FERNANDO HENRIQUE: SETE LÍNGUAS, NENHUMA VOZ

Uma voz é uma práxis humana constituída essencialmente de elementos fisiológicos, sociais, psicológicos e intelectivos, cujas particularidades lingüísticas encontram-se em seu discurso construído por enunciados diversificados. É sempre uma expressão realizada em um conteúdo expresso. Seja uma voz particular, de um indivíduo; ou, uma voz geral, de um povo, é sempre produto da experiência social, a materialização da língua como instituição social.  No caso propriamente da língua instituição social, de onde a voz salta, pode-se encontrar duas unidades políticas sociais,  pragmáticas, rigidamente definidas. A língua como unidade padrão significada em uma semiótica dividida em três enunciados  de ordens que são: selecionadora — escolhe o que lhe é necessário por sua semelhança; classificadora — estabelece valores, e; hierarquizadora — determina posição. Estes enunciados de ordens se encontram em todo regime de signos como unidade lingüística dominante, como no caso do capitalismo. O modelo lingüístico despótico. A outro unidade é a que se chama de regime lingüístico de classe: toda voz é construída em uma classe social definida arquitetada principalmente por seus elementos econômicos. Desta forma, entende-se que a voz e a língua sintetizam a pragmática semiótica como manifestação semiótica de enunciação social significada.

O SETE LÍNGUAS

Fernando Henrique, em sua peculiar bazófia/invejosa, que o revela um exímio sabotador da velhice, afirma falar sete línguas e Lula nenhuma. Pelos meandros lingüísticos acima denotados e conotados, infere-se muito bem quais são as sete línguas orgulhos do sabotar da velhice: a semiótica dominante com seu regime de signos paranóicos — aquele que anuncia uma voz de comando paranóico, invariância de significados. A ecolalia: um significante saltando a outro significante formando a cadeia da redundância lingüística capitalística. O português que ele fala é o mesmo inglês, francês, italiano, etc, três construídos com as estruturas sígnicas do sistema capitalista. Logo, o sabotador da velhice não fala nenhuma língua. Para falar uma língua neste sistema teria que ser democrata. O que não é. Daí não possuir voz, pois a voz para deixar de ser apenas um instrumento sonora de reprodução de signos já estabelecidos em um sistema dominante definido, ela precisa ser uma enunciação de minoria, um dialeto dentro ou nas bordas da prepotente língua padrão. Tem que se tornar uma linha disjuntiva, uma variação, um devir-louco, a potência constitutiva do novo como democracia. A univocidade política do que se chama povo. E quem percorre, tece essa rede unívoca/democrática em alternações de forças/amigas? Quem faz ouvir esta voz? Lula! É lula que em suas viagens internacionais consegue, no meio da semiótica dominante, compor com dialetos democráticos locais que escapam de tal regime de signos. Sua inteligência, produto de suas experiências diretas com homens reais, lhe permitiu compreender que em um sistema despótico não pode existir democracia, só mesmo como figura de retórica à lá Fernando e Bush. O Sapo Barbudo compreendeu que a democracia é o outsider, o maldito, o estranho do capitalismo imperial decadente. Irmanado com o filósofo Nietzsche, compreendeu que a filologia não é a ciência das línguas, mas acima de tudo, arte de interpretar realidades para transformá-la. E aí também irmanou-se com Marx. Tudo que a insuficiência intelectual do sabotador da velhice não compreende. Por tal e qual, este sabotador é um deplorável (deplorável porque quanto mais democrata melhor para o mundo) confirmador das duas unidades políticas — sócias, pragmáticas: seleciona o mal, classifica a inveja, e hierarquiza a ambição; conceitos produzidos em suas experiências com homens abstratos da classe média. Por isso, no ocaso de sua mudez, o sabotador da velhice, comete as duas piores vilanias que um sujeito pode cometer contra si mesmo: uma, se auto elogiar, revelando o quanto se sente inferior a outro que toma como objeto de sua inveja, no seu caso psicanalítico, Lula; outra, precisar dos aplausos de alguém para se iludir com a alegoria das palmas que é necessário para a política nacional, no seu caso bufonado, o senador ecolálico, Arthur Neto.  No mais, a bazófia invejosa de suas sete línguas só serve para asseverar, que embora tenha se deslocado no espaço perceptivo, jamais saiu do lugar, simplesmente por ser desprovido de voz. E nessa denegação ontológica, não ouviu a democracia, portanto, não pode pensar democraticamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.242.079 hits

Páginas

fevereiro 2008
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
242526272829  

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: