Arquivo para 27 de outubro de 2012

SABATINA MIDIÁTICA

Êxtase da informação: simulação. Mais verdadeira que a verdade.

Êxtase da informação: simulação. Mais verdadeira que a verdade. Jean Baudrillard

@ Embora democrata, como filósofo, não aniversarie porque é um devir aniversariante, de qualquer sorte muitas felicidades para você bom Sapo Barbudo, Lula! Parabéns nesse dia, que pode ser seis de outubro como diz o seu registro, mas o bom mesmo é saber de você vivão nessa luta implacável contra todas essas formas de degenerações humanas e aberrações democráticas que a direita ultraconservadora quer impingir ao Brasil.

Parabéns e muitas dissonâncias na harmonia delirante da direitaça que pretende amordaçar o Brasil para que ele não fale e não coma, e sem saúde não pense.

Vamos nessa outras vezes, pelo bem do povo brasileiro!

Valeu e vai valer sempre! Lula, sempre lá, como cá!

@ Domingo, dia 28, ocorre em vários municípios do Brasil eleições do segundo turno para prefeito. Capitais importantes no contexto político do Brasil encontram-se nessa festa democrática, como Fortaleza, Salvador, Curitiba, entre outras, mas uma capital chama mais atenção: São Paulo.

São Paulo torna-se mais evidenciada nesse pleito, não só por ser a capital do estado que apresenta maior significado econômico, mas precipuamente, no referente às decisões políticas que norteiam o plano nacional de decisões que de certa forma chega a influenciar Brasília.

Daí que todos os olhares estão voltados para a disputa que coloca em pauta os dois partidos de maiores representatividades no estado. De um lado o Partido dos Trabalhadores que vem realizando no Brasil uma política governamental voltada principalmente para os mais necessitados que durante séculos foram alijados dos direitos expressos na Constituição como estamento da sociedade civil. E do outro lado o PSDB, um partido assumidíssimo de defesa dos interesses da burguesia-ignara e da classe média parasitária de São Pulo que só tende aos seus interesses clivados por seu egoísmo privado. O próprio governo privatista do seu representante maior, Fernando Henrique, prova essa forma de governar para a elite ultraconservadora.

O certo é que de um lado encontra-se Fernando Haddad, candidato dos trabalhadores, e do outro o eterno Serra, candidato dos reacionários. De acordo com as últimas pesquisas, Serra vem se desesperando cada vez mais. Sua posição é terrivelmente – para ele e sua turma – tenebrosa. Encontra-se em uma pesquisa a 13 pontos abaixo de Haddad, e em outra, encontra-se 14 pontos a menos. Para a população paulistana trata-se de mudança no modelo de governo se Haddad vencer. O que as pesquisa mostram com bom grado para essa população quem vem sofrendo com o modelo capitalista de mercado implantado e defendido pelos membros do PSDB.

Nesse entendimento, o grande momento eleitoral de domingo está voltado para a capital paulistana. Uma importância tamanha que chega a ofuscar os interesses dos dirigentes do PSDB em relação à eleição em Manaus, onde o candidato ultraconservador Arthur do PSDB encontra-se na frente, de acordo com pesquisas na disputa contra a candidata Vanessa Graziotin do PCdoB.  

@ Em 2009, o jornal o Globo publicou uma notícia informando que o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) havia sido cancelado. Ontem, quinta-feira a notícia voltou a ser divulgada e tomou conta das redes sociais. Os estudantes inscritos no Enem preocupados com a notícia, resolveram usar o site do Ministério da Educação para saber se procedia a circulação da notícia. Prontamente o MEC, através de seu ministro, Aluízio Mercadante, desmentiu a notícia a acionou a Polícia Federal para investigar os boatos que circularam. O ministro voltou a afirmar que os exames serão realizados nos dias marcados: 3 e 4 de novembro.

Por sua vez, a Globo divulgou uma nota pretendendo esclarecer o fato que lhe implica, afirmando que o Enem de 2012 não foi cancelado, e pede que as redes sociais não divulguem mais a notícia que ela divulgou em 2009. Como a Globo é a Globo, uma organização da ultradireita e que se toma como o principal partido de oposição no Brasil contra o governo popular que ora trabalha no país, logo se passou a entender que a noticia requentada foi proposital, posto que a Globo encontra-se desesperada com a derrota certa de seu candidato Serra, no próximo domingo. Não foi atoa que ela apresentou nessa semana uma matéria de 18 minutos tratando mensalão com o objetivo de avivar na memória dos eleitores de que o candidato Haddad é do partido do mensalão. Uma missão inglória, visto que o mensalão de nenhuma forma pode salvar Serra.

A notícia divulgada dando conta que o Enem havia sido cancelado foi bem entendida como um recurso dirigido para ajudar o candidato em derrota, porque um dos mentores e aplicadores do exame foi exatamente Haddad quando era ministro da Educação.

 Mas há um atenuante brevíssimo para a Globo. É que o coordenador de redes sociais da campanha de Serra, publicitário Eden Wiedemann está sendo acusado de ser o responsável pela divulgação da notícia falsa. Ele postou em seu Twitter, às 20h11 de quarta-feira a mensagem:”VAI HADDAD! MEC confirma cancelamento das provas do Enem”. E indicou um link da notícia no portal Terra.

 Agora, o bom coordenador da campanha de Serra vai ser investigado pela Polícia Federal.

@ O Fórum Econômico Mundial divulgou o seu ranking de desigualdade de gênero de 2012 e apresentou um bom resultado para as mulheres do Brasil. Segundo o Fórum Econômico Mundial o Brasil ganhou 20 posições. Essa performance decorreu dos avanços obtidos na saúde e educação das mulheres e o aumento da participação feminina em cargos políticos.

Com esse resultado o Brasil passou da 82ª posição para a 62ª posição entre os 135 países pesquisados. Para a ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM), Eleonora Manicucci, esse resultado tem relação direta com as políticas voltadas para as mulheres iniciadas no governo do ex-presidente Lula, e no esforço concentrado da presidenta Dilma para dar continuidade a essas ações. O estudo mostra que o avanço no país decorreu de “melhorias em educação primária e no percentual de mulheres em posições ministeriais”. 

“Essa mudança positiva se deve às políticas públicas desenvolvidas no âmbito da participação econômica, do acesso à educação, do empoderamento político e da melhoria das condições de saúde para as mulheres, que foram avaliadas pelo relatório”, disse a ministra Eleonora Manicucci.

@ O Subcomitê de Prevenção da Tortura (SPT) das Nações Unidas teve reeleita sua atual responsável, a advogada brasileira Maria Margarida Pressburger, atuante na defesa dos direitos humanos no Brasil. Maria Aparecida é presidenta da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Rio de Janeiro (OAB/RJ) e Conselheira de Reparação Política do Estado.

Diante da reeleição da advogada Maria Margarida ao cargo de magna importância à dignidade humana, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) divulgou uma nota enaltecendo os méritos da advogada.

“As credenciais de atuação de Margarida Pressburger em diversas iniciativas de direitos humanos, seu engajamento na campanha pelo Direito à Memória e à Verdade, bem como seu recente mandato no Subcomitê de Prevenção à Tortura, respaldam sua importante missão na prevenção da tortura e de tratamentos cruéis e desumanos nos ambientes de privação de liberdade”, diz trecho da nota.

Na mesma linha de elogios e reconhecimentos, o Itamaraty também divulgou nota exaltando a advogada Maria Margarida.

“O governo brasileiro recebeu com satisfação a reeleição, no dia 25 de outubro, em Genebra, da Sra. Maria Margarida Pressburger ao Subcomitê de Prevenção da Tortura (SPT) das Nações Unidas, para o mandato de 2013-2016”, diz trecho do comunicado do governo federal.

Manifesto da Cultura e da Educação em apoio a Haddad

Manifesto apoiado por intelectuais, artistas e personalidades da Cultura e da Educação defende candidatura de Fernan Haddad à prefeitura de São Paulo. “Antes referência internacional, São Paulo deixou de ser um espaço de inovação e criatividade. No período da gestão Serra/Kassab, enquanto o Brasil brilhou, a cidade se apagou. Nesta eleição, os moradores de São Paulo decidirão entre duas formas diferentes de administrar a Prefeitura, mas, sobretudo, sobre o modelo de cidade que queremos construir”, diz o texto cuja lista de apoios é encabeçada pelo crítico literário Antonio Cândido.

Redação

São Paulo – Cerca de três mil pessoas participaram, quinta-feira (25), na Casa de Portgugal do ato da Cultura e da Educação em apoio à candidatura de Fernando Haddad (PT) à prefeitura de São Paulo. No ato, foi lido um manifesto que apresenta as razões do apoio ao candidato, com a lista das cem primeiras assinaturas de apoio. Segue abaixo a íntegra do manifesto com a lista dessas cem primeiras assinaturas, que é encabeçada pelo crítico literário Antonio Cândido:

Depois de oito anos intermináveis, a cidade de São Paulo está irrespirável. Seu espaço urbano, cada dia mais desumano, aproxima-se de uma situação de calamidade: o caos no trânsito, a crescente escalada da violência, o descaso com a iluminação pública, a degradação e o sucateamento dos serviços públicos de saúde, educação e assistência social.

Numa política de arrasa-quarteirão, bairros inteiros estão mudando, para pior, sua configuração social e urbanística. Torres, torres e torres erguem-se em ruas desprovidas de capacidade para receber mais automóveis. Enquanto isso, ocorrem recorrentes incêndios em favelas, e seus moradores são jogados na rua.

A atual gestão atingiu uma rejeição histórica. As reivindicações dos moradores da periferia, dos movimentos sociais e dos cidadãos em geral tornaram-se alvo de uma política autoritária e segregacionista. São escassas as políticas públicas voltadas para os que mais precisam delas. Comandada por administradores tecnocráticos e provincianos, a cidade, militarizada, adquiriu contornos de um campo de depressão individual e coletiva.

Antes referência internacional, São Paulo deixou de ser um espaço de inovação e criatividade. No período da gestão Serra/Kassab, enquanto o Brasil brilhou, a cidade se apagou.

Nesta eleição, os moradores de São Paulo decidirão entre duas formas diferentes de administrar a Prefeitura, mas, sobretudo, sobre o modelo de cidade que queremos construir.

Fernando Haddad apresentou um programa de mudanças apoiado em ideias e projetos inovadores. Suas soluções não podem ser postergadas ou ignoradas.

Seu programa demonstra vasto conhecimento dos principais problemas da cidade, pensando suas múltiplas dimensões de modo amplo e estratégico.

Orientado por novas diretrizes, enfatiza a descentralização e formas democráticas de gestão, direcionadas para a redução das desigualdades sociais. Não foge ao desafio de conceber políticas sociais, econômicas e culturais dinâmicas e ousadas.

Ressalte-se também que esse programa foi articulado em discussões públicas, por centenas de ativistas sociais, gestores experientes e representantes das diversas esferas da sociedade.

Trata-se ainda de um programa com pé no chão. Os custos de todas as propostas foram avaliados, e a fonte dos recursos especificada, evitando o aumento de impostos e procurando eliminar tarifas desnecessárias.

Pautado pelas ideias de liberdade, transparência, utilização crítica das tecnologias, fomento à inovação, o plano de governo de Fernando Haddad busca o fortalecimento das instituições públicas, o aprimoramento do convívio social, a ampliação de direitos e a garantia de seu exercício como um bem disponível e partilhável por todos.

Fernando Haddad possui todas as credenciais para executar este programa. Demonstrou isso ao longo de sua trajetória intelectual, profissional e política. Soube aliar motivação e planejamento, consistência e integridade exemplar, empreendedorismo e engajamento no combate à desigualdade social.

Político que sabe ouvir a voz dos sem voz, possui mãos limpas e vocação de educador e de homem público. Trata-se de uma nova liderança, dotada de capacidade, inteligência e sensibilidade necessárias à realização das mudanças que a cidade tanto clama.

No comando do Ministério da Educação fortaleceu, como nunca antes, o ensino no Brasil. Suas habilidades como administrador público granjearam-lhe o apoio da maioria dos educadores. Gerindo com competência e honradez um orçamento anual de mais de 60 bilhões de reais, valorizou e expandiu o ensino público, ampliou a rede de escolas técnicas, interiorizou Universidades e desmantelou a indústria do vestibular. Acima de tudo, abriu novas perspectivas de inclusão educacional, reduzindo a desigualdade de oportunidades historicamente vivenciada pelos afrodescendentes e pela parcela mais pobre da população.

Haddad é o melhor candidato a prefeito que essa cidade pode desejar no momento em que ela mais precisa.

Queremos uma cidade mais acolhedora e generosa, devolvendo São Paulo a todos que nela vivem e desejam vivê-la. Urge reverter a degradação progressiva do espaço e sociabilidade pública, construindo ações concretas que permitam ao cidadão e ao indivíduo que somos desenvolvermos livremente nossas potencialidades.

O poder público em São Paulo, nos últimos anos, realizou muito menos do que poderia. Esta eleição pode mobilizar seus habitantes e suas capacidades para transformar a cidade, privilegiando a justiça social, a democracia, o desenvolvimento e o respeito à natureza. Constitui uma oportunidade única para São Paulo virar a página e respirar o vento do futuro.

Com entusiasmo e convicção, convidamos todos à reflexão e conclamamos o voto em Fernando Haddad.

1. Antonio Candido, crítico literário
2. Alceu Valença, músico
3. Alfredo Bosi, crítico literário
4. Amélia Cohn, socióloga
5. Ana Bock, psicanalista
6. Ana Maria Nita Freire, educadora
7. Ana Petta, atriz
8. André Klotzel, cineasta
9. André Singer, cientista político
10. Benjamin Abdalla Jr., crítico literário
11. Celso Antonio Bandeira de Mello, jurista
12. Celso Frederico, professor de comunicação
13. Chico César, músico
14. Christian Dunker, psicólogo
15. Cibele Forjaz, diretora de teatro
16. Cilaine Alves Cunha, crítica literária
17. Claudio Gonçalves Couto, cientista político
18. Débora Duboc, atriz
19. Dermeval Saviani, educador
20. Ecléia Bosi, psicóloga
21. Eliane Caffé, cineasta
22. Emília Viotti da Costa, historiadora
23. Emir Sader, sociólogo
24. Enid Frederico, crítica literária
25. Ermínia Maricato, arquiteta
26. Fernando Moraes, jornalista e escritor
27. Gabriel Cohn, sociólogo
28. Gilberto Bercovici, jurista
29. Gilberto Gil, músico
30. Heloisa Fernandes, socióloga
31. Isa Grinspun, cineasta
32. Isaura Botelho, produtora cultural
33. Ismail Xavier, crítico de cinema
34. Jean-Claude Bernardet, crítico de cinema
35. João Adolfo Hansen, crítico literário
36. João Quartim de Moraes, professor de filosofia
37. João Sette Whitaker Ferreira, arquiteto
38. Jorge Wilhelm, arquiteto
39. José Castilho, professor de filosofia
40. José Celso Martinez Corrêa, diretor de teatro
41. José Miguel Wisnick, músico
42. José Sérgio F. de Carvalho, educador
43. Lais Bodansky, cineasta
44. Laura de Mello e Souza, historiadora
45. Laurindo Lalo Leal Filho, jornalista
46. Laymert Garcia dos Santos, sociólogo
47. Leda Paulani, economista
48. Lígia Cortez, atriz
49. Luiz Bagolin, crítico de arte
50. Luiz Carlos Bresser Pereira, economista
51. Luiz Felipe de Alencastro, historiador
52. Luiz Recáman, arquiteto
53. Mamede Mustafa Jarouche, tradutor
54. Marcelo Ferraz, arquiteto
55. Márcia Denser, escritora
56. Márcio Thomas Bastos, advogado
57. Marco Antonio Marques da Silva, jurista
58. Marcus Orione, jurista
59. Margarida Genevois, ativista dos direitos humanos
60. Maria Alice Setúbal, educadora
61. Maria Auxiliadora Dodora Arantes, psicanalista
62. Maria da Conceição Tavares, economista
63. Maria Hermínia Tavares de Almeida, cientista política
64. Maria Isabel Noronha, professora
65. Maria Rita Kehl, psicanalista
66. Maria Victoria Benevides, cientista política
67. Marilena Chaui, filósofa
68. Mario Salerno, engenheiro
69. Mario Sergio Cortella, educador
70. Mauro Zilbovicius, engenheiro
71. Miguel Nicolelis, neurocientista
72. Milton Hatoum, escritor
73. Moacir Gadotti, educador
74. Nabil Bonduki, arquiteto
75. Olgaria Matos, professora de filosofia
76. Otaviano Helene, físico
77. Pablo Capilé, ativista cultural
78. Paulo Silveira, psicanalista
79. Pedro Paulo Martoni Branco, sociólogo
80. Renato Ortiz, sociólogo
81. Renato Rovai, jornalista
82. Ricardo Abramovay, economista
83. Ricardo Carneiro, economista
84. Roberto Gervitz, cineasta
85. Ronaldo Bressane, escritor
86. Rubens Rewald, cineasta
87. Sergio Amadeu, ativista cultural
88. Sergio de Carvalho, diretor de teatro
89. Sergio Miceli, sociólogo
90. Sergio Muniz, cineasta
91. Stella Senra, professora de comunicação
92. Suely Rolnik, crítica cultural
93. Suzana Amaral, cineasta
94. Tata Amaral, cineasta
95. Toni Venturi, cineasta
96. Tullo Vigevani, cientista político
97. Vladimir Safatle, professor de filosofia
98. Walnice Nogueira Galvão, crítica literária
99. Wolfgang Leo Maar, professor de filosofia
100. Zé de Abreu, ator

Fotos: Paulo Pinto/Revista Forum

A irresponsabilidade do decano

Luis Nassif

Há duas maneiras dos Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) se manifestarem: uma, através dos autos; outras, através de manifestações extra-autos.

No primeiro caso, preserva-se a liturgia do cargo e até se pode disfarçar preferências, preconceitos e ideologia através das escolhas doutrinárias. A profusão de citações oculta ao leigo a enorme dose de subjetividade que permeia julgamentos.

Quando os magistrados enveredam pelo caminho da exposição pública e se permitem manifestar preferências políticas, o jogo muda. A toga vira ornamento vestindo o ego de uma celebridade. E o magistrado se expõe ao olhar público, como qualquer celebridade.

***

Sem o manto solene da toga, há muito a se reparar na personalidade de cada um: na falta absoluta de civilidade de Joaquim Barbosa, nos episódios controvertidos de Gilmar Mendes (que protagonizou uma possível fraude, com o senador cassado Demóstenes Torres, no episódio do “grampo sem áudio”), nas decisões sempre polêmicas de Marco Aurélio Mello, na submissão total de Ayres Britto aos clamores da mídia.

***

Mas nada se equipara à irresponsabilidade institucional do Ministro Celso de Mello, decano do STF.

O Ministro cumpriu carreira típica de servidor público qualificado. Primeiro, foi Procurador do Ministério Público Estadual (MPE) de São Paulo. Com reputação consolidada, foi guindado ao cargo influente de principal assessor jurídico do controvertidíssimo Consultor Geral da República do governo Sarney,  Saulo Ramos.

Ainda estão por serem reveladas as peripécias de Saulo à frente da consultoria e, depois, como Ministro da Justiça do governo Sarney. Foram muitas, desde a mudança do decreto do Plano Cruzado, visando dar sobrevida à indústria da liquidação extrajudicial, até o parecer conferindo direito aos investidores de títulos da dívida pública de receberem a correção monetária integral de um ano de congelamento, mesmo que tivessem adquirido o título na véspera do descongelamento.

Celso era o grande filtro técnico, o especialista capaz de dar vestimenta técnica às teses mais esdrúxulas de Saulo.

A Saulo, Celso serviu. E, como recompensa, ganhou a indicação para Ministro do STF.

***

Há toda uma hierarquia no serviço público na qual poderosos de hoje dependeram de favores dos antigos poderosos de ontem.

Até aí tudo normal. Não consta, em sua longa carreira, que o decano Celso de Mello tenha desmerecido a instituição para o qual foi indicado, mesmo levando-se em conta a qualidade dos seus padrinhos.

A grande questão é a maneira como ele, do alto da posição de decano do STF, está conduzindo suas declarações políticas. É de uma irresponsabilidade institucional mais adequada a um jovem carbonário do que a um decano.

***

Não se discutem as penas. Isso é prerrogativa do Magistrado. O que se discutem são as manifestações políticas inadmissíveis para quem representa o Supremo e a subordinação à segunda pior forma de pressão: o clamor da mídia (a primeira é a pressão do Estado).

Há uma grande chaga na política brasileira: as formas de cooptação de partidos políticos. E duas maneiras de combatê-la: entendendo-a como um problema sistêmico ou focando em apenas um partido.

***

Ao investir contra os “mensaleiros” com um rigor inédito, o STF desperta duas leituras: a benéfica, é o da necessidade da punição exemplar do episódio para extirpar sua prática da vida política nacional; a segunda, a de que seu rigor se limitará a esse julgamento, não aos próximos. Contra a imagem de isenção da corte tem-se a maneira como indícios foram transformados em provas. E tem-se o modo como o STF mudou a jurisprudência até então em vigor.

***

Há duas linhas de análise dos crimes das chamadas organizações criminosas. Uma – a “garantista” – exige a apresentação de provas objetivas para a condenação. Outra sustenta que, devido à complexidade das organizações, os julgamento podem se basear apenas em evidências. Até então, o STF adotava a primeira linha doutrinária, que beneficiava criminosos de “colarinho branco”. A partir do “mensalão”, passou a adotar a segunda.

***

Não será fácil conquistar a aura de poder severo com todos os crimes. Na mesma semana do mensalão, por exemplo, o Ministro Marco Aurélio Mello concedeu habeas corpus a um vereador carioca suspeito de chefia uma gangue de milicianos. No episódio Satiagraha, o STF, quase por unanimidade, acolheu a agressividade ímpar do Ministro Gilmar Mendes e concedeu liminar a um banqueiro cujos lugares-tenentes foram flagrados tentando subornar um Policial Federal.

***

O Ministro Marco Aurélio concedeu um habeas corpus a Salvatore Cacciola que, nos poucos dias antes de ser derrubado, permitiu a fuga do ex-banqueiro. No momento, a Operação Satiagraha está parada no STJ, apesar dos esforços do Ministério Público Federal. No caso do chamado “mensalão mineiro”, segundo o próprio Joaquim Barbosa, foram os demais Ministros que aceitaram o desmembramento da ação, ao contrário do “mensalão do PT”.

***

Só no próximo julgamento se saberá se o STF é isento ou discricionário. No entanto, a discricionariedade de Celso de Mello se manifesta antecipada e gratuitamente no campo das manifestações políticas, com um desapreço pelo sistema Republicano de causar inveja aos juízes da ditadura. Não se limitou a condenar o cooptação dos partidos mediante pagamento. Condenou como ditatorial o próprio instituto das coligações partidárias, peça central de governabilidade no país.

***

Sabendo ser generalizada a prática de cooptação, os financiamentos obscuros de campanha, em vez de uma crítica geral à prática – até como sinal de que outras infrações receberão o mesmo tratamento – chegou ao cúmulo de comparar um partido político ao PCC.  O que pretende com isso? Criar uma situação de esgarçamento político com o Executivo? Colocar o STF a serviço de um partido? Dar razão aos críticos que duvidam da isenção do tribunal?


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.241.959 hits

Páginas

Arquivos