DURA LEX CONTRA A ‘PIRATEAÇÃO’

O nómos, em sua coletividade, o que faz uma potência ativa perseverar em seu ser, nunca separa os homens — a falsa sentença “a minha liberdade acaba onde começa a do outro” —, ao invés disso, a partir de suas singularidades aproxima-lhes pela razão, formando uma potência única, superior, democrática. Ao contrário, a lei moral opera pelo medo imposto a uns e o privilégio concedido a outros — a minha liberdade começa onde acaba a do outro —, deixa de ser nómos e passa a ser tiranomia. A lei do tirano. Dura lei.

Quando vereador Braz Silva (PSDC), líder do prefeito na Câmara Municipal de Manaus,defende enfaticamente “uma posição séria por parte da Policia Civil e Militar” para coibir a pirataria de CD’s e DVD’s em Manaus está apenas repetindo inadvertidamente o enunciado romano DURA LEX, SED LEX <“a lei é dura, mas é a lei”> própria dos estados autoritários, tirânicos, onde não se observa com o entendimento, enquanto “modo infinito do atributo pensamento” (Spinoza), a linha dura do estado de coisas atual, rígido; não vendo, portanto, as criações comunitárias para escapar em linhas flexíveis e linhas de fuga, verdadeiros cortes epistemológicos e existenciais.

UMA ESTRATIFICAÇÃO ECONÔMICA

A partir da Indústria Cultural inserem-se pelo menos três estratificações: a primeira diz respeito à velha dominação econômica; o povo que não pode pagar pela música que é dele, feita para ele, como diz Marilene Felinto num texto do qual pirateamos abaixo um trecho. Mas com a pirataria o povo pode armazenar mais de 500 músicas em formato mp3 em um único DVD.

Aos ditos artistas bem situados no mercado, que passam os finais de semana em gugus e faustões, é que interessa o fim da pirataria. Zezé di Camargo, que saiu das plantações de verduras para as fazendas milionárias de gado, é contra a pirataria. Roberto Carlos, sua majestade da mágoa/ressentimento/dor na natalina noite globólica, também é contra. Calypso sabe que Jô não a quererá vê-la mais que uma noite ao ano, mas Joelma e Chimbinha também não o querem, é no meio do povo que sobrevivem, por isso saíram direto do estúdio e foram levar seu último CD para os camelôs “fazerem o que bem entenderem”.

UMA ESTRATIFICAÇÃO DOS AFETOS

Associada à econômica está a serialização das formas de sentir. Phillips e Ivete Sangalo, tudo a ver com os cansados. A Indústria Cultural pretende controlar os gostos. Aí, principalmente a pirateação caseira via internet — será que alguém mandará algum dia a polícia vasculhar de casa em casa quando os pobres tiverem computador como hoje têm televisão — ajuda na explosão das possibilidades de escolha, fazendo fugir das prisões dos sentidos. Sem a pirateação na rede, como alguém que nunca saiu de Manaus conheceria o mineiro Sirlan, que gravou um único disco, no qual todas as músicas foram censuradas pela ditadura militar; ou a sensibilidade de Paulo André e Rui Barata, ali no Pará; ou a paraibana Cátia de França e sua poiésis sonora social; e o bumba-meu-boi de Papete, então?

Hoje, é possível assistir ao documentário Sicko, de Michael Moore, que trata do sistema de saúde norte-americano, no mesmo dia em que estreou nos cinemas dos EUA (clique aqui para baixar). Ajuda-nos a perceber e intervir no nosso. Em Manaus, jamais o assistiríamos, pois que não vem via Hollywood. Blow-up, de Michelângelo Antonioni, quantos não o viram não por desentendimento kinemasófico, como querem os preconceituosos, mas porque não podem comprá-lo. Um pacote com cinco películas de Almodóvar, então?

UMA ESTRATIFICAÇÃO DISCIPLINAR

Será que Braz não viu nada disso? Apenas obedeceu e repetiu as palavras de ordem da Indústria Cultural, das multinacionais, do empresariado local, sem observar bem a situação em sua totalidade, levando adiante a velha fórmula disciplinar. Mas o empresariado local e Braz estão preocupados somente com os pequenos vendedores das ruas, das praças, que inventam novas formas de trabalho. Uma fábrica vai fechar por causa da pirataria. Mas quantos empregos não se fizeram por causa da pirataria. Mas a fábrica é mais importante para o fortalecimento da Zona Franca de Manaus. Mas se a ZFM já era flácida antes do povo manoniquim saber sequer que existiria um aparelho chamado computador. De modo que o mais importante acaba sendo a manutenção da exploração generalizada do trabalhador nas fábricas do PIM.

Enquanto Lula já foi até acusado de ter visto cópia pirata de filme, que por sinal nem valia a pena; enquanto o ministro da cultura, Gilberto Gil, vai percebendo que a questão da pirataria deve passar por um debate que envolve toda uma nova concepção de leis que devem ser modificadas, inventos tecnológicos, novas formas de pensar, há quem venha apoiar a utilização truculenta da polícia. Há algo na pirateação que esses não querem ver: ela mostra o quão barato poderiam ser os produtos culturais.

Para Braz, que é metido a ironias, damo-lhe forças:

Vereador, sua luta é grande. Boa Sorte!

 

CÓPIA DE LIVRO E PIRATARIA – TUDO DIREITO

Marilene Felinto

(…)

O abalo sofrido hoje pela obra (artística ou intelectual) é de outra natureza. A massa não se interessa pela obra original como fetiche, como objeto de culto ou instrumento mágico. Pouco importa à massa se a cópia pirata do CD não tem a capa original. A música toca com a mesma autenticidade, e muito mais barata. É a sociedade de consumo cavando na marra o direito de acesso ao que é caro. O discurso asséptico embutido nas ações de combate à pirataria no país – o de que a produção pirata teria vinculação com o crime organizado e que extinguiria empregos – é hipócrita e esconde coisa pior. Esconde que a propaganda de massa é que é a grande incentivadora da pirataria. A indústria cultural – da massificação propagandística da arte – dos países capitalistas está chafurdando em seu próprio excesso: a pirataria de CDs, softwares, roupas e outros produtos industrializados (e de grife) em geral é o vômito da indústria cultural e de sua propaganda feroz.

O consumidor da cópia de livros como ferramenta educacional e de acesso ao conhecimento, entre uma população que não tem poder aquisitivo para comprar livros; e o consumidor da camisa ou do par de tênis piratas são personagens do mesmo processo de mudança nas condições de produção e distribuição da mercadoria. A era da eletrônica vem democratizando ironicamente o poder de ação que se tem hoje sobre esses processos (como não tinham os homens de antigamente).

Atenção para o fato de serem os jovens os maiores consumidores de produtos pirateados no Brasil hoje. Isso é sintomático de quê? De algum ideal socialista ou da voracidade de consumir (venha como vier a mercadoria a ser consumida)? Se formos bons (e eu não sou), diremos que é sintoma de uma desobediência saudável, de uma janela entreaberta no alheamento, de uma revolta (ainda que inconsciente) contra a preservação do monopólio do capital (privilégio de apenas uns poucos), contra a concentração de bens, de renda, de saberes e de prazeres. (Leia e faça a pirateação aqui)

Marilene Felinto é escritora e jornalista.

Artigo publicado na seção Desaviso, na Revista Caros Amigos – Ano X, número 109, Abril 2006.

3 Responses to “DURA LEX CONTRA A ‘PIRATEAÇÃO’”


  1. 1 Elsa quinta-feira, 5 junho, 2008 às 10:59 am

    Eu gosto dos produtos da DURALEX ,tenho varios , voces fazer ele em divesas cores ;
    Quando voces lançaram aquele jogos de jantar na cor rosa
    eu não tive condição de comprar , e o mesmo já saiu de linha .
    Porque não relançar o mesmo , pois foi um dos mais bonitos
    da coleção de jogos de jantar.
    Aguardo resposta.
    Att:Elsa

  2. 2 afinsophia quinta-feira, 5 junho, 2008 às 3:21 pm

    Queridíssima Elsa, como é bom ter você como nossa cliente mais especial!!!

    Ficamos tão tristes porque não poderemos atender ao seu pedido. Acontece que a nossa linha DuraPink, que você se refere, esgotou-se. Foi um sucessaço, sabe? Graças a consumidoras de bom gosto, como você!

    Não sabemos nem mesmo se ainda existe por aí algum conjunto desta linha para venda. Não sabemos nem em que lugares do mundo foi pirateado, de tanto sucesso que fez.

    Que pena…

    Mas continue prestigiando a nossa marca que foi feita pra pessoas como você!

    Beijos e um excelente jantar!

    Equipe “Dura Lex Sed Lex”.
    (A Cozinha é dura, mas é cozinha!)


  1. 1 i iNDA TEM FRANÇÊiS Qi DiZ Qi A GENTi NUM SEMO SERO « Trackback em sábado, 21 junho, 2008 às 7:45 am

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.128 hits

Páginas

novembro 2007
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: