Arquivo para 9 de junho de 2009

PREFEITO DE TAPAUÁ, CLÁUDIO DIAS, TEM DIREITOS POLÍTICOS SUSPENSOS

Cumprindo pena em regime semi-aberto desde junho de 2008, julgado que fora em 2006 por crime de contrabando e descaminho no Processo N° 1997.32.00.00.1059-4, também por crime de falsidade ideológica julgado em 2006, preso em 2007 de acordo com o Processo N° 95.00.04146-4, o prefeito eleito de Tapauá, Cláudio Gomes Dias, teve seus direitos políticos suspensos pelo Tribunal Eleitoral do Amazonas, julgando procedente o recurso do Ministério Público Eleitoral do Amazonas.

A suspensão dos direitos políticos do prefeito baseia-se na Constituição Federal, que prevê tal suspensão em casos de condenações criminais julgadas e enquanto durarem seus efeitos.

O procurador-geral eleitoral, Edmilson Barreiros Junior, sentenciando sobre o fato jurídico-eleitoral, disse:

Considerando o fato de que o recorrente foi condenado por sentença com trânsito em julgado por diversos processos criminais, fica clara sua inelegibilidade, não sendo possível, por meio da via processual eleita, a revisão dos fatos que levaram às suas condenações.”

É a democracia se atualizando juridicamente no Amazonas.

CNJ PUNE JUIZ DO TJ-AM ANTÔNIO CELSO GIOIA

CNJ LogoJuiz do Amazonas será aposentado compulsoriamente, decide CNJ

O juiz Antônio Celso da Silva Gioia, titular da Vara da Infância e Juventude Criminal de Manaus será aposentado compulsoriamente com proventos proporcionais ao tempo de serviço. A decisão foi tomada por unanimidade pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) na sessão plenária realizada nesta terça-feira (9/06), em Brasília.

O juiz está afastado do cargo desde o ano passado, por várias irregularidades. Pesam contra o magistrado, 16 tipos diferentes de acusações como improbidade administrativa, tráfico de influência, uso de laranjas em negócios comerciais e uso do cargo para obtenção de vantagens pessoais. O CNJ decidiu ainda enviar o processo ao Ministério Público para que seja aberta uma ação civil de improbidade administrativa.

A sindicância contra o juiz Antônio Celso da Silva Gioia foi instaurada pelo CNJ, no dia 20 de fevereiro do ano passado, para que fossem investigados os fatos em que o juiz era acusado. De lá para cá, várias testemunhas foram ouvidas, inclusive o próprio juiz acusado. Em plenário, ao explicar os fatos e analisar todas as provas reunidas no processo, o relator, conselheiro Mairan Maia, disse que o juiz Celso Gioia estaria exercendo atividades comerciais incompatíveis com a magistratura.

Entre as irregularidades do magistrado apontadas no relatório e confirmadas na sindicância, estariam a atividade comercial de mineração e exploração de pedras do tipo seixo, constituição de empresas de construção com utilização de laranjas, exploração comercial de água mineral e aluguel de embarcações apreendidas, e fechamento de posto de água mineral determinado em plantão judicial, em detrimento de terceiros.

Fonte: Agência CNJ

WALLACE, DEPUTADO INVESTIGADO, PODE RENUNCIAR

Comenta-se, a bocas grandes, que o deputado estadual Wallace Souza, investigado pela justiça amazonense por suspeita de vários crimes, conjuntamente com seu filho, Rafael Souza, prestes a ser transferido para presídio de segurança máxima, pode renunciar a qualquer instante. Com a renúncia, livrar-se-ia da cassação e poderia se candidatar nas eleições de 2010.

O ato de pretender a renúncia, se realmente for comprovada, inspira no observador do fato edipiano relação pai-filho duas questões:

I – Embora com a certeza de uma Assembléia composta da maioria fisiológica, tendente à submissão, o que lhe permite imaginar uma não-cassação, o deputado acusado não quer arriscar. Pode sua imaginação sofrer um logro com a força da realidade. Como vem acontecendo com as investigações que cada vez mais o tornam implicado nas suspeitas. Quebrando sua névoa imaginária que o colocava, para si mesmo, acima de qualquer suspeita. Uma lógica entrópica do que “o que eu faço é que é real”. Na verdade, uma dissipação da realidade pela fantasia tenebrosa.

Desta forma, nada de arriscar. O negócio é preservar o futuro parlamentar.

II – A segunda questão leva ao raciocínio claro. Renunciando, ele perde a imunidade parlamentar e passa a ser um simples indivíduo diante da Lei. Confirmadas as suspeitas, pode ser preso, julgado e condenado. Um grande abalo em seus propósitos. Se só implicado em processo penal, já está difícil impossível? ter direito à candidatura se for aprovado no Congresso o Projeto de Lei “Ficha Suja”, que proíbe candidatos com processo em julgamento concorrer a eleições, imaginemos com a lei atual, que impede qualquer indivíduo condenado sair como candidato. Sem contar que, para o eleitor atento, principalmente o seu eleitor, que o tinha como paladino da justiça, sua performance expressa pelas investigações não lhe permite nenhuma segurança que possa acreditar que será eleito. Mesmo com a estúpida lógica que o povo é ignorante. Ou com a lógica psicanalítica da identificação da vítima com o agressor. A difusão do fato como matéria de comentário coletivo, por si só, já fez seu trabalho democrático. Ainda mais agora, perdido no anonimato que seu programa miserabilizante fora do ar lhe impingiu. Este, o grande truque da mídia-televisiva: quanto mais superexposição de uma imagem, mais sua desaparição. Vítima de sua própria ambição televisiva.

Fica então o entendimento de que, para o bem da democracia, a renúncia do deputado Wallace, para se livrar da cassação e poder sair candidato em 2010, não vai ativar seus interesses pessoais. Mas o que pode muito bem ativar diante de pequena parte da opinião pública, que ainda não concebeu uma opinião democrática sobre o comportamento do deputado à frente de seu programa de TV, é que, para esta opinião, o ato de renunciar é um ato covarde, contrário ao que ela concebia, iludida, quando o tinha, junto com o irmão, os verdadeiros irmãos coragem.

O CAMPEÃO DA MORAL KAKÁ E A AMANTE TORCIDA DO MILAN

O mito do amor eterno se desfaz quando a fascinação, névoa a-filosófica, se desfaz, revelando a má fé dos amantes. O filósofo Sartre, em sua análise fenomenológica/existencial das relações do homem, aponta que o amor, nos tempos do capital, surge como uma relação de tentativa – em vão – de ocultação e escamoteamento da liberdade sob o véu da ilusão do querer do outro.

Assim, numa mesa de restaurante, a mulher sabe bem o que o seu pretendente quer – e não é ela -, mas precisa, a fim de completar a fantasia, necessária ao malogro de si, acreditar piamente que é desejada. O homem, para conseguir realizar o ser escamoteado da moral social que carrega, efeito sem jamais poder ser causa, precisa igualmente acreditar que a mulher acredita estar sendo seduzida. Enganando um ao outro, alcançam o objetivo do malogro e da má-fé: enganam a si mesmos. Apoteoticamente, caem as ilusões e resta a insuportável consequência de uma vida falseada. Às vezes, vivida durante décadas.

Assim a amante torcida do Milan caiu nos galanteios do imberbe Kaká, que hasteou a camisa 22 rossonera na janela de sua casa no início deste ano, quando mostrou que acredita na máxima do capitalismo (todo homem tem seu preço) e balançou diante dos petrodólares do Manchester City. Como o amante, que em meio a mil juras eternas à única amada, não resiste aos negaceios eróticos da outra, Kaká suou mais que Cristo no Gólgota, mas resistiu à tentação (resistiu?). O problema, para ele, na época, foi dogmático-teológico: pecar em pensamento, para a doutrina cristã paulina, é também pecar.

Mas a torcida do Milan (e a imprensa brasileira), embotados que são pelos signos-clichê que carrega o campeão da moral, Kaká, preferiram não ver que o amante ideal, marido perfeito e cumpridor das obrigações celestiais flertou.

Da torcida milanesa, não se esperava muito: quem crê em Berlusconi pode muito bem ser enganado por Kaká, e a mesma torcida que endeusou o clone do Bebeto, hostilizou o zagueiro Paolo Maldini, mais de duas décadas vergando a camiseta do clube, capitão honorário, e que foi humilhado na sua despedida duplamente: pelo Roma, que venceu a partida, e pela própria torcida, que o chamou mercenário. Coisas, certamente, do futebusiness, não do futebol.

Kaká vai para um clube que carrega signos semelhantes a ele: o Real Madrid, profundamente identificado com o ideário fascista da ditadura de Franco, aglutinador da torcida da direita política espanhola, manipulador do mercado da bola a ponto de usar um jornal esportivo da capital espanhola como fonte de factóides a fim de desestabilizar clubes e jogadores (o Kaká luso, Cristiano Ronaldo, que o diga). Não por acaso, José Maria Aznar, o presidente espanhol que enviou tropas ao Iraque, que confraternizou com Bush Jr, e que nos atentados no metrô de Madrid tentou, em vão, manipular as informações em proveito próprio, torce pelo Real, enquanto o atual presidente, Zapatero, de esquerda moderadíssima, torce pelo Barcelona. Kaká, como no Milan de Berlusconi, troca de camisa sem trocar de ambiência. A Europa, que elegeu como o mais votado o próprio Berlusca ao parlamento continental, que o diga.

Kaká, como o bom burguês, o amante da comédia de costumes bem ao estilo burlesco, não faz por menos, e repete o seu papel. Diante da amada traída, afirma ainda a fantasia psicopatológica, e diz que a relação acaba, mas o amor é eterno. São os ossos do ofício, os males do profissionalismo, dirão alguns. Até mesmo o ingênuo Edson Arantes do Nascimento, que como Pelé inaugurou a era dos jogadores marketistas, foi driblado pela sanha capitalística do futebusiness: também ele acreditou nas juras de amor eterno do futuro pastor da igreja Renascer.

Mas se agora se fala em profissionalismo, em necessidade, em modernismo no futebol, onde estava a inteligentsia da mídia esportiva quando Kaká, há pouco menos de seis meses, afirmava não aceitar (enquanto o pai e agente se reunia com os representantes do time anglo-oriental) sair do Milan por dinheiro algum, e que pretendia fazer toda a sua carreira no clube rossonero?

Para esta mídia, nostálgica da virgindade perdida, e eternamente à procura do malogro do amor do capital, e para a torcida milanesa – como de resto, também a torcida merengue, novo alvo dos galanteios do galã imberbe – resta o cancioneiro popular, repleto de loas à mágoa de ser infiel a si mesmo, insuportável consequência das armadilhas que certas existências preparam para si mesmas:

Vá embora,

Pois me resta o consolo e a alegria

De dizer que depois da boemia,

É de mim que você

Gosta mais”.

ECONOMIA DOMÉSTICA ― NO BALANÇO DOS PREÇOS

Mesa Junina

NA PREPARAÇÃO DA MESA JUNINA

Tiquinho (olha da janela o fundo do quintal): Vó! Ô, vó!Como tá ficando belo o nosso canteiro!

Vó Juracy: É cada vez mais belo!Como foi hoje na aula, teve merenda?

Tiquinho: As sementes estão se atualizando… Vai dar belas verduras! Lá na escola continua na mesma, sem merenda… A “mesa não tá farta”, e, além disso, agora a diretora da escola anda cobrando o fardamento escolar, só entra se tiver com a farda completa!

Vó Juracy: E ela não sabe que na ausência da farda o estudante tem o direito de entrar na escola de blusa branca e calça? Faz tempo que o governo não fornece o fardamento escolar, e ainda fica obrigando as famílias a comprar. Os pais deveriam reclamar os direitos de seus filhos, que o governo não está cumprindo: distribuir gratuitamente o fardamento!

Tiquinho: E tem gente que ainda fala que tem orgulho de ser Amazonense… Vó! Você comprou os preparos para a “Festa Junina” na nossa rua?

Vó Juracy: Eu ia fazer banana em calda, mas de 5 tocos foi a 8, e agora é 10 reais…

Tiquinho: O rio não tá baixando, vó?

Vó Juracy: Então resolvi fritar umas bananas pacovão para ajudar na festa. O cacho verde é 15 reais. A amarela 10 e a podre 5 reais. Chegando o caminhão com novo carregamento, o preço não muda! A banana fica podre e o preço não baixa.

Tiquinho: O rio vai secar, não é, vó? Vai ter aquele bolo de macaxeira?

Vó Juracy: Eu até queria fazer, mas o saco era 30 e agora são 60 reais. Só compra quem pode!

Tiquinho: Vó, o rio vai baixar, não é, vó? Vai ter pelo menos a tapioca?

Vó Juracy: É que o litro da goma é R$ 1,00 e chega R$ 3,50. Tapioca, nem pensar!

Tiquinho: A cheia vai pegando a culpa, não é, vó? Vai ter ao menos castanha…, a do Pará?

Vó Juracy: É R$ 1,00 o litro, vai a R$ 1,50 e chega a 2 tocos, eu acho que esse ano nem a tapioca nem o mugunzá vai ser preparado junto com a castanha…

Tiquinho: Eita cheia braba, não é, vó?! Nem o mungunzá?

Vó Juracy: A Candeia disse que foi comprar, mas era R$ 2,00, foi a R$ 2,50, e está R$ 3,00 o kg. Não vai ter não.

Tiquinho: Se não vai ter tapioca nem mungunzá com castanha do Pará, não dá para colocar coco seco?

Vó Juracy: Seu Xaveirinha ficou de dar, mas era 50 centavos a unidade, foi a 80, e agora é 1 real. Vai comprar só quem pode.

Tiquinho: Vó! Dona Jacutinga disse que ia cozinhar uns cará roxo…?

Vó Juracy: Mas ela disse que não vai dar não. O quilo era R$ 1,50, foi a R$ 2,00, e agora é R$ 6,00. Não da para comprar não.

Tiquinho: Vó, seu Tabaco disse que ia trazer uns tucumãs pra gente comer e depois brincar com os caroços…

Vó Juracy: É, o tucumã sofre a variação de preço conforme a demanda, e ele vem do Pará, o cento vai de 20, 25 a 30 tocos. E não é a cheia, não é, Tiquinho?

Tiquinho: Vó!, o seu Cavaco disse que ia trazer farinha de tapioca… especial…

Vó Juracy: Tiquinho, a cheia vai acabar, mas a farinha de tapioca que ele foi comprar era R$ 3,00, estava R$ 3,50, e está R$ 4,00. A cheia vai acabar!

Tiquinho: Vó, antes da festa, o rio vai baixar, Dona Zefa disse que ia fazer vatapá, seu Bicalha vai dar o pão…

Vó Juracy: Só que Dona Dalva foi comprar o camarão, aí a cheia fez o preço subir de R$ 9,00 o kg, foi a 14, encheu mais, foi a 16, encheu mais ainda, foi a 18, e hoje quem pode compra de 24 reais. Vai vatapá sem camarão?

Tiquinho: Vó! Não vou perguntar nem pelo tacacá, que já vi que não vai ter. E o milho para fazer canjica, bolo, pipoca?

Vó Juracy: Sumiu! E a gente não vai comprar o do supermercado, né?!

Tiquinho: Além de vir embalado e sem sabor, pode ser transgênico, e isso dá aquela doença, câncer, não é, vó?

Vó Juracy: Não é… Mesmo! Principalmente o social, que é o mas perigoso!Seu Cabaça disse que ia preparar o “gengibebe” para ao menos animar, mas tá na dependência do preço, é 4 tocos, em alguns cantos 6, e chega a 10 o kg.

Tiquinho: Seu Pixa não vai ficar bêbado. E vamos ficar sem as cantorias de Bumbá-Meu Boi e as histórias de lendas de nossa terra.

Vó Juracy: Não se preocupe, Tiquinho, com amor, a amizade e o dialogo que possuímos, a festa vai acontecer, e toda a rua vai transformar tudo isso em alegria!

Tiquinho: Vó, e o Pé de Moleque vai ter não?

Vó Juracy: Vai não! Por causa da cheia. E tem cuidado com o seu…

Tiquinho: Vó, até o Curupira tem que ter cuidado?

Vó Juracy: Esse, tá difícil perder o pé. Eles têm medo da natureza naturante. E, além do mais, vão ter que desfazer o nó que é essa administração da Zona Franca Verde!

Tiquinho: Eita! Vou esperar o curupira na festança!


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.244.871 hits

Páginas

Arquivos