ENCONTROS CASUAIS

! Era uma vez uma cidade em que existia um colunista social muito famoso e respeitado. Sua fama devia-se ao fato de possuir um talento invejável de transformar qualquer pessoa em personagem célebre e acima de qualquer suspeita. Contanto que tivesse dinheiro, é claro. A esposa do desembargador, o maior machado, era apresentada por ele como a mais pura e fiel mulher. Uma santa. O empresário do ramo eletro-eletrônico, um enrustido, era mostrado como o comelhão. O metro-macho da parada glamourosa. O cirurgião exibicionista, que fora um péssimo acadêmico de medicina e que se sabia não saber cortar um fio de pentelho, era o mãos milagrosas. E assim desfilava sua verve adjetivante em suas colunas e programas de TV, sempre elevando aos píncaros do high society aqueles que lhe interessavam. Um verdadeiro mundo de mentiras sociais. Certo dia, tendo sofrido um grave acidente e perdido os sentidos, fora levado a um hospital particular que em suas colunas aparecia como o templo do staf da medicina, para ser submetido a uma cirurgia de urgência. Estando sendo preparado para o início do ato cirúrgico, acordou e viu aquele que ia lhe operar: o médico mãos milagrosas. Foi sua última imagem.

!! Era uma vez um país em que havia um senador venal, crápula, corrupto e canalha. Entretanto, era tido como um justo. Certa vez, viajando feliz em um avião, se viu sentado ao lado de um jornalista. Engataram um papo e o jornalista aproveitou para entrevistá-lo. Ligou o gravador e pronto. De repente o avião começou a perder altitude, bateu um desespero total, ele gritou para o jornalista que ia morrer e precisava contar sua vida para entrar limpo no céu. O jornalista, também desesperado, se agarrou a ele, contou sua vida de lambaio do jornalismo de mercado. O avião foi caindo, caindo, caindo e… novamente alcançou altitude. Passado o susto, eles sorriram, e o senador pediu para o jornalista apagar o que havia gravado. E os dois ficaram como eram antes. Consumado o trauma, ele resolveu novamente pegar um avião. Ao seu lado sentou um rapeiro, solfejando um novo rap ao mesmo tempo que gravava. O avião trepidou, desgovernou-se de banda, perdeu altitude, e o senador agarrou-se no rapeiro e gritou que precisava se confessar. Mandou bronca. Disse que era corrupto, enriquecera junto com outros parlamentares e executivos com uma quadrilha que assaltava os cofres públicos, falou o nome de todos, os números dos processos fraudados, lavaram dinheiro, grilaram a Amazônia, contrabandearam ouro, pedras preciosas, mulheres, crianças… E o avião foi caindo, caindo, caindo e… desapareceu no mar. O rap, com sua experiência de rua, conseguiu abrir uma porta do avião, salvando a si e outros passageiros, só o senador não boiou. Dias depois, em casa, lembrou do gravador: estava tudo lá. Ligou para o editor da única revista respeitada do país, passou uma cópia e distribuiu na internet. Logo, o Hiper-Corpo do Ciber-Espaço estava contaminado com a gravação. Começou um movimento nacional e internacional para investigar os fatos e prender os facínoras. Não deu outra: com a pressão do povo nas ruas e as exigências internacionais, todos os culpados foram presos, condenados e a democracia se realizou, pela primeira vez, fora do discurso vazio.

!!! Saiu pela porta dos fundos da sua casa. Era madrugada. Iluminada por um tênue feixe de luz, viu uma corda pendurada em uma árvore. Olhou-a de sua ponta encostada no chão até a outra escondida pela copa da árvore. Era o infinito. Pensou ser a corda que os filhos brincavam com o balanço feito com um velho pneu. Mas onde estava o pneu agora? Dominado pela magia da corda que escondia o seu fim, decidiu subir na árvore por ela. chegando ao galho mais alto, notou que a corda continuava. Subiu…

…um homem descia pela corda e dizia que queria ver o mundo por dentro, queria conhcê-lo interiormente para depois ir ao fora. Gritava: queria implodir o mundo.

…continuou subindo. viu um país suspenso, onde todos choravam e se lamentavam da estupida existência que tinham. Quis descer. Não deixaram. Diziam-lhe que ficasse ali e, se possivel, continuasse a subir. Todos os governantes naquele pais jamais tinham amado, jamais amariam e jamais tinham sido amados. Viviam em uma tirania. A prova era eles e a cidade: uma completava a tristeza do outro. a alegria era proibida naquele país.

…decidiu continuar. Mais no alto, encontrou um reino onde todos viviam mudos, mas de sorrisos.

!!!! Ganhou prêmio de poesia quando estava na quarta-série – “À minha querida professora” era o título. Nunca brigou com o irmão. Sempre respeitou as leis de trânsito. Sempre produtivo. Não bebia, não fumava. Amor só de mãe, sexo só com a esposa. Multicampeão do “funcionário do Mês” da empresa. Unhas cortadas, cabelo impecável, sorriso de comercial de creme dental. Mandava flores, não esquecia o aniversário de casamento, chorava nos filmes românticos, selinho na esposa, meu amor, não esquece que te amo. Votava sempre na situação, não gostava de confusão, nem de oposição. Um dia, sentado num banco de praça, viu um pássaro, que olhou pra ele. Os dois se olhavam, e o pássaro não desviou o olhar. Ele levantou, tentou sair, o pássaro o seguia, pousava e encarava. Tentou ignorar o bicho e não conseguiu. Começou a sentir um calor na nuca, que foi subindo, subindo, subindo, até que ele desmaiou. Quando acordou, o pássaro subiu no seu peito, olhou, assobiou, cagou e levantou vôo. Levantou-se, e foi pra casa, tonto. E nunca mais foi o mesmo.

!!!!! Era encarregado de ligar uma gigantesca máquina, a qual somente ele conhecia a combinação de botões pra fazer funcionar. Todos os dias levantava cedo, e chegando ao trabalho digitava a combinação. Após um pisca-pisca, muita fumaça e uma sirene, a máquina ronronava como um motor de carro bem azeitado. Então ele ficava, até o final do dia, ao lado dela, quando desligava, com a mesma combinação, e ia pra casa. Os anos passaram e ele sempre naquele trabalho. Nunca viu seu chefe, nem perguntou pra que servia a máquina, mas morria de medo de esquecer a combinação, tinha pesadelos com a máquina parando de repente de funcionar. Um dia, recebeu uma carta: fora promovido, iria agora supervisionar trabalhadores de uma outra área da cidade. No último dia no velho posto, olhou a máquina, digitou a combinação e olhou fixamente para ela. Abraçou-a, beijou o painel onde diariamente colocava sua impressão digital, murmurou: “não”. No final do dia, outro abraço e beijo molhado, passou lascivamente a mão em um cano que saía próximo à uma engrenagem, e falou, sorrindo: “até amanhã”. No dia seguinte, levantou-se, vestiu-se e tomou o velho caminho.

0 Responses to “ENCONTROS CASUAIS”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.244.824 hits

Páginas

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: