!!!!! O MUNDO É GAY !!!!!

!ROCK!ROCK!ROCK!!ROCK!ROCK!ROCK!!ROCK!ROCK!ROCK!

Uiiii, meninas! Tem coisa mais rock do que gay? Tem coisa mais gay do que rock? Aproveitando o dia mundial do Rock, esta colunéeeeeesima publica um texto daqui mesmo do Bloguinho, falando sobre o rock e suas linhas intensivas, buracos negros e intensidades-gays. Aproveitem, coloquem pra tocar o som que toca vocês, e mandem brasa!

Dizem as loucas roqueiras que há exatos 53 anos, o radialista americano Alan Freed, usou o termo “rock and roll” para nomear o ritmo tocado pelos negros americanos nos subúrbios, e que pelo seu jeito de dançar, “requebrando as cadeiras”, era ofensivo a boa família cristã-branca norte americana. Chuck Berry, Little Richards, Fats Domino, Wilson Pickett não podem rebolar, é feio? Jerry Lee Lewis é branco, ele pode? Não, ele é branco, mas casou com a prima de 13 anos, toca fogo no próprio piano e anda no meio dos negros, além disso é feio. De nada vale o conteúdo sem a embalagem, diz a regra de ouro do marketing americano, já nos anos 50 era raposa velha.

E logo “descobriram” uma embalagem bonita, com rebolado na medida certa para abalar os coraçõezinhos das donzelas da classe média. E surge o rei, Elvis Presley! Garoto de ouro! Vendeu o rebolado do rock como palatável à classe média, serviu o exército, fez propaganda para o governo, e virou ícone de uma América branca, simplória e reacionária. Morreu inchado, abandonado, depois da decadência, cantando velhos sucessos em ritmo de balada, mas continuando a encantar as agora ex-menininhas da classe média, senhoras casadas e de boa família. RRC (Rei Roberto Carlos, dizem, até hoje imita o jeito “Elvis” de ser. Bom, ao menos a época decadente…)

No rastro do Rei, a televisão abriu um espaço (a contragosto, inicialmente) para os roqueiros negros e outros brancos, como Carl Perkins, que inaugurou o visual bafo-do-dragão no rock, e que compunha a maior parte dos sucessos doRei”, e Bill Haley and The Comets, que tem no sucesso “Rock Around The Clock” o chamado marco inicial do roquenrol.

Enquanto isso, na Inglaterra, o rock pintava, com os mesmos velhos três acordes, mas os roqueiros ingleses, diferente dos americanos, fazem composições melódicas diretamente do blues, do rhythm and blues, alterando a freqüência dos acordes. O resultado é um rock mais “seco”, que virá a ser a base melódica do roquenrol posterior, principalmente com Beatles, Rolling Stones e David Bowie. Do lado americano, Iggy Pop com o som do bate-estacas da indústria da construção e automobilística da cidade de Detroit, e Lou Reed, que com seu parceiro John Cale, formam o conjunto The Velvet Underground, que faz experiências com sonoridades menos convencionais, piano, violino, sussurros, abrem outra vertente do rock.

Oroquenrol também se meteu com a política, e esta, como fazer do homem em coletividade, não poderia passar sem tocar nos acordes roqueiros. No festival de Woodstock, em 1969, Joan Baez e Bob Dylan, mais uma turma de artistas engajados, que contava ainda com Carlos Santana, cantavam e davam toques sobre a guerra no Vietnam, mas no mesmo palco, outros grandes artistas, nem tão engajados assim, desfilavam sua porra-louquice, com direito a hino norte-americano na guitarra dissonante de Jimmi Hendrix, e que foi vendido como rebeldia, mas que era na realidade, um apoio incauto do roqueiro ao governo reacionário de seu país. Mas o companheiro Hendrix, após um papo com os engajados, logo compreendeu a importância política da sua música, e passou a regravar músicas de Bob Dylan. E mesmo que a geração Woodstock tenha, anos depois, composto a geração yuppie, da classe média norte americana, reacionária e mais preocupada com o bolso do que com o mundo, ainda assim artistas como Bob Geldof, U2, REM, Radiohead, Neil Young, Tom Petty, Sinéad O´Connor dentre outros, continuam levando ao roquenrol o engajamento e os toques da política necessária à existência.

Mas mesmo com esse toque político, o roquenrol aparece muito mais como o ritmo que influencia a música internacional e impulsiona a indústria musical e fonográfica. Indústria que se torna carro chefe da invasão mercadológica anglo-americana. Invasão bárbara, como mostra o cinefilosofante italiano Ettore Scola, em sua película O Baile. Daí em diante, as décadas seguintes são tomadas pelas mais diversas vertentes do rock, desde o experimentalismo e aproximações com a música erudita de Pink Floyd, Yes e o chamado Rock Progressivo, até os marqueteados Ramones e Sex Pistols, com as variantes Punks dos mesmos três acordes, passando ainda pelo heavy metal de Led Zeppelin (fortemente tocado pelos bluesmen, principalmente Willie Dixon, Robert Johnson e Muddy Waters) e Black Sabbath. Houve ainda Frank Zappa, para muitos o mais virtuoso dos roqueiros, que fazia música com inteligência, humor e experimentação. Daí explodiram as embalagens: heavy, thrash, death, indie, post-punk, new wave, industrial, melódico, psicodélico, garage rock, gótico, emo, grunge, britpop, dentre outras centenas.

No Brasil o rock, quando chegou, já era a pasteurização da papa anglo-americana, com os boys da classe média Rio-São Paulo regravando paródias de Beatles, The Animals, Beach Boys e outros, aproveitando-se da defasagem que havia entre o lançamento dos discos na Europa/EUA e no Brasil. Por muito tempo se ouvia versões “abrasileiradas” de músicas dos Beatles (de longe os mais parodiados), antes dos originais chegarem às lojas, quando chegavam. Com exceção dos Secos & Molhados (que influenciaram, com sua indumentária e maquiagem, os norte-americanos do KISS) e Mutantes, o rock dos anos 60 e 70 no Brasil passou em branco, ainda que Raul Santos Seixas, nos intervalos das viagens, tenha dado alguns toques importantes, e que o STRESS paraense tenha inventado o thrash metal.

Dos anos 80 em diante, somente do rock de butique viveu o brasileiro, com exceção (e somente durante algum tempo) da banda Sepultura, que chegou a experimentar com os tambores do Candomblé, mas que se perdeu nas idas e vindas do mercado internacional. No mais, não há nada a dizer, nada a aproveitar, que não seja necessário somente ao mercado e à sobrevivência da MTV. No Brasil, da força afetante dos corpos dos negros americanos não restou nem a réstia.

Rock’n’roll é tão fabuloso, as pessoas deviam começar a morrer por ele. As pessoas simplesmente devem morrer pela música. As pessoas estão morrendo por tudo o mais, então por que não pela música? Morrer por ela. Não é bárbaro? Você não morreria por algo bárbaro? Talvez eu deva morrer. Além do mais, todos os grandes cantores de blues morreram. Mas a vida está ficando melhor agora. Não quero morrer. Quero?” (Lou Reed)

O grito do negro africano rompe a dor da escravidão e no seu canto blue força as linhas dos possíveis e leva a guitarra para os guetos americanos nas primeiras décadas so século XX, até os perceptos (novas percepções) musicais, acompanhados da dança desmistificante do corpo e das canções livres da ditadura do dizer, devolverem-na com Bill Halley and His Comets, o ex-trombadinha Chuck Berry e o “efeminado” Little Richard atualizada no Rock’n’Roll, para o desespero das mocinhas brancas da tradição protestante estadunidense que, para permanecer imóvel em seu apartheid, tachou-a de música do Diabo.

ARMADILHAS DE DEVIR-MÚSICA

Se o Diabo é o pai do Rock é porque ele é o imprevisível, o intempestivo, movimenta o ser, faz aparecer o Novo. Agora Rei do Rock, só se fosse um caboco de Candomblé, mas os empresários encontraram justamente um garoto branco que vinha dos guetos e aprendera a cantar e dançar com os negros e elegeram a ele, Elvis Presley, o rei do rock de mercado. E o mercado soube explorar o espectro do rei até mesmo depois que ele, não suportando, se autodestruiu.

Assim como era armadilha a alienação autodestrutiva da Juventude Transviada de James Dean. Outras linhas de atuação, após a 2ª Guerra, diante da Guerra Fria, precisavam ser criadas; então, no final dos anos 50, o Rock foi aceito pela moralidade discriminatória, já que havia uma crescente classe média negra “respeitável” pra se conquistar. Mas eis que no início de 60, ao som de gaita e violão, surge o denominado folk-rock de Bob Dylan e Joan Baez, que, nas batidas da balada compunham a crítica ácida ao sistema e o envolvimento político, juntando-se a Martin Luther King na sua marcha pelos direitos civis (1963), reunindo os norte-americanos contra a Guerra do Vietnã (1964-1975).

A novidade da década de 70 veio da Inglaterra, de onde apareceu o envolvimento do rock com outras artes, com outras musicalidades, inclusive com a chamada música erudita, ligando-os às investigações existenciais, sociais, econômicas, etc: Pink Floyd e seus, entre outros, The Dark Side of the Moon, Animals e The Wall.

Mas do outro lado do Pacífico, nessa década se consolidam também as experiências de Frank Zappa, que, conhecedor da chamada música contemporânea, levará ao rock a dodecafonia dos ruídos, da percussão, colagens…, o que, juntamente com suas idéias, deram-lhe rapidamente pela falsa-moral que teima em não se desmanchar, o título de “maldito”.

Vindo também da década de 60, o Velvet Underground, banda protegida pelo pintor Andy Warholl, apresentou um dos roqueiros mais lúcidos da história do rock: Lou Reed. Muitos o apontam como o precursor do Punk. Passando pelo álbum “The Haven”, de 2003, com músicas baseadas em contos de Edgar Allan Poe, ele continua em seu trabalho constante musical e na composição de letras que são publicadas também como livros de poesia.

E no Brasil? O rock chega no Brasil através de todos estes e outros, mas quando se cristaliza é apenas como redundância ou degeneração. Se o diabo é o pai do rock, que toque receberam Barão, Paralamas, Titãs, Raul, Legiões, Porões, que participam do mesmo olhar alienado do mundo de Faustão, MTV, João Gordo, etc? O que fica do Rock é a fortuna fácil e a entorpecência ilusória. Nada de experimentos perceptivos que nem puritanos-ressentidos-morais nem apologistas percebem. No Brasil, o rock é tão levado a sério que Roberto e Erasmo são considerados astros do rock’n’roll.

Ao menos pode-se dizer, como já saiu aqui nesse blog, que no norte temos o Stress paraense bom demais, que é considerado o introdutor do heavy-metal no Brasil e na América do Sul, além de serem os criadores do trash-metal.

Ui! E agora vamos ver outros sopros gayzísticos (ou não) que passaram no nosso Mundico!

Φ JUSTICA RECONHECE CASAMENTO SÓ PARA DESCASAR. A 5a Vara da Família de Santo Amaro, interior de São Paulo, reconheceu a união civil entre dois homens. Um deles, que saiu de casa depois de um relacionamento de três anos, resolveu entrar na justiça para ter direitos sobre a casa, que foi construída pelos dois. A juíza, para reconhecer o direito, primeiro concedeu a união para depois dissolvê-la. O companheiro que saiu de casa, alegando discussões e brigas insuportáveis, queria também uma indenização por danos morais. Não conseguiu. A decisão sobre a venda da casa e sobre os danos morais agora está no TJ/SP. Ai, meninos e meninas, é triste. Não adianta lutar pelo direito ao reconhecimento da união civil, o dito casamento, se for pra reproduzir os mesmos códigos dos casais burgueses héteros. Não adianta o romantismo decadente da família tradicional, o casamento (esse casamento) sempre foi uma instituição que serviu mais à consolidação do Estado do que ao desenvolvimento do relacionamento entre as pessoas. Daí, não adianta, se for pra repetir os mesmos clichês, é melhor ficar como está. De qualquer sorte, ao menos juridicamente, nos casos em que o amor conjugal se revelar um engôdo, há como recorrer. Cruuuuuzes! Foge disso, Izeldinha! Sentiu a brisa, Neném?

Φ PEGA FOGO A DISCUSSÃO SOBRE O PLC 122/06. Já falamos aqui sobre a pesquisa do Data Senado que mostrou a aprovação popular do PLC 122/06, a criminalização da homofobia. Esta semana, o projeto entrou em discussão na CAS (Comissão de Assuntos Sociais) do Senado.O principal ponto de discórdia é estabelecer o ato homofóbico (que pela nova lei, dará até 5 anos de prisão). Enquanto a relatora do projeto, a senadora Fátima Cleide (PT/RO), afirma que o projeto não cerceia a liberdade, mas garante a sua prática, inclusive na relação homoafetiva, a bancada evangélica (disangelista) é frontalmente contra, enquanto que entidade ditas cristãs, como a CPPC (Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos) são moderados, mas temem que a lei seja usada como “revanchismo”, segundo seu presidente, o psiquiatra Uriel Heckert. Duas coisas chamam a atenção em relação à falta de argumentos dos opositores, menos e mais moderados: primeiro, do lado dos apocalípticos, vale a frase freudiana, “toda estupidez é produto da repressão”. Pela lógica paulina, menos é mais. Quanto menos conhecimento, mais fiéis. Daí a necessidade de manter a ilusão da interdição bíblica ao homoerotismo (Davi e Salomão dão risinhos frouxos…), mantendo os fiéis na ignorância do próprio sexo, se apropriando do discurso da sexualidade do início do século XX. Os disangélicos recém descobriram Kinsey (e não o entenderam). Segundo, do lado dos ditos cristãos, a moderação se oculta no uso do termo tolerância. Enquanto não se desejar a diferença, a discriminação vai continuar. Tolerar supõe a existência de uma hierarquia, onde os superiores aceitam as falhas e imperfeições dos inferiores. Desejar a diferença é a possibilidade de compor encontros e afetos que aumentem a potência democrática. Além do mais, quem conhece a história da psicologia e da psiquiatria como instituições normatizadoras do Estado não estranha a sua aproximação com a fé paulina. Psicologia, só a de Nietzsche, meu bem. No entanto, acreditar que uma lei irá acabar com a homofobia é coisa de bobinho, né gente. É culturalmente que se destrói um falso ídolo, e todos os ídolos são falsos. Ui, arrasamos Tetéia! Sentiu a brisa, Neném?

Φ EXÉRCITO VAI SER PROCESSADO POR HOMOFOBIA. O Condepe (Conselho Estadual dos Direitos Humanos – SP), junto com o sargento Fernando Alcântara vão abrir processo contra o Estado brasileiro por homofobia. O processo será baseado n lei estadual 10.948/01. Laci, companheiro de Fernando, ainda está preso. Os dois relatam a forma como estão sendo tratados pelo Exército Brasileiro: homofobia através de agressões físicas e verbais. Fernando, em matéria na revista A Capa, fala sobre os métodos de treinamento do exército e sobre as violências que seu companheiro, Laci, tem sofrido: “Os remédios (anti-depressivos) dele acabaram, e há toda uma burocracia para estes medicamentos entrarem. O exército não quer assumir a doença dele. Retiraram livros, rádio e um caderno onde ele escrevia. A tortura física parou, mas a psíquica continua diariamente. O meu maior medo é que ele saia com traumas psicológicos irreparáveis. “Todo mundo que passa pelas escolas das Forças Armadas é torturado. Eu fui torturado, aprendemos técnicas de guerrilha e contra guerrilha, eles chamam de Oficina da Tortura. Funciona assim: recebemos uma frase e quem conseguir manter em segredo por mais tempo ganha pontos e você passa por vários tipo de tortura: pau de arara, poste argentino (eles amarram você e pulam em cima), choques elétricos, espancamento com toalha, pois assim não fica a marca”. “Laci é torturado todos os dias. Não só ele, outros também. O torturador dele fica no mesmo espaço fazendo ameaças diárias, durante a noite fica fazendo barulho para ele não dormir, ele já ficou mais de três dias sem dormir”. Depois de uma tentativa fracassada de encontro com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, a Condepe e Fernando tentarão um encontro com o presidente Lula. Estamos todos com eles, com ou sem Luciana Gimenez. Sentiu a brisa, Neném?

Φ MISS AMAZONAS GAY 2008. Uiiiii! O momento máximo das monas das terras manoniquins chegou! Pra quem gosta de concursos de beleza, não tem noite mais quentíssima que esta. Com desfiles das candidatas em trajes típicos e de gala, e produção de Brenda Lamask. O destaque é a presença da atriz Rogéria, a que causou furor no seio moralista dos deputados no final do ano passado. A vencedora deste ano representa o Estado no Miss Brasil Gay 2008, em Juiz de Fora, no mês que vem. Até o fechamento desta coluna, não temos confirmado quem foi a vencedora, mas que foi uma festa lindíssima, isso foi. Ah, não foste, Genoveva? Perdeu, maninha! Sentiu a brisa, Neném?

Beijucas, até a próxima, e lembrem-se, menin@s:

FAÇA O MUNDO GAY!

0 Responses to “!!!!! O MUNDO É GAY !!!!!”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.263 hits

Páginas

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: