Arquivo para 15 de maio de 2011

SEU ZÉ PILINTRA E DONA JUREMA NO ANIMADO TERREIRO DE MÃE MARIA

Zé Pilintra, Zé Pilintra
Boêmio da madrugada
Vem na linha das Almas
e também na encruzilhada

O amigo Zé Pilintra
que nasceu lá no sertão
Enfrentou a Boêmia
Com seresta e violão

Hoje na lei de Umbanda
Acredito no Senhor
Pois sou seu filho de fé
Pois tem fama de doutor

Com magias e mirongas
Dando forças ao terreiro
Saravá seu Zé Pilintra
O amigo verdadeiro

foto
Clique nas imagens para ampliá-las.

Como já falamos aqui neste bloguinho, terreiro animado é o terreiro de Mãe Maria do Seu Jacaúna, lá no Zumbi dos Palmares. Quanto mais quando a festa é de um dos maiores curandeiros da velha Umbanda boa, e que é também um grande sambista, mulherengo e jogador, o mais conhecido e respeitado dos malandros: Zé Pilintra.

À direita, seu Marinheiro na cabeça de seu Francisco.foto

À esquerda, Dona Jarina na cabeça de Socorro.

fotoSeu Tapindaré na cabeça de Lídia.

Mas quando chegamos quem estava no maravilhoso congá era justamente o dono do terreiro, Seu Jacaúna, que comandou a chegada de diversas entidades na cabeça dos médiuns da casa.

fotoCaboca Brava na cabeça de Graciete.

Sou gavião real, eu sou nagô

Eu venho voando pelo céu azul


fotoOs irmãos Mônica Oda e Marcílio Colares, acompanhados do ‘mineiro’ Diego, que deu suas contribuições artísticas nas imagens deste trabalho.

O tambor continuava sem parar, enquanto os cabocos e demais entidades preenchiam o tempo com suas vozes melodiosas e o espaço com suas danças vigorosas, baixando para receber as saudações de todos os presentes e abençoar a todos que ali se encontravam em comunhão espiritual, reunidos na força e no calor da Umbanda boa, da Umbanda de fé…


foto

E a força da corrente abençoada nas rezas preencheu o ambiente com alegria e devoção dos filhos da casa, de todos os convidados, todos os presentes. Foi então que seu Jacaúna foi embora do corpo de Mãe Maria, babalorixá que tanto demonstra seu zelo e responsabilidade aos cultos afro-brasileiros.

foto



Ela veio de tão longe sem conhecer a ninguém,

Ela veio colher as rosas que nas roseiras tem

Quem quiser saber o seu nome pergunte ao seu irmão

Ela se chama Toya Jarina, filha do Rei Sebastião

foto
foto

Foi então que baixou o homenageado da noite: Seu Zé Pilintra. Foi então que se viu toda a autenticidade das religiões afro-brasileiras, carregada de entes que, ao mesmo tempo que fazem lembrar ciclos da nossa história remota, estão presentes em efetividade religiosa. Uma festa magnífica para os olhos e o coração de todos aqueles que vivem a crença ou apreciam o ritual afro-religioso como verdadeira manifestação religiosa do povo brasileiro.

foto

Ai, ai, meu Deus, que cavaleiro é esse?

Que cavaleiro é esse que chegou agora?

De terno branco, seu punhal de aço puro

Saravá seu Zé Pilintra, na Umbanda ele é doutor

À esquerda, Mãe Vera com o boiadeiro Seu Baiano.

foto

Conversamos com Mãe Maria, que nos deu os detalhes desta festa para este caboco tão conhecido dos terreiros de Umbanda do Brasil, realizado no seu terreiro, assim como estendeu suas compreensões a outros diversos aspectos sobre a Umbanda.

Eu nasci na Bahia, mas fui criada aqui. Meu pai batia tambor, minha mãe era evangélica, mas depois que eu cresci ela abandonou e entrou no ritmo. Nós realizamos esta festa há oito anos. Antes era só uma pequena comemoração, então começou a festa a partir da Jandira, aquela minha filha de santo da Dona Jurema. Então ficou a festa de Seu Zé Pilintra e da Dona Jurema. Seu Zé vem na minha cabeça há 26 anos. Mais velho só Seu Jacaúna, meu pai, que vem desde eu criança.

fotoSeu Pena Azul e seu cantar singular.


fotoSeu Boiadeiro e sua vigorosa voz.

Zé Pilintra é um catimbozeiro, era muito boêmio, em vida foi doutor, e era, quer dizer, é um malandro. Ele faz trabalho de cura, de demanda, ele é um curandeiro. Muita gente considera ele um Exum, mas ele não é um Exum, ele é um esquerda.

foto

Ô pisa caboco, quero ver você pisar

Ô pisa caboco, quero ver você pisar

Na pisada do caboco pra poeira levantar

Na pisada do caboco faz poeira levantar

À esquerda, seu Surrupira. À direita, Mãe Zelca com seu Pena Verde.

Hoje eu vejo a questão da religião como uma verdadeira libertação, porque antes a gente vivia escondido, se escondendo, não podia fazer isso, não podia fazer aquilo, porque se o vizinho estivesse do lado já era ‘macumba’. Hoje nós começamos a ser vistas como pessoas tradicionais dos terreiros. Antes a gente tinha vergonha, tinha medo, alguém podia denunciar. Hoje nós somos livres, assim como os evangélicos, como os católicos, desde que a gente respeite o direito de cada um.

foto
foto

Umbanda não é ritual. Umbanda é espiritismo. Umbanda é amor. A gente faz o terreiro ser animado. Não existe tristeza aqui, não existe maldade. Onde há malícia é que existe tristeza, desilusão. Aqui, não. Aqui nós somos alegres, nós somos felizes, porque somos umbandistas. Aqui é animado; ainda mais quando o Gilson entra, todo mundo tem que ficar alegre. Nós trabalhamos juntos há muito tempo.

foto

Meu navio está no porto

Enfrentando a maresia

Já chegou a bela turca

A donzela da Turquia

Elielza, com seu Martín Pescador.

Nós éramos livres, mas éramos uns livres presos, hoje nós somos livres libertos. Mas tem muito preconceito ainda no Brasil, mas tem muita coisa pra gente vencer. Nós estamos no começo do caminho ainda. Mas com altos e baixos, com pedra no caminho a gente chega lá.


Pai João, apreciando à esquerda.

Que as pessoas acreditem mais, que as pessoas procurem compreender, entender e conhecer. É conhecendo que a gente pode falar, senão a gente vai sempre achar que é ritual, que estão fazendo macumba pros outros, e não é assim. A gente só faz coisa boa, a Umbanda é paz e amor. As pessoas discriminam porque não conhecem o que a gente faz. Eu espero que as pessoas possam conhecer mais da nossa caminhada, todo mundo segurando na mão dos outros pra ver se a gente chega em algum lugar. Tem gente que inventa, que fica fazendo deboche, mas a gente não tem que ligar não. A gente tem fé no nosso Pai Oxalá e nos nossos guias trabalhadores.”

fotoÀ esquerda, Dona Mariana na cabeça de Mãe Selma.

Seu Marinheiro na cabeça de Pai Carlos.

Seu Gilson, que acompanha Mãe Maria há muitos anos e comanda o tambor, sendo amado por todos da casa, como explica Mãe Maria, nos falou também de seu Zé e de algumas histórias que são divulgadas, como a história que circula na internet de que Zé Pilintra teve uma rusma com Lampião por causa de Maria Bonita.

Essa história de que Seu Zé Pilintra tinha brigado com Lampião por causa de Maria Bonita é só folclore, não existe isso não. A única mulher de Zé Pilintra foi Rosinha. Mas malandro naquele tempo significava outra coisa, era que ele gostava de jogo, mulheria, gostava de dançar, fazer seresta, esse negócio todo. Ele teve várias mulheres, mas Rosinha foi a mulher que ele amou. Essa história de Maria Bonita não procede. Quem ele conheceu foi Rosinha, na Praça Mauá, no Rio de Janeiro, a mulher que ele amou, porque ela também era uma mulher de jogo de bar, vivia bebendo, vivia jogando, fumando, então eles se deram bem. Essa história o pessoal acha bonito e sai espalhando.



Muitas pessoas acham que Seu Zé Pilintra é uma coisa que ele não é; ele é uma pessoa muito experiente. Tem pessoas que misturam as coisas, porque ele é muito alegre, e sempre foi. Antigamente, quando a pessoa tocava violão, gostava de seresta, gostava de jogar, chamavam de ‘malandro’. Ele gostava disso tudo, gostava de mulher, isso não é defeito, ele era um homem mulherengo. E ele é um ótimo guia, uma ótima entidade, que ajuda a todos que procuram ele. Todas as pessoas que procuram ele, graças a Deus, sempre tem êxito. A gente tem muita alegria com ele, quando ele chega anima todo mundo, ele sempre foi assim, sempre esteve aí para ajudar, para afirmar e fazer aquilo que pedem a ele. Ele aqui vem pra ajudar, pra curar, quando precisam dele.”

foto
E assim seguiu o maravilhoso tambor pela madrugada a dentro, onde todos os da casa e todos os convidados viram a manifestação do sonoro, colorido e espiritualizante culto da vigorosa afro-religião e assim prosseguiu até o raiar do dia. Tudo em comunhão, em paz, alegria, felicidade, com todo o axé do terreiro de Mãe Maria…
foto
●●●CENTRO ESPÍRITA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO●●●

Mãe Maria do Seu Jacaúna

Beco Cel Bolsinha, nº 119 — Zumbi I (Manaus-AM)

Fone: (92)9122-2612

D. WALDIR CALHEIROS DIZ QUE O QUADRO POLÍTICO ATUAL REFLETIU NAS ELEIÇÕES DA CNBB

Com o arrefecimento dos movimentos de base da Igreja Católica nos últimos anos, que foram atuantes durante toda a ditadura e durante os governos que antecederam o governo Lula, a ala ultraconservadora passou a dominar, chegando mesmo a querer decidir as eleições presidenciais em favor da direita representada pelo candidato da burguesia, José Serra, contra a candidata popular Dilma Vana Rousseff. Uma participação que apelou aos mais baixos meios que são contrários à democracia.

Agora, com as novas eleições na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que elegeu e empossou Dom Raymundo Damasceno, eleito com 196 votos, ficou clara a luta que a direita ultraconservadora desferiu para manter o poder na instituição católica do país, o que resultou em sua derrota tão ambicionada. É que se pode inferir das palavras do Dom Waldir Calheiros, da Diocese de Barra do Piraí e Volta Redonda, que resistiu junto com os trabalhadores à invasão da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda, em 9 de novembro em 1988, quando três operários foram assassinados e 40 ficaram feridos.

A tentativa de setores da Igreja de estabelecer a hegemonia de São Paulo sobre o país incomodava o Nordeste e boa parcela de religiosos de Norte a Sul do Brasil, o que colocou de lado o cardeal paulistano e, de outro, os representantes das demais dioceses, representados por outro cardeal, D. Damasceno. Embora o atual presidente da CNBB seja de uma linha bastante moderada da Igreja, não se compara ao grupo de bispos que fez aquela besteira (os bispos da ultraconservação que fascistastamente tentaram derrotar Dilma) contra o aborto, ainda na campanha eleitoral.

Dom Waldir Calheiros afirmou ainda que a CNBB tem hoje uma representação mais progressista, posto que seu secretário-geral é Dom Leonardo Steiner, que sucedeu na prelazia de São Felix do Araguaia, o engajadíssimo Dom Pedro Casaldáliga, que foi um heroico defensor da liberdade contra a ditadura militar.

A CNBB é um colegiado e, em uma estrutura como esta, a Secretaria-Geral é decisiva no estabelecimento das linhas de apoio às comunidades eclesiais de base, principais resultados de resistência contra a opressão do sistema e último ponto de apoio às comunidades que não têm voz junto à sociedade.

As pastorais foram ocupadas por políticos de carreira e perderam muito do objetivo de sua existência ao longo dos últimos anos, o que deixou espaço para o conservadorismo observado na ação dos bispos alinhados a Dom Odílio Scherer. A disputa na CNBB demonstra o quanto foi necessário se negociar para que se chegasse a um frágil ponto de equilíbrio, preservadas as iniciativas populares de apoio aos grupos mais fragilizados da sociedade”, analisou Dom Waldir Calheiros, para que “os movimentos de base esfriaram no Brasil”.

ATO-DEBATE CONTRA A INTERVENÇÃO IMPERIALISTA NA LÍBIA

Por Comitê Contra Intervenção Imperialista na Libia, 14/05/2011, às 20:55

A convocatória deste ato-debate é uma iniciativa de organizações e militantes antiimperialistas de distintas origens políticas. Está aberta a todas as adesões que tiverem acordo em somarem forças para construirmos um ato-público de rua contra a ocupação imperialista da Líbia.

O silêncio dos revolucionários, quando não se pode calar, é o canto vitorioso do capital!

Rechaçamos a intervenção imperialista na Líbia. Depois do Afeganistão e do Iraque, este país africano virou a bola da vez. Assim como o golpe de Estado em Honduras e a invasão do Haiti pelos EUA, agravando a ocupação militar já iniciada pela ONU sob o comando do exército brasileiro, também a atual ofensiva sobre o povo líbio tem a marca da gestão Obama, uma cínica e cruel agressão colonialista com fachada “humanitária”.

Os levantes em andamento nos países árabes deixam claro que o povo nas ruas rechaça as ditaduras e o messianismo religioso com o qual a imprensa ocidental e capitalista tentou lhes associar.

Em meio a um processo de rebelião generalizada em vários países no norte da África e no Oriente Médio, o imperialismo tenta tirar proveito da situação e se articula com a reacionária oposição monarquista e ex-membros do governo Kadafi para criar supostas forças revolucionárias na Líbia, o chamado Conselho Nacional de Transição, o qual reivindica a invasão imperialista contra seu próprio povo e comemora os bombardeios estrangeiros sobre seu país.

Agora, por meio do ataque militar escancarado da OTAN fica claro que o objetivo é a recolonização do país que detém as maiores reservas de petróleo do continente africano. Vale destacar que nos últimos meses, a ONU dividiu o Sudão através de um plebiscito fraudulento e, em “defesa da democracia”, realizou um golpe de Estado e invadiu militarmente a Costa do Marfim para derrubar um governo que ameaçou nacionalizar os bancos e que nacionalizou a produção de cacau do país (a Costa do Marfim é o maior produtor de cacau do mundo). A crise econômica abriu o apetite das distintas potências imperialistas para estabelecer uma nova partilha colonial da África e do mundo árabe.

A propaganda de guerra “humanitária” de Obama confundiu uma série de organizações de esquerda que foram às ruas protestar contra a “guerra ao terror” de Bush no Afeganistão e no Iraque. Agora, estas organizações têm receio de que a condenação contundente ao ataque coordenado pela OTAN possa ser lido como respaldo às supostas atrocidades de Muamar Kadafi contra os ‘rebeldes’.

É preciso barrar a máquina de guerra imperialista em qualquer circunstância e local. Todavia, condenar o imperialismo não significa apoiar politicamente o governo Kadafi.

Se o imperialismo sair vitorioso em mais esta agressão, será fortalecida a política de fazer os trabalhadores pagarem a conta da crise econômica capitalista que, no Brasil, se expressa pelo corte de gastos públicos, ajuste fiscal e arrocho salarial dos trabalhadores realizados pelo governo Dilma.

É preciso derrotar o imperialismo e seus agentes e avançar rumo à conquista de direitos civis para os imigrantes e as mulheres, direitos sindicais e de greve, expropriação das multinacionais, inclusive as construtoras brasileiras, e pela revolução socialista contra o conjunto da burguesia.

Nossas diversas posições políticas sobre o conflito na Líbia não devem impedir que as organizações e lutadores sociais que se reivindicam anti-imperialistas e anticapitalistas se somem ao Debate que será realizado no dia 21 de maio, às 17:30, no ECLA, Espaço Cultural Latino Americano. Rua Abolição, 244, Bela Vista, São Paulo (SP).

Esta atividade está a serviço de acumular forças na direção de construir a necessária unidade para realizar o primeiro ato público de rua, para exigir o fim imediato da intervenção imperialista na Líbia.

Ato-debate contra a intervenção imperialista na Líbia

Com o professor Lúcio Flávio (PUC/SP)

21/05, 17h, ECLA, Espaço Cultural Latino Americano, Rua Abolição, 244, Bela Vista, São Paulo (SP)

Contatos
comiteantiimperialista@yahoo.com.br (11)31047401

COMITÊ CONTRA A INTERVENÇÃO IMPERIALISTA NA LÍBIA


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.241.859 hits

Páginas

Arquivos