“Bombardeios não podem instaurar democracia na Líbia”

Em entrevista ao jornal francês Libération, Rony Brauman, ex-presidente da organização Médicos sem Fronteiras e professor de Estudos Políticos em Paris, critica a ação militar autorizada pela ONU na Líbia. “Não creio que os bombardeios possam instaurar uma democracia”, afirma Brauman. “Aí estão os casos da Somália, do Afeganistão, do Iraque e da Costa do Marfim para nos lembrar da cruel realidade da guerra e sua imprevisibilidade. Proteger as populações, na prática, significa desfazer-se de Kadafi e, se seguimos passo a passo essa lógica até o fim, substituí-lo por um Karzai local, ou dividir o país congelando a situação”, defende.

Eric Aeschimann – Libération

Libération: Desta vez, uma parte dos que se opunham à intervenção estadunidense no Iraque está de acordo com a resolução do Conselho de Segurança sobre a Líbia. Você não está. Por quê?

Rony Brauman: Porque, como no passado, hoje em dia sigo sem acreditar nas virtudes dos bombardeios aéreos para estabelecer a democracia ou “pacificar” um país. Aí estão os casos da Somália, do Afeganistão, do Iraque e da Costa do Marfim para nos lembrar da cruel realidade da guerra e sua imprevisibilidade. “Proteger as populações”, na prática, significa desfazer-se de Kadafi e, se seguimos passo a passo essa lógica até o fim, substituí-lo por um Karzai local, ou dividir o país congelando a situação. Em ambos os casos seremos incapazes de assumir as consequências. Quando será ganha esta guerra?

Libération: É preciso assistir como espectador a aniquilação da rebelião líbia por parte do exército de Kadafi?

Brauman: Claro que não. Entre a guerra e o status quo há uma margem de ação: o reconhecimento do Conselho Nacional (órgão político dos rebeldes) por parte da França foi um gesto político relevante. É preciso seguir apoiando militarmente a insurreição, fornecer-lhe armamento e assessoramento militar para reequilibrar a relação de forças no terreno, assim como fornecer informação sobre os movimentos e os preparativos das tropas inimigas. O embargo comercial, o embargo sobre as armas e o congelamento dos ativos do clã Kadafi são outras medidas de pressão em relação às quais o regime de Trípoli não pode permanecer insensível.

Libération: Não se corre o risco de deixar que ocorra uma tragédia?

Brauman: Tome Ruanda como exemplo, caso frequentemente mencionado a propósito do que não devemos fazer: a ONU tinha enviado soldados e os retirou antes do genocídio; isso é lembrado como um erro gigantesco. No entanto, ainda que possa se entender esse erro, o que a crítica moral não vê é que para mudar o curso dos acontecimentos teria que ter sido estabelecida uma tutela total no país, o que era impossível. No meu entender, nossa falha não consistiu na retirada de 1994, mas sim na intervenção de 1990 para salvar o regime no poder, com a ilusão de poder impor a paz. Teria sido melhor aceitar a violência daquele momento do que congelar, por um período necessariamente limitado, a relação de forças. Os mais radicais de ambos os lados acabaram se aproveitando dessa situação.

Libération: Você mantém sua posição inclusive se nos conformamos somente com intervenções aéreas?

Brauman: As operações aéreas nunca permitiram ganhar uma guerra. Esta ilusão tecnológica provém do pensamento mágico. O balanço destas intervenções armadas internacionais indica que já não possuímos os meios para decidir o que é bom ou não no estrangeiro. O remédio é pior que a enfermidade. Quando a força já não nos permite fazer com que uma circunstância histórica se transforme para nossa conveniência, é melhor não fazer uso dela e renunciar ao sonho da “guerra justa”. Nesta matéria, como em outras, a política regida pela emoção é uma má conselheira.

Libération: Trata-se então de uma oposição de princípio a qualquer intervenção?

Brauman: Não, as Brigadas Internacionais que foram combater na Espanha ao lado dos republicanos em 1936, representam um momento importante de solidariedade internacionalista – ainda que, com toda certeza, não o tenham sido no que se refere à defesa das liberdades democráticas – e eu aprovaria totalmente a ideia de que brigadas internacionais fosse apoiar a rebelião líbia. No entanto, as intervenções dos Estados são uma questão completamente diferente!

E acrescento que a ética está bastante longe de sair vitoriosa se se comparam as situações nas quais se considerou justificável uma intervenção internacional com aquelas dos povos que abandonamos deixando-os a mercê de seus opressores: Chechênia, Palestina, Zimbabwe, Coreia do Norte, etc. E para citar um exemplo recente, entre os que reclamam o estabelecimento de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia, quantos teriam defendido a neutralização da força aérea israelense sobre Gaza em janeiro de 2009 ou sobre o Líbano em agosto de 2006?

Libération: Então é impossível uma diplomacia dos direitos humanos?

Brauman: Pergunte o que pensam disso os manifestantes de Bahrein, reprimidos por nossos aliados, as monarquias petroleiras do Golfo. Por sua parte, os iranianos já poderiam preocupar-se com a defesa dos direitos humanos na Península Arábica. Não, os direitos humanos não constituem uma política e a oposição canônica entre os direitos humanos e a realpolitik é um beco sem saída. Só existe uma política, que é a arte de querer as consequências do que se deseja. Os direitos humanos são invocados ou revogados pelos Estados segundo a vontade destes.

Libération: O que diz aos líbios que pedem ajuda ao Ocidente?

Brauman: Digo que alimentam ilusões sobre nossa capacidade de corrigir a situação em seu favor e que pagarão um preço muito alto. Lembre que, em 2003, muitos iraquianos se pronunciaram a favor de uma intervenção militar. Pensavam que os estadunidenses cortariam a cabeça do tirano e logo iriam embora. Os médicos sabem, ainda que não somente eles, que dar a ilusão de proteção pode ser pior que oferecer proteção.

Libération: E o fato de Kadafi recuperar o controle da Líbia por acaso não constitui o fim da primavera árabe e mesmo uma ameaça para as revoluções tunisiana e egípcia?

Brauman: Não vejo por que seria assim. Por um lado, não é somente a situação na Líbia que determinará o futuro da democracia nos países árabes; por outro, vemos que, eclipsada pela intervenção em curso, a repressão se abate sobre outras manifestações nos países do Golfo. Por outro lado, nós, franceses, somos os mais indicados para saber que entre a revolução e a democracia há bastante caminho a percorrer e há retrocessos também. E a primavera árabe não é uma exceção. Estou convencido de que o rechaço aos poderes despóticos e corruptos está profundamente arraigado em todas as sociedades contemporâneas, mas também, de que são elas que devem fazer desse repúdio um programa político.

(*) Rony Brauman foi presidente da organização Médicos sem Fronteiras, é professor de Ciências Políticas no Instituto de Estudos Políticos de Paris e estuda há muitos anos as consequências das intervenções humanitárias.

Fonte: http://www.liberation.fr/monde/01012326703-je-ne-crois-pas-aux-bombardements-pour-instaurer-la-democratie

Fonte: Agência Carta Maior

Tradução para o Rebelión: Marina Almeida

Tradução para a Carta Maior: Katarina Peixoto

0 Responses to ““Bombardeios não podem instaurar democracia na Líbia””



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.244.820 hits

Páginas

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: