Arquivo para 24 de julho de 2011

WINEHOUSE, A MORTE NÃO EXISTE

I’ve been livin’ like a star ‘cause it’s gettin’ me high

Forget the hearse, ‘cause I never die

I got nine lives, cat’s eyes

Abusing every one of them and running wild”*

O que caminha na sua própria via não encontra ninguém”, diz Nietzsche no início da Aurora. Em 2008, uma criança de sete anos colocou uma música para ouvirmos e dançarmos. Back to Black, Amy Winehouse. Que voz! Aquela voz, devia ser uma mulher grande, talvez gorda, negra com certeza. Somente uma mulher negra, Billie Holiday, Areta Franklin, para carregar, ou melhor, deixar passar aquela voz. Que surpresa ao vermos na tela do computador um corpo frágil, que mal parecia ter saído da adolescência. Um corpo que para se sustentar de pé num palco devia ter linhas de uma marionete invisível para sustentá-lo. Linda, linda, linda. De onde vinha aquela voz? No seu tronco provavelmente não havia outros órgãos, apenas os pulmões e o diafragma. Não nos tornamos seu fã, não sabemos o nome de uma outra música fora a citada acima – o que nos importa é a voz – embora tenhamos ouvido muitas outras –, mas toda vez que a víamos/ouvíamos rogávamos a todos os santos, cabocos e orixás que a protegessem de mau-olhado e outras mandingas. Percebíamos que qualquer sopro frio de ar poderia perturbá-la, destruí-la. Ninguém podia fazer nada? Álcool, drogas, rock and roll. Apenas exterioridades. Seu namorado nada compreendia? Sua mãe declarou que a qualquer momento ela poderia aparecer morta. Estava sozinha. Os narcóticos, principalmente o álcool, ao contrário do que a mídia sequelada expressava, não eram uma dependência, mas uma linha de fuga libertadora, que lhe auxiliava a suportar a beleza e uma potência desmedida que nenhum corpo conseguiria suportar, no sentido que Deleuze percebe em F. Scott Fitzgerald.  “O brilho, a versatilidade da loucura assemelham-se aos recursos da água que se infiltra num dique, passa por cima, e à sua volta”. Na sexta-feira passada num bar um amigo contou o episódio em que ela subiu num palco bêbada e começou a transformar as músicas de seu repertório em variações. O melhor show de sua vida. Pois é – replica o amigo -, a plateia, europeia, estupidamente ritmada, nada percebeu. Vaiou. Ninguém pulou no palco para beijar suas mãos. “Ninguém o vem auxiliar no seu empreendimento: perigos, acaso, maldades e tempestades, tudo quanto o assalta deve ser ele próprio a ultrapassá-lo”, continua o filósofo alemão. Ontem, 23 de julho de 2011, Winehouse resolveu ultrapassar tudo e lançou-se numa canção para si mesma. Partiu assim como nasceu: sozinha. Alguém poderia dizer que uma garota magérrima chamada Amy Winehouse não teve muita sorte no mundo em que viveu. Ninguém pode sustentar um olhar verdadeiro diante do seu olhar verdadeiro. A morte não existe. Winehouse, solidária como era, apenas resolveu expandir para todo o mundo todo o ar que carregava em seu corpo frágil. O sopro da Vida. Ninguém esquecerá a voz Winehouse numa tarde de verão há três anos atrás cantando Back in Black, dançando com uma criança, como uma criança. Para toda a vida…

*Tenho vivido como uma estrela porque isso tem me deixado doidão / Esqueça o carro fúnebre, porque eu nunca morrerei / Tenho nove vidas, olhos de gato / Insultando a cada um deles e ficando louco”(Trecho de Back to Black)

Um brinde vital à esquiza Amy Winehouse

Uma das maiores cantoras que o Reino Unido já teve e que mostrou que não precisa de muita frescura. É só simplicidade, alegria e uma bela rouca voz para ser rainha. Que a moral victoriana diga o que for, pois ela não alcança teu reinado. Muitos por diversas vezes tentaram mostrar você como uma mulher problema, sem direcionamentos. Ela bem sabia que a vida é um movimento contiinuoo sem objetivos e que a moral imobiliza a si própria e aos que nelas. Um movimento dionisíaco que não se encaixa na acefalia da imprensa, do mundo in-artístico, dos empresários. Eu não me chamo Raimundo Raymond então… Seu nome é Amy Winehouse.

Amy Winehouse assim como qualquer artista, ou daqueles que fazem da vida o movimento deviriano produtivo, nunca se morrerá. Ela estará viva em suas produções musicais,memórias, estilos e voz. Isto tudo apesar de sabermos que ontem a tarde foi anunciado sua morte, e da qual será apenas divulgado a causa amanhã.

Amy Winehouse foi uma pontuação esquizo dentro da música popular, ou americaniamente mercanizado como música pop. Apesar de ser popular, ter hits, tocar nas rádios fms e ams, estar na “audiência”, ter fãs, Amy não era pop. Nem no estilo que se destacava por um envolvimento próprio com tons de jazz, blues, e até uma dose de salsa e uma pitada de funk.

Mas também não precisava “fazer tipo” na mídia, ou se mostrar uma criação da indústria fonográfica. Amy é o que está fazendo. Ela não se punha como uma modelo e nem como uma possuidora de um talento musical. Ela cantava, tomava umas, namorava e tentava fugir das armadilhas do sentimento petrificado.

Constantemente os jornais, revistas, teveleseira, telejornais e outros meios tratavam Amy como a “garota problema”, “fazedora de confusões”, viciada entre outras coisas. Entretanto os problemas que Amy e muitos de nós se prendemos é na crença da objetividade, de não perceber o novo momento e se prender ao passado, de criar armadilhas ee se chantagear, de se prender e improdutivizar nos sentimentos, de aceitar o capitalismo e o individualismo como única forma existente.

Este bloguinho sempre colocou os fatos sobre Amy Winehouse sem nenhum julgamento moral, ou vontade de que “ela fosse diferente”. Não podemos querer nada. Sabemos das limitações existentes em cada um. Há um mês divulgamos neste Esquizofia nas notas esquizas o fato dela ter feito um show de sua turnê européia (depois da rehab-rehabilitação) onde subiu no palco embriagada, fazia várias pausas nas músicas dignos de um bom breque do Moreira da Silva e esqueceu as letras da sua música, inventado outras palavras no lugar. O público vaiou a cantora, e não percebeu que talvez naquele momento ela esta em sua produção de outras melodias e dizeres. Porém o show foi encerrado pelos produtores e sua turné européia cancelada. A mídia caiu em cima, e não houve uma análise esquizo do fato que aborreceu os “fãs”.


Amy nos brindou com sua música, com a sua beleza, com os seus movimentos e com sua existência repleta de diversos momentos esquizos. E este bloguinho sabe que esta morte representa um corte (esquizo) na produção de Amy, mas sabemos que continuaremos envolvidos nesta alegria dionizante que Amy deixou em suas músicas, histórias, fotos, concertos, rostos, danças, na sua de-afin-o-desatino,em sua existência.


RAIO EM CEU AZUL? ATIRADOR DE OSLO MILITOU POR 7 ANOS NO PARTIDO NORUEGUÊS DE EXTREMA-DIREITA, 2ª FORÇA DO PAÍS

A primeira reação da chamada grande imprensa diante dos atentados de dimensões catastróficas ocorridos em Oslo, em que morreram cerca de 90  pessoas, foi relacionar sua autoria a grupos terroristas islâmicos. O ‘New Yok Times’ chegou a divulgar um texto atribuído a um desses grupos,  que confirmava a autoria dos massacres. A informação foi rapidamente replicada em todo o mundo, sem qualquer investigação empírica, como algo dotado de uma lógica  autoexplicativa. Era falso. Tudo isso aconteceu antes que o próprio governo norueguês fornecesse uma pista para elucidar as motivações dos atentados. Quando se pronunciou, foi para advertir  que as maiores suspeitas recaíam sobre Anders Behring Breivik,  jovem branco, alto, louro, de olhos verdes e de classe média, islamofóbico, que  militou durante sete anos (1999/2006) no Partido do Progresso, uma legenda norueguesa de extrema direita, nacionalista e xenófoba. Segunda força do país, com 29% dos votos e 41 cadeiras no Parlamento, o PP é uma espécie de emulação nórdica do Tea Party norte-americano e a única legenda da Noruega que em plena crise mundial defende o corte de impostos e de gastos governamentais. Nisso se identifica com a ala bushiniana do Partido Repúblicano dos EUA e congêneres nativos. O enredo não fazia sentido. Na pauta esfericamente blindada da narrativa dominante  quase não há espaço para interações entre crise econômica,  extrema direita e violência terrorista. É bom ir se acostumando. O estreitamento do horizonte social produzido por interesses financeiros que levaram o mundo a uma espiral ascendente de incerteza, desemprego e volatilidade gera impulsos mórbidos que a extrema direita historicamente instrumentalizou. Vide as duas guerras mundiais do século 20. Uma precipitação da mídia em circunstancias como essa envolve o risco, nada desprezível, de desencadear represálias violentas contra comunidades etnicas e religiosas em diferentes pontos do planeta. É inevitável lembrar que a manipulação do medo e do ódio nos EUA, através de mídias como a Fox News, de Rupert  Murdoch, após o repulsivo atentado de 11 de Setembro, pavimentou o caminho de uma guerra desordenada em busca de ‘armas de destruição em massa’, de resto nunca encontradas. Sobretudo em situações extremas, a pluralidade da informação de alcance isonômico mostra-se uma salvaguarda indispensável da democracia contra a manipulação do medo e da dor pelo império do preconceito e da intolerancia.
 
*(Carta Maior; Domingo, 24/07/ 2011)
 

USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.246.601 hits

Páginas

Arquivos