O ‘BARATO’ QUE PREOCUPA À ONU NÃO DÁ BARATO (IV)

A COLONIZAÇÃO HOLOGRÁFICA DA AMAZÔNIA

Os narcóticos [do grego, ναρκωσις, narkosis] são vistos como substâncias que embotam a percepção, alterando os sentidos e reduzindo a sensibilidade, tornando os usuários dependentes e acarretando seqüelas físicas e emocionais. Mas é preciso estender o olhar a diferentes níveis de realidade. Primeiro que há uma diferença no uso de plantas naturais (como a coca e a maconha) nos Andes e no uso destas mesmas plantas, ou quimicamente alteradas, nas grandes cidades. Não é a mesma planta, há variações subjetivas subjacentes. Em toda a zona rural da América do Sul, começa-se a “coquear” na infância para burlar a fome, o frio, a altitude, a fadiga no trabalho. As desigualdades sociais, a miséria, a fome também levam crianças a cheirar cola em vielas de Manaus. Mas há distinções fundamentais. Ainda hoje, o hábito de mascar a folha da maconha e do ipadu é comum nos interiores do Amazonas, mas aí não se encontram viciados (no sentido policialesco), salvo quando já introjetadas as subjetivações desurbanizadas. Esse é na verdade o momento em que plantas naturais como a coca e a maconha saem da linha contínua que passa pelo ritual sagrado, pela medicina popular, pela expansão perceptiva, pela terapêutica natural, passando a ser utilizadas como narcótico. Efeitos de toda a ordem do Capitalismo Mundial Integrado (CMI), do qual fala Guattari. Os índios só se tornam alcoólatras depois que se tornaram índios e deixaram de mascar a coca, tomar o caxiri, a caiçuma, o aluá. Além da gripe e da malária, a civilização trouxe-lhes a etiqueta de como beber com ódio ou medo. Hoje o velho índio bebe o caxiri nas ruas de São Gabriel da Cachoeira numa relação com a civilização degradante, bebe porque precisa ir até o limite para suportar a dor do massacre que continua.

Mas há outras formas de narcose disseminadas. A distância do poder constituído, que aboliu violentamente o estado natural de guerra (Spinoza), mas reluta em preservar um estado civil, instaura a dependência não somente a drogas, mas primeiramente ao poder. Narcose, necrose pelo saber-poder. O poder sempre é um saber, e vice-versa (Foucault). Se no vilarejo de Iauaretê, os índios de todas as idades permanecem embriagados, entediados, sem perspectivas, que trabalho foi esse realizado pelo INPA, ISA, USP, UFRJ, o premiado IPCC, Pierre Clastre, Viveiros de Castro, um batalhão de bolsistas-carregadores-de-bolsa, mestres-amestrados, doutores-feitores, cada qual levando a sua parte em cifras e canudos? O que fizeram realmente para a população de Iauaretê? Não digamos “nada”, pois que um vazio, uma simulação, no sentido de Baudrillard, passa na verdade por uma fabricação de uma uma hiper-realidade. Aventureiros de toda a parte do Brasil e do mundo continuam a aportar na Amazônia. A colonização continua. Não são nem a sombra da sombra dos antigos colonizadores, mas são tão ou mais perversos do que os que traziam a cruz e a espada. E agora já se acrescenta a primeira turma de mestrado em Antropologia Social no buraco-negro Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Se se perseguir essa linha dura, a única diferença será que não precisaremos que venham fazer o simulacro: nós o manteremos e o aperfeiçoaremos. É só dá uma olhada na lista de professores: praticamente na totalidade do sul/sudeste. Mas não cultuemos preconceitos regionais, a questão é que em todos esses anos o trabalho dos mesmos se reduziu à inútil produção de um amontoado de teses (sem produção do novo), livros, álbuns, catálogos, conferências. Museus do etnocídio. E quando Lula foi a São Gabriel, os índios fizeram questão de ter uma conversa a sós com ele, para falar de problemas de saúde, de educação, de trabalho, saneamento básico, etc, o que não conseguiram discutir em todos estes anos num plano lógico-racional com os especialistas-turistas. Por isso, quando o professor Alfredo Wagner faz na aula inaugural uma antropologia do conceito de Amazônia, nem desconfia que na verdade está trabalhando com uma imagem holográfica. Zero de real. Nem uma palavra que não fosse imaginação, ficção, quimera. O PAC, do Governo Federal, é uma tentativa de restituir um pouco de real, como diria Sartre, não como sofrimento na realidade objetiva, mas como construção do próprio destino.

Talvez salte aos obstáculos do olhar escotomizado SP/RIO—>MANAUS—>INTERIOR. Talvez se abra à percepção da formação da holografia amazônica, para fragmentá-la, tornando possível aos chamados indígenas usarem alguma substância alucinógena como forma da preservação do ser de sua natureza.

Clique aqui para acessar os outros textos do Barato da ONU.

0 Responses to “O ‘BARATO’ QUE PREOCUPA À ONU NÃO DÁ BARATO (IV)”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.023 hits

Páginas

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: