí, não sou líder de ninguém”, foi a resposta a um dos pífios entrevistadores ao rapper Mano Brown, dos Racionais MC’s no programa Roda Viva, da Tv Cultura. E por aí saiu desmanchando rapidamente as rotulações que lhe tentaram impingir de todos os mesmos lados. Apesar de em certos momentos o programa até parecer ameno, conforme o próprio Brown, uma guerra de linguagens estava instalada, quando lhe questionavam o apoio dado a Lula, e com argumentos lúcidos, o rapper afirmou que gosta de Lula, votou nele e o apóia, sempre dando exemplos práticos de melhorias político-sociais no Brasil, e falou de sua decepção em ver Marta Suplicy perder a prefeitura de São Paulo. Ao se referir aos candidatos tucanos, apenas debochou ironicamente, sem sequer perder tempo citando nomes. Ao criticar as elites brasileiras, deu como exemplo a educação cubana, e o retardamento de José Nêumanne quis interferir para dizer que Mano não poderia citar Cuba, por ter um ditador há 40 anos. Então levou uma aula de todo o processo cubano de libertação e sua luta por permanecer independente por todos estes anos e valorizar o homem e não o capital. Foi aí que o medíocre mediador atucanado Paulo Markun, demonstrando toda a sua capacidade de entendimento, perguntou rasteiramente se Brown era um socialista, daqueles que acreditavam em igualdade para todos. Ele afirmou luta pessoal e falou de várias pessoas que vieram antes e outras que estão próximas a ele tentando fazer um trabalho fora do mundo político corrompido e distantes da mídia trapaceira. Ao ser questionado sobre a pirataria, referiu-se aos pirateadores, carinhosamente como os trata: “Vocês são a minha rádio”. Ainda deu pra Maria Rita Kehl dizer que não entendia quando ele dizia não ter nenhum discurso. Mano Brown então derrubou o rótulo de pessoa fechada, séria; com sensibilidade, deu exemplos simples que ridicularizaram a falsa intelectualidade dos presentes, como cuidar de si e dos que estão próximos e de ter atitude diante de tudo que ocorre a sua volta.

Diante de tanta mediocridade, talvez Mano Brown não queira mais conceder entrevista, já que ele é conhecido por se manter, com toda razão, longe da mídia. Para quem assistiu, serviu para constatar mais uma vez a decadência da midiotização televisiva, mas principalmente para perceber a autenticidade e engajamento com questões sociais, políticas, existenciais de manifestações que surgem nos subúrbios, nas periferias, como o Rap e o Hip-Hop.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.245.529 hits

Páginas

setembro 2007
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos