Arquivo para 15 de dezembro de 2014

ANÊMICA ORNAMENTAÇÃO NATALINA DE MANAUS PROMOVIDA PELA PREFEITURA DE ARTHUR DO PSDB

arvore_de_natalDizem que Natal é uma festa cristã que simboliza a alegria produzida pelo nascimento de Cristo. Embora alguns queiram reduzi-a a uma festa eminentemente familiar, entretanto, concebendo Cristo como um ser/comunidade, ela é precipuamente coletiva.

O próprio evangélico cristão mostra essa realidade política-histórica. O cristianismo, apesar da dor, do ressentimento e da má consciência imposta nele por Paulo, não se constituiria em uma potência sacro-social se Cristo não tivesse assumido seu ser-coletivo.

Alguns filósofos e filósofas, como Hannah Arendt, mostraram em seus escritos-políticos-filosóficos, a importância história de Cristo como um ser implicado em uma ética-coletiva. Já o filósofo Nietzsche, em seu tratado O Anticristo, mostra Cristo como um ser que ama que não cobra, não culpa e não condena. Mas um ser que vive a vontade de potência. Todos como diferenças, mas amor-distributivo.

Com o capitalismo, o Ego-Ísmo-Familiar fez do Natal um caso de coletivização, onde os membros de uma família “celebram” a data com seus afetos-neuróticos muito bem particularizados. Afetos-neuróticos configurados – para alguns psicanalistas, simbolizados – nas trocas de presentes personificados nas lojas suportes da indústria de consumo que sabe muito indicar a ordem natalina. A ordem do capital como representação fetichista mercadoria/família/“amor cristão”. Quem não responde a essa ordem não tem Natal.

Quando o Natal é uma expressão coletiva, as classes desaparecem. Não há hierarquia-financeira estabelecendo a identidade-natalina. Muito pelo contrário. Há um encadeamento de afetos políticos-religiosos que concretizam o amor-cristão. O Natal não de configura em uma comemoração alienada nos afetos-neuróticos-burgueses. Há simplesmente a festa-natalina, o que se bebe e o que se come não segue um modelo imposto por um Natal capturado pelo desvio do desejo do amor-coletivo. Há presença de todos, sem intermediários fantasiosos, culposos e cobradores.

A prefeitura de uma cidade é uma representação coletiva. O prefeito foi eleito para administrar os negócios públicos do município em forma de Bem Comum, ou estatuto da cidade. No caso de comemorações coletivas, ele não pode seguir modelos particulares, mas sim o devir-coletivo. Por exemplo, uma data coletiva não pode ser comemorada como uma data familiar, como um aniversário de um fulano ou fulana de tal. A data coletiva tem que ser composta por corpos-festivos que inclua toda a sociedade.

Como uma cidade é composta de dois corpos, o urbano, os prédios, ruas, logradouros públicos etc., e a cite, a relação entre os seus habitantes, que compõem os movimentos-pulsantes dessa cidade em forma de existência-particular, o prefeito tem por obrigação proporcionar festa coletiva, como o Natal, que afetem de alegria os seus habitantes. Mas não é o que o prefeito de Manaus, Arthur Neto (que, no Senado, ameaçou surrar Lula), do partido da burguesia-ignara, PSDB, vem fazendo. O que ele já deveria, por experiência, saber. Porque se trata da segunda vez que ele é prefeito de Manaus. A primeira foi na era Collor quando que se tornou o primeiro prefeito do Brasil a se aliar ao falso caçador de marajá – Lula chamava de caçador de maracujá -, criado pela mídia acéfala, mormente a TV Globo.

A ornamentação da cidade de Manaus nesse Natal é uma homenagem-triste e anêmica a data do calendário cristão. Uma triste demonstração. Na Avenida Djalma Batista, considerada a mais importante de Manaus por ser composta por várias lojas, bancos, escola, faculdade, shopping, Arthur colocou alguns postes com opacas estrelas que ofendem a ordem celestial-natalina e, por ironia, a ordem capitalistas do comércio da dita avenida. Se seguisse a ideologia comunista, diriam que foi a forma que ele encontrou, como comunista, de se vingar do capitalismo. Mas Arthur não tem qualquer “baque” de comuna. É um puro burguês.

A indiferença do prefeito do PSDB com a festa natalina da cidade é tão ofensiva que algumas pessoas estão relembrando com “saudade”, as ornamentações de antigos prefeitos como Alfredo Nascimento e Serafim, todos também reacionários como Arthur, mas que não ficaram indiferentes com a festa-coletiva. Devem ter entendido que ser reacionário não concede direito de anular o que é do princípio coletivo.

Todavia, observando a não-administração de Arthur, já era possível aventar o que hoje ocorre. Há dois anos na prefeitura, ele não apresentou qualquer trabalho coletivo que possa ser digno de consideração pública. Recapeou a Avenida Djalma Batista e algumas ruas, e nada mais. Os velhos e eternos companheiros buracos da cidade de Manaus continuam a proliferar, o sistema de transporte coletivo segue deprimente e ofensivo aos usuários. Lazer público inexiste. Diante dessa desalentadora realidade, já existem pessoas prognosticando que se ele se candidatar a reeleição não ganha.

Mas Arthur não tem sido de todo negativo. Há uma atuação que lhe confere positividade. Ele conseguiu eleger seu filho Bisneto, também do PSDB – não podia ser diferente -, deputado federal com o maior número de votos nas últimas eleições. É lógico que ele não podia passar quatro anos na prefeitura sem realizar uma atuação positiva. Mesmo que fosse atuação em benefício a sua própria família. Assim, como o  individualismo do Natal da família-burguesa.

Para que servem os partidos de esquerda?

Hoje, recoloca-se com força a questão do papel dos partidos de esquerda nos processos de construção de alternativas superadores do neoliberalismo.

por Emir Sader

Ao longo da década de 1990 a esquerda resistiu como pôde aos avanços do neoliberalismo. Parecia que estávamos frente a uma onda irresistível, até que alguns governos latino-americanos reagiram e começaram a construir alternativas a esse modelo

Duas correntes conviviam na resistência ao neoliberalismo: uma, que defendia a autonomia dos movimentos sociais, a rejeição à política, aos partidos e ao Estado. Outra, que propunha a necessidade de resgate da política, dos partidos e do Estado para conquistar hegemonia e construir alternativas ao neoliberalismo.

Triunfou esta segunda corrente, dado que a superação do neoliberalismo requer a construção de um bloco de forças hegemônico e a construção prática de novas políticas de caráter público, que requerem redirecionar o Estado, superando a centralidade do mercado, promovida pelo neoliberalismo. Trata-se de resgatar o Estado e a política e não de abandoná-los, o que faz o jogo do neoliberalismo.

O resgate do papel ativo do Estado, tanto como indutor do crescimento econômico, como na sua qualidade de garantia dos direitos sociais, foi decisivo na capacidade de governos para avançar na superação do modelo neoliberal. A ultraesquerda foi derrotada porque não soube compreender a natureza da disputa e do papel do Estado nela.

Os que propunham a autonomia dos movimentos sociais não foram capazes de passar da força acumulada no plano social na resistência ao neoliberalismo à construção de alternativas políticas a esse modelo. Permaneceram na fase de resistência a esse modelo. Algumas forças praticamente desapareceram – como foi o caso dos piqueteros na Argentina – outras ficaram reduzidas à intranscendência – como é o caso dos zapatitas no México.

Foi decisivo o papel do Estado nos avanços na superação do neoberalismo, tanto no plano econômico, como no social. Mas a desmoralização da política e o enfraquecimento dos partidos não se deteve sequer nos países que resgataram a importância do Estado.

Hoje, recoloca-se com força a questão do papel dos partidos de esquerda nos processos de construção de alternativas superadores do neoliberalismo. Como se trata de governos de alianças amplas, de centro esquerda, esses devem representar a alternativa de esquerda, que representa a superação radical do neoliberalismo. E, mais além dessa luta, apontar para alternativas anticapitalistas.

Por outro lado, o papel de um partido de esquerda é o de formular estratégias para chegar aos objetivos do programa dos partidos. Enquanto os governos se movem no plano das conjunturas, é necessário apontar para esses objetivos, para que não se percam nos enfrentamentos imediatos.

Além disso, os partidos devem discutir permanentemente com os movimentos populares as plataformas de luta, as formas de organização dos distintos setores populares, as relações com os governos. Porque são esses movimentos – sindicatos, movimentos sociais, culturais, etc.  – os que devem se dedicar a organizar os mais amplos setores de massa.

É também responsabilidade dos partidos as constantes avaliações das conjunturas, das relações de força, dos aliados, do inimigos.

Em síntese, o papel dos partidos é o de dar direção política, de elaborar e construir a hegemonia dos programas estratégicos da esquerda e as formas de sua realização.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.246.604 hits

Páginas

dezembro 2014
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos