…E A VIOLA DE PAULINHO NÃO FOI ASSALTADA PELA COMOÇÃO MIDIÁTICA

Quando uma pessoa, dita celebridade, pela exposição midiática, sofre algum ato considerado pela mentalidade classe média como sendo de violência, a mídia, e sua interface “opinião pública” forjada pelo medo e total ausência de atividade racional, rapidamente explora/multiplica esse medo, levando aos espectadores classe média enviscados pela empatia imbecilizante o ensejo da covarde fuga das grandes cidades e a culpabilização de uma parte da sociedade, principalmente os pobres das favelas, produzidas em séculos de exploração e violação do estado de direito. Quando é um Luciano Huck, a debulhar seu ressentimento por ter tido roubado seu rolex de ouro, quando o próprio (dito filósofo) Renato Janine, comovido com a morte do garoto João Hélio, chega a defender a pena de morte, aí fica fácil para a mídia seqüelada exigir medidas precipitadas, como a redução da maioridade penal ou a pena capital. Com Paulinho da Viola é diferente. Percebe-se o distanciamento brechtiano que o sambista operou, muito diferente do (des)entendimento da subjetividade classe média como foi recentemente analisada na música Classe Média, de Max Gonzaga, que a compôs para a revista Carta Capital , ao falar do assalto que ele e sua esposa, Lila Rabello, sofreram no domingo: “O que me espanta é que eu não tive nada. Dormi muito bem na noite seguinte”. Muito diferente da atitude da atriz globólica Helena Rinaldi, que, ao ter no mesmo dia seu carro alvejado por tiros, apela até para um estatuto de cidadania com foros de privilégio: “É um absurdo que paguemos impostos altos e não tenhamos segurança suficiente para impedir esta violência que está em todo lugar e já está sendo banalizada pela sociedade. Se eu não tivesse um carro blindado, privilégio de poucos no País por causa do alto custo desta vantagem, eu poderia nem estar aqui agora”.

O sambista é conhecido, além do seu talento musical, com seu timbre e voz suavedoces, pelo comportamento “tranqüilo”. Nem sempre tranqüilidade significa serenidade; na maioria dos casos, quando ela ocorre por uma situação estável no status quo capitalístico, é apenas aparência decorrente da ilusão de segurança a partir dos objetos que se detém e de um controle emocional forçado pelos narcóticos (não a cocaína, o êxtase, mas a alta roda, as festas narcísicas, etc), que o rodeiam e o dominam quando usados para dissipação da realidade. Nestes casos, rapidamente a tranqüilidade dos controlados se amostra em ressentimento e a reprodução exaustiva da violência, prato cheio e recheado de estardalhaços biliosos para a mídia sensacionalista. Ao contrário disso, desta vez a mídia carniceira não deu sorte, Paulinho da Viola não é tranqüilo, carrega também a serenidade de não se deixar envolver pela emotividade momentânea e não aumentar o bolo na garganta dos homicidas potenciais e nem a sanha de modificação das leis pelas bancadas da direitaça macrofascista.

Por esta tomada de posição, percebe-se que a linha que se flexibiliza e faz ruptura com a mediocridade bairrista, a mesma que o levou a compor uma música como Sinal Fechado, de 1969, que o fazia ver naquele momento que existiam outras ditaduras, além da militar, para resistir: a ditadura da pressa, da comodidade, da dificuldade de comunicação nos personagens da classe média que se encontram em um sinal de trânsito, por isso ele continua fraterno e sem deixar seu samba/vida corromper. Portanto, de Paulinho da Viola nunca se diga que é um homem tranqüilo, passivo, mas um homem/artista sereno que resiste na sua música, na sua posição existencial.

Sinal Fechado

Olá, como vai
Eu vou indo e você, tudo bem?
Tudo bem, eu vou indo, correndo
Pegar meu lugar no futuro, e você?
Tudo bem, eu vou indo em busca
De um sono tranqüilo, quem sabe?
Quanto tempo…

Pois é, quanto tempo…
Me perdoe a pressa
É a alma dos nossos negócios…
Qual, não tem de que
Eu também só ando a cem
Quando é que você telefona?
Precisamos nos ver por aí
Pra semana, prometo, talvez
Nos vejamos, quem sabe?

Quanto tempo…
Pois é, quanto tempo…
Tanto coisa que eu tinha a dizer
Mas eu sumi na poeira das ruas
Eu também tenho algo a dizer
Mas me foge a lembrança
Por favor, telefone, eu preciso
Beber alguma coisa rapidamente
Pra semana…

O sinal…
Eu procuro você…
Vai abrir!!! Vai abrir!!!

Eu prometo, não esqueço, não esqueço
Por favor, não esqueça

Adeus… Adeus…

(Para ouvir, clique aqui)

0 Responses to “…E A VIOLA DE PAULINHO NÃO FOI ASSALTADA PELA COMOÇÃO MIDIÁTICA”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.244.536 hits

Páginas

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: