Arquivo para abril \30\-04:00 2015

BETO RICHA, MAIS UMA VEZ, MOSTRA AO MUNDO COMO O PSDB TRATA PROFESSORES: NA VIOLÊNCIA

5c508b64-648c-42a5-907e-63b5da7c99f4O PSDB, partido da burguesia-ignara que tem como berço esplêndido a direita paulista, conseguiu através de seu ‘príncipe’ sem trono, Fernando Henrique, mostrar a sociedade brasileira que seu negócio não é com a educação. Durante os desgovernos do ‘príncipe’ a educação foi profundamente massacrada e desprestigiada por força do caráter tacanho do neoliberalismo adotado pelo ‘nobre’. Não podia ser diferente: o capitalismo embrutece. Vide exemplo as falas e atos dos coxinhas-burgueses que o defendem. Quando o capitalismo se preocupa com a educação é para degenerá-la transformando-a em saber instrumental a serviço do lucro. Nada de sensibilização e racionalidade do saber como espiritualização ontológica.

Ontem, dia 29, mais uma vez o PSDB, através do governador do Paraná, Beto Richa, a subjetividade-racional teve diante de si o exemplo do método usado contra os que pensam uma sociedade democrática. Manifestantes preocupados com seus direitos trabalhistas foram até a Assembleia Legislativa para contestar a votação de um projeto de lei, do governador Beto Richa, que altera a previdência dos funcionários públicos do Paraná. Para os manifestantes o projeto muda a fonte de pagamento de mais de 30 mil do fundo previdenciário, o que causa custos a previdência dos servidores. Com seu projeto o governo vai deixar de gastar R$ 125 milhões mensais.

b4e64d27-dec5-410f-83b8-a3c19e5a55c8b5c9f6bf-7303-4bcf-a5b9-dedf6957c186 b9bf30eb-3f16-4259-bf7c-95dd2d7124e6 bebdc1a5-4246-41f8-b074-5e5ecad46cec d402ae77-6f7b-49dc-b52d-10ea1fef84aaComo já foi mostrado na greve dos professores que o governo tem dificuldade de dialogar democraticamente, a Polícia Militar foi acionada. Acionada ele, composta por 2 mil policiais, passou a reprimir os manifestantes com bombas de efeito moral, jato d’água e bala de borracha. Resultado do método educacional do governador: mais de 200 pessoas feridas, segundo a Guarda Municipal de Curitiba, 40 enviadas ao Hospital Cajuru e oito em estado grave.

635852c9-c485-44a4-9998-c2cc48583759 7f11086e-596e-464b-897e-19ca3b18f11a image (1) image (3) imageMas nem todos policiais militares cumpriram a ordem de atacar os manifestantes. De acordo com informação da própria PM, 17 policiais se negaram a atender a ordem e foram presos. Diante da atrocidade, o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), que já foi um grande reaça do PSDB, pediu ao governador que mandasse parar o ato de violência. Temendo também pela segurança dos funcionários da prefeitura, o prefeito liberou todos e as crianças que se encontravam nas creches próximo do local da ostensiva repressão.

“Estamos fazendo o possível para atender os feridos na prefeitura, mas nossa capacidade é limitada. Faço um apelo ao governador, Secretaria de Estado de Segurança Pública. Por favor! O momento é de pacificar. Já temos muitos feridos aqui”, implorou o prefeito.     

 Um fato irônico na repressão. A Rede Bandeirantes, como TV tão aliada do PSDB, teve seu cinegrafista Luiz Carlos de Jesus mordido por um pitbull da PM. Nem o seu ‘Jesus’ lhe salvou da repressão.

E como já é recurso demagógico de governo que faz uso da violência como forma de defesa de sua ineficácia, o governador Beto Richa culpou os manifestantes.

Clique no link abaixo pra ver os videos armadores. 

https://scontent-mia.xx.fbcdn.net/hvideo-xpf1/v/t42.1790-2/11192109_10153252225724763_958729337_n.mp4?oh=d5522d4437a5e93199bee7ce153a7741&oe=5541DCA9

https://fbcdn-video-k-a.akamaihd.net/hvideo-ak-xpa1/v/t43.1792-2/11091575_640016612795085_435754608_n.mp4?oh=7d4599e33e6e4dfc7237210587cc9701&oe=5541DC65&__gda__=1430378938_4f15a5c155a4ba6e827e4111417a0720

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MAGISTRADOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO LANÇA SUA AGENDA POLÍTICO-INSTITUCIONAL CONTRA A TERCEIRIZAÇÃO

d70ce3e7-2786-48c8-861b-38bb8c249be9O Projeto de Lei 4.330 do empresário-deputado Sandro Mabel, a chamada terceirização, é para a maioria da sociedade civil um projeto que ofende, agride e esfacela os direitos dos trabalhadores construídos com lutas históricas. Entretanto, não é assim que é considerado pelo sadismo e inveja dos deputados-patronais que votaram pela sua aprovação na Câmara dos Deputados. Diante da leitura dessa irracionalidade, a sociedade civil com suas representações democráticas vem se posicionando para que no Senado essa anomalia seja desconstruída para o bem dos trabalhadores e da democracia.

Diante desse quadro terrorista ameaçador dos direitos dos trabalhadores, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) lançou, na Câmara dos Deputados, a sétima edição de sua agenda político-institucional se posicionando contra a aprovação da terceirização e qualquer proposta que precarize os direitos trabalhistas.

“A terceirização não deve ser utilizada como um mecanismo de flexibilização e deterioração e das relações de trabalho.

O projeto vai acabar produzindo uma reforma trabalhista precarizante e comprometendo o futuro do Brasil. A aprovação desse projeto significa uma reforma jamais pensada pelo mais radical dos liberais.

Ao admitir subcontratação, a proposta também acabará permitindo a “quarteirização” e a “quinteirização” ”, se posicionou o presidente da Anamatra Paulo Schmidt.

Para Alexandre Ramalho, cientista político legislativo do Senado, a posição dos magistrados mostra que a sociedade civil através de suas entidades, hoje, tem uma função fundamental nas pautas referentes à democracia. Para ele, os magistrados, por suas competências, ao afirmarem que a terceirização propicia o rebaixamento de salários e maior número de acidentes de trabalho, estão prestando importante serviço para a sociedade.

“Esse tipo de iniciativa é uma mostra do ativismo das entidades, que precisa ser perene, e reflete o peso que sociedade civil organizada passou a ter nos últimos anos, para expor as ideias dos cidadãos. O Congresso precisa cada vez mais de agenda do tipo”, disse Alexandre.

FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS REALIZAM MANIFESTAÇÕES EM DEFESA DE SEUS DIREITOS OBSTRUÍDOS PELO PREFEITO DE MANAUS E GOVERNADOR DO AMAZONAS

IMG-20150428-WA0008O filósofo alemão Hegel nos leva ao entendimento muito simples sobre a importância do funcionário público em um Estado. Para ele, que acredita serem as instituições criações da sociedade civil assim como Estado, o burocrata, funcionário público, é a representação real dessa sociedade diante dos indivíduos. Como todo funcionário para se tornar um sujeito público precisa dominar o saber constituído pela instituição que representa, ele ocupa uma posição superior a dos governantes. Ou seja, ele é público por carregar em si a função de fazer a sociedade se movimentar em suas relações imprescindíveis. Daí que ele é funcionário porque sua função no quadro público auxilia a população a ver realizadas suas necessidades legais. Função que como  trabalho precisa, por direito-social, ser reconhecido com uma renda: seu salário.

IMG-20150428-WA0007 IMG-20150428-WA0006Como é sabido, pela maior parte da sociedade, que quase todos os governantes entram para a chamada vida política por pretensão individual, e não por ser composto de dimensão política que transcende o individual-privado, é fácil compreender, embora não aceitável, porque os governantes, como os de Manaus e do Amazonas, estabelecem imposições aos funcionários públicos quanto à legalidade de seus direitos. Por essa antidemocrática imposição os servidores públicos, para fazerem valer seus direitos, têm que recorrer aos corpos que lhe possibilitam reivindicações.

Foi por essa ausência de dimensão política e modo de ser antidemocrático dos governantes da prefeitura, Arthur Neto, do partido da burguesia-ignara PSDB, e do governo do estado, José Melo, também conhecido pelos funcionários como ‘salgadinho’, que os funcionários públicos resolveram ontem, dia 28, realizar uma manifestação em defesa de seus direitos obstruídos por ambos. Ou, sua renda salarial produzida por sua função publica que os governantes não querem cumprir. Foram professores, policiais da Polícia Militar e Polícia Civil, Bombeiros, servidores da saúde, entre outras categorias que redundou em mais de 2 mil manifestantes.

Entre esses reivindicadores, funcionários público, uma nota para se observar a situação dos policiais militares. Seus representantes ao discursarem lembraram que se lançaram de corpo e alma na campanha eleitoral para eleger o governador José Melo, com a promessa que teriam seus direitos garantidos. Agora, eles se acham traídos porque o governador já avisou que não vai atender seus pedidos que são o reajuste da data base, promoção e mudança do código de ética.

Os professores também reivindicam o reajuste da data base que os governantes já avisaram que não vai haver, porque não há verba para o pagamento. Na verdade, os governantes divulgaram dias antes que não vai ter aumento para nenhuma categoria. Muito pelo contrário, já está havendo redução de direitos conquistados. Um exemplo vem da prefeitura. Professores que têm carga dobrada em área rural recebiam auxílio localidade, agora uma parte desse auxílio foi cortada. Os professores também reivindicam uma política para cobrir suas perdas salariais que vem desde o ano de 2008.

IMG-20150428-WA0009 IMG-20150428-WA0010 IMG-20150428-WA0013Os governos conseguiram ludibriar os professores recorrendo a uma simulação trabalhista. Para não conceder aumento salarial à categoria, eles concederam alguns benefícios, mas que não tinham amparo em lei. Como se diz na linguagem oral: um acordo só de boca. Agora, alguns desses benefícios estão sendo tirados com desculpa de que é preciso enxugar a máquina. E os professores, perguntam: “Que máquina?” Para os professores a tal máquina tem muito a ver com as campanhas do anos passado quando o candidato ao governo do estado, José Melo, gastou muito dinheiro para ser eleito e o prefeito Arthur Neto, aquele que ameaçou surrar Lula, para eleger seu filho neto, Bisneto.

A manifestação em si foi um ato que deve ser aplaudido pela sociedade, já que reuniu várias categorias lutando por seus direitos. O que, como práxis, é a produção de democracia trabalhista. Foi um ato político com caráter inédito historicamente no estado. Os funcionários que não participaram tiveram os seus motivos, mas um se faz mais visível: alienação política. Alienação que toca diretamente em alguns chamados movimentos de partidos políticos que preferiram se aliar, no caso dos professores, aos pelegos do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Siteam) que durante anos vem sustentando os governos reacionários da prefeitura e do estado.

Vejam as fotos criadas pelos professores Lucicleia Lopes e Marcos Nei também membros-afinados da Associação Filosofia Itinerante (Afin).

IMG-20150428-WA0014 IMG-20150428-WA0015 IMG-20150428-WA0016 IMG-20150428-WA0017 IMG-20150428-WA0018 IMG-20150428-WA0019

Quem inspira os jovens conservadores que protestam contra Dilma e a esquerda?

A Atlas, segundo o Valor Econômico principal referência do movimento, possui cerca de 450 instituições, inclusive em países como Venezuela, China, Irã.

Redação do Jornal GGN

Quem inspira os meninos da ultra-direita brasileira que agitam protestos contra o PT e a presidente Dilma Rousseff? Segundo reportagem publicada ontem, dia 27, no Valor, os jovens são inspirados ideologicamente pela Atlas Network, uma empresa sediada em Washington (EUA), que prega o livre mercado, e que mantém parceria com instituições brasileiras, que recebem dinheiro para promover palestras, divulgar artigos, livros, etc.

“Esses institutos têm servido de fonte de informação e atraído a atenção de adolescentes e jovens na faixa dos 20 anos, muitos deles participantes dos protestos de março e de abril”, escreveu o jornal.

O presidente da Atlas, Alejandro Chafuen, argentino radicado nos Estados Unidos, o organismo não se envolve em “assustos de rua ou política em outros países”. Para ele, foi necessário, inclusive, se afastar de instituições ligadas ao Tea Party, uma ala conservadora do Partido Republicano.

No caso do Brasil, Chafuen enxerga a influência da Atlas sobre o pensamento dos jovens que protestam contra os governos do PT. “Obviamente há certa correlação entre as pessoas que passam por nossos programas e pelos institutos com que trabalhamos e o que está acontecendo aqui”, disse ao Valor.

No Brasil, a Atlas lista como parceiras o Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista, do Rio; Estudantes Pela Liberdade, de Belo Horizonte; o Instituto de Estados Empresariais, de Porto Alegre; o Instituto de Formação de Líderes, também de Belo Horizonte; o Instituto Liberal, do Rio; o Instituto Liberdade, de Porto Alegre; o Instituto Ludwig Von Mises, de São Paulo; o Instituto Milenium, também do Rio e o Ordem Livre, de Petrópolis.

O presidente do Mises Hélio Beltrão disse ao Valor que o foco em São Paulo são jovens universitários liberais que possam disseminar a mensagem do grupo nas instituições que, na visão dele, são doutrinadas pela esquerda.

O cientista político Fábio Ostermann, um dos fundados do Movimento Brasil Livre (MBL) – que marcha de São Paulo a Brasília cobrando o impeachment de Dilma – trabalhou por dois meses e meio para a entidade americana. Ele diz que ainda não houve doações para o MBL pela Atlas.

A Atlas distribuiu no Brasil cerca de 20 mil dólares por ano, segundo Chafuen. O grupo Estudantes pela Liberdade recebeu no ano passado cerca de 10 mil dólares. “O dinheiro que mantém as atividades da Atlas vem, em sua maioria, de fundações e cidadãos dos Estados Unidos. (…) Os doadores têm preferências distintas. Alguns são religiosos conservadores; outros, libertários.”

A Atlas possui hoje cerca de 450 instituições espalhadas pelo mundo, inclusive em países como Venezuela, China, Irã, Nepal.

DILMA, EM VISITA A XANXERÊ, CIDADE ATINGIDA POR TORNADO, DIZ QUE TERCEIRIZAÇÃO É PERDA DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES

a5e26527-bcc9-47e7-8706-6e76253952c1No dia 19, a cidade de Xanxerê, no estado de Santa Catarina foi atingida por um tornado que deixou várias casas destruídas e famílias desabrigadas. Diante da calamitosa ocorrência a presidenta Dilma liberou R$ 5,8 milhões para serem aplicados nos prejuízos materiais que sofreram os moradores da cidade. Do montante, R$ 2,8 milhões serão usados para reedificação de casas e prédios e socorro aos municípios atingidos. Já os R$ 3 milhões serão usados na reedificação do Ginásio Municipal Ivo Sguissardi, que foi quase todo destruído.

“Nós liberamos também recursos tanto para Ponte Serrada quanto para Xanxerê, para reconstrução de telhados e todos os equipamentos que são necessários para essa recuperação. Mas pretendemos dar contribuições, as que sempre damos diante de calamidades, que a liberação antecipada do Fundo de Garantia: a liberação antecipada do benefício Prestação Continuada do Ministério da Presidência; e do Bolsa Família”. 

Durante a visita Dilma, falou sobre alguns temas aos repórteres presentes, entre eles a terceirização que foi aprovada pelos deputados-patronais.

“A terceirização tem que estar ancorada em duas exigências: de um lado, o pagamento de impostos, porque não podemos virar um país onde ninguém paga imposto, porque você aceitará uma relação chamada de ‘pejotização’ que é transformar em pessoa jurídica todos os integrantes de uma empresa. Com isso, você não teria pagamentos de impostos, principalmente de contribuição previdenciária. Transformar em ‘pejotização’ significa, por outro lado, a perda de direitos trabalhistas importantes conquistados ao longo do tempo”, afirmou Dilma.

Dilma não deixou de se posicionou contra a atividade-fim que libera geral a terceirização e que foi votada pelos deputados-patronais inimigos dos trabalhadores.

“O governo acha que tem de ter equilíbrio, reconhece a importância de ter uma legislação sobre a terceirização e acha que tem de ter esse equilíbrio que significa, sobretudo, que você não elimine a diferença entre atividades-fim e meio para todas atividades existentes em economia”, observou Dilma.

O que eles querem é também a ‘pejotização’ para realizar livremente a promiscuidade capitalista sobre o setor trabalhista.

INÊS ETIENNE ESCAPOU DO CENTRO DE TORTURA, CASA DA MORTE, CONTOU SUAS VIVÊNCIAS E SEGUIU HONRADA

238abdc3-a9a4-4f9a-ab64-9de11dc42b4eDurante a ditadura militar-civil que dominou o Brasil entre os anos de 1964 e 1984 vários locais foram criados para que os torturadores colocassem em prática suas taras psicopatológicas sobre os presos considerados inimigos do regime de exceção dominantes. Algumas vezes nem precisava criar locais específicos para a prática da sublimação dessas psicopatologias. Qualquer quartinho, saleta, corredor ou mesmo becos e vielas serviam para tais atos irracionais.

Todavia, houve um centro, entre outros, criado com exclusividade para essa prática anormal. A Casa da Morte, em Petrópolis. Era uma residência que do lado de fora quem passasse e a olhasse jamais desconfiaria que as piores atrocidades fossem praticadas contra seres humanos. Tortura e assassinatos eram comuns. Uma cláusula predominava: quem entrava na Casa da Morte jamais saia vivo.

Inês Etienne Romeu, militante da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) lutou contra a ditadura, foi sequestrada e presa em 1971, em São Paulo, torturada, na Casa da Morte, mas escapou. Na verdade, foi à única que escapou. Uma sobrevivente que, agora, ajudou a Comissão Nacional da Verdade a descobrir alguns torturadores que eram desconhecidos e, ajudou também, a encontrar locais onde companheiros foram enterrados. Por seus serviços prestados como alguém que lutou pela redemocratização do Brasil, em 2008, recebeu o Prêmio Direitos Humanos, categoria Direito à Memória e à Verdade, na época, entregue pelo presidente Lula.

Inês Etienne guarda em seu currículo de militante o ‘louvor’ de ser a última presa política libertada pela Anistia, oito anos após ser presa. Ontem, dia 27, ela confirmou, através da substancialidade de suas vivências, sua honradez, aos 72 anos. 

COLETIVO ENECOS MOSTRA QUE A BOLA DA REDE GLOBO MURCHOU DE TANTO PRATICAR O DERESPEITO À CONSTITUIÇÃO

Veja e ouça o vídeo. Solte aquela gargalhada e se indigne contra a prática da Rede Globo. A maldade veste Globo!

Uma produção do Coletivo Enecos Bonde do Rio em parceria com estudantes que compõem a Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social.

 

A hora é agora: 6ª feira, 1º de Maio de 2015

A mobilização contra o avanço conservador já não pode tardar. Nada é mais importante do que agigantar a força das manifestações neste 1º de Maio. A hora é agora.

por: Saul Leblon

Uma semana antes deste 1º de Maio de 2015, 79% da bancada do PSDB na Câmara e uma proporção exatamente igual do PMDB votaram pelo desmonte dos direitos trabalhistas no Brasil. À petulância conservadora o PT respondeu com 100% dos votos em defesa da CLT, assim como o PSOL e a bancada dos representantes do PCdoB.

O cálculo do cientista André Singer encerra grave advertência e uma incontornável convocação.

O conservadorismo considera que é hora e há ‘clima’ para esfolar os assalariados brasileiros, sangrar a esquerda e colocar de joelhos os sindicatos. Um pouco como fez Margareth Tatcher contra os mineiros na emblemática greve de 1984.

Aécio, Cunha, Skaf, Paulinho ‘Boca’ e assemelhados sabem o que estão fazendo.

Rompido o lacre da regulação do trabalho, a ganância dos mercados reinará absoluta na dinâmica do desenvolvimento brasileiro, como aconteceu na ascensão do neoliberalismo com a derrota sindical inglesa de 1984.

A ordem unida da mídia, dos patrões, tucanos e pelegos em torno da agenda da terceirização condensa assim um divisor de época.

Só há uma resposta à altura para isso na História: a construção de uma frente ampla progressista, que comece por ocupar as ruas do Brasil nesta sexta-feira, para devolver ao 1º de Maio o seu sentido e aos democratas um instrumento capaz de reverter o golpe branco que tomou de assalto o país.

Muito do que acontecerá no Brasil nos próximos dias, meses e anos refletirá a abrangência dessa mobilização.

Inclua-se aí a rejeição da PL 4330, mas também o desfecho da espiral golpista travestida de faxina política de seletividade autoexplicativa  (leia a análise de Najla Passos; e os editoriais de Joaquim Palhares e de Saul Leblon.)

Nada é mais importante do que agigantar a força das manifestações contra os coveiros da CLT e da democracia social neste 1º de Maio.

Informe-se junto ao seu sindicato, reúna os amigos, convide os colegas de trabalho.

Não cabe mais perguntar que horas são.
 
O tempo é de dar respostas – nas ruas.

50 ANOS DA REDE GLOBO: TUDO A VER CONTRA A DEMOCRACIA

protesto-50-anos-globo-sp-1Conforme ficou combinado ontem, dia 26, parte da sociedade brasileira esclarecida, ocupou as ruas para mostrar que jamais a Rede Globo teve importância para o Brasil. Essa parte esclarecida sabe que o conglomerado Globo sempre foi um elemento teratogênico da comunicação no país com o único objetivo de criar monstros com seus tentáculos disseminados pelo território nacional para aumentar seu fator pecuniário. Para essa parte, a Rede Globo é a cristalização dos sentidos e cognição dos que para ela  oferecem essas faculdades.   

Assim, ontem, dia 26, não sereia possível faltar lembranças dos atos perniciosos que a Rede Globo patrocinou em favor da ditadura civil-militar que submeteu a sociedade brasileira à opressão entre os anos de 1964 e 1985, sua criação com o capital norte-americano, a conspiração contra a eleição de Brizola como governador do Rio de Janeiro, as manipulações de notícias importantes para democracia através de seu desnecessário Jornal Nacional, as trapaças contra Lula frente a Collor, sua grade de programação elaborada com o fito de criar uma consciência pró-cultura norte-americana, as tentativas de golpes contra os governos populares, criado por Lula e agora continuado por Dilma.  

protesto-50-anos-globo-bh-1 protesto-50-anos-globo-bh-2 protesto-50-anos-globo-bh-3 protesto-50-anos-globo-df-1Em São Paulo milhares de pessoas se uniram para mostrar que a moral contra a corrupção pregada pela Rede Globo não passa de simulação para mostrar o que ela não é. Como a simulação e fingir o que não se é, os manifestantes apresentaram faixas e dizeres mostrando o que a Rede Globo: a representação maior da comunicação brasileira corrompida. Uma afirmação real que desfaz o descaramento da Rede Globo que na comemoração de seus 50 anos fantasiou e delirou uma programação totalmente fora da realidade que é a entidade. Não podia ser diferente, a Rede Globo tem que falar bem de si mesma. Ela jamais iria mostrar que conspira contra a democracia desde JK a Dilma. Em seu sintoma paranoide ela é o modelo da democracia.

protesto-50-anos-globo-df-2 protesto-50-anos-globo-df-3 protesto-50-anos-globo-df-4Com essa demonstração coletiva contra a tirania das comunicações perpetrada pela Rede Globo, o governo federal deve se comprometer com a democratização da comunicação e partir para luta pela regularização da Lei dos Meios. Um fato é real, respaldo da sociedade civil ele tem.

Veja algumas imagens das manifestações contra o delírio-narcísico da Rede Globo.

protesto-50-anos-globo-sp-2 protesto-50-anos-globo-sp-3 protesto-50-anos-globo-sp-4 protesto-50-anos-globo-sp-5 protesto-50-anos-globo-sp-6

GLOBO, 50 ANOS DE ASSALTO ÀS MENTES DOS SUJEITOS-SUJEITADOS COMO CONSPIRAÇÃO CONTRA A DEMOCRACIA

40 Anos de jornalismo espectral

50 Anos de jornalismo espectral

Hoje, dia 26, várias manifestações serão realizadas em todo o Brasil como formas de protestos contra a TV Globo, por sua atuação alienadora e desrespeitosa contra os sentidos e os intelectos dos telespectadores. Embora se saiba que os telespectadores que ligam seus aparelhos no sinal da TV Globo fazem porque a escolhem. Por isso, são responsáveis por suas auto-alienações. O controle remoto é seu instrumento de ação televisiva. Não usam porque lhes satisfaz o tele-masoquismo. Logo, estão comemorando, também, os 50 anos de assalto às mentes como conspiração contra a democracia, já que são sujeitos-sujeitados.

Como se entende, facilmente, a grade de programação da emissora da família mais rica do Brasil, é um atentado contra a comunicação como serviço público e disciplina cívica. A TV Globo é eminentemente uma emissora reacionária porta-voz das direitas que trabalha com imagens e textos selecionados para propagar seus interesses e atacar os governos populares como o implantado por Lula e continuado por Dilma. Não é de surpreender ninguém, visto que sua ideologia é a perseguição ferrenha do capital como lucro máximo.

Suas posições em defesa de personagens patéticos como Fernando Henrique, Aécio Cunha, Eduardo Cunha, Geraldo Alckmin, e outros da mesma estirpe que ocupam cargos de direção em outras instituições, é resultado das benesses que recebeu durante os governos de direita. A TV Globo, ou, melhor dizendo, a família Marinho, sempre perseguiu e se abraçou com essa ideologia de mercado que lhe sustenta. Foi assim quando de sua criação, sua defesa da ditadura civil-militar para aumentar seus interesses, foi assim contra Brizola, na campanha em favor de Collor contra Lula, foi assim com José Sarney e Itamar Franco, quando teve aumentado seus lucros, como, também, nos desgovernos de Fernando Henrique. E agora a perseguição paranoica contra os governos populares.

Para você conferir a ganância e a falta de escrúpulo da TV Globo de forma mais detalhada nós lhe apresentamos o documentário de Simon Hartog, com a participação da Televisão Pública, BBC de Londres, de 1993, Muito Além do Cidadão Kane, criado a partir das obras de Romero Machado, A Fundação Roberto Marinho, e Daniel Herz, A História Secreta da Rede Globo.

Veja, ouça, analise e tome sua posição! Se é que ainda não tomou!

 

A REDUNDÂNCIA/SIGNIFICANTE DA ENUNCIAÇÃO “EXTREMAMENTE GRAVE” USADA POR AÈCIO E SEMELHANTES

ad4f7-aecio-neves-jpg_195624“A linguagem não é mesmo feita para que se acredite nela, mas para obedecer e fazer obedecer”, dizem os filósofos Deleuze e Guattari. A assemelha-se a B, B assemelha-se a C, C assemelha-se a D e assim se mostra o destino inglório incomunicante. O ouvinte A obedece a mensagem sem analisa-la, e passa para B que lhe obedece. Por sua vez, depois de obedecer A, C se faz obedecer por D, o mesmo D faz com C e assim ao infinito o significante se imobiliza no vazio como ilusão de comunicação. Ou seja, ninguém fala e, consequentemente, ninguém ouve. É a tirania do discurso indireto.

Na verdade o que se tem é a imobilidade da palavra de ordem, expressada no significante, que se quer como veracidade comunicativa através da linguagem. Triste querer, já que a linguagem não é para que se acredite nela. Tudo não passa de uma ecolalia. Ou, se alguém se apetecer, tautologia. A redundância do mesmo. O significante sem referência real, apenas como abstração-linguística. Para um entendimento mais simples: o discurso do vazio. Ironicamente: dizer nada não dizendo. Escárnio-linguístico: se o nada é o nada sempre há nada que dizer. Daí que o ecolálico é o puro modelo do vazio-linguístico.

A redundância ou a mostra espectral do significante é o suporte dos meios de comunicação de massa, mesmo quando as expressões parecem ser diferentes. Se não houvesse a força cristalizadora da redundância-significante não haveria meios de comunicação de massa, cujo propósito é fazer com que todos os códigos que se apresentam como diferentes sejam, ao mesmo tempo, os mesmos em seus objetivos: colar como necessários no sujeito-sujeitado ou sujeito massificado.

Tanto os meios de comunicação de massa quanto os sujeitos-sujeitados ou sujeitos massificados apresentam um atributo necessário para que a imobilidade linguística se faça na ordem viral. É necessário que eles encontrem-se socialmente na ordem do clone ou do replicante. Que eles sejam cópias de um modelo virtual que não tem referência real. O que significa que não possuem essência, origem natural, função, substância de troca como afirma o filósofo Jean Baudrillard. São meros espectros fractais.

Pois é nesse quadro da redundância/significante, da ecolalia/clonada, que o senador derrotado, ressentido e conspirador-cômico, Aécio Cunha, e outros da mesma estirpe-afásica, flutua em suas enunciações quando recorre ao “extremamente grave” ao fantasiar sobre uma notícia que ele acredita que pode atingir o governo popular da presidenta Dilma Vana Rousseff. Como Aécio já demonstrou que não é homem de estudo, ele não pode entender que esse recurso tautológico jamais atingirá o governo, visto, que como toda redundância/significante, não tem referência no mundo real. Daí que se trata de uma empresa patética que só causa frouxos risos nos que entendem que tudo não passa de simulação-linguístico.

Ao fazer uso do superlativo “extremamente”, Aécio Cunha, o ressentido, acredita que pode influenciar outras pessoas a tomarem o adjetivo “grave” como fator-movente que as levem a se posicionarem contra o governo Dilma. Patética intenção-tautológica, visto que a maioria da sociedade brasileira tem uma existência real e não virtual. Nem seus semelhantes ele influencia, já que se eles acreditam no “extremamente grave” é porque já se encontram clonados na ordem da redundância/significante da simulação-virtual. Ou seja, já se encontram sujeitados a afazia e a surdez que nega a linguagem criadora de significados como troca de valor comunicacional. Estão clonados como entes replicantes dos mesmos códigos-molares.  

Em síntese: neles falta o confronto o Eu e o Outro como alternância de existência ontológica. O que constitui o fundamento político dos que vivem em sociedade-democrática.

ATENÇÃO, SEDENTÁRIOS MENTAIS E FÍSICOS! VAI UM LULA AÍ?

Não precisa enunciações sobre a necessidade do exercício físico para a saúde física, mental e afetiva. Principalmente para os sedentários mentais, físicos e afetivos que conspiram contra o Brasil. Portanto, você que não sedentário, acompanhe Lula.

Veja o vídeo que vaia além do físico-biológico!

Aniversário da Globo: Dez razões para descomemorar

Os setores comprometidos com a democratização da mídia no Brasil têm pelo menos 10 razões para não ter nada a comemorar neste aniversário da Rede Globo.

Ângela Carrato – Blog Estação Liberdade

Era para ser uma festa de arromba, com eventos se sucedendo em todo o país. Grande parte do que a TV Globo preparou para comemorar seu cinquentenário, a ser completado no domingo (26/4), está mantido, mas, sem dúvida, não terá o mesmo brilho de outras épocas. Depois dos problemas verificados durante a sessão solene da Câmara dos Deputados em homenagem à emissora, em que três militantes em prol da democratização da comunicação tiveram que ser retirados por seguranças, as festas em locais abertos ou de acesso público estão sendo repensadas. Os cuidados se justificam.

Nunca a audiência da TV Globo, centro do império da família Marinho, esteve tão baixa. O Jornal Nacional, seu principal informativo, que chegou a ter 85% de audiência, agora não passa dos 20%. Suas novelas do horário nobre estão perdendo público para similares da TV Record. No dia 1º de abril aconteceram atos em prol da cassação da concessão da emissora em diversas cidades brasileiras. O realizado no Rio de Janeiro, em frente à sua sede, no Jardim Botânico, foi o mais expressivo e contou com 10 mil pessoas. Número infinitamente maior participou, no mesmo horário, do tuitaço e faceboquiaço “Foraglobogolpista”.

Artistas globais e a viúva de Roberto Marinho integram a relação de suspeitos de crimes de evasão fiscal e serão alvo de investigação pela CPI do Senado, criada para analisar a lista de mais de oito mil brasileiros que têm depósitos em contas secretas na filial do banco HSBC, na Suíça. Este escândalo internacional envolve milhares de pessoas em diversos países. A diferença é que fora do Brasil o assunto tem tido destaque e é coberto diuturnamente, enquanto aqui, a mídia, Globo à frente, prefere ignorá-lo ou abordá-lo parcialmente.

Além disso, o conglomerado teria sonegado o Imposto de Renda ao usar um paraíso fiscal para comprar os direitos de transmissão da Copa do Mundo Fifa de 2002. Após o término das investigações, em outubro de 2006, a Receita Federal quis cobrar multa de R$ 615 milhões da emissora. No entanto, semanas depois o processo desapareceu da sede da Receita no Rio de Janeiro. Em janeiro de 2013, uma funcionária da Receita foi condenada pela Justiça a quatro anos de prisão como responsável pelo sumiço. No processo, ela afirmou ter agido por livre e espontânea vontade.

Nem mesmo a campanha filantrópica “Criança Esperança”, promovida em parceria com a Unesco, se viu livre de críticas. Um documento datado de 15 de setembro de 2006, liberado pelo siteWikiLeaks em 2013, cita que a Rede Globo repassou à Unesco apenas 10% do valor arrecadado desde 1986 com a campanha (à época R$ 94,8 milhões). A emissora garante “desconhecer” essa informação e afirma que “todo o dinheiro arrecadado pela campanha é depositado diretamente na conta da Unesco”.

Como se tudo isso não bastasse, ao assumir a postura pró-tucanos durante a campanha eleitoral de 2014, a emissora perdeu parte da régia publicidade oficial com que sempre foi contemplada. O governo não anuncia mais na TV Globo e nem na revista Veja e, pelo menos até o momento, não há indícios de que o quadro esteja prestes a se alterar. Motivos que têm levado cada dia mais repórteres e equipes da emissora a serem alvo de protestos e recebidos aos gritos de “O povo não é bobo. Abaixo a Rede Globo!”

Os protestos contra a Rede Globo, pelo visto, vão continuar e existem pelo menos 10 razões para que os setores comprometidos com a democratização da mídia no Brasil não tenham nada a comemorar neste cinquentenário.

1. Canal 4 estava prometido à Rádio Nacional

Em meados de 1950, Roberto Marinho era apenas um entre os vários empresários da comunicação no país. O magnata da época atendia pelo nome de Assis Chateaubriand e detinha a maior cadeia de jornais, rádios e duas emissoras nascentes de televisão. A rádio líder absoluta de audiência e mais querida do Brasil era a Nacional, a PR-8 do Rio de Janeiro, de propriedade do governo federal. O sucesso da Nacional era tamanho que animou seus dirigentes a solicitar que o então presidente da República lhe concedesse um canal de TV. Constava do currículo da Rádio Nacional já ter feito experiências pioneiras na área, ao ocupar o canal 4 para televisionar (como se dizia na época) dois dos seus programas.

O presidente da República era Juscelino Kubitschek, que considerou justa a reivindicação, uma decorrência natural da liderança da emissora. Na publicação de final de ano em 1956, a direção da Rádio Nacional anunciava para “breve” a entrada no ar da sua emissora, a TV Nacional, canal 4, conforme compromisso assumido por Juscelino. As concessões de canais de rádio e TV eram atribuições exclusivas do ocupante do Executivo Federal.

Os meses se passaram e Juscelino ”esqueceu-se” da promessa. No final de 1957, para surpresa da direção da Rádio Nacional, o canal 4 que lhes fora prometido acabou concedido para a inexpressiva Rádio Globo, de Roberto Marinho. A decisão foi condicionada por pressões diretas de Chateaubriand, que aceitava qualquer coisa menos que a Rádio Nacional ingressasse no segmento televisivo, temendo as consequências disso para seus negócios. Neste contexto, o canal ir para Roberto Marinho era um mal menor.

O Brasil perdeu assim a chance histórica de ter, no nascedouro, duas modalidades de televisão: a comercial, representada pelas emissoras de Chateaubriand, e a estatal voltada para o interesse público como seria a da Rádio Nacional.

2. Acordo com a Time-Life feriu interesses nacionais

Ao contrário da Rádio Nacional, que dispunha de todas as condições para colocar no ar sua emissora de TV, a de Roberto Marinho precisou aguardar alguns anos. Para a implantação da TV Globo, a partir de 1961, foi decisivo o apoio do capital internacional, representado pelo gigante da mídia norte-americana Time-Life. A emissora começou a operar de forma discreta em 26 de abril de 1965 e seus primeiros meses foram um fracasso em termos de audiência.

Em junho de 1962, Marinho passou a ser apoiado com milhões de dólares, num episódio que a emissora ainda hoje sustenta que se tratou apenas de “um contrato de cooperação técnica”. A realidade, fartamente documentada por Daniel Herz, em sua obra já clássica A história secreta da Rede Globo (1995), prova o contrário. Roberto Marinho e o grupo Time-Life contraíram um vínculo institucional de tal monta que os tornou sócios, o que era vedado pela Constituição brasileira. Foi este vínculo que assegurou à Globo o impulso financeiro, técnico e administrativo para alcançar o poderio que veio a ter.

A importância da ligação com os norte-americanos, nos primórdios da emissora, pode ser avaliada pela declaração do engenheiro Herbert Fiúza, que integrou a sua primeira equipe técnica: “A Globo era inspirada numa estação de Indianápolis, a WFBM. E o engenheiro de lá foi quem montou tudo, porque a gente não sabia nada”.

Chateaubriand, que antes havia ficado satisfeito em inviabilizar o canal de TV para a Rádio Nacional, percebeu o risco que suas emissoras passavam a correr. Tanto que dedicou ao “Caso Globo/Time-Life” nada menos do que 50 artigos, todos atacando Roberto Marinho e acusando-o de receber, na época, US$ 5 milhões, repassados em três parcelas, o que representava “uma ofensiva externa contra os competidores internos” (Morais, 1994, p.667).

A repercussão dessas denúncias foi tamanha que a CPI criada pelo Congresso Nacional para apurá-las acabou descobrindo que a TV Globo mantinha não um, mas dois contratos com o grupo Time-Life. Em um deles, os norte-americanos tinham participação de 49%. Em outras palavras, não se tratava de contrato, mas de sociedade. A CPI pôs fim à sociedade. Mas, ao invés de sair penalizada do episódio, a Globo foi duplamente beneficiada: Roberto Marinho ficou com o controle total da emissora e os militares, então no poder, não tomaram qualquer providência contra ela. A TV Globo poderia ter tido sua concessão cassada.

3. O apoio à ditadura militar (1964-1985)

Nos anos 1960, o Brasil era visto pelos Estados Unidos como sua área de influência direta. E a TV Globo foi fundamental para trazer para cá o way of life norte-americano juntamente com o seu modelo de televisão. A TV comercial, um dos tipos de emissora existentes no mundo, adquire aqui o status de única modalidade de TV. Não por acaso, Murilo Ramos (2000, p.126) caracteriza o surgimento da TV Globo como sendo “a primeira onda de globalização da televisão brasileira”, que, concentrada num único grupo local, monopolizou a audiência e teve forte impacto político e eleitoral ao longo das décadas seguintes.

Durante quase 20 anos, TV Globo e governos militares viveram uma espécie de simbiose. Os militares, satisfeitos por verem nas telas da Globo apenas imagens e textos elogiosos ao “país que vai para a frente”, retribuíam com mais e mais benesses e privilégios para a emissora. A partir de dezembro de 1968, com a edição do AI-5, o país mergulhou no “golpe dentro do golpe”, com prisão e perseguição a todos os considerados inimigos e adversários do regime e a adoção de censura prévia aos veículos de comunicação.

A TV Globo enfrentou alguns casos de censura oficial em suas telenovelas, mas o que prevaleceu na emissora foi o apoio incondicional de sua direção aos militares no poder e a autocensura por parte da maioria de seus funcionários.

Ainda hoje não falta quem se recorde de situações patéticas em que o então apresentador doJornal Nacional, Cid Moreira, mostrava aos milhares de telespectadores brasileiros cenas de um país que se constituía “em verdadeira ilha de tranquilidade”, enquanto centenas de militantes de esquerda eram perseguidos, presos, torturados ou mortos nas prisões da ditadura. Some-se a isso que a TV Globo sempre se esmerou em criminalizar quaisquer movimentos populares.

4. O combate permanente às TVs Educativas

Desde 1950 que as elevadas taxas de analfabetismo vigentes no Brasil eram uma preocupação constante para setores nacionalistas e de esquerda. Uma vez no poder, algumas alas militares viram na radiodifusão um caminho para combater a subversão e, ao mesmo tempo, promover a integração nacional. O resultado disso foi que, em 1965, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) solicita ao Conselho Nacional de Telecomunicações a reserva de 48 canais de VHF e 50 de UHV especificamente para a televisão educativa.

O número era dos mais significativos e poderia ter representado o começo de canais voltados para os interesses da população, a exemplo do que já acontecia em outras partes do mundo. Pouco depois do decreto ser publicado, Roberto Marinho começa a agir para reduzir sua eficácia. E, na prática, conseguiu seu intento. O decreto-lei nº 236, de março de 1967, se, por um lado, formalizava a existência das emissoras educativas, por outro criava uma série de obstáculos para que funcionassem. O artigo 13, por exemplo, obrigava essas emissoras a transmitir apenas “aulas, conferências, palestras e debates”, ao mesmo tempo em que proibia qualquer tipo de propaganda ou patrocínio a seus programas. Traduzindo: as TVs Educativas estavam condenadas à programação monótona e à falta crônica de recursos.

Como se isso não bastasse, o artigo seguinte fechava o cerco a essas emissoras, determinando que somente pudessem executar o serviço de televisão educativa a União, os estados, municípios e territórios, as universidades brasileiras e alguns tipos de fundações. Ficavam de foram, por exemplo, sindicatos e as mais diversas entidades da sociedade civil.

Dez anos após este decreto-lei, apenas seis emissoras educativas tinham sido criadas no país, número muito distante dos 98 canais disponíveis. As emissoras educativas não conseguiam avançar, esbarrando na legislação que lhes obrigava a viver exclusivamente do minguado orçamento oficial, ao passo que as televisões comerciais, em especial a Globo, experimentavam crescimento sem precedentes. Crescimento que contribuiu para cristalizar, em parcela da população brasileira, a convicção de que a emissora de Roberto Marinho era sinônimo de qualidade.

5. O programa global de telecursos

Oficialmente, o projeto tinha o nome de Educação Continuada por Multimeios e envolvia um convênio entre a Secretaria de Cooperação Econômica e Técnica Internacional (Subin) da Secretaria de Planejamento da Presidência da República, o BID, a Fundação Roberto Marinho (FRM) e a Fundação Universidade de Brasília (FUB). Aparentemente, o seu objetivo era nobre: “O atendimento à educação de população de baixa renda do país, mediante a utilização e métodos não tradicionais de ensino”.

Na versão inicial, o convênio tinha 15 cláusulas, com a FRM assumindo a condição de entidade executora e a FUB a de sua coexecutora. Na prática, o convênio ficou conhecido como Programa Global de Telecursos e atendia exclusivamente aos interesses da FRM. Através dele, a FRM pretendia, sem qualquer custo, apoderar-se do milionário “negócio” da teleducação no Brasil. Para tanto, esperava contar com recursos nacionais e internacionais inicialmente da ordem de US$ 5 milhões embutidos em um pacote de U$S 20 milhões solicitados pela Subin ao BID, no início de 1982.

A parceria com a FUB era importante por ela ser uma entidade voltada para o ensino público e estar isenta de impostos para a importação dos equipamentos necessários à montagem de um centro de produção televisiva a custo zero. Em outras palavras, a FRM pretendia tornar-se a administradora da verba (nacional e internacional) destinada às televisões educativas no Brasil, geridas pela Funtevê, entidade governamental. Imediatamente, a Funtevê deixou nítido que o convênio exorbitava as competências da FRM e da própria UnB. É importante assinalar que pela UnB um dos raros entusiastas deste convênio era o seu então reitor, capitão de mar-e-guerra José Carlos Azevedo.

A discussão em torno deste convênio e da tentativa das Organizações Globo de apropriarem-se dos recursos destinados às TVs educativas brasileiras ganham a imprensa nacional no final de 1982 e início de 1983. Matéria publicada pelo jornal Folha de S.Paulo (17/04/1983), sob o título de “Globo poderá monopolizar teleducação”, tratava o assunto em forma de denúncia. O “tiroteio” entre os jornais Globo e Folha de S.Paulo durou vários meses e o convênio, que acabou não sendo assinado, só foi sepultado três anos depois, com o fim do regime militar. Sem muita cerimônia, o então secretário-executivo da FRM, José Carlos Magaldi, chegou a admitir que “é óbvio que não fazemos teleducação por patriotismo”.

Esta não foi a primeira e nem a última tentativa das Organizações Globo de se apoderarem da teleducação no Brasil. Aliás, a FRM tem, nos dias atuais, representado o Brasil em vários fóruns internacionais sobre educação e teleducação. O MEC sabe disso?

6. O caso Proconsult e o combate a Leonel Brizola

Antes dos petistas, Leonel Brizola foi um dos políticos brasileiros mais combatidos pela TV Globo e por seu fundador, Roberto Marinho. Marinho nunca o perdoou pelo fato de ter comandado a Rede da Legalidade, nome que receberam as emissoras de rádio que, quando da renúncia de Jânio Quadros à presidência da República, em 1961, passaram a defender a posse de seu vice, João Goulart. Brizola, então governador do Rio Grande do Sul, era cunhado de Goulart.

Com a vitória do golpe civil-militar de 1964, Brizola foi para o exílio e só pode retornar ao Brasil com a anistia, em 1979. Político com fortes compromissos populares, em 1982 disputou o governo do Rio de Janeiro, pelo PDT, partido criado por ele.

O caso Proconsult foi uma tentativa de fraude nas eleições de 1982 para impossibilitar a vitória de Brizola. Consistia em um sistema informatizado de apuração dos votos, feito pela empresa Proconsult, associada a antigos colaboradores do regime militar. A mecânica da fraude consistia em transferir votos nulos ou em branco para que fossem contabilizados para o candidato apoiado pelas forças situacionistas, Moreira Franco, do então PDS.

As regras da eleição de 1982 impunham que todos os votos (de vereador a presidente da República) fossem em um mesmo partido. Portanto, estimava-se um alto índice de votos nulos. Os indícios de que os resultados seriam fraudados surgiram da apuração paralela contratada pelo PDT à empresa Sysin Sistemas e Serviços de Informática, que divergiam completamente do resultado oficial. Outra fonte que obtinha resultados diferentes dos oficiais foi a Rádio Jornal do Brasil. Roberto Marinho foi acusado de participar no caso.

A fraude foi extensamente denunciada pelo Jornal do Brasil, na época o principal concorrente deO Globo no Rio e relatada posteriormente pelos jornalistas Paulo Henrique Amorim, Maria Helena Passos e Eliakim Araújo no livro Plim Plim, a peleja de Brizola contra a fraude eleitoral (Conrad Editores, 2005). Devido à participação de Marinho no caso, a tentativa de fraude é analisada no documentário britânico Beyond Citizen Kane, de 1993. A TV Globo, por sua vez, defendeu-se argumentando que não havia contratado a Proconsult e que baseava a totalização dos votos daquela eleição na totalização própria que O Globo estava fazendo.

Em 1994, Brizola venceu novamente Roberto Marinho e a TV Globo ao obter, na Justiça, direito de resposta na emissora. Em 15 de março, um constrangido Cid Moreira (que por 27 anos esteve à frente da bancada do Jornal Nacional) leu texto de 440 palavras que a Justiça obrigou a TV Globo a divulgar em seu telejornal mais nobre.

Foram cerca de três minutos nos quais Cid Moreira, a cara do JN, incorporou Leonel Brizola, então governador do Rio de Janeiro, no mais célebre e então inédito direito de resposta, que abriu caminho para que outros cidadãos buscassem amparo legal contra barbaridades cometidas  pela mídia brasileira.

7. Ignorou as Diretas-Já

O PMDB lançou, em dezembro de 1983, uma campanha nacional em apoio à emenda do seu deputado Dante de Oliveira (MT) que restabelecia as eleições diretas no país com o slogan “Diretas-Já”. O primeiro grande comício aconteceu em São Paulo, em 25 de janeiro do ano seguinte, e coincidiu com o 430º aniversário da cidade. A TV Globo ignorou o comício que reuniu milhares de pessoas na Praça da Sé. Reportagem do Fantástico sobre o assunto falava apenas em comemorações do aniversário de São Paulo. Omissões semelhantes aconteceram em relação a outros comícios pelas Diretas-Já em cidades como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador.

De acordo com o ex-vice-presidente das Organizações Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, em entrevista ao jornalista Roberto Dávila, na TV Cultura, em dezembro de 2005, foi o próprio Roberto Marinho quem determinou a censura ao primeiro grande comício da campanha pelas Diretas-Já. Segundo Boni, àquela altura “o doutor Roberto não queria que se falasse em Diretas-Já” e decidiu que o evento da Praça da Sé fosse transmitido “sem nenhuma participação de nenhum dos discursantes”. Para Boni, aliás, no caso das Diretas-Já houve uma censura dupla na Globo: “Primeiro, uma censura da censura; depois, uma censura do doutor Roberto”.

A versão de Boni é diferente da que aparece no livro Jornal Nacional – A Notícia Faz História, publicado pela Jorge Zahar em 2004, e que representa a versão da própria Globo para a história de seu jornalismo. O texto não faz referência alguma a uma intervenção direta de censura por parte de Roberto Marinho. Aliás, a Globo vem tentando reescrever a sua história e, ao mesmo tempo, reescrever a própria história brasileira. Isto fica nítido, por exemplo, quando se compara a história brasileira com a versão que é publicada pela Globo através dos verbetes do Memória Globo. Pelo visto, a emissora aposta na falta de memória e na pouca leitura da maioria dos brasileiros para emplacar a sua versão dos fatos. Foi a partir da campanha das Diretas-Já que teve início a utilização, pelos diversos movimentos populares, do bordão “O povo não é bobo. Abaixo a Rede Globo”.

8. Manipulação do debate Collor x Lula

Na eleição de 1989, a primeira pelo voto direto para presidente da República desde 1964, a TV Globo manipulou o debate entre o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva e o do PRN, Fernando Collor. O debate era o último e decisivo antes da eleição. No telejornal da hora do almoço, a TV Globo fez uma edição equilibrada do debate. Para o Jornal Nacional, houve instruções para mudar tudo e detonar Lula. Foram escolhidos os piores momentos de Lula e os melhores de Collor. Ainda foram divulgadas pesquisas feitas por telefone segundo as quais Collor havia vencido. Além disso, o jornalista Alexandre Garcia leu um editorial nitidamente contra Lula e o PT.

Desde então, pesquisas e estudos sobre este “caso clássico de manipulação da mídia” têm sido feitas no Brasil, destacando-se as realizadas pelo sociólogo, jornalista e professor aposentado da UnB Venício A. Lima.

Apesar dos esforços da TV Globo para manter a versão de que a edição deste debate foi equilibrada, novamente seu ex-diretor José Bonifácio Sobrinho contribuiu para  derrubá-la. Depois de abordar o assunto em entrevistas à imprensa, por ocasião do lançamento de seu livro de memórias, o ex-dirigente global deu entrevista à própria GloboNews, canal pago da emissora, na qual admitiu, para o jornalista Geneton Moraes Neto, que, durante os debates da campanha presidencial transmitidos pela Globo em 1989, tentou ajudar o candidato alagoano. Para muitos, Boni só fez esta “revelação bombástica”, que quase todos já sabiam, para tentar promover seu livro.

9. Contra a democratização da mídia

Todos os países democráticos possuem regulação para rádio e televisão. Na Grã-Bretanha, por exemplo, a mídia e sua regulação caminharam juntas. O mesmo pode ser dito em relação aos Estados Unidos, França, Itália e Japão. Nestes países, tão admirados pelas elites brasileiras, nunca ninguém fez qualquer vínculo entre regulação e censura, simplesmente porque ele não existe. No Brasil, onde a mídia em geral e a audiovisual em particular vive numa espécie de paraíso desregulamentado, toda vez que um governo tenta implementar o que existe no resto do mundo é acusado de ditatorial e de querer implantar a censura.

Quando, em 2004, o governo do presidente Lula enviou ao Congresso Nacional projeto de lei criando o Conselho Nacional de Jornalismo, uma espécie de primeiro passo para esta regulação, foi duramente criticado pela mídia comercial, TV Globo à frente. Desde sempre, as Organizações Globo foram contrárias a qualquer legislação que restringisse o poder absoluto que desfruta a mídia no Brasil. Prova disso é que os dispositivos do Capítulo V da Constituição brasileira, que trata da Comunicação Social, continuam até hoje sem regulamentação.

Entre outros aspectos, o Capítulo V proíbe monopólios e oligopólios por parte dos meios de comunicação, determina que a programação das emissoras de rádio e TV deva dar preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas. O capítulo enfatiza, ainda, que as emissoras e rádio e TV devem promover a cultura nacional e regional, além de estimularem a produção independente. Todos esses aspectos mostram como a TV Globo está na contramão de tudo o que significa uma comunicação democrática e plural.

Aliás, os compromissos dos mais diversos movimentos sociais brasileiros com a regulação da mídia foram reafirmados durante o 2º Encontro Nacional pelo Direito à Comunicação, promovido pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, de 10 a 12 de abril, em Belo Horizonte. O evento reuniu 682 participantes entre ativistas, estudantes, militantes, jornalistas, estudiosos, pesquisadores, representantes de entidades e coletivos de todo o Brasil. Presente ao encontro esteve também o canadense Toby Mendel, consultor da Unesco e diretor-executivo do Centro de Direitos e Democracia.

A carta final do encontro, intitulada “Regula Já! Por mais democracia e mais direitos”, disponível na página da entidade (www.fndc.org.br), reafirma “a luta pela democratização da comunicação como pauta aglutinadora e transversal, além de conclamar as entidades e ativistas a unirem forças para pressionar o governo a abrir diálogo com a sociedade sobre a necessidade de regular democraticamente o setor de comunicação do país”.

10. Golpismo

Para vários pesquisadores e estudiosos sobre movimentos sociais no Brasil, a mídia, em especial a TV Globo, tem tido um papel protagonista nas manifestações contra a presidente Dilma Rousseff e o PT. Alguns chegam mesmo a afirmar que dificilmente essas manifestações teriam repercussão se não fosse a Rede Globo.

Em outras palavras, a Rede Globo, tão avessa à cobertura de qualquer movimento popular, entrou de cabeça na transmissão destas manifestações e, no domingo 15 de março, por exemplo, mobilizou, como há muito não se via, toda a sua estrutura com o objetivo de ampliar a dar visibilidade a esses atos. Quase 100% de seus jornalistas estiveram de plantão. Durante o programa Esporte Espetacular, exibido tradicionalmente nas manhãs de domingo, o esporte deu lugar para chamadas ao vivo sobre os protestos, que, em tom de convocação, passaram a ocupar a maior parte do tempo.

Nas entradas ao vivo em todas as cidades onde aconteciam mobilizações, os microfones da emissora captaram gritos de guerra contra o atual governo e xingamentos contra a presidente. Em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, foi possível ouvir inclusive palavrões. A título de comparação, as manifestações de 13 de março, que também aconteceram em todo o Brasil e defenderam a reforma política, não mereceram cobertura tão dedicada do maior conglomerado midiático da América Latina.

Erick Bretas, diretor da Rede Globo que há poucas semanas defendeu abertamente o impeachment da presidente Dilma nas redes sociais, voltou a se pronunciar sobre os atos do dia 15, utilizando uma frase de Bob Marley para convocar, através de sua página no Facebook, o povo às ruas: “Get up, stand up”.

Não se sabe se Bob Marley apoiaria a postura de Bretas, mas, sem dúvida, é fato que entre os princípios editoriais da TV Globo não consta nem a “isenção” e muito menos o equilíbrio que tanto prega. Por isso, talvez o melhor resumo sobre a realidade desses protestos e a empolgação da transmissão feita pela TV Globo seja a do professor Gilberto Maringoni, ex-candidato do PSOL ao governo de São Paulo. Segundo Maringoni, “a manifestação principal não está nas ruas. Está na TV”.

Nas redes sociais, internautas repudiaram a cobertura feita pela TV Globo e alcançaram, durante 48 horas ininterruptas, para a hastag#Globogolpista, a primeira posição entre os assuntos mais comentados do Twitter. Novos protestos estão previstos para o dia 26/4. Razão pelo qual este promete ser o pior aniversário da TV Globo em toda a sua história.

***

Ângela Carrato é jornalista e professora do Departamento de Comunicação Social da UFMG. Este artigo foi publicado no blog Estação Liberdade

DEPUTADOS-PATRONAIS VOTARAM PELA TERCEIRIZAÇÃO, MAS TRABALHADORES ATUARÃO SOBRE O SENADO. DILMA VETA!

648bc3d6-fc07-4477-a82b-5a06e06d1490DILMA VETA! Os deputados-patronais, inimigos dos trabalhadores que construíram seus direitos através de embates históricos contra os patrões-capitalistas, como já se esperava, votaram a favor dos pontos que beneficiam os empresários através do Projeto de Lei 4.330 chamado terceirização. DILMA VETA! Eles aprovaram itens que modifica o texto base. Entre eles o aumento dos tipos de empresas que podem se candidatar a exploração dos trabalhadores como associações, cooperativas, fundações e empresas individuais. Todas elas podem oferecer serviços terceirizados. O que significa: enfraquecimento da força produtiva do trabalhador, menor salário, mais tempo de exploração no serviço e perada de alguns direitos. DILMA VETA!

O filósofo francês Jean Baudrillard diria que se trata de retorno ao primitivismo trabalhista. O período em que o homem estava descobrindo sua força de trabalho e para isso tinha que contar com os acasos, além de sua força e inteligência adaptativa. DILMA VETA! Em uma sociedade de abundância, em que a abundância é na verdade um eufemismo para esconder a decadência da qualidade de vida e que os serviços surgem em profusão e o trabalhador necessita de maior proteção trabalhista, a terceirização aliena mais ainda o trabalhador na forma de duas mais-valias como foi demonstrado aqui nesse Blog Afinsophia. DILMA VETA!

Agora, após o ritual grotesco proporcionado pelos deputados-patronais patrocinadores do terror trabalhista, o projeto vai para o Senado que terá mais tempo para discussão no plenário diferente do que ocorreu na Câmara dos Deputados onde se alocaram os inimigos da democracia-trabalhista. De acordo com o que afirmou o presidente da Casa, Renan Calheiros, o perverso projeto não passa. Se passar, VETA DILMA!

Renan Calheiros disse que vai trabalhar com veemência para que a terceirização não seja aprovada na Casa.

“Vou trabalhar de forma ampla, geral e irrestrita para evitara a supressão dos direitos dos trabalhadores”, afirmou Renan.

Os partidos como PT, PCdoB, Pros e PSOL já anunciaram que vão tentar de todas as maneiras recursos para que a presidenta vete os pontos principais que prejudicam mortalmente os direitos dos trabalhadores. Eles afirmaram que a luta no Senado vai ser contundente. Por sua vez, as centrais sindicais também afirmaram que vão mostrar para a sociedade os deputados que votaram a favor da terceirização praticando o lobby em defesa dos interesses dos patrões. E como forma de protesto mais afetante pensam em realizar uma greve geral. DILMA VETA!

“A luta não acaba com a votação na Câmara, o projeto ainda passará no Senado. Nós estaremos na rua e teremos um 1° de Maio de muita luta e mobilização em todo o País. Vamos ampliar as mobilizações, fazer novos dias de paralizações e, se necessário, fazer uma greve geral para barrar esse ataque nefasto e criminoso aos direitos da classe trabalhadora brasileira”, disse Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Todavia, se o Senado não realizar o que afirmou Renan Calheiros e os trabalhadores mais a sociedade civil não conseguirem reverter a loucura para a saúde do trabalhador, DILMA VETA!

Chomsky: “As empresas privadas vão fazer de tudo contra a democratização da mídia”

A liberdade de imprensa não se resume à liberdade das empresas privadas fazerem o que querem: é o direito das pessoas receberem informação de muitas fontes.

Le Monde Diplomatique (tradução do Esquerda.net)

Esta é a segunda parte da entrevista com Chomsky, para ler a primeira, clique aqui

Ignacio Ramonet: Uma reflexão sobre política externa dos Estados Unidos e a sua rivalidade com a China. Pensa, como alguns analistas, que a China será o grande rival estratégico dos Estados Unidos no século XXI? E que consequências pode ter isto para a marcha do mundo em geral e para o destino dos Estados Unidos?

Noam Chomsky: A China desenvolve-se de uma maneira muito eficiente. Começou no ano de 1949, quando conquistou a independência. Há uma expressão para isso no discurso norte-americano, diz-se “a perda da China”, é muito interessante… “a perda da China”… Não se pode “perder” algo do qual não se é dono. Mas, nos Estados Unidos, damos por assente que somos os donos do mundo, e se algum país se afasta do nosso lado, “perdemo-lo”…

A China é hoje uma produtora offshore das fábricas norte-americanas. As principais empresas dos EUA produzem na China, importam da China. Ou seja: as nossas principais empresas importam bens baratos da China e obtêm ganhos extraordinários. Uma empresa norte-americana pode dispor de uma mão-de-obra reprimida, muito barata, onde o Estado controla muito diretamente os trabalhadores; não tem de se preocupar com a contaminação e outras coisas: é uma forma muito inteligente de ganhar dinheiro. Assim, há vínculos comerciais, financeiros e industriais muito fortes. Ao mesmo tempo, a China tem as ambições normais de uma superpotência. Por exemplo, a China, se prestar atenção ao mapa, está rodeada ao Leste por um cordão de protetorados dos Estados Unidos que controlam as suas águas territoriais. Isso a China não gosta. Os chineses querem expandir-se pelas suas próprias águas offshore. Surge assim um conflito potencial bastante grave entre a China, por um lado, e os EUA e o Japão pelo outro. E esse conflito diz respeito ao conjunto do Pacífico Ocidental. É uma região onde o Japão, durante a sua época imperial, tinha todas as suas forças. E continua a controlar uma boa parte. E a China não gosta disso. Neste momento, os caças japoneses e chineses passam continuamente sobre ilhas que não têm nenhum interesse. Nalgum momento isto pode desembocar numa guerra.

Não obstante, muito se falou da nova potência da China no século XXI. Acho que há um tremendo exagero. O crescimento da China foi forte durante muitos anos, mas continua a ser um país muito pobre. Se reparar, por exemplo, no índice de desenvolvimento humano da ONU, acho que a China está na posição noventa e não sai daí. Tem problemas internos importantes, o movimento laboral está a romper as cadeias, há muitas greves, protestos, problemas ecológicos tremendos, as pessoas falam de poluição, mas é muito pior: há destruição dos recursos agrícolas, que são limitados; está a passar por extraordinários problemas que os Estados Unidos e a Europa não têm, continuando a ter uma enorme pobreza. E não está a ponto de se transformar numa potência hegemónica.O mesmo sucede entre os EUA e China; a política externa de Obama para Ásia é mandar forças militares para a Austrália, e construir uma enorme base militar numa ilha próxima à China. Não diz que é uma base militar, mas é-o certamente. Os Estados Unidos têm, a poucos quilómetros da China, a base de Okinawa, cuja população se opõe redondamente à sua permanência. O Japão controla esse território, e os EUA querem manter as bases nessa zona. E novas bases estão a ser construídas e a expandir-se com a frontal objeção da população e da China, que olha tudo como uma ameaça. E tem razão. Ou seja: há um confronto potencial não somente com os EUA, como também com os países vizinhos, como as Filipinas, o Vietname e o Japão, é claro. É um problema de tensão. Da mesma forma há um problema económico, uma tremenda interação económica, de produção, de finanças, de importação, etc. De maneira que certamente vai continuar a ser um tema importantíssimo nos assuntos internacionais.

De maneira que a pressão dos EUA e do Japão sobre a China, a partir do Leste, está a empurrá-la para a Ásia Central, e um dos desenvolvimentos recentes mais importantes dos assuntos mundiais é o estabelecimento do que se chama a Organização de Cooperação de Xangai (OCS) que tem a China como base, mas que inclui a Rússia, os Estados centrais asiáticos, a Índia, e o Irão como observador. Está a deslocar-se também para a Turquia, e talvez vá continuar a expandir-se para a Europa, com o que seria reconstituído algo parecido com a velha “rota da seda”, que saía da China e ia para a Europa. Washington não gosta disso. Os Estados Unidos pediram para ser observadores no seio da OCS, mas foi recusado; o Irão e outros países têm esse estatuto de observador, mas aos Estados Unidos foi negado. Aliás, a OCS pediu a saída de todas as bases militares norte-americanas da Ásia Central. A Ásia tem grandes recursos; o confronto atual com a Rússia está a empurrar o Kremlin a ter relações mais próximas, mais estreitas com a China, sendo a China a potência dominante e a Rússia menos. Mas é como um desenvolvimento natural, por assim dizer. A parte oriental da Rússia tem grandes recursos, minerais, petróleo, etc. E isso poderia permitir aproximar ainda mais a China da Rússia. Pode-se ver uma espécie de sistema eurasiano ou eurásico, com melhores vínculos, mais estreitos. Por exemplo, hoje pode-se tomar um comboio de alta velocidade desde a China ao Cazaquistão, e no entanto não se pode tomar um comboio de alta velocidade de Boston para a Europa, mas sim de Pequim ao Cazaquistão. Faz parte do desenvolvimento que estamos a ver e é algo bastante forte; e alguns estrategas norte-americanos consideram-no uma NATO com base na China. Talvez o seja. Talvez. Em tal caso, há grandes avanços, e tem razão ao dizer que são ameaças potenciais nos assuntos internacionais, que poderiam se transformar em perigosos.

Gostaria agora de lhe fazer duas perguntas sobre a comunicação de massas. A primeira é uma grande preocupação que existe, no mundo do jornalismo, sobre a crise da imprensa escrita. Há uma enorme crise, muitos jornais estão a desaparecer, muitos jornalistas estão a perder o emprego. E a pergunta é: o jornalismo de papel vai continuar a existir? Que consequências pode ter o desaparecimento do jornalismo de papel?

Não acho que seja inevitável. Há algumas exceções interessantes. Por exemplo, no México. Acho que o La Jornada é atualmente o segundo jornal diário mais importante, que se lê muito amplamente, ainda que os empresários não gostem disso de forma alguma, e por isso não anunciam nele; se repararmos, não há publicidade de marcas, só publicidade do governo; porque a lei mexicana assim o exige, exige que o governo faça a sua publicidade oficial em todos os diários. Assim, o La Jornada sobrevive, e pode ver que muita gente o lê. O La Jornada é um jornal diário de boa qualidade e está a sobreviver. E acho que não se trata de uma coisa impossível.

Na Declaração dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), um dos artigos, acho que é o 19, fala da liberdade de imprensa. E diz que a liberdade da imprensa tem dois aspetos: o direito a gerar uma informação livre do controlo governamental, mas também o direito de receber informação e de ter a oportunidade de gerar informação livremente. O que significa sem concentração de capitais. A imprensa rica, complexa e independente, do século XIX e princípios do XX, sucumbiu. Sucumbiu por duas causas: a primeira, a concentração de capitais, que significava que se investia grandes quantidades de capital na imprensa comercial privada. E a segunda, a dependência da publicidade. Quando se depende da publicidade, são os anunciantes que começam a ter impacto no jornal. Se virmos um jornal moderno atual, é um negócio; e como qualquer outro negócio, tem de gerar um produto com o seu mercado, esse mercado são as outras empresas que fazem publicidade; e os produtos são os leitores. Mas os produtos não subsidiam um jornal. Hoje o jornal vende publicidade às empresas, tal como a televisão. Não se paga quando se liga a televisão, mas a empresa, que é o canal, vende o público aos seus anunciantes; e é aí que se vê um grande esforço, onde está a parte criativa: a publicidade. Na indústria da televisão, a publicidade é o verdadeiro conteúdo. A história é simplesmente um recheio, o que vemos entre dois espaços publicitários. Essa é a estrutura básica da televisão comercial. Na imprensa escrita há um termo: o buraco das notícias. Como se faz? Primeiro põe-se a publicidade, que é o importante; e depois recheia-se um pouquinho aqui e lá com umas notícias [risos]. Essa é a estrutura natural dos meios de comunicação comerciais. Este tema foi uma batalha durante séculos. E o que se viu na Argentina recentemente: será que a liberdade de imprensa é apenas a liberdade das empresas privadas fazerem o que lhes dá na gana? Ou a liberdade de imprensa também teria de compreender o que diz a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos Humanos, ou seja: o direito das pessoas receberem informação de muitas fontes, e de terem a oportunidade de se juntarem, de gerar e produzir informação a partir de muitas fontes?

Recentemente esteve em Londres para visitar Julian Assange, o fundador da WikiLeaks, na Embaixada do Equador – eu tinha estado com ele nuns dias dantes – e, por outro lado, Edward Snowden, com as suas revelações, também demonstrou a existência de todo o sistema de vigilância, desmascarando algumas ações dos Estados, o poder dos Estados em matéria de vigilância e de ocultação da informação. Ou seja, por um lado, a WikiLeaks, por outro lado, fontes como Snowden, que utilizam a Internet, as redes sociais, que nos ensinaram muito, ultimamente, em matéria de informação. Pensa que este tipo de jornalismo novo é algo que se vai desenvolver num futuro próximo em termos de comunicação e de emancipação intelectual, com a tomada de consciência dos cidadãos?

A sua pergunta sobre os meios de comunicação impressos situa-se nesse contexto. Poderia haver meios impressos e com muita vitalidade, mas têm de ter uma responsabilidade pública. E quando se fala de subsídios governamentais, se o governo é democrático, significa subsídios públicos; significa que é o público quem participa para garantir um meio no qual a informação esteja disponível em toda uma gama de fontes; e que muitos grupos diferentes tenham a oportunidade de apresentar os seus próprios factos, as suas próprias interpretações, as suas análises, as suas investigações, etc. Essa seria uma versão enriquecida da liberdade de imprensa. E pode ser conseguida mas, tal como as demais formas de democratização, é preciso mobilização pública. As empresas privadas vão fazer o impossível para impedi-lo. Está aí a Argentina para prová-lo. Mas acontece em todos os lados.

A resposta, como à maioria das perguntas, é que depende do que façam os cidadãos. Sem lugar a dúvidas, qualquer sistema de poder vai impedi-lo tanto quanto puder, dentro das suas possibilidades. Assange está refugiado na Embaixada do Equador em Londres, e a Grã-Bretanha está a pagar muitíssimo para que não escape pela porta. Como sabem, Assange está em piores condições que as da prisão, porque na prisão pode-se ver a luz do dia, a não ser que esteja na solitária; mas ele não pode. Snowden está na Rússia, sabe o que ocorreu com o voo de Evo Morais, o presidente da Bolívia que voava de Moscovo para a Bolívia, e os países europeus – França, Espanha, e outros – intercetaram-no por ordem do Grande Amo em Washington… Uma coisa incrível! Finalmente, o avião teve de aterrar na Áustria. A polícia imediatamente entrou no avião para certificar-se de que Snowden não estava escondido na cabine. Estas são, diretamente, violações de protocolos diplomáticos, que mostram duas coisas; primeiro, a dedicação extrema do governo de Obama a castigar Assange, e depois, em segundo lugar, quão servil é a Europa ao Grande Amo norte-americano. Um fenómeno muito interessante.

Obama vai além, castigou mais whistleblowers do que qualquer outro presidente. Há uma lei nos EUA, a lei de espionagem durante a Primeira Guerra Mundial. Obama usou-a para evitar este tipo de revelações à sociedade, como fizeram Assange e Snowden. O governo vai impor o indizível para proteger-se do seu “inimigo principal”. E o “inimigo principal” de qualquer governo é a sua própria população. Há muitas provas disto que, aqui [na Argentina], se podem entender. Da mesma maneira que as grandes empresas privadas vão proteger o seu controlo tirânico sobre qualquer aspeto da vida dentro do possível; para estes whistleblowers, a luta por uma informação livre e transparente é uma coisa quase natural. Terão sucesso? Bom, é como saber se a ditadura argentina poderia voltar a tomar o poder. Isso depende das pessoas. Se Snowden, Assange e outros fazem o que fazem, fazem-no na sua qualidade de cidadãos. Estão a ajudar o público a descobrir o que fazem os seus próprios governos. Acaso existe uma tarefa mais nobre para um cidadão livre? E Obama castiga-os severamente. Agora, se isto vai continuar ou não, vai depender de como respondam os cidadãos.

 

1° DE MAIO SERÁ O DIA DA POTÊNCIA DO TRABALHADOR BRASILEIRO

12A potência é o movimento criador que faz o homem perseverar como vida, diz o filósofo da potência, Spinoza. Perseverar é movimenta-se constitutivamente criando continuamente novas formas de existências satisfatórias a si mesmo. No caso, a satisfação-vital do homem. Todavia, a potência-vital do homem sofreu uma grande violência com a estruturação do sistema capitalista que se apoderou da força de trabalho do trabalhador alienando-a de si. Ou seja, o trabalhador passou a ser mercadoria de produção de outras mercadorias que produzem um mundo objetivado onde o trabalhador se encontra estranhado. Alienado de si, já que sua potência criadora de vida, força de trabalho, passou a ser objeto de exploração de outro que o aliena. O patrão. Alienação em forma de salário mais-valor ou mais-valia dependendo do tradutor de Marx.

Alienado por essa força opressiva a-histórica resta ao trabalhador não se colocar como objeto passivo de exploração patronal. Mas, reivindicar seus direitos, que não lhes devolvem a singularidade de sua potência-vital, porém impede que sua alienação seja maior e contínua. Todavia, apesar de toda atenção que o trabalhador vem dispensando para que seus direitos sejam resguardados, os perigos e ameaças são continuas. Hoje, ele enfrenta mais uma prova de violência contra seus direitos: a terceirização. Um recurso sórdido que capitalismo inventou para lhe explorar mais ainda através da dupla mais-valia. A mais-valia roubada pela empresa que lhe contrata. E a mais-valia roubada pela empresa que contrata a empresa que lhe contratou.

Diante desse quadro flagrantemente psicopatológico-empresarial, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) prepara para o Dia 1° de Maio um ato que para ela será a culminância da luta dos trabalhadores.

“Será um dia de luta, levantando as mesmas bandeiras que são pautadas pela CUT no último período em conjunto com os movimentos populares parceiros. Essa manifestação será importante e vai nos turbinar para s próximas lutas, porque no atual quadro de crise política, nós não temos dúvida que o dia não será um ponto final de uma jornada”, observou Júlio Turra, diretor-executivo da CUT.   

PETROBRÁS DIVULGA BALANÇO DE 2014 MOSTRANDO “SUA CAPACIDADE DE SUPERAÇÃO DE DESAFIOS” E DEIXA AS DIREITAS SE MORDENDO DE ÓDIO

petrobras-fachada_87_28_1783_1167Aldemir Bendine, presidente da Petrobrás, a estatal cobiçada pelos conspiradores nacionais e estrangeiros, divulgou ontem, dia 22, o balanço da empresa referente ao ano de 2014. Notícia desagradabilíssima para as direitas conspiradoras que pretendem impeachment e golpe de Estado contra o segundo governo popular que mudou o país de forma concreta exemplificada na erradicação da pobreza extrema miséria de acordo com o relatório do Banco Mundial publicado também ontem.

O presidente Bendine afirmou que o resultado do balanço mostra a “capacidade de superação de desafios em contexto adverso” da Petrobrás. Ele disse que a perda por desvalorização de ativos, foi o principal fator do prejuízo de 2014 calculado em R$ 44 bilhões. Sendo que o prejuízo concentrou-se no quarto semestre em um total de R$ 26,6 bilhões. O balanço traz também o resultado das análises feitas pela estatal sobre a Operação Lava Jato mostrando que os envolvidos há três anos não trabalham na empresa. A empresa contabilizou no ano R$ 68,9 bilhões em caixa.

Leia parte do balanço.

petrobras-divulga-resultados-auditados-de-2014-1-1-638 petrobras-divulga-resultados-auditados-de-2014-1-2-638 petrobras-divulga-resultados-auditados-de-2014-1-4-638 petrobras-divulga-resultados-auditados-de-2014-1-5-638 petrobras-divulga-resultados-auditados-de-2014-1-6-638

HOJE É DIA DE MANIFESTAÇÕES CONTRA A VOTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

image_largeHoje, dia 22, deputados vão votar uma das mais perigosas partes do Projeto de Lei 4.330 do deputado-empresário Sandro Mabel do PMDB. Será votada a atividade-fim que libera geral a terceirização em todos os setores privados e públicos. Ou seja, a total precarização da força de trabalho, salário e direitos trabalhistas do trabalhador. O que significa na prática a anemia e o enfraquecimento da produção brasileira.

Outra parte preocupante que será votada é a responsabilidade solidária. O que significa? É fácil entender, mas impossível de aceitar. Se a empresa terceirizada não pagar os trabalhadores, a empresa que contratou os serviços da terceirizada só pagará as dívidas trabalhistas. E tem mais, só pagará se ficar comprovado ausência de fiscalização. Nesse pé-rasteira, o trabalhador só poderá encarar a empresa que contratou a terceirizada depois que todos os recursos, na Justiça, estiverem esgotados. Uma loucura, trabalhador brasileiro! Mas os deputados sádicos pretendem e defendem essa loucura.

Como os inimigos dos trabalhadores e da força de produção brasileira já são conhecidos, e não poderiam votar ao contrário porque defendem causa própria, são empresários ou defensores dos empresários, já é de se esperar o resultado do ato violento contra o trabalhador brasileiro. Embora existam incautos que acreditam que eles podem mudar de opinião. Como coisa que eles tivessem opinião, se suas opiniões foram forjadas há séculos pelo sistema capitalista.

Entretanto, as centrais sindicais não vão deixar correr suavemente, como também grande parte da sociedade brasileira. A Central Única dos Trabalhadores (CUT), que aceita a responsabilidade solidária só se a cobrança for diretamente com a empresa principal, já tem bem organizada as táticas práticas das manifestações. As táticas são ir para os aeroportos onde os deputados, inimigos dos trabalhadores, vão embarcar e em Brasília onde eles vão desembarcar. É só marcar presença? Não. Os sindicalistas e representantes da sociedade civil vão levar cartazes com as fotos – e que fotos! – dos inimigos dos trabalhadores para que eles se sintam constrangidos e mudam suas posições.

Nessa situação-manifestação brota uma interrogativa. Será que esses deputados podem atingir o sentido afetivo do constrangimento? Ainda mais quando se sabe que o constrangimento tem que ser democrático-trabalhista. Há quem acredite, visto que eles ao sentirem a potência do trabalhador nas manifestações da semana passada suspenderam a votação das partes que hoje querem votar.

Uma lembrança… Quer dizer, uma não-lembrança, já que lembrança é o que se transformou em memória, como diz o filósofo Bergson. Não esperar nenhum constrangimento dos deputados da bancada do Amazonas. Todos traíram os trabalhadores na votação anterior. Já é atávico no corpo legislativo do Amazonas se colocar sempre em defesa da força do capital-reacionário é a determinação desse eterno presente desses parlamentares. Daí, porque não se trata de lembrança.     

Chomsky: ‘A América Latina viveu uma mudança de importância histórica’

‘Os EUA são a potência que exerce o maior domínio em todo mundo, mas já não têm o poder esmagador de impor ditaduras militares onde lhe apetece.’

Le Monde Diplomatique (tradução do Esquerda.net)

Em Buenos Aires (Argentina), de 12 a 14 de março passado, organizado pelo Ministério da Cultura e pelo Secretário de Coordenação Estratégica do Pensamento Nacional, Ricardo Forster, teve lugar um importante Fórum Internacional pela Emancipação e a Igualdade, que reuniu personalidades de grande prestígio vindas dos Estados Unidos, da América Latina e da Europa. Tratava-se de refletir sobre o momento que se está a viver não só na América Latina como também nalguns países da Europa, onde novas organizações políticas (Syriza, Podemos), que conhecem bem os avanços progressistas realizados na América Latina, estão a tentar mudar as coisas e contribuir com soluções de inclusão social e de rejeição das políticas “austeritárias”.

No marco desse encontro excecional, pudemos entrevistar o nosso amigo norte-americano Noam Chomsky, um dos intelectuais mais prestigiados do mundo. Um homem que há muito pensa como construir um mundo mais justo, menos desigual e com menos violência.

Ignacio Ramonet: Noam, em 9 de março passado, Barack Obama assinou uma ordem executiva e decretou “estado de emergência” nos Estados Unidos devido à “ameaça inusitada e extraordinária” que representaria a Venezuela para a segurança nacional do seu país. Que pensa desta declaração?

Noam Chomsky: Temos de ser cuidadosos e distinguir duas partes nessa declaração. Por um lado, um facto real: a imposição de sanções a sete funcionários públicos da Venezuela. A outra parte é um aspeto mais técnico, a forma como se formulam as leis nos Estados Unidos. Quando um presidente impõe uma sanção tem de invocar esta declaração ridícula que pretende haver “uma ameaça à segurança nacional e à existência dos EUA” por parte de tal ou qual Estado. É um aspeto técnico do direito dos EUA. É tão ridículo que, de facto, nunca tinha sido sublinhado. Mas desta vez fez-se questão disso, porque surgiu na América Latina. Na declaração habitual quase nunca se menciona todo este contexto, e acho que é a nona vez que Obama invoca uma “ameaça à segurança nacional e à sobrevivência dos EUA”, porque é o único mecanismo ao seu alcance atraves do qual a lei lhe permite impor sanções. Ou seja, o que conta são as sanções. O resto é uma formalidade absurda; é uma retórica obsoleta da qual poderíamos prescindir, mas que, em todo caso, não significa nada.

Ainda que às vezes sim. Por exemplo, em 1985, o presidente Ronald Reagan invocou a mesma lei dizendo: “O Estado da Nicarágua é uma ameaça à segurança nacional e à sobrevivência dos Estados Unidos”… Mas nesse caso era verdade. Porque ocorria num momento em que o Tribunal Internacional de Justiça tinha ordenado aos EUA que pusessem fim aos seus ataques contra a Nicarágua através dos chamados “Contras” contra o governo sandinista. Washington não o levou em conta. Por sua vez, o Conselho de Segurança das Nações Unidas também adotou, nesse momento, uma resolução que pedia, a “todos os Estados”, que respeitassem o direito internacional… Não mencionou ninguém em particular, mas todo o mundo sabia que se estava a referir aos EUA.

O Tribunal Internacional de Justiça tinha pedido aos Estados Unidos que pusessem fim ao terrorismo internacional contra a Nicarágua e que pagassem reparações muito importantes a Manágua. Mas o Congresso dos Estados Unidos o que fez foi aumentar os recursos para as forças [os “Contras”] financiadas por Washington que atacavam a Nicarágua… Isto é, a administração Reagan opôs o seu método à resolução do TIJ e violou o que este lhe estava a pedir. Nesse contexto, Reagan pôs as seus botas de cowboy e declarou que a Nicarágua era uma “ameaça à segurança dos Estados Unidos”. Recordará que, naquele mesmo momento, Reagan pronunciou um célebre discurso dizendo que “os tanques da Nicarágua estão apenas a dois dias de marcha de qualquer cidade do Texas”… Ou seja, declarou que havia uma “ameaça iminente”… Bom, segundo Reagan, aquela “ameaça” era uma realidade… Mas agora não, a de Obama é uma fórmula retórica, uma expressão técnica, digamos. Claro, trata-se de dar à declaração um aspeto dramático adicional para tentar enfraquecer o governo de Venezuela… Algo que Washington faz quase sempre nesses casos.

Conheceu o presidente Hugo Chávez. E Chávez tinha por si uma grande admiração. Fez o elogio de alguns dos seus livros. Que lembranças tem dele e que opinião lhe merece como dirigente, em particular pela sua influência na América Latina?

Nisto obteve um verdadeiro grau de sucesso, mas enfrentou graves dificuldades, em particular a incompetência, a corrupção, a maneira de combater as greves, etc. O resultado final é um contexto difícil para a Venezuela internamente. E o problema mais grave – que não foi superado –, e que é um problema na América Latina em geral, é que todos estes países dependem de um modelo não sustentável de desenvolvimento econômico, baseado na exportação de produtos primários. Um país pode assumir isso – a Argentina e o Brasil sabem-no – se a economia se diversificar de tal maneira que possa desenvolver uma verdadeira indústria complexa. Mas uma indústria baseada unicamente em produtos agrícolas ou minérios não é um modelo sustentável. Se vir os países que se desenvolveram, começando pela Inglaterra, EUA e outros, todos, originalmente, começaram por exportar produtos básicos. Por exemplo, os EUA desenvolveram-se porque tinham um quase-monopólio num dos produtos básicos mais importantes do século XIX, que era o algodão produzido em plantações com acampamentos de escravos – acampamentos que teriam impressionado os nazis se estes os tivessem podido ver. E assim os EUA conseguiram aumentar a produtividade do algodão mais rapidamente do que a indústria, e isso sem inovação técnica… além do chicote que usavam para torturar os escravos. Com o uso intensivo da tortura e de outras atividades horripilantes, a produção de algodão aumentou muito rapidamente, e assim os donos dos escravos enriqueceram-se, evidentemente, mas também se desenvolveu o sistema fabril.Tenho que lhe confessar que depois de o presidente Chávez ter mostrado o meu livro [Hegemonia ou Sobrevivência] na Organização das Nações Unidas (ONU), se vendeu muito bem na Amazon.com [risos]. Um amigo meu, um poeta, disse-me que o livro estava entre os últimos do ranking de Amazon e de repente venderam-se milhares. Ele perguntou-me se o presidente Chávez não podia mostrar um livro dele também na ONU… [risos] Bom, tive com Chávez algumas conversas, nada mais, no palácio presidencial. Estive em Caracas um dia com um amigo e basicamente falámos com Chávez sobre como chegou ao poder, como reagiram os EUA, e muitas outras coisas dessa natureza. Chávez fez um esforço muito importante para introduzir mudanças substanciais na Venezuela e na sua relação com o mundo. Um dos seus primeiros atos foi conseguir que a Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que possuía quase o monopólio do petróleo, reduzisse a produção para que o preço do barril aumentasse. Segundo o que me disse, esse foi o momento em que os EUA se voltaram definitivamente contra a Venezuela… Antes toleravam-no… Chávez fez muitas coisas mais: forneceu petróleo a baixo preço a Cuba e a outros países das Caríbas; realizou esforços para melhorar o sistema de segurança social, reduzir a pobreza, lançou as “missões”, que significavam um grande esforço a favor da gente humilde, etc.

Pois bem, os EUA também, como outros países desenvolvidos, não respeitaram o que hoje é chamado de “economia sã”. Os princípios que hoje se proclamam eram violados, e existiam altos impostos e outros mecanismos protecionistas. E isso continuou assim até o ano de 1945, quando realmente os EUA puderam desenvolver a produção industrial de aço, e de muitas outras coisas mais. É assim que se pode fazer o desenvolvimento. Se um país se autolimita à exportação de produtos primários vai fracassar… E isso é o que ocorre na Venezuela. A economia continua a depender terrivelmente da exportação de petróleo… Esse modelo é insustentável. E também é insustentável uma economia unicamente baseada na exportação de soja ou de outros produtos agrícolas. De tal forma que temos de passar por um formato diferente de desenvolvimento, como o que fizeram a Inglaterra e os Estados Unidos. E outros países europeus, evidentemente. Por exemplo, a França. Vinte por cento da riqueza da França foi produto da tortura dos haitianos… que continua hoje, lamentavelmente. O mesmo aconteceu com a história do desenvolvimento de outros países coloniais.Se pensar, por exemplo, no nordeste dos EUA, que é uma zona industrial onde estão as principais fábricas, naquele tempo estavam ocupadas pelo algodão, produziam panos a partir do algodão. O mesmo acontecia na Inglaterra. Os ingleses importavam o algodão dos EUA e desenvolveram as suas primeiras fábricas. O que também permitiu a expansão do sistema financeiro, que era uma manobra extremamente complexa sobre o empréstimo de fundos e outras operações financeiras. E todo isso a partir do cultivo do algodão. Um sistema comercial, um sistema industrial, um sistema financeiro.

A Venezuela não superou este obstáculo. E tem outros problemas internos graves que, evidentemente, os EUA querem exacerbar. Acho que as sanções constituem um esforço para consegui-lo. Na minha opinião, uma boa resposta da Venezuela seria simplesmente deixar passar por alto. Claro, não se podem ignorar as sanções, porque são reais… Mas sim o que mencionou, essa pretensão ridícula de “ameaças à segurança nacional dos Estados Unidos”. É importante repetir que isto, em si, não significa nada. Como lhe disse, é meramente uma expressão formal. É algo que os meios de comunicação, nos EUA, sequer assinalaram. O importante é a reação que, neste caso, ocorreu na América Latina.

No dia 17 de dezembro passado, o presidente Barack Obama, e também o presidente Raúl Castro, fizeram uma declaração, cada um por seu lado, em que anunciavam a normalização das relações entre Cuba e os Estados Unidos. O presidente Obama, nessa declaração, reconheceu que cinquenta anos de política norte-americana de pressões, com bloqueio económico incluído, não tinham produzido qualquer resultado, e que era preciso mudar de política. Que pensa desta normalização entre Cuba e os EUA? E como vê a evolução das relações entre Havana e Washington, e a influência desta evolução para o conjunto da América Latina?

Pequena correção. Não se trata de “normalização”. É, primeiro, um passo para o que poderia ser uma normalização. Ou seja que o embargo, as restrições, a proibição de viajar livremente de um país a outro, etc., não desapareceram… Mas efetivamente constitui um passo para a normalização, e é muito interessante ver qual é a retórica atual da análise de Obama e da sua apresentação. O que disse é que cinquenta anos de esforços “para levar a democracia, a liberdade e os direitos humanos a Cuba” fracassaram. E que outros países, infelizmente, não apoiam o nosso esforço, de tal maneira que temos de encontrar outras formas de continuar a nossa dedicação à imposição da democracia, liberdade e direitos humanos que dominam as nossas políticas benignas com o mundo. Palavra mais, palavra menos, é o que disse. Quem leu George Orwell sabe que quando um governo diz alguma coisa, é preciso traduzi-la para uma linguagem mais clara. O que disse Obama significa o seguinte: durante cinquenta anos fizemos um terrorismo de grande escala, uma luta económica sem piedade que deixaram os EUA totalmente isolados; não pudemos derrubar o governo de Cuba nesses cinquenta anos, portanto, tudo bem se encontramos outra solução? Essa é a tradução do discurso; é o que realmente quer dizer ou o que se pode dizer tanto em espanhol quanto em inglês.

E vale a pena recordar que a maioria destas questões são suprimidas nos debates norte-americanos e mesmo europeus. Efetivamente, os EUA fizeram uma campanha grave de terrorismo contra Cuba sob a presidência de John F. Kennedy; o terrorismo era extremo naquele momento. Há um debate, às vezes, sobre as tentativas de assassinato de Fidel Castro, e fizeram-se ataques a instalações petroquímicas, bombardeamentos de hotéis – onde sabiam que havia russos alojados –, mataram gado, etc. Ou seja, foi uma campanha muito grande que durou muitos anos.

E mais, depois de os EUA terminarem o seu terrorismo direto apareceu o terrorismo de apoio, digamos, com base em Miami nos anos 1990. Além da guerra económica, que foi iniciada por Eisenhower, ganhou realmente impulso durante a era Kennedy e intensificou-se depois. O pretexto da guerra económica não era “estabelecer a democracia” nem “a introdução de direitos humanos” era castigar Cuba por ser um apêndice do grande Satã que era a União Soviética. E “tínhamos que proteger-nos”, da mesma maneira que “tínhamos de nos proteger” da Nicarágua e de outros países…

Por exemplo, Obama é praticamente o único líder que deu apoio, em 2009, ao golpe de Estado em Honduras, que derrubou o governo constitucional [de Manuel Zelaya] e que instalou uma ditadura militar que os EUA reconheceram. Isto é, podemos deixar de lado a conversa sobre a democracia e os direitos humanos; não têm nada a ver: o esforço era para destruir o governo. E sabemos porquê. Uma das coisas boas dos EUA é que, em muitos sentidos, são uma sociedade livre, e temos muitos registos internos, de deliberações internas que foram publicadas. De maneira que se pode saber exatamente o que ocorreu. Quando ocorreu o colapso da União Soviética, que aconteceu com o embargo? O bloqueio agravou-se. E mais, Clinton ganhou a partida a George Bush (pai) para ampliar o bloqueio. Clinton fortaleceu-o mais. Algo estranho da parte de um senador liberal de Nova Jersey… E, mais tarde, pior ainda, foi intensificado o esforço para estrangular e destruir a economia cubana. E todo isso não tinha nada a ver, obviamente, nem com a democracia nem com os direitos humanos. Nem sequer é uma piada. Basta ver os registos norte-americanos do seu apoio às ditaduras violentas, terroristas na América Latina. Não só as apoiaram como as impuseram. Como no caso da Argentina, onde os EUA eram o mais firme apoio da ditadura argentina. Quando o governo da Guatemala estava a cometer um verdadeiro genocídio, Reagan quis apoiá-lo. Mas o Congresso tinha-lhe determinado certos limites. Por isso disse: bom, tudo bem se o fazemos na Argentina? E transformamos os militares argentinos em neonazis para fazer o que queremos. Infelizmente, a Argentina passou a ser uma democracia depois; e foi aí que os Estados Unidos perderam esse apoio que tinham. E então recorreram a Israel para continuar com o treino dos exércitos de terrorismo na Guatemala. Mas já, desde princípios dos anos 1960, houve uma tremenda onda de repressão em toda a América Latina, no Brasil, no Uruguai, no Chile, na Argentina e assim até na América Central. Os Estados Unidos, diretamente, participavam em todos estes comandos. Antes também, e hoje continuam.

Em 1999, apareceu Hugo Chávez na Venezuela, e uma série de países adotaram programas antineoliberais, vários governos progressistas começaram a aparecer na América Latina; no Brasil, com Lula; depois na Bolívia, com Evo Morais; depois no Equador, com Rafael Correa; depois na Argentina, com Nestor Kirchner; no Uruguai, com Tabaré Vázquez e Pepe Mujica. Isto espalhou-se pela América Latina; e efetivamente, como acaba de dizer, a América Latina tem escapado um pouco às mãos dos EUA. Eu queria perguntar-lhe, primeiro, que opinião tem sobre estes governos progressistas, em geral, da América Latina? E segundo, por que os EUA puderam encontrar-se nesta situação de perda de influência na América Latina?

Bom, são acontecimentos de enorme importância nesta parte do mundo, todo o que descreveu é de relevância realmente histórica. Se pensarmos na América Latina… Durante quinhentos anos, a América Latina, basicamente, viu-se controlada pelos poderes imperialistas ocidentais, sobretudo pelos EUA no século XX, e antes houve outros… Na América Latina, as populações originárias viam-se controladas por uma elite pequena, geralmente branca, quase branca, muito rica, no meio do povo pobre. Então, estas elites eram como que alheias ao seu próprio país: exportavam capital para a Europa, por exemplo, e enviavam os seus filhos para os Estados Unidos. Não se preocupavam com o seu próprio país. E a interação entre os países de América Latina era muito limitada. Cada elite da cada país tinha um desvio para o ocidente, e ideias imperialistas. Havia certas diferenças, mas esta era em geral a situação típica. E isto vem acontecendo desde há quinhentos anos de uma forma ou de outra.

Assim, vemos alguns casos de sucesso, por assim dizer, mas não como no passado, não como antigamente. A América Latina agora deu um passo adiante para conseguir certo grau de independência. É o caminho correto. Bom, a UNASUR, o MERCOSUL, a CELAC [Comunidade de Estados Latinoamericanos e Caribeños]; há diferentes grupos que representam passos para a integração. A CELAC é totalmente inovadora, porque os EUA e o Canadá ficam excluídos, e isto ninguém poderia ter imaginado; era algo inconcebível anos atrás.Mas, a partir de 1999, começou a mudar esta situação. O que descreve é uma mudança muito significativa; é um momento de importância histórica. E os Estados Unidos são, evidentemente, o país, a potência que exerce o maior domínio em todo mundo, mas já não têm o poder esmagador de destruir governos e de impor ditaduras militares onde lhe apetece. Se pensarmos, por exemplo, nos últimos quinze anos… Houve alguns golpes de Estado: uma tentativa inesperada na Venezuela em 2002; bem, funcionou, digamos, durante dois dias e nada mais. Os EUA apoiaram-na plenamente mas não tiveram o poder de impor um novo governo. Houve outro no Haiti em 2004; aí temos… os torturadores do Haiti, a França e os EUA combinaram o sequestro do presidente Aristide para enviá-lo para o centro da África, e mantê-lo ali, oculto, para que não pudesse participar sequer nas eleições. Bom, isto teve êxito, mas o Haiti é um país muito fraco. Houve outro caso em Honduras, em 2009 – sim, com Obama – os militares desfizeram-se do governo constitucional… Aí houve uma “desculpa democrática”, e Washington não o quis condenar como um golpe militar… Mas o resultado foi que os EUA viram-se isolados nessa posição de apoio a esse golpe militar triunfante. E agora esse país é um desastre completo. Tem um terrível registo – o pior – em matéria de direitos humanos. E se consideramos a migração para os EUA, que é um grande tema, a maioria dos imigrantes provém das Honduras, porque este país foi destruído pelo golpe que Washington apoiou.

Todo isso se vê refletido de vários modos; houve um estudo recente muito interessante do que poderíamos chamar, por exemplo, a “pior tortura do mundo”: prendemos alguém e mandamo-lo para a ditadura militar mais cruel para que lá seja torturado, de maneira impune, e podemos assim obter certa informação. Esta é a pior forma de tortura. Os Estados Unidos vêm-no fazendo desde há anos e anos. Houve um estudo para saber que países cooperam. Claro, os países de Médio Oriente; enviam-nos para lá para levar a cabo esta tortura: já o faziam com Assad na Síria, com Mubarak no Egito, e com Kadhafi na Líbia, não? E os países europeus na sua maioria participaram, Inglaterra, Suécia, França, todos estes países.

No entanto, houve uma região no mundo, na qual não participou nenhum país: a América Latina. E isto é realmente interessantíssimo. Quando a América Latina estava sob o controlo dos Estados Unidos, era um centro global de tortura. Agora, até se negaram a participar neste horrendo jogo, neste tipo de tortura implementado pelos Estados Unidos. Isto é uma mudança muito significativa, um sinal realmente muito importante. Houve certos casos de sucesso, parciais, na América Latina, que liderou a resistência ao projeto neoliberal, podemos chamar assim. Também outros sucessos, apesar de ainda haver muito caminho a percorrer ainda.

Publicado no Le Monde Diplomatique em espanhol.

Tradução de Luis Leiria para o Esquerda.net

Imprensa abafa operação Voldemort, esquema de corrupção no ninho tucano

image_previewPrimo de Beto Richa e outras seis pessoas são acusadas pelo MP de esquema criminoso para obter contrato emergencial de R$ 1,5 milhão com o governo paranaense.

por Helena Sthephanowitz.

No inicio deste mês, o Ministério Público do Paraná abriu ação penal contra o empresário Luiz Abi Antoun, primo do governador Beto Richa e ex-assessor parlamentar do tucano. Para a Justiça, Abi é considerado um dos nomes mais influentes no governo Richa, ainda que não ocupe nenhum cargo público. Abi e outras seis pessoas são acusadas pelo MP de montar um esquema criminoso para obter um contrato emergencial de R$ 1,5 milhão com o governo do estado. Eles agora respondem por organização criminosa, falsidade ideológica e fraude em licitação.

As suspeitas sobre a ação de Abi nos bastidores do governo tucano ganharam força depois que parte do depoimento de um ex-funcionário do governo foi revelada. Marcelo Caramori, que tinha um cargo comissionado no Executivo até o início do ano, afirmou em delação premiada que Abi é “o grande caixa financeiro do governador Beto Richa, incumbindo-lhe bancar campanhas políticas e arrecadar dinheiro proveniente dos vários órgãos do estado”. O delator está preso desde janeiro em Londrina por exploração sexual de menores.

A atuação do primo de Richa nos bastidores ajudou a batizar a Operação Voldemort, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Paraná, que investiga esquema criminoso montado para obter um contrato de R$ 1,5 milhão entre a empresa Providence Auto Center e o Departamento de Transporte Oficial do Estado. O nome faz alusão a Lord Voldemort, o temido personagem da série literária e cinematográfica Harry Potter, que nos livros de J. K. Rowling é conhecido como “aquele que não deve ser nomeado”.

Richa, em vez de pedir à Polícia Federal uma ampla investigação da corrupção instalada dentro de seu governo, tentou amenizar o caso publicando em seu facebook um breve relato de uma visita feita ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, dando a entender que foi em busca de conselhos para enfrentar as sucessivas crises que assolam seu governo.

Richa terminou seu primeiro mandato em crise econômica. Desde 2013 tem dificuldades de caixa para pagar fornecedores em dia e não consegue cumprir compromissos assumidos com o funcionalismo. Iniciou seu segundo mandato pior ainda, com greves de profissionais do ensino e da saúde, e com aumento de 50% nos impostos estaduais sobre vários produtos.

FHC não é uma pessoa das mais apropriadas para dar conselhos econômicos. Em seus oito anos de gestão na Presidência da República quebrou o Brasil três vezes, mesmo fazendo o maior aumento da carga tributária da história. Vendeu patrimônio público para abater a dívida, mas a dívida explodiu. Privatizou tendo como um dos argumentos atrair investimentos e eles vieram pífios, resultando em racionamento de energia, má qualidade nos serviços públicos concedidos e tarifas altas de pedágios e telefonia. Também fracassou na geração de empregos; a renda do trabalhador e a proteção social foi arrochada. Enfim, se for seguir aqueles conselhos, pobres paranaenses.

Outro tema que leva o governo paranaense à crise política é a corrupção envolvendo familiares e rondando seu gabinete. Outra relação de proximidade é a sociedade de Fernanda Richa, mulher do governador, e Eloiza Fernandes Pinheiro Abi Antoun, mulher de Abi, entre 1999 e 2002. As duas foram sócias da União Metropolitana de Ensino Paranaense Ltda.

Apesar de o Judiciário nem sempre individualizar condutas criminosas quando acusa petistas, o princípio deve valer para todos e Beto Richa não pode responder criminalmente pela conduta de terceiros sem provas. Porém, o Paraná precisa que as investigações sejam feitas e precisa que o governo seja depurado, doa a quem doer, como acontece no governo federal.

E neste ponto, FHC também não é um bom conselheiro. Em seu governo reinava a impunidade do engavetamento. A corrupção cresceu assustadoramente ao não ser combatida como deveria, favorecendo a sobrevivência eleitoral de políticos corruptos. E ainda contava com a complacência da imprensa tradicional simpática ao tucanato.

Deixou uma herança maldita que, a duras penas, vem sendo combatida diuturnamente. Se Richa fosse agir republicanamente, faria tudo ao contrário do que o ex-presidente aconselhasse. O problema é que os dois tucanos se parecem muito no jeito de agir e de governar. Para desespero dos cidadãos paranaenses.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.240.814 hits

Páginas

Arquivos