BRECHT E OS 4000 MORTOS

EU, AMÉRICA

Faz-se a guerra e vai-se à guerra por motivos vários, os principais são patológicos.  A teoria expansionista sempre foi um sintoma patológico. Alguns, geo-econômico-ideológicos, outros, geo-econômico-teológicos, de qualquer sorte, sempre patológicos. Patológico, porque a lógica do nascer para viver é interditada com pela tara da eliminação culturalmente cultuada. Nisto mostra a supremacia dos impulsos tanáticos esquizo-paranóides sobre a razão. Todos os argumentos usados para a realização da guerra são sempre irracionais: saem sempre destas ordens entrópicas supersticiosas onde os impulsos paranóicos lançados na superfície impedem o aparecimento da razão. Não precisa ser um piegas cristão para perceber como estes homens e mulheres das guerras estão arrolados em suas patologias que as querem coletivas. “As guerras são feitas por sociedades!”, exclamam com o propósito de implicar os povos em seus desejos cruéis. Seus enunciados carregados de signos libertatórios e democráticos diante de seus atos irracionais, movidos por suas patologias, revelam a dimensão de suas vivências entrelaçadas com os outros, seus semelhantes: a impossibilidade de ter o outro como parceiro de uma jornada ontológica. O medo travestido de coragem. O medo de repetir a dor que sofreram em suas existências passadas que interditaram suas potências. A dor no outro é sempre seu medo alucinado no social: a patologia da guerra.

Homens e mulheres fazem a guerra nos territórios bélicos. As potências exercitam suas armas de precisão: as armas inteligentes. Homens e mulheres vão à guerra como profissionais das forças armadas, outros vão por razões financeiras: garantir um salário. São os recrutados que vendem sua força de trabalho bélico com o pensamento no ganho futuro. Os Estados Unidos da América sempre alimentaram o sonho da democracia política econômica, mas nunca conseguiram criar uma sociedade em que seus filhos não precisassem vender seus corpos em uma guerra. São seus excedentes econômicos prontos para serem recrutados no momento em que a patologia de um grupo se manifestar com precisão. O que sempre ocorre. Desde que se tornou potência imperialista, os Estados Unidos nunca passaram sem realizar uma guerra. A compulsão bélica-econômica expansionista. Agora, manifestada latentemente, é a vez do Tibet com culpa à China. A contagem do momento é a de 4000 mil americanos mortos (numericamente é pouco comparado com os iraquianos, os donos da casa, mortos entre militares e civis, principalmente crianças, mulheres e idosos) no Iraque. O líder do grupo, Bush, vem a público e diz que se responsabiliza, e os soldados continuarão no pais invadido e saqueado. Bush e Rice falam em liberdade e democracia. O mundo sabe: liberdade para seus impulsos sublimados em ambição econômica. Quem não vivenciou afetos construtores não pode viver a paz. A paz democrática é apenas um fenômeno acústico. O teatrólogo alemão Brecht, que viveu duas guerras, sabia desta patologia. Teve em seus calcanhares o não menos “humano demasiado humano” (Nietzsche), Hitler. Entre tantos escritos sobre as guerras, escreveu um poema retratando a pedagogia do aliciamento dos jovens para as guerras. Suas estratégias de doutrinação amparadas no niilismo mítico e místico. O que coloca a vítima mitificada-mistificada, seduzida, ajoelhada, diante de senhor sedutor, em nome de seus delírios. Na verdade simbiose: só há sedutor, porque há seduzível. O poema “Cantar de Mãe Alemã”, Bush, veste bem? É… Talvez. Foi composto em uma subjetividade Hitler. Bush é inferior em quase tudo a Hitler, só não, no ódio contra a humanidade. Assim, lhe veste bem o poema. Em verdade, o espírito de nossa época é sofrível. Como pode um Bush ser líder.

Cantar de Mãe Alemã

Meu filho, esse par de botas

E essa camisa marrom eu te dei

Mas teria antes me matado

Se soubesse o que hoje sei.

 

Meu filho, ao te ver erguer

A mão pra Hitler em saudação

Não sabia que o teu destino

Seria a própria danação.

 

Meu filho, ao te ouvir falar

De uma grande raça de heróis

Não sabia, não via nem pressentia

Que eras mais um algoz.

 

Meu filho, ao te ver marchar

Atrás do Hitler em corte

Não sabia que quem com ele partia

Nada acharia senão a morte.

 

Meu filho, tu dizias: a Alemanha

Em breve será motivo de assombro.

Eu não sabia que ela se tornaria

Um monte de cinzas e escombros.

 

Via a camisa marrom te vestir

Não me opor foi minha falha

Pois não sabia o que hoje sei:

Que ela era a tua mortalha.

(Tradução Paulo Cezar Souza).

0 Responses to “BRECHT E OS 4000 MORTOS”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.245.531 hits

Páginas

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: