Arquivo para 30 de maio de 2014

SEM O BRILHO ILUSÓRIO DE HERÓI CRIADO PELA MÍDIA, JOAQUIM BARBOSA AFIRMA QUE VAI SE APOSENTAR EM JUNHO.

Divulgação

Indicado por Lula que o queria como o primeiro negro no Supremo Tribunal Federal (STF), e iniciando uma carreira progressista para depois, através do julgamento da Ação Penal 470, que condenou membros do Partido dos Trabalhadores, e foi transformado em herói pela mídia acéfala, ir se transformando em um homem perseguidor, vingativo, colérico, voluntarioso e personalista, o ministro Joaquim Barbosa, afirmou que vai se aposentar no fim do mês de junho.

O anúncio, em seu conteúdo, não foi surpresa, porque já vinha sendo comentado alguns meses. Mas tornou-se surpresa por ninguém esperava que com tão brevidade. Ele visitou, pela manhã de ontem, dia 29, a presidenta Dilma, o Senado e a Câmara Federal e anunciou sua decisão. Mas foi durante a realização da sessão plenária do STF que ele fez o anúncio formal. 

“Eu tenho uma informação de ordem pessoal: é que eu decidi me afastar do Supremo Tribunal Federal em junho. Afasto-me não apenas da presidência, mas do cargo de ministro, requererei, portanto, meu afastamento do serviço público após 41 anos.

Eu tive a felicidade, a satisfação, a alegria de compor essa Corte no que é talvez o seu momento mais fecundo, de maior criatividade e de importância no cenário político institucional do nosso país”, disse Barbosa.

O ministro Joaquim Barbosa um dia afirmou, em relação a José Genoíno, que preso era para pagar sua pena no ostracismo, claro que sem qualquer conhecimento filosófico do que seja ostracismo, e é exatamente em seu sentido de ostracismo que o ministro anuncia sua aposentadoria. Depois de ser elevado pela mídia acéfala aos píncaros da glória a ponto ser exaltado como herói, porque realizou um julgamento que lhe satisfez principalmente condenar José Dirceu, ele começou a sair no gosto própria mídia. Deixou de ter seus minutos de glórias nas telas, mormente, na TV Globo.

De tantas decisões descabidas juridicamente, segundo juristas nacionais e internacionais, ele anuncia o seu ocaso em um quadro lânguido que bem poderia ser retratado pelo cancioneiro popular: “morre hoje, sem foguete, sem retrato e sem bilhete, sem luar e sem violão”. Mas o cancioneiro popular é criação em coordenada com o coletivo. O que não fez Joaquim Barbosa. O julgamento da Ação Penal 470, foi um julgamento para a elite tosca que domina o Brasil.

Ele disse que a Corte tem “seu momento mais fecundo, de maior criatividade e de importância no cenário político institucional do nosso país”. Um autoelogio que não corresponde às críticas que a sociedade brasileira em sua expressão bem consciente-intelectualmente, afirma.

Esperemos o dia, junto com o andamento da Copa.

MUDA MAIS APRESENTA “QUE BOM BOMBOM”

Veja a farsa do querer voltar (não há volta, até o filósofo grego, Heráclito sabia) da turma do arrocho salarial do capitalismo de mercado apresentado pelo site Muda Mais.

O Axé não saía das rádios brasileiras e algumas das mais geniais coreografias eram criadas. Era maio de 1999 e o novo hit do momento era lançado: “Xibom Bombom” (link is external), da banda baiana As Meninas. A letra dessa música, no entanto, chamava a atenção. Diferentemente de boa parte das composições do gênero, a banda de Carla Cristina trazia uma letra que questionava a situação do país.

Carinhosamente batizada de “axé do proletariado”, “Xibom Bombom” falava, com bom humor, da dificuldade do brasileiro em ter acesso à educação, à alimentação e a uma vida digna. Mais que isso, o clássico refrão questionava a grande desigualdade social do país. Afinal, o motivo da situação precária todo mundo conhecia: “o de cima sobe e o de baixo desce”.

Mas isso era em 1999! Nesta semana se completam 15 anos que essa música não sai de nossas cabeças. E em 15 anos muita coisa mudou. Já são 12 anos de um governo que faz quem tá lá “embaixo” subir, que investe na educação, na alimentação, na moradia, no emprego. ♪♫Tucano de novo, o Brasil não merece ♪♫

É por isso que, passada uma década e meia, revisitamos esse clássico. E, olha, tá bem melhor a vida d’As Meninas… canta com a gente:

♫♪ Que bom Bombom: o axé do proletariado 2.0 ♪♫

♪♫ Bom qui bom qui bom bom bom
Bom qui bom qui bom bom bom

Analisei essa cadeia hereditária
E vi que me livrei de uma situação precária

O Brasil cada vez fica mais rico
E agora cada vez tem menos pobre.

E o motivo todo mundo já conhece
Com tucano fora
O emprego cresce
E o motivo todo mundo já conhece
Com tucano fora
O salário cresce.

Bom qui bom qui bom bom bom
Bom qui bom qui bom bom bom

E agora eu eduquei meus filhos
Viraram cidadãos
Com muita dignidade
E agora eu como bem
Posso me alimentar
Com a grana que eu ganho
Já posso até voar

E o motivo todo mundo já conhece
Tucanoooo de novo, o Brasil não merece.
E o motivo todo mundo já conhece
Tucanoooo de novo, o Brasil não merece ♫♪

O verdadeiro discurso do medo

No Chile, o primeiro ato da derrubada de Salvador Allende desenrolou-se com uma paralisação de transportes seguida de um lock-out do comércio de alimentos.

Wanderley Guilherme dos Santos

Também seguimos inseguros, os empenhados existencialmente nesse fluxo histórico de espetacular transformação da comunidade brasileira. Também seguem meio desorientados os que apostaram na capacidade de um punhado de políticos de boa cepa ensinar ao país que é possível perseguir uma sociedade justa, não obstante os entulhos de um passado oligarca e suas reencarnações tatibitati. Mas incomoda vê-los hesitar diante das vociferações dos antidemocratas de todas as cores. A imagem de meia dúzia de desatinados, entre os quais índios sem teto ou sem oca, expostos a selfies na marquise do Congresso não prenuncia nada engraçado. Muito menos folclóricos ainda são os gigantescos engarrafamentos castigando a população que retorna do trabalho, à conta da intimidação promovida por uns poucos buldogues ameaçadores, fora da linha sindical. São movimentos de carregação aproveitados, bandeiras à vista, por legendas partidárias sem expressão e sem voto, desafio da força bruta ocasional à tolerância democrática.

A democracia é, por certo, um sistema político que garante voz a quem deseja acabar com ela, mas não é um arranjo institucional de espinhela caída a permitir ações que constrangem a maioria da população. O conhecido e histórico oportunismo de certos grupos sociais – trabalhadores em transportes, especialmente de massas, e empregados em saúde pública – e de rótulos partidários sem energia própria podem, parasitando a inércia das instituições legítimas e com divulgação garantida, persuadir a maioria não organizada dos cidadãos que são eles os minoritários. Imprensados entre a balbúrdia com proteção jornalística e o silêncio governamental, ficam os trabalhadores em dúvida sobre se a melhoria em suas condições de vida não constitui imerecida exceção num país aparentemente em ruínas.

Quem conhece o todo e não compartilha informação com os beneficiados comete grave erro de propaganda política. Faz parte da obrigação governamental não apenas fazer, mas fazer saber. Em 27 de maio último, por exemplo, o Senado aprovou proposta tornando legal a expropriação de empresas que explorem trabalho escravo. Não há em nenhum lugar do mundo legislação semelhante. Tal como o programa bolsa-família, essa legislação será em breve copiada por outros países, pois o trabalho escravo não é monopólio de países pobres. Contudo, notícia de tal importância foi relegada a páginas remotas dos diários ou nem mesmo registrada. Do mesmo modo, o imenso planejamento das benfeitorias que serão deixadas pela Copa de futebol, muitas das quais já operando, foi até aqui esmagado por uma das mais estúpidas campanhas jamais patrocinada pelo conservadorismo oposicionista e uisquerdóides de todos os tempos. Pois vai ter Copa, sim, assegurada pela maioria real do país e apesar do paralisante acidente vascular do governo.

Minorias têm direitos, mas não podem ter o poder de subjugar a maioria. Tratá-la como maioria é traição institucional e política. A população trabalhadora tem direito a exigir transportes suficientes e em boas condições, mas previamente tem o direito constitucional de ir e vir. Conta-se que, na China pré-conquista do poder, o Partido Comunista organizava greve de bondes fazendo os transportes rodarem gratuitamente. Não li que jamais os incendiasse e obrigasse os trabalhadores seguirem a pé para suas casas. Já no Chile, o primeiro ato da derrubada de Salvador Allende desenrolou-se com uma paralisação de transportes seguida de um lock-out do comércio de alimentos. Não conheço tratado de política em que tais movimentos prenunciem avanços democráticos. Conheço histórias em que os desfechos foram tiranias longevas.

Há razão para a ansiedade de parte da população e para o desejo de mudança. Já não é tão claro, apesar de destemidos intérpretes e fora os itens costumeiros de melhor transporte, saúde, educação e segurança, o que deseja a significativa maioria da população. Pelo que costuma responder sobre a difusão da violência, o anarquismo sem rumo dos blaquiblocs e aparentados, esplendidamente repelidos, o que a maioria deseja é mudar a sociedade. É importante que as autoridades meditem sobre isso, não se entreguem às interpretações velhacas e tragam segurança jurídica e existencial à maioria. São pagas para isso.

Créditos da foto: Arquivo

 


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.245.530 hits

Páginas

Arquivos