Arquivo para 9 de agosto de 2012

GOVERNO FEDERAL LANÇA PLANO NACIONAL DE GESTÃO DE RISCOS E RESPOSTAS A DESASTRES NATURAIS

Preocupado com os eventos climáticos e as ameaças dos deslizamentos que podem causar vítimas como ocorreu em janeiro de 2011, nas terras da região serrana no estado do Rio de Janeiro, quando morreram mais de 900 mil pessoas e milhares ficaram feridas, o governo federal lançou o Plano Nacional de Gestão de Riscos e Respostas a Desastres Naturais que compreende um conjunto de ações e recursos. O plano tem como meta prevenir e socorrer o mais rápido possível as vítimas dos desastres ditos naturais. Naturais no modo do homem dizer, visto que a natureza não causa mal algum. É o homem que como um ser natural não sabe relacionar sua natureza com a substância natureza-naturante e natureza-naturada. Daí que todos os desastres que causam vítimas são da própria responsabilidade do homem. Principalmente o homem urbano.

O governo federal para executar o plano vai gastar R$ 18,8 bilhões em investimento em obras de prevenção e reconstrução e em monitoramento, em todo o país. Quando somado aos R$ 27,6 bilhões já contratados entre 2007 e junho de 2012 o aporte geral para o setor chega a R$ 46 bilhões. De acordo com o perigo de deslizamentos, enxurradas e inundações, foram escolhidos 820 municípios. Todas as cidades serão mapeadas e terão planos de intervenção com identificação da vulnerabilidade das casas e obras de infraestrutura.

Falando sobre o plano, Fernando Bezerra, ministro da Integração Nacional, disse que o governo tem gastado muito com reconstrução. Segundo ele, foram gastos, em média, em obras de reconstrução, por ano, R$ 1,1 bilhão.

“Vamos elaborar estes planos para oferecer informações para que os estados e municípios possam prever e apresentar projetos de outras obras de prevenção que ampliem os recursos já disponibilizados pelo governo federal.

Estamos agora priorizando a prevenção. Ainda assim, estamos estimando que, até 2014, vamos gastar em ações e reconstruções pelo menos R$ 2,6 bilhões”, disse Fernando Bezerra.

Por seu lado, o ministro das Cidades, Agnaldo Ribeiro, disse que o maior problema apontado pelo governo é a seca do Nordeste, por isso a maior parte dos recursos está sendo investida em obras para garantir oferta de água e prevenir inundações. O que soma um gasto de R$ 15,6 bilhões. Foram selecionados projetos de obras em municípios de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Piauí e Rio Grande do Norte, que montam em R$ 6,5 bilhões.

“O dinheiro está sendo usado em contenção de encostas, drenagens, adutoras e sistemas de abastecimento de água.

Algumas destas regiões, como a região serrana do Rio de Janeiro, têm sofrido frequentes problemas. Assim como o Vale do Itajaí, em Santa Catarina, e a região metropolitana, em Belo Horizonte, além de todo o Nordeste com a seca”, observou o ministro Agnaldo Ribeiro.

Criada no início do ano, a Força Nacional de Apoio Técnico de Emergência, também receberá investimentos, como também a Força Nacional de Segurança que vai apoiar os estados e municípios para socorrer e acelerar a recuperação nas cidades afetadas. 

ADVOGADOS DOS RÉUS DO MENSALÃO DISCUTEM SE SUAS SUSTENTAÇÕES PODEM INFLUIR NOS VOTOS DOS MINISTROS

Embora saibam que alguns dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já tenham seus votos determinados sobre os réus do julgamento da Ação Penal alcunhada pela imprensa reacionária e direita ultraconservadora de mensalão, visto que a mídia já chegou até a indicar os votos de alguns ministros, os advogados de defesa dos acusados discutiram se suas sustentações no STF podem influir nos votos dos magistrados.

O debate sobre o tema entre os juristas Alberto Zacharias Toron, advogado de defesa do deputado João Paulo Cunha, e Márcio Thomaz Bastos, advogado de José Roberto Salgado, ex-dirigente do Banco Rural, são opostos. O primeiro acredita que as sustentações podem afetar os magistrados e ajudar na decisão de seus votos, já o segundo acredita que não. Para ele as sustentações dos advogados de defesa não serão levadas em conta.

“Tenho a impressão que, embora os ministros possam ter os votos estruturados, não quer dizer que eles os tenham acabados. Eu penso que os ministros também são afetados a cada contribuição que os advogados dão. Ele vai conferindo se o que escreveu está de acordo com as provas dos autos ou não”, opinou Alberto Zacharias Toron.

“É preciso, para condenar, que a prova tenha passado pelo crivo da instrução judicial. Ela tem que ser avaliada devidamente e ver a prevalência da prova colhida depois da instrução judicial sob a prova colhida antes. Depende da análise dos ministros, mas eles estão balizados pela lei, inclusive pelo Artigo 155, do Código Penal, que diz isso”, observou Márcio Thomaz Bastos.

Das duas posições, a de Márcio Thomaz Bastos é mais convincente, em função da cena onírica proporcionado por alguns ministros durante as sustentações dos advogados de defesa dos réus. Alguns ministros simplesmente dormiam. Ou, eufemisticamente, puxavam um ronco.  Se dormiam, ou estavam muito cansados ou não lhes interessava o que apresentavam os advogados, visto que já tinham seus votos decididos. O que releva a posição do jurista ex-defensor do mafioso Carlinhos Cachoeira.

APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO INSS RECEBERÃO ANTECIPADO, METADE DO 13º NOS MESES DE AGOSTO E SETEMBRO

Por meio de decreto, a presidenta Dilma Vana Rousseff autorizou a antecipação do pagamento da metade do décimo terceiro dos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) entre os dias 27 de agosto e 10 de setembro. O decreto assinado pela presidenta foi publicado ontem, dia 8, no Diário Oficial da União (DOU).

Serão mais de 25,6 milhões de beneficiários que terão seus décimos antecipados, segundo o Ministério da Previdência Social. Uma soma de R$ 11,2 bilhões a mais na economia. Nessa antecipação não é cobrado Imposto de Renda, só na segunda metade que está marcada para novembro.

Vamos lá, companheiros aposentados e pensionistas, que outros funcionários públicos não aposentados já receberam, e muito até já fizeram usos.

Código Penal e justiça social

A demora em aprovar um novo Código Penal demonstra como o Estado “ainda hesita em se livrar de heranças históricas desumanas e antidemocráticas”, diz Jacques Alfonsin, advogado, procurador aposentado do Estado do Rio Grande do Sul e integrante da Comissão Estadual da Verdade. Em entrevista à IHU On-line, Alfonsin defende que “o que causa efetivamente a prática do crime” é um ponto central a ser discutido durante a elaboração do novo Código Penal que está tramitando no Congresso Nacional”.

Patrícia Fachin – IHU On-line

(*) Publicado originalmente em IHU On-line
Para o procurador aposentado do estado do Rio Grande do Sul, Jacques Alfonsin, avaliar “o que causa efetivamente a prática do crime” é um ponto central a ser discutido durante a elaboração do novo Código Penal, que está tramitando no Congresso Nacional. O debate é fundamental para formular leis condizentes com a Constituição de 1988 e a realidade social brasileira.

Em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line, Alfonsin assinala que a questão social, considerada “um caso de polícia” durante o Estado Novo, quando o atual Código Penal entrou em vigor no Brasil, deve ser revista, porque a “cultura jurídica do país, aí incluídas políticas públicas, decisões administrativas e judiciais, ainda não consideram a pobreza e a miséria como formas violentas de violação massiva de direitos”. Nesse sentido, o novo Código Penal precisa enfrentar uma questão importante, a da “desigualdade social de origem das pessoas, aquela derivada das condições econômicas de nascimento, de lugar, de espaço, de cultura, de saúde, de educação, de ambiente, de escolaridade”. E reitera: “A justiça social, pois, é condição prévia, ético-político-jurídica de boa convivência entre as pessoas”.

Considerando que o sistema carcerário brasileiro tem servido de escola para a criminalidade, parafraseando João Baptista Herkenhoff, autor de Crime. Tratamento sem prisão (Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1995), Alfonsin questiona: “A privação da liberdade será o melhor método para se punir alguém?” E responde: “O que deve prevalecer é a busca incansável e ininterrupta de outros meios. Sobre as/os criminosas/os punidas/os com as chamadas penas alternativas, por exemplo, já consagradas em lei, falam as estatísticas criminais que são poucas/os as/os que reincidem na prática de crimes”.

Jacques Távora Alfonsin é advogado do MST e procurador aposentado do estado do Rio Grande do Sul. É mestre em Direito, pela Unisinos, onde também foi professor. É membro da ONG Acesso, Cidadania e Direitos Humanos e publica periodicamente seus artigos nas Notícias do Dia da página do IHU.

Jacques Alfonsin foi nomeado, ontem, integrante da Comissão Estadual da Verdade. Confira a entrevista.

IHU On-Line – Considerando que o atual Código Penal é de 1940, por que será revisado somente agora? Quais são os resquícios do Código com o momento histórico em que foi elaborado e quais os descompassos com a realidade atual? 

Jacques Távora Alfonsin – Em 1940, vivia-se a ditadura Vargas, do chamado Estado Novo. A questão social ainda era considerada “um caso de polícia”, como um dos ministros do então presidente dizia. Os descompassos com a realidade atual, quando a Constituição de 1988 identifica o Estado como democrático e de direito, deveria ter força suficiente para desconsiderar-se, de vez, qualquer semelhança punitiva com a daquele tempo. Não é, infelizmente, o que acontece. Alguns representantes do Ministério Público, por exemplo, ainda tomam a iniciativa de denunciar pessoas com base na lei de segurança nacional promulgada pela ditadura imposta ao país pelo golpe de 1964, quem sabe até mais autoritária do que a do Estado Novo. Vários integrantes do MST estão respondendo a processo penal em Passo Fundo com base nesta lei. Isso demonstra como a demora em se votar um novo Código Penal ainda hesita em se livrar de heranças históricas desumanas e antidemocráticas.

IHU On-Line – Que aspectos o Código Penal deveria considerar diante da possibilidade de reforma, para ser um Código condizente com a Constituição de 1988 e a realidade brasileira?

Jacques Távora Alfonsin – Antes de tudo, considerando o que causa efetivamente a prática do crime. O mundo todo respondeu aos horrores da Segunda Guerra Mundial, por exemplo, com a declaração universal dos direitos humanos de 1948. O Brasil todo respondeu aos horrores do regime ditatorial imposto pelo golpe de 1964, com a Constituição de 1988. Quem lê o art. 5° dessa Constituição não detecta incompatibilidade entre as muitas garantias lá arroladas em defesa dos direitos humanos e a declaração universal. Somente esses exemplos deveriam ser suficientes para a humanidade se convencer que a dignidade humana e a cidadania, a primeira como fonte e base fundamental daqueles direitos e a segunda como efetivo respeito devido a eles, não pode ficar a espera de que sejam injusta e massivamente violados para, somente então, procurar remédio para defendê-los.

O Direito Penal não é o principal instrumento para isso, pois a sua força preventiva se limita quase exclusivamente à previsão da pena. Quando isso se mostra insuficiente, ele ainda precisa se prevenir contra um vício histórico que o tem maculado, ou seja, aquele de direcionar suas penas para “clientelas” visivelmente determinadas, como Lenio Luiz Streck adverte em uma das suas entrevistas sobre o novo projeto de código, disponíveis na internet. Ali se observa como para a injustiça social no atacado, origem principal de conflitos entre pessoas e classes, fermento poderoso de pobreza e miséria, o Direito Penal prevê como crime o que, frequentemente, se faz contra ela no varejo. A justiça social, pois, é condição prévia ético-político-jurídica de boa convivência entre as pessoas.

Se a paz é fruto da justiça e não daquela puramente abstrata e letrada, há que se garantir a social, a distributiva, sem a qual não há nem segurança nem paz. Somente assim, talvez, se alcance retirar do respeito à “ordem”, ao oficial, ao que é estatal o grave defeito de servir para preservar uma desordem institucionalizada, como dizia Roberto Lyra Filho, não podendo o Direito Penal, então, fazer passar por crime toda ação individual ou social que se rebela, legitimamente, contra esse tipo de infidelidade da lei aos seus próprios fins.

IHU On-Line – Como o senhor vê a discussão acerca da maioridade penal? Quais as implicações sociais de reduzi-la?

Jacques Távora Alfonsin – Vejo como outra prova de que a pena, especialmente a que deve ser executada em prisão, é vista muito menos como um remédio eficaz de recuperação da/o assim chamada/o delinquente do que uma tentativa de diminuir o medo e a insegurança da sociedade. Guardadas as devidas proporções, inspira essa pretensão a mesma motivação que inspira os defensores da pena de morte. O grau de intolerância com a/o criminosa/o continua não correspondendo ao grau de intolerância com as causas que o levam a fazer o que ele faz. Deve ser aplicada alguma pena a um “aviãozinho”, por exemplo, como são chamados esses jovens de dezesseis anos e até menos, que servem traficantes, sem família, sem escola, cercado de violência armada no próprio lugar onde vive, às vezes sob um barraco, faminto e quase sem roupa? Poderia ele resistir à promessa que lhe fazem de levar, por bom dinheiro, até o “ponto”, a “mercadoria” a ser consumida por outro, quem sabe da sua mesma idade, que está sentado no banco de trás de um automóvel importado dirigido por um motorista a serviço desse “freguês”?

A diminuição da idade em que se reconheça responsabilidade penal está muito longe de dar uma resposta minimamente satisfatória para uma tal pergunta, bastando considerar-se como os pais do jovem freguês avaliariam o acontecido. Eles hão de se insurgir contra essa diminuição, se ele tomar a direção do carro e, em outra esquina, já sob o efeito da droga, atropelar uma criança e matá-la. Aí se mostra em que medida a “clientela” das penas mostra toda a sua diferença quando soa a hora de a lei penal ser aplicada e executada.

IHU On-Line – Como a discussão da criminalização da pobreza e a relação entre pobreza e criminalidade aparecem nas propostas de reforma do Código Penal?

Jacques Távora Alfonsin – Os crimes mais comumente lembrados como os cometidos pelas/os pobres são aqueles praticados contra o patrimônio. Que isso nem sempre pode ser atribuído a um estado de necessidade, todo mundo sabe. Mesmo assim, é preciso enfrentar-se uma questão. A desigualdade social de origem das pessoas, aquela derivada das condições econômicas de nascimento, de lugar, de espaço, de cultura, de saúde, de educação, de ambiente, de escolaridade, tudo isso aparece na cogitação das/os aplicadoras/es da lei? Nem sempre. E ainda não na medida em que tais fatores de comportamento levam uma pessoa a praticar um crime. Essa não é uma insistência exagerada na resposta a todas essas perguntas que me estão sendo submetidas.

A cultura jurídica do país, aí incluídas políticas públicas, decisões administrativas e judiciais, ainda não consideram a pobreza e a miséria como formas violentas de violação massiva de direitos. Que um/a pobre possa ser criminosa/o não há dúvida. De que ela/e possa ser titular de direitos humanos fundamentais, todavia, que somente podem ser considerados garantidos na medida em que ela/e se liberte do seu estado de carência desumana – coisa que raramente depende só dela/e – isso ainda falta muito ser reconhecido. Basta lembrar que o descumprimento da função social da propriedade, por exemplo, uma das causas de empobrecimento massivo não é considerada crime pelo projeto de novo Código Penal em discussão.

IHU On-Line – Como a questão da penalidade está sendo discutida na proposta de reforma? Considerando a situação do sistema carcerário brasileiro, que aspectos a reforma deveria considerar?

Jacques Távora Alfonsin– O Dr. João Baptista Herkenhoff escreveu um livro muito instigante e questionador sobre o nosso sistema carcerário (“Crime. Tratamento sem prisão”, Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1995). A pergunta que está latente no seu estudo talvez possa ser expressa assim: “A privação da liberdade será o melhor método para se punir alguém?” “A história desse tipo de pena atesta em seu favor, ou, pelo contrário, mais não tem feito do que provar todos os dias a sua inadequação e inconveniência?” Que o nosso sistema carcerário tem servido de escola para a criminalidade parece não haver muita dúvida, e a resposta que ele deu para essa questão é taxativa: “Sendo a prisão absolutamente nefasta, deve ser evitada ao máximo, em respeito à pessoa humana, enquanto não puder ser de todo proscrita, na sociedade que se construirá a partir da eliminação das opressões, que sustentam a estrutura social vigente” (p. 91). Utopia? Se for, está compartilhada por gente de influência histórica internacional, em matéria de penalidade.

Separando por etapas históricas as políticas públicas de aplicação de penas, diz Michel Foucault sobre uma delas: “As prisões não diminuem a taxa de criminalidade: pode-se aumentá-las, multiplicá-las ou transformá-las, a quantidade de crimes e de criminosos permanece estável ou, ainda pior, aumenta. (…) A detenção provoca a reincidência; depois de sair da prisão, se têm mais chance que antes de voltar para ela” (Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1977, p. 234). O que deve prevalecer, então, é a impunidade? Não. O que deve prevalecer é a busca incansável e ininterrupta de outros meios. Sobre as/os criminosas/os punidas/os com as chamadas penas alternativas, por exemplo, já consagradas em lei, falam as estatísticas criminais que são poucas/os as/os que reincidem na prática de crimes.

IHU On-Line – Percebe, nas propostas de reforma do Código Penal, a tentativa de repensar os critérios da punição? Quais os desafios nesse sentido? Em que medida o Direito precisa repensar os conceitos e princípios que determinam as penas? Considerando que a severidade das penas não tem resolvido as questões da violência, e os crimes praticados, o que fazer?

Jacques Távora Alfonsin – Que existe essa tentativa de se repensar os critérios de embasamento das penas, não há dúvida. De que ela seja a mais justa para oferecer solução, aí reside uma questão para a qual eu considero não ter conhecimento suficiente nem competência para oferecer uma resposta condizente, ainda mais para questões dessa relevância. Como advogado de gente pobre e miserável, porém, grande parte integrando movimentos populares reivindicatórios, tenho tido a oportunidade de comprovar como o preconceito contra “esse tipo de gente”, como os bem-postos na vida costumam apelidá-la, é real e presente, inclusive invertendo contra esse povo a garantia constitucional da presunção de inocência e da ampla defesa. Para ele vale mesmo é a presunção de culpa. O trabalho do que fazer para alcançar alguma alteração desse quadro é gigantesco, pois tem de lidar com uma violenta ausência de sensibilidade humana e social que, a par de apoiada fortemente por grande parte da mídia, integra um poder que, justamente por ser “público” (no sentido próprio de “comum”) não deveria comprovar em tantos casos quão falso é o princípio jurídico da imparcialidade.

IHU On-Line – Nas discussões acerca da reforma do Código Penal, percebe uma tentativa de criminalizar ou até mesmo enquadrar como ato de terrorismo condutas movidas por propósitos sociais e reivindicatórios, como luta pela terra, greve, ocupação de prédios públicos? Nesse sentido, os movimentos sociais seriam criminalizados? Qual é a legitimidade dessas mudanças?

Jacques Távora Alfonsin – A realidade parece mostrar o seguinte: Desde que os protestos das/os pobres se contenham no nível das conveniências do capital, preservando as injustas desigualdades que os afligem, façam eles o que quiserem. Se isso afeta a propriedade privada, especialmente a de grande extensão de terra e dinheiro, por mais antissocial, perversa, desumana, predatória do meio ambiente que ela se mostre, aí a mudança de tom das razões retiradas da lei é visível. Grande parte das/os empresárias/os, das/os beneficiárias/os dos privilégios que vêm desde o nosso passado colonialista, patronal e escravocrata exige o “respeito devido à lei”, mas só à lei da qual elas/es também se sentem proprietárias/os. Esse é um aspecto ideológico e cultural importante de aplicação da lei penal. Ela sofre, felizmente com exceções notáveis, de uma interpretação extraordinariamente submetida ao argumento que vem da casa grande em prejuízo do que vem da senzala.

Não é despido de um certo sadismo cínico o exercício da autoridade armada contra as/os pobres nesses casos. Enquadra como terroristas rebeldias coletivas compostas por gente pobre e miserável contrárias a injustiças históricas, descarregando sobre elas o que não pode ou não quer fazer contra quem as/os empobreceu, mas se encontra oculto pelo anonimato do chamado “sistema”. Aí a violenta repressão estatal, como terrorista de fato vira “exercício de direito.” Deveria servir de advertência para o projeto do novo Código Penal e sua futura interpretação que era exatamente assim que a ditadura procurava se legitimar para sustentar as atrocidades que praticava.

IHU On-Line – Quais os desafios de repensar o Código Penal diante das mudanças sociais e culturais dos últimos anos?

Jacques Távora Alfonsin – O principal, ressalvado melhor juízo, é o de se questionar sobre as razões que legitimam a pena. As desigualdades sociais, nisso parece existir consenso, colocam permanentemente em conflito dois direitos humanos fundamentais – o da segurança em confronto com o da liberdade. A segunda, para o exercício da qual a responsabilidade individual se mede pelo respeito devido à coletiva, questiona fortemente a primeira quando o seu exercício somente é reconhecido em favor de quem a goza por ter boa situação econômica. Se ela prosseguir ancorada na segurança de poucos em prejuízo da liberdade da maioria, satisfeita em isolar a/o criminosa/o na cadeia, sua terapia discriminatória não terá outro efeito que não o de estimular a reincidência. Entre os principais desafios que as mudanças sociais e culturais modernas trouxeram para o Poder Público, Judiciário inclusive, está o da extraordinária complexidade nelas presente, para advertir tal Poder que a sua autoridade só se legitima com o humilde reconhecimento de que ele não sabe, não conhece toda a realidade nem as implicações que o exercício dessa autoridade precisa saber e conhecer para não ser injusta. Isso exige a sua presença frequente em outros lugares sociais (especialmente aqueles onde existe pobreza e miséria) nos quais ele não gosta de ir.

IHU On-Line – O projeto de lei do Código Penal deve dialogar com os diversos atores da sociedade civil, como as igrejas, por exemplo, principalmente em relação a temas relacionados a costumes e questões culturais?

Jacques Távora Alfonsin – Se não houver uma disposição de ouvir antes de falar e opinar, o diálogo sempre vai simular uma reciprocidade inexistente, de fato. Assim, me parece que o diálogo com a sociedade civil, aí incluídas as igrejas, alcançará algum resultado positivo se os dialogantes defenderem suas convicções desarmados de posições prévias frequentemente baseadas em heranças ideológicas e culturais pouco dispostas a ouvir e muito dispostas a impor. Eutanásia e aborto, por exemplo, não visam alcançar os mesmos fins do genocídio e da tortura.

Entretanto, quando essas duas últimas crueldades são patrocinadas por Estados ou coletivos privados que as defendem em nome de grupos econômicos – coisa frequente não nó nas ditaduras como em potências ditas democráticas como os Estados Unidos – não faltam quem as desculpem como um “mal necessário”. O mesmo argumento vem sendo sustentado pelos agentes de Estado da época da ditadura no Brasil, os torturadores que as Comissões da Verdade, mesmo sob suas limitações, estão tentando tornar mais conhecidos. À “ilicitude” que, em muitos casos, nem está presente no aborto e na eutanásia, as fáceis absolvições anteriores do mal praticado pelo genocídio e pela tortura, aí exigem condenação rigorosa, no velho estilo de coar o mosquito e deixar passar o elefante. Aqui haveria espaço para um outro diálogo urgente e necessário. O de se discutir a sintonia que o Direito Penal interno das nações que compõem a ONU guardam com o Direito Penal Internacional, e o respeito ou desrespeito que cada país garante às sentenças dos Tribunais Internacionais. Não me considero habilitado para isso.

IHU On-Line – Alguma observação a ser acrescentada?

Jacques Távora Alfonsin – Sim, a de que nem a lei nem o Direito, especialmente o Penal, são capazes de substituir o amor.

Mensalão: Advogados escancaram incongruências da acusação

Marcado por grandes atuações dos advogados, o quinto dia de julgamento da ação penal 470, o chamado “mensalão do PT”, escancarou as incongruências da acusação formulada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, contra três executivos do Banco Rural, contra o ex-presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e contra o ex-ministro-chefe da Secretária de Comunicação da Presidência, Luiz Gushiken.

Najla Passos 

Brasília – Marcado por grandes atuações dos advogados, o quinto dia de julgamento da ação penal 470, o chamado “mensalão do PT”, escancarou as incongruências da acusação formulada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, contra três executivos do Banco Rural, contra o ex-presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e contra o ex-ministro-chefe da Secretária de Comunicação da Presidência, Luiz Gushiken. Mas o sentimento geral foi que o brilhantismo dos advogados que apresentaram suas sustentações orais nesta quarta (8) favoreceu todos os 38 réus do processo.

O primeiro a subir na tribuna do Supremo Tribunal Federal (STF) foi o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, responsável pela defesa do ex-vice-presidente do Banco Rural, José Roberto Salgado. Autor do pedido de desmembramento do processo, com base no princípio constitucional de que os 35 réus sem direito a foro privilegiado deveriam ser julgados em mais de uma instância, Bastos criticou, com a mais absoluta elegância, o entendimento da corte, que lhe negou provimento. “Este é um julgamento de bala de prata. É um julgamento que se faz só uma vez”, argumentou.

Mas seu principal alvo, durante a sustentação, foi a peça acusatória do Ministério Público, prejudicada, na sua visão, por “incongruências vastas, enormes”. O advogado alegou que, para que seu cliente pudesse ser considerado culpado, a corte teria que “revogar a teoria da relatividade”. Segundo ele, José Roberto Salgado só assumiu a vice-presidência do banco um ano após a concessão dos empréstimos às empresas do publicitário Marcos Valério, que geraram as denúncias. “O procurador-geral da República sequer mencionou seu nome na sua sustentação oral de cinco horas, porque ele não estava no centro dos acontecimentos”, justificou.

Bastos reduziu as acusações que pesam sobre seu cliente e os colegas dele (gestão fraudulenta, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e evasão de divisas) a mero descumprimento de práticas bancárias. E, ainda assim, as refutou duramente. De acordo com o advogado, a base delas seria um único depoimento, e de um “falsário”: o ex-funcionário do Banco Rural Carlos Godinho. “Está provado que, em uma reclamação trabalhista, ele falsificou um documento”, alegou.

O advogado Maurício de Oliveira Campos Junior, que defende outro ex-executivo do banco, Vinicius Samarane, aprofundou com didatismos as teses já pontuadas por Bastos. Insistiu na afirmação de que o ex-vice-presidente José Augusto Dumont concentrava as responsabilidades pelas operações em suspensão. Dumont, que morreu vítima de um acidente de carro, em 2004, também é réu na ação..

Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, que representa a também ex-vice-presidente Ayanna Tenório Torres Reis, disse que ela era vítima do organograma da instituição financeira, já que suas funções não permitiriam que ela estivesse relacionada as operações de crédito que originaram a denúncia.

Réu candidato
Único dos réus do mensalão a disputar as eleições deste ano, o ex-presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT), hoje candidato à prefeitura de Osasco (SP), foi defendido pelo advogado Alberto Zacharias Toron das acusações de peculato, corrupção e lavagem de dinheiro. Bastante enfático, Toron procurou demonstrar que seu cliente não cometera crime algum, ressaltando que sua administração à frente da Câmara, pelo menos no que tange às questões de comunicação, seguiu os mesmos padrões adotados pelo presidente anterior, o hoje senador Aécio Neves (PSDB-MG).

O advogado sustentou que Cunha, acusado de favorecer uma empresa de Marcos Valério na licitação da casa, seguiu o procedimento costumeiro: tal como o antecessor tucano, nomeou uma Comissão Especial de Licitação para definir as regras do edital. E demonstrou que três dos membros desta comissão eram os mesmos da gestão anterior. Toron apresentou laudos do Tribunal de Contas da União (TCU) e Polícia Federal (PF) que comprovam que todos os serviços contratados das agências de Valério pela Câmara foram devidamente executados.

Ele refutou a acusação de que Cunha teria recebido indevidamente R$ 50 mil de Valério para privilegiá-lo. Conforme Toron, o dinheiro transferido da conta de uma das empresas do publicitário para a do ex-presidente foi um repasse autorizado pelo PT para custear pesquisas eleitorais. Na época, Cunha também foi o candidato petista à prefeitura de Osasco (SP). “Vou ler a denúncia para defender meu candidato. É a própria denúncia diz que o PT disponibilizou R$ 50 mil para ele”, tripudiou.

Resgate da biografia
Por fim, dividiram o tempo de sustentação oral os advogados do ex-ministro-chefe da Secretaria de Comunicação da presidência, Luiz Gushiken. Luiz Justiniano de Arantes Fernandes e José Roberto Leal de Carvalho lembraram a biografia do ex-ministro, citaram os prejuízos causados a sua imagem e criticaram enfaticamente o Ministério Público por ter apresentado denúncia, mesmo ciente de que os indícios recolhidos não eram suficientes para tal. “A condenação pública promovida pelo tribunal midiático fechou os olhos para a precariedade das provas”, denunciou.

Ao invés de usufruir da zona de conforto em que foram colocados a partir do pedido de próprio Gurgel de absolvição de Gushken por falta de provas, os advogados afirmaram que não se contentariam apenas com isso. “A defesa deseja o reconhecimento de sua inocência”, reivindicaram. Em uma crítica veemente à acusação, Fernandes disse acreditar que o MPF estava convicto desde o início de que a acusação contra o cliente teria o desfecho apontado, mas ainda assim insistiu em submetê-lo a sete anos de condenação pública.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.016 hits

Páginas

Arquivos