Para Dilma, a crise política começou com um prolongado terceiro turno

Os ajustes respondem a uma conjuntura desfavorável, mas a crise não se compara às anteriores: temos mercado consumidor, reservas e uma dívida manejável.

Maria Inês Nassif

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff carregou para o seu segundo mandato um acúmulo de desajustes econômicos e também uma crise política advinda de um longo “terceiro turno”, em que as forças políticas derrotadas investiram em formas pouco convencionais de embargo à candidatura vencedora. “Logo depois das eleições, veio o inusual pedido de recontagem de votos”, lembrou Dilma, em entrevista exclusiva à Carta Maior e outros jornalistas da mídia alternativa, nesta terça-feira. Foi atípica, segundo ela, porque o país tem um sistema de votação eletrônico eficiente e nunca foi questionado pelas partes em disputa. Em seguida, veio uma pressão para a rejeição de contas de campanha, rejeitada por unanimidade pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O estresse eleitoral se prolongou até a posse.

Simultaneamente à tensão política, os ajustes decorrentes, segundo Dilma, de pressões sobre a economia que se acumulavam desde 2011, incentivaram o clima de descontentamento.

“Temos que reconhecer que isso (o ambiente político) faz parte da democracia, mas não acho que seja disruptivo, isso é parte da luta política do Brasil no estágio atual”, afirmou a presidente. “Vamos fazer 13 anos de governo e quem não está (no poder) reage dessa forma”, afirmou.

Dilma apontou, contudo, que o país viveu uma situação econômica complicada – mas que, apesar de toda a sua complexidade, não produziu o volume de estragos do passado.

“O Brasil mudou completamente”, disse. As vantagens sobre o passado seriam um mercado consumidor de 44 milhões de pessoas, o baixo nível de endividamento do país – a dívida pública é “perfeitamente manejável”, nos limites atuais de 34,1% de dívida líquida e 58,9% de divida bruta – e existe a proteção de reservas internacionais.

Para a presidenta, a situação econômica já esteve pior e é possível vislumbrar uma recuperação a partir do próximo ano.

A trajetória da crise – Segundo Dilma, uma série de fatores acabaram levando a um desajuste fiscal, que as medidas tomadas no início de seu segundo governo pretendem corrigir.

Após dois anos de medidas anticíclicas, em 2011 o país sofreu o impacto de políticas monetárias dos países desenvolvidos, e sofreu o “estresse” de um câmbio de 1 dólar para 1,5 reais. Para neutralizar esse impacto, o governo ampliou os subsídios sobre o crédito e adotou uma política de desoneração fiscal “bastante relevante”, tanto para investimentos em bens de capital como para a cesta básica e folha de pagamentos.

O país também viveu “uma das piores crises hídricas da história”, que chegaram ao Sudeste, com grande impacto sobre o preço da energia. O sistema hidrotérmico adotado pelo país poupou-o de racionamento de energia, mas inevitavelmente o custo da produção cresceu, pelo uso de combustíveis na produção energética, em substituição à energia hídrica. Segundo a presidenta, o governo não fez o ajuste abruptamente, mas o impacto sobre a economia de qualquer forma acabou sendo grande.

O governo manteve a política de suavizar o impacto da substituição da matriz energética e as políticas anticíclicas enquanto a arrecadação, embora “não fosse maravilhosa”, estava crescendo.

A partir de 2014 houve uma “queda brutal” na arrecadação, acompanhada de movimentos na economia internacional desfavoráveis ao país – foi o “pior ano” para a China, grande importador de commodities brasileiras, especialmente minério de ferro; e foi o ano que amargou o impacto da queda de produção da Petrobras de 2013, só retomada no ano seguinte. “E ocorreu um quadro de agravamento no final do ano, não apenas para a União, mas para os Estados e Municípios”, afirmou a presidenta.

A partir de então, iniciou-se um ajuste cujas medidas já haviam começado a ser elaboradas pela equipe econômica que deixava o governo e até então comandada por Guido Mantega. Segundo a presidenta, a equipe anterior não deixou as medidas tributárias prontas, mas já havia trabalhado em propostas de correção das distorções detectadas no seguro-desemprego, no abono salarial, na Previdência e no próprio Fies (financiamento educacional em universidades privadas).

O novo ministro, Joaquim Levy, completou o ajuste com medidas fiscais – e, segundo a presidenta fez questão de ressaltar, o ministro apenas fez o que o governo – e, portanto, ela – decidiram que ele fizesse. “Não tem a menor correspondência com a realidade dizer que o Levy é o verdadeiro presidente da República. Para ser ministro da Fazenda e para defender medidas políticas, ele depende da Presidência da República. Ele não pode fazer nada que a Presidência não concorde”.

O governo, então, reduziu os subsídios dos juros – “não é mais 2,5%, mas também não é a Selic”. “Mas não houve mexida para acabar integralmente com o subsídio ao crédito, porque é preciso manter essas políticas, se quiser manter a visão de retomada (do crescimento)”.

“Não mexemos na desoneração da cesta básica nem dos bens de capital. E estamos propondo mexidas na folha de pagamentos”. Segundo a presidenta, a intenção, nesse caso, é reduzir o custo do trabalho “numa conjuntura internacional em que a redução está ocorrendo” de outras formas, com grande perda de avanços sociais e demissões. A redução proposta do custo do trabalho, segundo Dilma, está sendo feita via impostos, “principalmente para setores industriais onde a competição bate forte”. Ainda assim, a desoneração da folha, em função do ajuste, foi reduzida de uma perda de R$ 25 bilhões para o governo, para uma renúncia de R$ 12 bilhões.

O impacto do aumento dos juros sobre a dívida pública foi subestimada pela presidenta, que considera que a alta não esteriliza as economias feitas pelo lado fiscal, mas atua sobre a variável inflacionária – para ela, a questão de maior impacto para a população. Mas ela deixou claro que o governo não faz política monetária.

0 Responses to “Para Dilma, a crise política começou com um prolongado terceiro turno”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.087 hits

Páginas

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: