Arquivo para fevereiro \29\-04:00 2016

O FILÓSOFO NIETZSCHE MOSTRA PORQUE AS DIREITAS NÃO CONSEGUEM ATINGIR LULA, O MELHOR PRESIDENTE DO BRASIL

5604-medium

Havia uma letra musical no passado que dizia: “Quanto mais bate mais tem som”. Para o bom observador não é uma letra do passado quando relacionada à Lula tratado pelas direitas. Todos os dias as direitas, em suas cavernas teratogênicas, deliram uma aberração para atacar Lula. Não conseguem. Lula continua inatingível.

Essa inatingibilidade o filósofo da vontade de potência e do eterno retorno, Nietzsche nos mostra o porque. Ele diz que há homens que por algumas alterações genéticas e forcas dos acasos em suas vidas não conseguiram ser contemporâneos dos homens atuais e permaneceram embrutecidos como nós, os contemporâneos, erámos no passado. A única importância que eles têm para os homens atuais é que serve de amostragem do que os atuais foram. O que concede aos homens atuais confirmarem suas realidades como sendo resultado de seus desenvolvimentos. Ao contrário dos homens atrasados.

PT36ANOS1 PT36ANOS17 PT36ANOS2Os homens atrasado, os que não chegaram ser contemporâneos dos homens atuais, estão impossibilitados de entenderem o tempo presente com suas realidades superiores ao passado embrutecedor, assim como os homens superiores também não são entendidos. As direitas em suas condições embrutecidas de atraso não podem atingir Lula, um superior atual, porque lhes faltam os corpos sensoriais e cógnitos necessários para o entendimento do mundo contemporâneo. Como são atrasadas elas não atingiram os graus sensorial e cognitivo da sociedade atual para compreender o mundo e tentar mudar sua realidade quando for necessário. Assim, sua linguagem e opiniões são para o mundo passado, onde elas pararam embrutecidas. É como se elas quisessem que o mundo atual fosse interpretado e avaliado pelos mesmos corpos de seus passados atrasados. Impossível visto serem dois tempos que jamais se relacionam.

Envolvidas por essa realidade atrofiada genética, sócio, culturalmente, as direitas jamais impediram ou impedirão Lula de seguir seu quantum de potência, como diz Nietzsche. E o pior: não é só Lula que é homem atual. A maior parte da população brasileira é atual. É contemporânea. Não sofreu atrofia, como as direitas. É por essa razão que os contemporâneos escolheram Lula o melhor presidente do Brasil.

Não adiante Fernando Henrique, investigado pela polícia, Aécio de Furnas, Alckmin, merendão, Serra, “cunhadinha” sigilosa, conspirarem contra Lula, porque não canal de comunicação deles, atrasados, como Lula e os contemporâneos.

Como os contemporâneos são contemporâneos por força dos movimentos temporais, e os atrasados serem atrasados por força da imobilidade temporal, 2018 já chegou. Os atrasados, jamais conseguirão chegar a 2018. Se perderam no passado embrutecidos. 

Mensagem de Lula aos embrutecidos atrasados.

“A gente não tem hoje um grande partido de oposição. Nós temos um partido chamado Globo, um partido chamado Veja, chamado outros jornais, que é quem de verdade lidera a oposição no Brasil”, disse Lula.

Lula: “Se quiserem me derrotar, vão ter que me enfrentar na rua”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve da festa de 36 anos do Partido dos Trabalhadores, no Rio de Janeiro, neste sábado (27). A festa contou com a apresentação de Diogo Nogueira e a bateria da Portela, além de homenagem especial ao ex-presidente, a quem foi dedicada a música “Ser Humano”, de Zeca Pagodinho.

Houve ainda homenagem a Carlos Manoel, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro e secretário de finanças do PT fluminense, falecido na última terça-feira (23).

Em mensagem aos militantes, Lula reafirmou que é necessário defender e ajudar o governo federal a retomar um ciclo de crescimento com inclusão social. “O problema é nosso. É meu, é seu, e todos os brasileiros. Temos de assumir essa responsabilidade. Falar o que tem de falar, porque partido não precisa concordar sempre com governo. Mas saber que estamos juntos. Por mais que haja discordância de alguma coisa, o lado da Dilma é o do povo”, ressaltou o ex-presidente, saudado com gritos de: “não vai ter golpe”.

“O povo brasileiro quer emprego, salário, inflação baixa e ter um dinheirinho pra gastar com a família. E nós estamos vivendo um momento difícil. A culpa não é do governo, é de uma conjuntura mundial”, ponderou Lula. “O povo sabe que foi o PT que levou a tantas conquistas na última década. Foi o projeto que mais investiu em educação, que mais pôs comida na mesa do povo, que fez 40 milhões ascenderem socialmente, levou energia a 12 milhões de brasileiros”, relembrou.

O ex-presidente afirmou ainda que, para sair da conjuntura de crise, “temos de olhar ainda mais para o povo pobre. O pobre não é problema. É solução. Se o mundo rico tivesse feito desde 2007 investimentos para ajudar os países pobres a se desenvolver, estariam vendendo para o continente africano, para a america latina, e a gente teria deixado de ser pobres. Mas colocaram 12 bilhões de dólares para salvar o mercado financeiro, e não adiantou”.

Campanha de difamação e 2018

Lula falou ainda sobre a campanha empreendida por parte da mídia e setores do judiciário contra o PT e a honra do próprio ex-presidente. “Não podemos criminalizar qualquer pessoa que seja por causa de manchetes. Hoje, neste país, há um partido que se chama Globo, um partido que se chama Veja. Mas se eles quiserem voltar ao poder, tem de aprender a ser democráticos e respeitar os resultados das eleições”. Lula, que relatou os ataques diários sofridos por ele desde janeiro do ano passado, garantiu que não se intimidará. “se for necessário, se vocês entenderem necessário para defender este projeto, que está sob ataque, em 2018, eu, com 72 anos, volto a disputar a eleição”.

Ouça o discurso do ex-presidente Lula:

https://photos.gstatic.com/media/slideshow.swf

A LISTA DE FURNAS, DOCUMENTÁRIO DE MAX ALVIM

Captura de Tela 2016-02-27 às 17.00.40

O documentário A Lista de Furnas é uma produção cinematográfica dirigida pelo talentoso cinegrafista Max Alvim com roteiro escrito pelo jornalista Joaquim de Carvalho que mostra o esquema de corrupção em que o senador Aécio Nunes é acusado de ser o grande coordenador.

Uma artística-política que o povo brasileiro não deixar de assistir e tomar sua posição para que a democracia brasileira seja solidificada sem farisaísmo, onde os corruptos se apresentam como honestos, ilibados, probos muitos amparados pelas mídias aberrantes e setores institucionais que agem contra o Brasil.

Esse documentário é uma grande colaboração para a construção da consciência  democrática do povo brasileiro que o site Diário do Centro Mundo dirigido pelo jornalista Paulo Nogueira, proporciona com magnífica honestidade.

Assista! Se possível saboreando pipoca entre boas gargalhadas ao comparar o que falam as testemunhas com os comportamentos dos “honestos”.

O DCM apresenta o documentário sobre a Lista de Furnas que prometemos entregar em mais um projeto de crowdfunding.

Com direção do talentoso documentarista e produtor Max Alvim, ele é baseado nas matérias de Joaquim de Carvalho, um dos melhores repórteres do Brasil, colaborador dileto do Diário.

Está ali toda a gênese e as imbricações de um dos grandes escândalos do país — e um dos que mais sofreram tentativas de ser abafado.

O momento do lançamento é oportuno. No sábado, 27 de fevereiro, ficou-se sabendo que o ex-deputado federal Roberto Jefferson e mais seis pessoas foram indiciados pela Delegacia Fazendária (Delfaz) por crime de corrupção ativa e lavagem de dinheiro na estatal mineira.

O Ministério Público Estadual (MPE) levou dez anos para se mexer. Entre os envolvidos estão empresários, lobistas e políticos. Ficou faltando muita gente. Entre as ausências, a de Dimas Toledo, ex-presidente da empresa indicado por Aécio. Dimas não foi indiciado por ter mais de 70 anos e, portanto, contar com o benefício da prescrição.

O que o documentário do DCM traz:

. O que é, para que servia e quem produziu a relação de 156 políticos e os respectivos valores recebidos na campanha eleitoral de 2002 do caixa 2 de empresas que prestaram serviços para Furnas.

. Os principais nomes do esquema: gente como José Serra, então candidato a presidente, Geraldo Alckmin, candidato a governador de São Paulo, Aécio Neves, candidato a governador de Minas Gerais, e Sérgio Cabral, candidato a senador pelo Rio de Janeiro, além de candidatos a deputado, como, Alberto Goldman, Walter Feldman e Gilberto Kassab por São Paulo; Eduardo Paes, Francisco Dornelles e Eduardo Cunha pelo Rio de Janeiro; Dimas Fabiano, Danilo de Castro e Anderson Adauto por Minas Gerais.

. O protagonismo de Aécio: além de receber diretamente para sua campanha R$ 5,5 milhões (13,1 milhões em valores corrigidos pelo IGP-M), há outros dados que confirmam seu papel central no caso.

São antigas as relações de sua família com as empresas públicas na área de energia. O pai, Aécio Cunha, depois de integrar durante seis anos a Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, se tornou conselheiro de Furnas, ao mesmo tempo em que era conselheiro da Cemig, a estatal de energia de Minas Gerais.

“Furnas sempre foi território de Minas no governo federal”, afirma José Pedro Rodrigues de Oliveira, ex-coordenador do Programa Luz para Todos.

O doleiro Alberto Youssef, em delação premiada, falou de Aécio. O lobista Fernando Moura detalhou que era “um terço (PT) São Paulo, um terço nacional, um terço Aécio”.

. A batalha para desacreditar a Lista de Furnas: quem divulgou que ela poderia ser falsa foi o PSDB de Minas Gerais, com base em pareces de peritos contratos e num laudo da Polícia Federal feitos em cima de uma das cópias divulgadas por Nilton Monteiro, o homem que confessou atuar como operador do caixa 2.

Uma matéria na Veja, plantada por Aécio, deu força para a ideia da falsidade. Quando essa tese prosperava, o lobista Nílton Monteiro entregou à Polícia Federal o documento original, que foi periciado. A conclusão foi a de que se tratava de um documento autêntico, assinado por Dimas Toledo e sem indício de montagem.

Esperamos, com esse documentário, ter conseguido jogar luzes sobre uma história que caminhava para o esquecimento. Agradecemos a todos os leitores que contribuíram para que ele pudesse ser realizado.

E POR FALAR EM “GRANDEZA”. A POLÍCIA DO RIO ENCAMINHOU PARA O MINISTÉRIO PÚBLICO SETE NOMES DE PESSOAS INDICIADAS NO CASO FURNAS

images-cms-image-000483751

Em tempo de “grandeza”: Um tempo que toca em Aécio Cunha embora ele não queira. Polícia Civil do Rio de Janeiro encaminhou ao Ministério Público uma lista com sete nomes de pessoas indiciadas entre elas Roberto Jefferson que afirmou ter recebido propina no esquema de corrupção de Furnas. Na lista também consta o nome de Dimas Toledo que foi indicado a uma diretoria de Furnas por Aécio.

O caso Furnas deixa Aécio Cunha mais conturbado, visto que ele é apontado por várias testemunhas como um dos mais responsáveis pelo esquema.    

É muita grandeza. Uma verdadeira elevação celestial.

AÉCIO CUNHA, QUE SABE DEMAIS O QUE É GRANDEZA, PEDE QUE DILMA FAÇA UM GESTO DE GRANDEZA RENUNCIANDO

ad4f7-aecio-neves-jpg_195624

O ressentido Aécio Cunha vem esticando seu desespero ambicioso há mais de dois anos quando se candidatou por seu partido PSDB, partido da burguesia-ignara, para disputar as eleições presidenciais. São mais de dois anos, porque ele já sabia que ia perder. Tudo ficou muito bem expresso quando sentiu, no período de campanha, que Marina iria tomar seu lugar na disputa do segundo turno contra Dilma. Porém, Marina exacerbou suas idiossincrasias e deu no que deu: o ressentido tomou seu lugar na disputa.

Diante de uma Dilma inteligente, corajosa e decidida apoiada pela maioria do povo brasileiro, Aécio Cunha, apoiado pelos partidos reacionários, empresários com os mesmos afetos tristes, a mídia aberrante e coxinhas nazifascistas, ele delirou o poder. Teve seus minutos de presidente antes de terminar a contagem dos votos. Sorriu, recebeu abraços de seus pares, recebeu mensagens de felicitações, mas no final deu o que o povo queria: Dilma duas vezes.

No mesmo momento reforçou a conspiração golpista junto com seus iguais. Ganhou, mas não vai ser empossada. Se for empossada não vai governar. A regra de Carlos Lacerda junto com os comparsas da Globo. Nessa imobilidade ele continua esticando seu ressentimento.

Agora, com seu partido com representações pelo impeachment de Dilma no Tribunal Superior Federal (TSE), e contando com a boa companhia do ministro Gilmar Mendes ele acredita que Dilma vai ser deposta. Como se trata de delírio ambicioso é lógico que a realidade atual com Dilma no governo não será tocada.

E cada dia esticando seu ressentimento ambicioso ele inventa perspectivas fora da objetividade. Quem sabe um pouco dos comportamentos de Aécio Cunha através do que a imprensa democrática divulga entende o que significa o conceito grandeza para ele.

“Eu acho que está chegando a hora da presidente da República, da presidente Dilma Rousseff, refletir, e quem, sabe, em um gesto de grandeza, deixar a Presidência da República para que o Brasil possa construir um novo caminho”, afirmou oniricamente.

O filósofo Nietzsche diz que “devemos falar apenas do que não podemos calar; e falar somente daquilo que superamos – todo o resto é tagarelice”. Observando o comportamento de Aécio Cunha percebe-se que ele nunca leu Nietzsche, mas Nietzsche lhe cai bem. Tudo que ele fala não superou. Daí não pode saber o que é grandeza. E como não superou o que fala, ele só tagarela quando usa o conceito grandeza.

Não superou e permanece no supérfluo-superficial, por isso tagarela ao pronunciar grandeza.

Se a Globo vai ajudar a achar o dono da mansão, ajuda a achar também o do helicóptero

licp

POR

Depois que um dos irmãos Marinho, em notificação dirigida a este blog, declarou que nem eles nem a Globo têm ligações “direta ou indiretamente”com a mansão em Parati e com a empresa Agropecuária Veine, espero que o império Globo atenda ao apelo que fiz para identificar quem é, de fato, que se beneficia dos bens desta empresa.

Não apenas a mansão, mas o moderno helicóptero biturbinado Agusta 109, prefixo PT-SDA, que até dezembro era administrado por um consórcio entre a Agropecuária Veine, formalmente dona da mansão e a Santa Amélia, que tem como endereço um parrque de máquinas da Brasif, como se mostrou aqui. Agora, segundo os registros da Anac, a aeronave é operada pela Vatnne RJ Administração e Participações, um empresa do mesmo Jonas Barcellos que diz que não recebeu nada de Fernando Henrique para pagar um bônus de US$ 3 mil dólares a Mirian Dutra, mãe do ex-filho de Fernando Henrique Cardoso.

pousoTenho certeza que o colega jornalista João Roberto Marinho vai atender ao apelo que lhe fez este blog ontem e sugerir às suas empresas jornalísticas que apurem de quem é a Veine , por consequência logo quem é que se serve do aparelho. O helicóptero, por estar operado em serviço aéreo privado (arts. 123 e 177 do Código Aeronáutico Brasileiro) só pode realizar vôos de transporte e lazer para os donos da sua operadora e recebeu da Prefeitura do Riolicença para usar – não se sabe se gratuita ou remuneradamente, já é uma primeira boa pauta – o heliponto da Lagoa para ” pousos comerciais e não comerciais”.

Aliás, a Prefeitura poderia explicar como concede estas autorizações a particulares. É só pousar lá e pronto?

Assim, a Globo vai ajudar não só que se evite o abuso num equipamento público mas, também, acabar com a maledicência de que o aparelho seria usado pelos Marinho.

É fácil, extremamente fácil, basta mostrar a verdade.

DEPUTADA MARIA DO ROSÁRIO DIZ QUE A “SITUAÇÃO DO PRÉ-SAL SERÁ REVESTIDA NA CÂMARA” E QUE DILMA TEM ALIANÇA COM O POVO

941e4f9e-1afe-4d2b-8467-4251306d5069

O acordo que o governo Dilma fez com as direitas que redundou na aprovação de substitutivo na PL do ultra-reacionário Serra que com o placara de 40 votos contra 26 tirou da Petrobrás o direito de propriedade de exploração do pré-sal passando para empresas petrolíferas estrangeiras, entre elas a Chevron, defendida pelo senador da burguesia-ignara, deixou muitos brasileiro descompassados. Estes não acreditavam que o governo Dilma pudesse fazer acordo tão prejudicial para o governo esquerdista.

Não só parte da população brasileira se colocou contra o acordo como membros do próprio Partido dos Trabalhadores, assim como também membros do partido acreditam que foi uma saída inteligente do governo. E um terceiro tipo de análise feita por outros membros mostra os que acreditam que na Câmara Federal a situação será revestida. E que Dilma está com o povo e a soberania do País.

Entre esse terceiro tipo de análise encontra-se a deputada e ex-ministra Maria do Rosário (PT/RG) para quem o governo errou no encaminhamento, mas o quadro pode se reverter.

“O governo errou no encaminhamento. Nessa questão, nós devemos dizer que o governo deve voltar atrás no acordo que produziu. Nós temos uma diretriz clara, partidária, uma diretriz de esquerda brasileira, dos setores democratas, que defendem a soberania nacional. Muitas vezes nos colocamos em questões difíceis, na defesa do governo.

Se realmente houve o acordo, ele tem que voltar atrás. Nós entendemos que a matéria como ficou, lesa o interesse da Petrobrás, para o futuro. Não vejo possibilidade de acordo.

Nunca assumimos uma posição diferente ao longo da existência do PT do que a preservação do patrimônio público, e acreditamos que o governo foi levado à essa situação pela condição política.  Provavelmente alguns setores também pressionam o governo. Mas o movimento popular, a sociedade, os sindicatos e a esquerda também são bons de pressão. E nós também estaremos buscando que o governo se posicione e se coloque como historicamente se colocou em defesa plena do pré-sal.

Eu penso que a presidenta Dilma tem uma posição histórica pela soberania, pelos trabalhadores, pelas trabalhadoras, e eu pediria total confiança nela, mas, sem dúvida, na hora em que ela é pressionada pelos setores liberais, e muito até, pelos setores golpistas, nós temos que levar ao conhecimento do governo o que a esquerda, que sustenta de verdade o governo, quer que ele faça, que é uma guinada econômica e política para a esquerda e para os setores populares.

Nossa aliança principal é com o povo brasileiro. Até pelas funções que exerci e por conhecer a presidenta Dilma, digo que estou com ela, para que ela possa cumprir o programa que a elegeu em 2014, porque ela é uma mulher de palavra e que seguirá com o nosso programa. Tenho certeza que essa situação do pré-sal e do regime de partilha será revertida favoravelmente à Petrobrás”, observou a deputada Maria do Rosário.

RECORRENDO A CENSURA, FORÇA ANTIDEMOCRÁTICA, REDE GLOBO AMEAÇA BLOGUEIROS COM PROCESSO POR PUBLICAR MATÉRIAS QUE A ACUSAM

 

Antiglobo

Uma mostra inconteste de que os tempos do monopólio jornalístico na comunicação por meio das famílias-midiáticas mudaram. A Rede Globo resolveu ameaçar de processo os blogs e sites que divulgarem notícias referentes sua relação com a empresa Mossack Fontana, o caso Miriam Dutra que afirmou ser ela responsável junto Fernando Henrique e o pasquim Veja por seu exílio para proteger o ‘príncipe’.

Os blogs e sites sujos estão realmente realizando a revolução midiática. O império fantasia começou a sentir o mundo real. O mundo que não é o que ele, império-midiático, alucina e delira. É por isso que hoje a maioria dos brasileiros sabe que há um complô contra Lula para que ele não seja candidato em 2014. A opinião pública não é a opinião das mídias familiares e outras instituições que se tomam como deusas incontestes.

A investida de ameaça processante chegou ao Cafezinho, do jornalista Miguel Rosário que publicou a matéria “Bomba! O mapa genealógico da Mossack Fonseca e Rede Globo”. E ao Diário do Centro do Mundo, do jornalista Paulo Nogueira que sabe muito sobre as mídias-familiares, que publicou “Exclusivo: Nosso Repórter foi ao verdadeiro tríplex: o dos Marinho”.

Para realizar essa censura, a Rede Globo deve ter como argumento que as matérias não correspondem a verdade. Então, é necessário que os democratas perseguidos pela Rede Globo com matérias sem sustentação real, aproveitem essa pedagogia promovida pela entidade e também passem a ameaçá-la de processos, já que todo dia ela enche seus meios de comunicação com informações capciosas e inverídicas.  

Os tempos são outros! A Blogosfera pratica e protege a democracia contra seus inimigos midiáticos imperiais.

A resposta do Tijolaço à Globo

logotijolaco2

Enviei o seguinte e-mail à Globo, da mesma forma que recebi sua notificação.

Senhor João Roberto Marinho.

Recebi com atraso, por ter sido feita por e-mail “fale conosco” e se desviado para a caixa de “spam”, a comunicação de Vossa Senhoria. Com o noticiário sobre a notificação a outros blogs, pedi para verificar e a mesma, encontrada, foi imediatamente publicada, a guisa de direito de resposta que este blog não se recusou, não se recusa e não se recusará a conceder, de plano, a qualquer pessoa.

Assim, creio ter sido atendido o “pedido de retificação” feito por V. Sa. e, a seguir, como solicitado, em cada matéria, será colocado um link para a publicação integral da missiva enviada.

Bem assim, fica desde já o blog à disposição para qualquer esclarecimento que deseje o senhor oferecer à opinião pública, embora com microscópico alcance perto do império de comunicação que V.Sa. dirige.

Quanto à relação entre a mansão citada e a Família Marinho, certamente não há de desconhecer V. Sa. que foi noticiada pela prestigiosa Bloomberg, em 7 de março de 2012, sob o título “Brazil’s Rich Show No Shame Building Homes in Nature Preservese nos seguintes termos:

Heirs to Roberto Marinho, who created Organizacoes Globo, South America’s biggest media group, built a 1,300-square-meter (14,000-square-foot) home, helipad and swimming pool in part of the Atlantic coastal forest that by law is supposed to be untouched because of its ecology.

E, a seguir, na mesma reportagem:

Modernist Home

That’s the case with the Marinho media family. The Marinhos broke environmental laws by building a 1,300-square-meter mansion just off Santa Rita beach, near Paraty, says Graziela Moraes Barros, an inspector at ICMBio.

Without permits, the family in 2008 built a modernist home between two wide, independent concrete blocks sheathed in glass, Barros says. The Marinho home has won several architectural honors, including the 2010 Wallpaper Design Award.

The Marinhos added a swimming pool on the public beach and cleared protected jungle to make room for a helipad, says Barros, who participated in a raid of the property as part of the federal prosecutors office’s lawsuit against construction on the land.

“This one house provides examples of some of the most serious environmental crimes we see in the region,” Barros says. “A lot of people say the Marinhos rule Brazil. The beach house shows the family certainly thinks they are above the law.”

Ao que se tenha notícia, o referido texto, em publicação internacional de renome e alcance não mereceu a preocupação que, como é de seu direito, foi manifestada sobre este blog, de representar ” ofensa ao notificante e aos demais integrantes da família Marinho”.

Assim como nas inúmeras republicações que tal texto recebeu, total ou parcialmente, no UOL/Folha (Revista acusa família Marinho e Camargo Correa de construir mansões em áreas de preservação, em 18 de março do mesmo ano) ou a CartaCapital, de 15 de março, (RJ: Milionários destroem mata nativa com mansões).

As demais conexões partiram, claro, da razoável compreensão, ante a inação descrita (mormente de uma imensa empresa de comunicação, que monitora continuamente sua imagem pública)  de que a ligação entre a proprietária formal da casa – a Agropecuária Veine e de sua controladora Vaincre LCC – seria, de fato, uma ligação com quem lhe foi apontado como proprietário real e, mesmo dispondo de todos os meios para fazê-lo, não esclareceu que, como afirma em seu texto, que “a casa em questão e as empresas citadas na matéria não pertencem, direta ou indiretamente, ao notificante ou a qualquer um dos demais integrantes da família Marinho”.

Aliás, se me permite tratá-lo como colega jornalista  – e foi em O Globo que dei meus primeiros passos na profissão, em 1978 – tomo a liberdade – quem sabe a ousadia – de sugerir que as emissoras de TV, rádio, sites e jornais de suas Organizações, então, produzam, com os meios abundantes e o profissionalismo que reconheço em seus colaboradores, uma apuração sobre quem, afinal, é o proprietário ou usufrutuário daquela joia arquitetônica que, desafortunadamente, invadiu área de preservação ambiental e privatizou uma praia antes pública, em  que pese ser remota.

Sei que o tema ambiental é caro às suas Organizações e cito como exemplo a reportagem Construções irregulares avançam em 25 ilhas de Paraty, em O Globo, quando a referida construção já havia sido repetidamente multada e tinha ordem até de demolição mas que, certamente num lapso, não foi uma das irregularidades abordadas.

É uma imperdível oportunidade de sanear aquela omissão, naturalmente involuntária.

Creio que se estará, assim,  prestando um serviço público de alta relevância ao revelar quem, afinal, se oculta sob uma agropecuária para empreender uma edificação de altíssimo luxo. Este blog se comprazerá de aplaudir a ação cidadã das Organizações Globo em mostrar ao povo brasileiro quem, de fato, se aproveita daquele templo no paraíso.

Sempre à disposição para qualquer pedido de esclarecimento, fica um e-mail onde se poderá fazer de imediato qualquer contato que, com prazer e interesse público, será aqui imediatamente atendido. 

Permita-me, à guisa de conclusão, citar um ditado gaúcho – convivi muito com um deles e absorvi seus traços de honra e dignidade: “a luta não nos quita a fidalguia”.

Atenciosamente,

Fernando Brito, editor do Tijolaço.

DEPUTADO PIMENTA VAI PROTOCOLAR REPRESENTAÇÃO NO MJ E PGR PARA QUE A GLOBO, BRASIF, MOSSACK FONSECA E FIFA SEJAM INVESTIGADAS

ae1bd1db-a616-475c-95fc-7032f0b67077

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RG) vai protocolar uma representação no Ministério da Justiça e na Procuradoria-Geral da República para que as organizações Globo, as empresas Brasif, Mossack Fonseca e a FIFA sejam investigadas criminalmente. Em seu pedido ele quer que sejam investigadas as denúncias contras essas empresas que suspeitam que elas fazem parte de um esquema nacional e internacional para cometer crimes conta o sistema financeiro e a ordem tributária. Para ele é possível que essas empresas tenham conexões com o ex-presidente Fernando Henrique. Para o deputado tanto Fernando Henrique quanto o senador José Serra precisam ser investigados.

Para o deputado a Mossack Fonseca é suposta parideira de empresas “offshores destinada à lavagem de dinheiro, evasão de divisas e ocultação de patrimônio”. A partir das denúncias, o deputado conseguiu organizar um organograma que mostra as relações e conexões entre essas empresas e suas práticas.

Leia a representação protocolada pelo deputado.

 

pimenta1

pimenta2pimenta3pimenta4pimenta5

pimenta6pimenta7pimenta8pimenta9 aranha

 

CUT E FUP AFIRMAM QUE O ACORDO DO GOVERNO COM O PSDB PARA APROVAR A PL DE SERRA FOI UM “DOS GOLPES MAIS BRUTRAIS NA CLASSE TRABALHADORA”

serra90430

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Federação Única dos Petroleiros (FUP) publicaram nota protestando contra o acordo que o governo Dilma fez com as direitas comandadas pelo PSDB para aprovar em urgência urgentíssima a PL que tira da Petrobrás o direito de explorar o pré-sal entregando para multinacionais do petróleo como a Chevron por quem Serra (PSDB/SP) lutou e luta para beneficiá-la.

Durante a votação urgentíssima na quarta-feira, o senador Requião (PMDB/PR) lembrou a relação de Serra com a empresa petroleira Chevron denunciada pelo site Wikileaks.  Segundo o site, através de documentos secretos, o senador do partido da burguesia-ignara se comprometera com a empresa no ano de 2009.

“O Wikileaks assegurou que o senador Serra havia prometido (à petroleira Chevron) acabar (com o domínio do setor) pela Petrobrás”, lembrou o senador Requião na hora da votação.

Tanto a CUT como a FUP prometeram realizar manifestações nas ruas contra a decisão errada do governo Dilma que entregou o pré-sal ao capital internacional com ajuda das direitas e do próprio governo.

“É um dos golpes mais brutais na classe trabalhadora. Um golpe no projeto democrático popular, voltado para distribuição de renda, geração de emprego e investimento em políticas públicas que melhores a vida dos brasileiros.

Os senadores aprovaram um projeto de José Serra que privatiza o pré-sal. Isso significa que o Senado abriu mão da soberania nacional e de todos os investimentos gastos com pesquisas na área de petróleo nos últimos anos.

A luta feita pelo Brasil para que os recursos oriundos do pré-sal sejam investidos na melhoria da educação e saúde dos brasileiros foi ignorada pelo Senado.

O governo renunciou à política de Estado no setor petróleo e permitiu um dos maiores ataques que a Petrobrás – única empresa que tem condições de desenvolver essa riqueza em benefício do povo brasileiro – já sofreu em sua história.

Fazer acordo para aprovar o projeto de Serra é o sinal mais claro de que o governo se rendeu às chantagens e imposição do Parlamento e do mercado, rompendo a frágil relação que tinha com os movimentos sociais e sindical, criando um constrangimento para os senadores que mantiveram a posição em defesa do Brasil.

O governo precisa aprender que é preferível aprender com dignidade do que ganhar fazendo concessões de princípios.

Estaremos nas ruas contra este projeto que entrega a maior riqueza do povo brasileiro as multinacionais estrangeiras”, diz trecho da nota.

OS QUE ESPERAM DAS MÍDIAS NIILISTAS IMPARCIALIDADE, HONESTIDADE, BRIO CONTINUAM ERRANDO: ELAS DEFENDEM SUA SUBJETIVIDADE DE CLASSE

lg-Anti-media

Desde tempos imemoriais a lei de grupo sempre foi defender de qualquer forma os interesses da família. “Nunca se coloque contra sua família!”, berravam e berram os pais. E os filhos amedrontados pela opressão dos pais baixavam e baixam suas cabeças e consciências e quando cresciam e crescem (?) replicavam e replicam o grito dos pais e passam a ser o que o filósofo Nietzsche chama de homem do espírito cativo. Aquele que nega a vida sempre dizendo Não contra ela em deferência a moral da opressão.

Dominados pelo medo forjado na infância abandonada, já que os gritos dos pais gerando o medo impedem que os filhos vivam suas infâncias seguras, eles quando adultos – escrevemos adultos só por ironia, já que eles nunca atingem a idade adulta, porque foram domesticados por pais psiquicamente infantilizados – , como sujeitos-sujeitados pela opressão passam a ser os agentes reverberantes da ordem moral dos pais em forma de comportamento também dominador. A moral produzida pelo medo passa a ser então o grande dogma paranoico deles.

No sistema capitalista essa moral se espalha para todos os seguimentos sociais: escola, trabalho, igreja, entretenimento, etc. Aí a dificuldade de um sistema político de igualdade de todos mesmo que essa igualdade preserve as diferenças de cada um. O egoísmo familiar pesa muito nas relações sociais. Embora muitas pessoas consigam escapar dessa força manipuladora sustentada pelo medo. Há no Brasil bons exemplos de famílias que escaparam dessa formação reativa que nega a vida.

Assim, o que aparentemente parece ser reduzido na psicologia familiar, é na verdade, uma subjetividade. Um agenciamento coletivo de enunciação que estrutura o sujeito-sujeitado defensor dessa subjetividade. Ele é o agente capturado paranoicamente e o perseguidor-paranoico de tudo que seja contrária a essa dogmática subjetiva capitalista. É dessa forma que as instituições são usadas para defender e preservar essa subjetividade.

Essa subjetividade muito bem estruturada como moral que fabrica as consciências modelizadas, serializadas e registradas direcionadas ao mesmo fim confirmam que não se deve esperar de seus agentes outro comportamento que não seja o produto da força que foram submetidos. Por isso, erram os que esperam das mídias aberrantes comportamentos democráticos no trato da comunicação e informação pública com imparcialidade, honestidade e brio. Elas não podem se comportar democraticamente assim. Elas não podem se comportar de acordo com o princípio social publico que é o jornalismo: disciplina cívica e princípio ético. Não podem. Elas defendem os interesses da subjetividade da qual elas são agentes.

Portanto, erram os democratas que pretendem que as mídias aberrantes tratem seus iguais, os sujeitos-sujeitados pela subjetividade paranoica, da mesma forma que tratam  Lula, Dilma, os interesses nacionais, todos que pensam diferente dessa subjetividade que elas são as denodadas representantes. Elas não mudam. Estão bem estruturadas de forma molar. Pétrea. Não se movem. Internalizaram convictamente as ordens dadas que se transformaram em regras morais.

Esperar que elas sejam imparciais de acordo como o que expressa o jornalismo ético, é ingenuidade e, às vezes, ate parece uma espera mendicante. E mendigar dignidade de quem é um corpo indigente-político-ético, é doloroso. O que se tem que fazer é o que se vem fazendo. Fazer uso contínuo da práxis e da poética como forma de produção de saberes e dizeres junto à população através dos movimentos sociais, sindicatos, estudantes, organizações não governamentais, entidades de direitos humanos, sites e blogs sujos, e outros corpos que criam variáveis que enfraquecem a subjetividade dogmática.

Reclamar acreditando que essas mídias aberrantes deveriam atuar diferentes é o mesmo que acreditar que elas têm o poder de formar a consciência da opinião pública, quando não têm. A opinião pública – como já foi escrito várias vezes nesse blog – é uma produção dela nela mesma. Não reverbera a opinião molar-paranoica dessas mídias. A opinião pública é molecular: se movimenta por seus próprios elementos. A opinião pública entende o que essas mídias aberrantes estão fazendo e quais os seus interesses quando acusam Lula, Dilma e os governos populares. Elas sabem, porque é ela a autora dos governos populares. E consciente dessa realidade sabe que essas mídias aberrantes conspiram contra ela como governos populares. Ela sabe o quanto há de manipulação nas pesquisas que afirmam que seus candidatos encontram-se na frente de Lula no interesse do eleitor. Exemplo: as quatro eleições dos governos populares que ela, opinião pública, foi autora.

Deste modo, é necessário que se creia politica e eticamente na vontade, inteligência e decisão do povo, sem compaixão e sem ignorância, porque é isso que as mídias aberrantes querem: que se tenha a ideia de que o povo sem vontade, inteligência e decisão, precisa delas.

É preciso entender: o povo é devir e nenhuma força opressora escraviza um devir. Um devir sempre se sai bem em sua potência criadora.

DEPUTADO WADIH DAMOUS DIZ QUE FERNANDO HENRIQUE DEVE SER INVESTIGADO E QUE MORO ESTABELECEU NO PAÍS ESTADO DE EXCEÇÃO

Leia o texto do discurso que o deputado Wadih Damous pronunciou na Câmara Federal denunciando de forma cristalina o que ocorre no Brasil promovido pelo conluio das mídias reacionárias, a oposição conspiradora e às ações do juiz Moro, segundo o deputado.

Ouça e veja o vídeo e forme sua opinião.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o juiz Sérgio Moro, as ilegalidades da Operação Lava-Jato e os “procuradores concurseiros” que pretendem se tornar celebridades foram os destinatários de duras críticas do deputado Wadih Damous (PT-RJ) nesta terça-feira (23), na tribuna da Câmara. Para ele, a investigação conduzida na “República de Curitiba” é uma operação “fora da lei” com marcas de um Estado de exceção que abre precedentes para o fascismo se instaurar no Brasil.

Damous informou que a bancada do PT pediu ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que seja aberta investigação contra FHC. Em seguida Damous questionou “lideranças da oposição” conservadora que entendem que “há pessoas que têm o dom do absolutismo”, como o ex-presidente tucano. “O apelido do presidente Fernando Henrique Cardoso é príncipe. E parece que ele acredita nisso. Ou seja, o príncipe e os reis encarnam o Estado e não podem praticar crimes. Eles estão acima de qualquer suspeita e são ininvestigáveis. Foi isso o que eu ouvi aqui hoje pelo simples fato de se pedir investigação”, disse Damous.

O parlamentar fluminense ressaltou que não é a vida privada de FHC que está em discussão, mas possíveis delitos como evasão de divisas, crimes contra a ordem tributária e corrupção passiva. “Estamos falando aqui de uma série de eventos que podem tipificar ações penais e que podem ensejar contra Fernando Henrique Cardoso, assim como contra qualquer cidadão brasileiro, uma investigação penal”, argumentou Damous, que é advogado e presidiu a secional da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-RJ).

Para Wadih Damous, a moral seletiva é decorrente da seletividade da Operação Lava-Jato, que comete irregularidades que comprometem a imparcialidade da investigação. “Esta é a péssima lição que a Operação Lava-Jato está trazendo para a consciência jurídica do povo brasileiro, para as novas gerações de brasileiros: para combater malfeitos, para combater corrupção, para combater ilegalidade, vale praticar ilegalidades tão graves quanto. Isso é um absurdo!”, protestou.

“Aceita-se a palavra de diversos delatores, aceita-se como verdade o que dizem, quando o delatado é o presidente Lula, alguém do PT, algum inimigo pessoal dos membros dessa operação. Agora, quando os mesmos delatores dizem que Aécio Neves, na campanha eleitoral, abiscoitou muito mais do que o que foi doado ao PT, cria-se a divisão: o que foi para o PT é propina, o que foi para Aécio Neves foi porque ele é bonzinho, porque ele é legal, porque ele merecia ganhar a doação”, complementou.

Segundo o deputado, os erros dos responsáveis pela Lava-Jato serão expostos. “Mais à frente, quando essa onda baixar, isso será esclarecido, essa seletividade, essa invenção. O juiz Moro, além de juiz, é um inventor. Ele inventou — se não inventou, aperfeiçoou — a pena sem processo. Primeiro, prende; depois, abre o processo. Depois, cria as condições para tentar provar que aquele acusado é culpado. Mas, até lá, o acusado, o delatado, fica mofando na cadeia, esperando que, um dia, se faça a delação premiada, isso se for feita a delação premiada e se for delatado aquilo que os juízes, procuradores querem ouvir. Senão, não sai. Delatou o que querem ouvir, sai no dia seguinte. Isso não é Direito, isso não é processo. Isso se chama Estado de exceção”, alertou.

As mentiras dos parlamentares da direita também foram criticadas por Damous. “Vejo as lideranças da oposição repetirem, ad nauseam, de uma forma cansativa e que pouco dignifica este Parlamento, as mentiras da grande imprensa. Ontem o delegado que está tratando do caso do Sr. João Santana disse com todas as letras que, em relação à campanha eleitoral de reeleição do Presidente Lula e das eleições da presidente Dilma, não há envolvimento de irregularidades supostamente praticadas pelo marqueteiro João Santana. Isso está no inquérito, isso está escrito no relatório do delegado. Mas o simples fato de ser o senhor João Santana notoriamente alguém que prestou serviços ao PT, às campanhas eleitorais do PT, já o criminalizam, a partir da prisão dele, para possibilitar que os senhores da oposição subam à tribuna e digam que a presidente Dilma, se não for sofrer impeachment aqui, vai sofrer cassação lá no TSE. Ora, isso é um verdadeiro absurdo”, atacou.

O parlamentar considera a Lava-Jato uma “operação fora da lei” porque a mesma “descumpre todos os preceitos de direitos e garantias fundamentais da Constituição”. Ainda de acordo com Damous, esse cenário “abre um precedente de fascismo aqui no Brasil”.

Concurseiros – Damous encerrou seu discurso chamando atenção para os agentes públicos que querem se tornar estrelas midiáticas. “Nós não podemos alçar à condição de heróis juízes-celebridade e procuradores concurseiros que estão procurando entrar para o rol das celebridades nacionais à custa do desrespeito à Constituição, à custa do desrespeito a direitos e garantias fundamentais, à custa da violação da normatividade do Estado Democrático de Direito”, encerrou o deputado.

ACARAJÉ LEVA GOVERNO A COMPRAR BRIGA COM MORO

:

Foram necessários pouco mais de dois anos de Operação Lava Jato para que o governo federal se convencesse de que o juiz Sergio Moro, que conduz força-tarefa curitibana, possui uma agenda política, que contempla objetivos como a destruição do Partido dos Trabalhadores, a derrubada da presidente Dilma Rousseff e a inviabilização da eventual volta do ex-presidente Lula ao poder.

Essa conclusão foi tomada pelo núcleo político do governo federal após a mais recente etapa da Lava Jato, batizada como Acarajé, que levou à prisão o marqueteiro João Santana, responsável pela campanha da presidente Dilma Rousseff. Isso fará com que, a partir de agora, ministros do governo federal passem a confrontar explicitamente as posições do juiz paranaense e de integrantes da força-tarefa.

O primeiro a agir dessa maneira foi Ricardo Berzoini, ministro da Articulação Política. Ele afirmou, em entrevista à agência Reuters, que há uma tentativa de se fazer um “impeachment cautelar” para evitar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2018. Depois de afirmar que “algumas coisas no Brasil estão sendo tratadas de maneira muito precipitada”, Berzoini foi questionado se essa era uma crítica direta ao juiz Moro. “Claro que é uma crítica. Eu acho que a lógica desse processo (operação Lava Jato) está comandada por uma visão midiática e uma tentativa de criar um clima de constrangimento no país”, disse o ministro.

Integrantes do núcleo político do governo federal se convenceram de que o objetivo da etapa Acarajé é justamente alimentar as quatro ações movidas no Tribunal Superior Eleitoral pelo PSDB que pedem a cassação da chapa Dilma-Temer e a diplomação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) como novo presidente da República.

Há também indignação no governo federal com o fato de nada ter sido feito em relação ao senador Aécio, no âmbito da Lava Jato. Embora tenha sido citado por vários delatores, seus casos têm sido arquivados nos tribunais superiores por falta de provas. O que se diz, no Palácio do Planalto, é que não há provas porque não houve empenho, por parte da força-tarefa curitibana, em buscá-las. Aécio já foi citado como responsável por um mensalão em Furnas, durante o governo FHC, e como o “mais chato” cobrador de propinas da UTC.

A mudança do governo federal em relação a Moro e sua equipe representa uma inflexão importante. Até agora, nenhum ministro, em especial José Eduardo Cardozo, da Justiça, ousava fazer qualquer crítica à Lava Jato. Ao contrário, o que se dizia era que a Lava Jato era mérito do governo federal, que permitia toda e qualquer investigação, doa a quem doer.

A partir de agora, no entanto, Moro passará a ser confrontado por diversos ministros. Talvez, porque a água tenha batido no pescoço.

FERNANDO HENRIQUR CONFIRMA O QUE A MAIORIA DO POVO BRASILEIRO SABE: ELE AFIRMOU QUE SEUS ATOS “SÃO MENORES”

fhc_e_cervero88744

O filósofo francês Jean Paul Sartre afirma que um homem é suas escolhas. Escolhendo não há desculpas, subterfúgios para ele escapar delas. Ele é responsável por suas escolhas. Não há como escapar de suas escolhas, mesmo quando suas escolhas é não escolher. Porém, continua Sartre, quando um homem nega, suas escolhas ele não passa de uma consciência malograda, coagulada que foge como um covarde para se livrar do que escolheu. Essa é a consciência burguesa: jamais assumir o que escolheu.

Diante do que declarou a jornalista Miriam Dutra, exilada por Fernando Henrique, TV Globo e Veja, o que muitas já sabiam desde a década de 90, ele, debochando de sua velhice, voltou, como o mesmo cabotino, presunçoso, a querer ocupar o papel do personagem principal do delírio golpista para afastar Dilma do governo popular que tanto é odiado por sua classe de parasitas burgueses.

Tentando a todo custo que a sociedade brasileira esqueça as denúncias contra si apresentadas pela jornalista, ele, escudado pela mídia aberrante sua parceira de tormento frustrante, concedeu entrevista com o objetivo de fortalecer esse propósito. Não sabe ele que a memória da história é a própria história: jamais esquece.

“Não tem fato. O que foi que eu fiz de errado? Nada. Vocês estão insistindo em um tema que não existe. É invenção, não sei de quem. São coisas menores. Estou preocupado com o Brasil”, disse ele a mídia aberrante sua parceira.

Há varias perspectivas para se analisar o que ele afirma todas levando ao mesmo entendimento do que ele realmente é. Ele diz que não “tem fato”. Afirmação que toca diretamente em seus atos tanto na sua relação com a jornalista como sua forma de mandar a mesada para ela através de offshore. O fato que mais importa jurídica-politicamente. Ele continua: “O que foi que fiz de errado?”. Uma indagação como toda conotação da moral burguesa. Se envolver com Miriam Dutra, pessoalmente não há nada de errado, apesar dela afirmar que tudo estava errado. O que leva também ao caso do filho, para ele nada de errado envolver uma criança em uma disputa egoísta e calculista politicamente. “É invenção, não sei de quem”. Como foi ele que proporcionou esse espetáculo patético que não cabe a um homem de espírito superior, como ele se julgava para ser presidente, o único com condições de governar o país, como afirmara a jornalista, e agora diz é invenção, ele confirma Sartre. Se um homem é suas escolhas e não há como escapar delas, como diz o filósofo Sartre, Fernando Henrique confirma que é uma pura consciência burguesa malograda. Usa subterfúgios para escapar de sua própria pele, ao contrário do que diz um personagem de Brecht que “um homem só está seguro em sua própria pele”. Para ele a segurança está em mudar de pele. Perder sua própria pele.

No final de sua tentativa de escapar de sua própria é que se encontra a confirmação de ele não pode se descapelar. “São coisas menores”. Ele tem razão e não há argumento filosófico que possa contrariá-lo. Sua existência politica só produziu para o Brasil “coisas menores”. Seus dois desgovernos, no sentido amplo de governar, só criaram “coisas menores”. Rasgou a Constituição Federal para se reeleger, joelhou o país economicamente na frente do Fundo Monetário Internacional (FMI), permitiu que a corrupção na Petrobrás se alastrasse como também em outras instâncias, sucateou a educação, elevou a inflação a níveis estratosféricos, aumentou o desemprego, adoeceu a saúde, privatizou em empresas estatais lucrativas, entre outras “coisas menores”. E afirma, em seu cabotinismo, que está “preocupado com o Brasil”.

No ano de 1963 o filósofo Sartre e seu “amor necessário”, a filósofa Simone Beauvoir vieram ao Brasil, inclusive aqui em Manaus. Em São Paulo, os dois pensadores, como não poderia ser diferente, se relacionaram com várias representações, até com o pessoal da tal Bossa Nova com suas letras patéticas e melodias melosas, afetos da classe média urbana. Fernando Henrique sempre cabotino, vaidoso, presunçoso, tentou se infiltrar no meio dos brasileiros amigos dos filósofos para ciceroneá-los. Frustração vaidosa total. Deram-lhe um chega pra lá e ele foi chupar o dedo distante no canto, arrebatado de inveja.

Agora, Sartre aparece nesse texto como uma forma de premonição passada de Fernando Henrique. Por isso a filosofia da liberdade de escolha e da responsabilidade ontológica da existência serve muito bem para entender as “coisas menores” escolhidas por Fernando Henrique. E como o destino de um homem é a síntese de sua existência, ninguém escapa de seu destino. Fernando Henrique é seu próprio destino: não adianta tentar escapar de suas “coisas menores”. 

 

PARLAMENTARES PEDEM AO MINISTRO DA JUSTIÇA PARA QUE FERNANDO HENRIQUE SEJA INVESTIGADO NO CASO MIRIAM

fhc_(1)67739

Embora Fernando Henrique afirme que sua existência é formada por “coisas menores”, parlamentares da base do governo Dilma e líderes de partidos pediram ao ministro da Justiça Eduardo Cardoso, para seja iniciada investigação sobre Fernando Henrique para sejam explicadas, à sociedade brasileira, as denúncias que a jornalista Miriam Dutra, ex-namorada do ‘príncipe sem trono’ fez contra ele.

Segundo a jornalista, Fernando Henrique para se livrar do filho atribuído a ele com a jornalista, se uniu a TV Globo e a Veja para mantê-la longe do Brasil para não prejudicar suas intenções políticas que resultaram em favorecimentos de verbas públicas a TV Globo. E que ainda enviava mesada a ela através da empresa Brasif sumulando que ela tinha um emprego.

Com essas denúncias os parlamentares entregaram ao ministro da Justiça Eduardo Cardoso, um documento formalizando o pedido de investigação sobre Fernando Henrique que mesmo com a possibilidade de confirmação de prática condenáveis seja prescrita em função de seus 85 anos, pode lhe causar jurídicos indicadores. E confirmar para a sociedade quem realmente foi e é o ‘honesto’ Fernando Henrique que se tomava o único que poderia salvar o Brasil, segundo o que ele afirmara para Miriam Dutra e que foi divulgado em entrevista por ela na semana passada.

TCU confirma Mirian Dutra: BNDES favoreceu Globo no governo FHC

dutra_fhc2.jpg

Relatório mostra que grupo Globo recebeu 2,5 vezes mais recursos públicos do que todas as demais empresas concorrentes em um mesmo período, o que coincide com a reeleição e o segundo mandato de FHC.

por Helena Sthephanowitz

Em entrevista ao Diário do Centro do Mundo, Mirian Dutra, ex-jornalista da TV Globo com quem o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) teve um relacionamento extra-conjugal, disse que em 1997 estava cansada de ficar na “geladeira” na sucursal da empresa em Portugal. Quis ir para a sucursal de Londres, mas a rejeitaram. Disse ao então diretor de jornalismo da TV Globo, Evandro Carlos de Andrade, que a escalassem para trabalhar no Brasil ou pediria demissão. Segundo ela, Evandro disse a subordinados: “Ninguém mexe com essa mulher. Ela mostrou que tem caráter”.

Porém, os planos de Mirian de voltar ao Brasil chegaram aos ouvidos de Luís Eduardo Magalhães, na época presidente da Câmara dos Deputados, eleito pelo extinto PFL, de quem ela diz ter sido amiga desde antes de conhecer FHC. O deputado a convidou para um almoço, levou o pai, ex-senador Antônio Carlos Magalhães (também PFL-BA), que lhe disse não ser hora de voltar, pois FHC disputaria a reeleição e ela deveria ter paciência. “Foi quando entendi que eu deveria viver numa espécie de clandestinidade”, disse Mirian.

Então decidiu comprar um apartamento em Barcelona e ir para lá, como contratada da Globo. A empresa topou mas, mesmo pagando a ela um salário de € 4 mil (cerca de R$ 18 mil), jamais a acionou, nem aprovou ou exibiu qualquer pauta sua em muitos anos.

– Me manter longe do Brasil era um grande negócio para a Globo. Minha imagem na TV era propaganda subliminar contra Fernando Henrique e isso prejudicaria o projeto da reeleição.

– Mas o que a empresa ganhou com isso?

– BNDES.

– Como assim?

– Financiamentos a juros baixos, e não foram poucos.

De fato, o TCU abriu processo de tomada de contas para investigar favorecimento à Net Serviços (operadora de TV a cabo criada pelo Grupo Globo e vendida depois para o grupo mexicano de Carlos Slim). O relatório TC 005.877/2002-9 analisou o período de 1997 até o início de 2002 e concluiu que o BNDES repassou 2,5 vezes mais dinheiro para o Grupo Globo do que o repassado para outras empresas do mesmo ramo que pleitearam empréstimos junto ao banco público.

Ou seja, a cada R$ 3,50 liberados pelo BNDES, R$ 2,50 foram para a Globo, restando portanto apenas R$ 1 para todas as concorrentes do mesmo ramo.

Eis trechos do relatório:

tcu_bndes_globo_2002.jpg

 

FHC-Globo-BNDES-Romapar.jpg

Não são apenas os valores que chamam atenção no caso FHC-Globo-BNDES. Foram quatro empréstimos “estranhos” e manobras contábeis em menos de um ano.

O Grupo Globo tinha uma holding chamada Globopar, que controlava duas outras empresas Roma Participações (Romapar) e Distel Holding. Estas duas, por sua vez controlavam a Net Serviços (que passou a ser o novo nome da Globo cabo).

Mas para que serve essa estrutura em camadas como cascas de cebola, que para leigos (como a maioria de nós) só complicam, além de aumentar custos e impor uma burocracia desnecessária? Uma hipótese é obter empréstimos para as diferentes empresas que não poderia ser obtidos se fossem uma só. Por exemplo, quando a Globo Cabo já estava endividada, a Romapar ainda continuava tomando empréstimos.

Outra hipótese é que os empréstimos à Romapar ficavam no balanço da própria Romapar, tornando o balanço da Globo Cabo menos “assustador”.

Em 1997, ano do almoço de Mírian Dutra com ACM, o BNDES fez dois empréstimos para a Romapar recebendo, em garantia, caução em ações da Globo Cabo. Fez mais empréstimos em 1998, no mesmo dia 31 de março. Foram, como dissemos, quatro contratos de empréstimos em menos de um ano.

Por que o BNDES não emprestou diretamente à Globo Cabo?

E um banco de fomento como o BNDES, cuja missão é prover capitais para projetos (frise-se, de desenvolvimento econômico e social) de longo prazo, por que fazer quatro contratos de empréstimos para a Romapar no prazo de um ano? Um projeto financeiro maduro e de longo prazo deveria ser bem planejado e resolvido com um só empréstimo.

Talvez as explicações para estas e tantas outras questões se encontrem no caso Mirian Dutra.

Conserino contraria o Supremo, reconhece CNMP

O Conselho Nacional do Ministério Público reconheceu que a ação do deputado Paulo Teixeira parcialmente procedente, com a abertura de reclamação disciplinar sobre as declarações do promotor Cassio Conserino a imprensa, sem prejuizo do procedimento disciplinar já aberto na Corregedoria do MP-SP.

A ação do promotor contraria entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre ditribuição de processos no Ministério Público. Reconheceu também que é necessário fazer uma revisão da normas do próprio CNMP para garantir, daqui em diante,  o princípio do promotor natural, não só para Lula mas para todos os cidadãos.

JORNALISTA DA MÍDIA REACIONÁRIA DESTRAMBELHA COM O CRESCIMENTO DE FILIAÇÃO NO PT: ”DESCONHEÇO EXPLICAÇÕES”

RF_protestopetrobras_043

Há pessoas cujas percepções e concepções foram moldadas, serializadas, registradas de acordo com o conhecimento dominante de uma determinada classe. A família, a escola, a classe social, a vizinhança e outros territórios formaram suas percepções e concepções da existência. São as pessoas cujas opiniões não saem de uma reflexão sobre a objetividade além desses modelos dominantes. Não saem de uma variável que escapa ao modelo dito de conhecimento que é amparado por uma lógica de classe. Se disseram para elas que 1+1 são 2, até hoje elas acreditam. Elas não operam com entendimento de que 1+1 é uma composição de potência e que resulta em 1 potência mais forte, numerante, e não o numeral 2. Uma observação simples mostrada pelo filósofo Spinoza.

Esse tipo de sujeito-sujeitado a essas percepções e concepções é encontrado espalhado aos montes no mundo muito bem protegidos por forças oficiais. São os sujeitos-sujeitados que carregam a chamada inteligência de graduação. Aqueles cujas opiniões saem dos conteúdos programáticos dos cursos que frequentaram. Tanto faz ser meramente a graduação universitária, o mestrado, o doutorado, o pós-doutorado, o pós, pós, que ele só opera com os modelos. No caso dos enunciados políticos são os verdadeiros analfabetos políticos, visto que não são traspassados pela potência-política que dispõe o ser a uma práxis e poética da criação de mundos democráticos. A democracia como devir-constitutivo, que vai além da democracia constituinte.

Capturado nessa modelagem, serializado e registrado como destino a ser cumprido, o sujeito-sujeitado não pode conceber outras formas de existência diferentes das que lhes mostraram como realidade irrefutável e insubstituível. Assim estruturado toda vez que se defronta com uma realidade que seus códigos-semióticos não podem apreender, ele se destrambelha. Como se diz: sai do prumo. Perde o equilíbrio fabricado. Gagueja, emudece, não sabe o que dizer. Sua lógica de classe dominante não responde. Tudo fica estranho.

Foi exatamente esse surto que vivenciou um jornalista das mídias reacionárias, ao saber da pesquisa que mostra que o Partido dos Trabalhadores aumentou o seu número de filiados em apesar das conspirações promovidas por várias instâncias propagadas pelas mídias aberrantes.

“Apesar de todos os escândalos envolvendo estrelas do partido, cresce vertiginosamente o número de filiação ao PT entre o público jovem. Nem na época de ouro do PT ocorreu tal fenômeno. Este é um fato importantíssimo, paralelo à política.

Desconheço explicações que justifiquem esse fenômeno. Mas ele existe. Deveria estar acontecendo o contrário, ou seja, saída em massa”, disse o jornalista.

Existem vários fatores para serem interpretados e avaliados sobre o que vem ocorrendo com o crescimento do PT. Porém, vamos extrair somente dois da própria afirmação do jornalista da mídia reacionária.

Ele diz: “desconheço qualquer explicação que justifique o fenômeno”. Tem razão, já que suas percepções e concepções foram estruturadas no quadro que foi apresentado acima. Estruturado dessa forma não pode entender o que escapa a essa estrutura. Os corpos variáveis, incapturáveis, como dizem os filósofos Deleuze e Guattari, os resíduos, como diz o filósofo Lefebvre. Outro: “Apesar de todos os escândalos envolvendo estrelas do partido, cresce vertiginosamente… Deveria estar acontecendo o contrário, ou seja, saída em massa”. Seu enunciado é próprio de uma inteligência superficial sem qualquer profundidade.

O jornalista das direitas não pode perceber e conceber que os jovens, nos últimos anos tiveram vivências inusitadas, e por tal vêm mostrando que suas inteligências são mais perscrutadoras e livres. Não se atam a dogmas falsificados de inteligências, porque sabem que para existirem é imprescindível se colocarem envolvidos com a práxis e a poética ontológica.

Eles, com seus talentos afetivos e cognitivos, sabem do que vem ocorrendo no Brasil tanto nas mudanças para melhor operadas pelos governos populares de Lula e Dilma, como sabem da vitalícia conspiração das direitas contra a democracia para beneficiar o capital internacional. Ou seja, eles expressam outra subjetividade que se aproxima diretamente da vontade de potência que nos fala o filósofo Nietzsche. Eles querem a vida como vontade de potência e não o niilismo dos reativos que dizem Não a vida. O que o jornalista das direitas não pode experimentar, já que se encontra bem estruturado na subjetividade dominante do sistema capitalista que o leva a estreiteza do entendimento do que seja política e partido político. Por isso, ele afirma: “Deveria estar acontecendo o contrário, ou seja, saída em massa”.

Mas a confissão do jornalista é boa porque ele afirma – sem saber – que as direitas não tem qualquer chance de eleger candidatos à Presidência da República, posto que não são só os jovens, mas também uma parcela muito grande da sociedade brasileira vem colocando em prática suas faculdades sensorial, cognitiva e ética que lhe leva ao entendimento de todas as formas de mentira, desonestidade e hipocrisia usada pelas direitas para tomar o poder governamental.

Nisso o jornalista foi eficiente: mostrou, sem saber, o real Brasil.

HOJE TEM PROGRAMA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES NACIONAL

Veja o programa que mostra as conspirações das direitas contra a democracia brasileira.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.269 hits

Páginas

fevereiro 2016
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829  

Arquivos