Arquivo para 29 de julho de 2013

O vídeo que está irritando os “coxinhas

O compositor e cantor Max Gonzaga está “bombando” na internet com a música “Classe Média”, despertando a ira dos “coxinhas”, o nome que pegou para os jovens de classe média que reproduzem o discurso superficial e de direita da mídia.

Max, coitado, está sendo acusado de fazer a música para zombar das manifestaçoes do mês passado, mas a gravou há oito anos, em 2005.

Aliás, Max diz cantando, muito mais simples e bem-humorado, o que a Marilena Chauí falou, provocando tanta polêmica.

Se alguém quiser o disco do Max, a propaganda é grátis, basta clicar aqui e ele combina um jeito de entregar.

Em tempo: a classe média é e pode ser diferente. Foi dela que saíram Chico Buarque, Caetano, Gil e uma geração de artistas e intelectuais geniais, como anos antes tinham surgido Vinìcius, Graciliano, Jorge Amado e tantos outros. Mas é preciso, para isso, apenas um detalhe: não ter o umbigo no centro do Universo e lembrar que o povo é a terra de onde o intelecto se alimenta para brotar e poder florir.

Por: Fernando Brito

A Grã-Bretanha à procura de uma identidade pós-hegemônica

Desde 1945, a Grã-Bretanha tem vindo a tentar, com considerável dificuldade, ajustar-se ao papel de antiga potência hegemônica. Temos de avaliar como isto é difícil, tanto psicologicamente quanto politicamente. Parece hoje que os dilemas da sua estratégia política finalmente implodiram, forçando-a a enfrentar escolhas que são todas más.

Immanuel Wallerstein

Houve uma vez um tempo em que o sol nunca se punha no Império Britânico. Já não é assim! Em 1942, Winston Churchill saiu-se com uma frase famosa: “Não aceitei ser o primeiro-ministro do Rei para presidir a liquidação do Império Britânico.” Mas de fato foi exatamente o que fez. Churchill conhecia a diferença entre estrondo e poder.

Desde 1945, a Grã-Bretanha tem vindo a tentar, com considerável dificuldade, ajustar-se ao papel de antiga potência hegemônica. Temos de avaliar como isto é difícil, tanto psicologicamente quanto politicamente. Parece hoje que os dilemas da sua estratégia política finalmente implodiram, forçando-a a enfrentar escolhas que são todas más.

A Grã-Bretanha emergiu da Segunda Guerra Mundial como um dos Três Grandes – os Estados Unidos, a União Soviética e a Grã-Bretanha. Era, porém, o mais fraco dos Três. A estratégia que escolheu foi tornar-se no sócio menor dos Estados Unidos, a nova potência hegemônica. Isto chamou-se na Grã-Bretanha, pelo menos, de “relação especial”, a qual afirmava ter com os Estados Unidos.

O mais importante benefício que a Grã-Bretanha obteve desta relação especial foi a transferência imediata da tecnologia nuclear, permitindo que fosse, desde aquele momento, uma potência nuclear. Os Estados Unidos não tiveram de forma alguma um gesto semelhante para com a União Soviética, muito menos com a França. Os Estados Unidos procuravam um monopólio nuclear global partilhado apenas pelo seu sócio menor. Claro que, como sabemos, este monopólio foi desfeito primeiro pela União Soviética, depois pela França e pela China, e depois mais tarde por um número de outros estados.

Na Europa ocidental continental, os primeiros passos para a reconciliação começaram com a Comunidade do Aço e do Carvão. Esta incluía seis nações – França, Alemanha, Itália, e o trio do Benelux, isto é, Bélgica, Holanda, e Luxemburgo. Não incluía a Grã-Bretanha. Estes primeiros passos na direção da União Europeia de hoje foram na altura encorajados pelos Estados Unidos, como uma forma de tornar possível a incorporação das partes ocidentais da Alemanha no que viria a ser a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Não é certo que os líderes britânicos apreciassem esta nova estrutura continental europeia. Uma das formas de reação da Grã-Bretanha foi aparentemente tentar afirmar uma postura geopolítica independente dos Estados Unidos. Juntou forças com a França e Israel para atacar o Egito de Nasser. Os Estados Unidos seguiam nessa altura outra estratégia no Oriente Médio, e portanto não perderam tempo a apertar a Grã-Bretanha e insistir que retirasse as tropas. Uma humilhação para os britânicos, mas que também os lembrou dos limites da sua capacidade de serem independentes dos Estados Unidos.

Depois disto, porém, os Estados Unidos começaram a encorajar a Grã-Bretanha a entrar nas estruturas continentais. Em parte porque Washington começava a preocupar-se com a posição relativamente independente destas estruturas, inspirada pela França. Do ponto de vista dos EUA, a Grã-Bretanha poderia ajudar a evitar que isto ocorresse. Esta posição tinha uma vantagem particular do ponto de vista britânico. O último vestígio remanescente da sua anterior hegemonia era o papel fundamental da City de Londres nas finanças mundiais. A Grã-Bretanha precisava de acesso aos mercados europeus para garantir este papel.

Assim, a Grã-Bretanha entrou nas estruturas, para grande desgosto de Charles De Gaulle, que percebeu muito claramente as motivações dos EUA nesta questão. Nos anos 70, foi a hegemonia dos EUA que começou a ser contestada. Tanto França quanto Alemanha iniciaram aberturas diplomáticas à União Soviética, que culminariam muito mais tarde em 2003 com a vitoriosa resistência franco-germano-russa ao desejo dos EUA de que o Conselho de Segurança apoiasse a invasão militar ao Iraque.

Neste contexto de caos geopolítico, o governo britânico alinhou-se totalmente com os Estados Unidos. A completa subordinação de Tony Blair à política dos EUA começou a embaraçar até mesmo a opinião pública britânica, que passou a dar muito menos valor a uma relação especial que era unilateral. Mais e mais pessoas na Grã-Bretanha defendem a retirada tanto da ligação com os EUA quanto com os europeus. A força crescente do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP, da sigla em inglês) é uma grande expressão desta mudança de opinião.

A Grã-Bretanha tinha-se recusado a entrar na zona euro. No turbilhão econômico que se tornou tão evidente depois de 2008, o desejo de sair da própria União Europeia cresceu firmemente, em especial no interior do Partido Conservador, o que evidentemente alarmou os grupos financeiros da City de Londres, que viu corretamente que uma consequência disso poderia ser que Frankfurt superasse Londres como o centro financeiro europeu.

A Grã-Bretanha tem outros problemas – a sempre crescente força do regionalismo (e mesmo a perspetiva de independência) de Gales, Escócia e da Irlanda do Norte. A Grã-Bretanha resiste, o melhor que pode, à sua redução à Inglaterra. E o faz num momento em que os Estados Unidos não parecem estar grandemente comprometidos com sequer uma aparência de relação especial.

O problema para a Grã-Bretanha de hoje é que todas as escolhas que tem pela frente são más. A Grã-Bretanha deseja insistir que ainda é uma das principais potências militares. Mas o mesmo governo que o afirma é também o que reduz o orçamento e o tamanho das suas forças armadas, como parte do seu programa de austeridade. O maior problema da Grã-Bretanha de hoje é que o resto do planeta vai simplesmente deixar de considerá-la um muito importante ator geopolítico e financeiro. Ser ignorado não é o destino mais feliz para uma antiga potência hegemônica.

Tradução, revista pelo autor, de Luis Leiria para o Esquerda.net.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.114 hits

Páginas

julho 2013
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos