O Brasil espera um gesto de recusa

Jonas Pereira

O que a ganância quer do Senado é a licença para uma longa noite de execuções contra o povo brasileiro.

por: Saul Leblon

Sobraram duas alternativas: a heroica devolução do poder ao povo para renovar a República – e assim repactuar democraticamente as bases do desenvolvimento; ou o caos espiralado em direção a um novo ponto de coagulação repressivo da história nacional.

Os senadores brasileiros terão que se superar nessa escolha.

 Sim, não há precedente de grandeza dessa ordem.

Mas até mesmo alguém como Cristovam Buarque poderá ser impelido pela atração gravitacional de circunstâncias de risco extremo.

 A rigor, só a cumplicidade da mídia sustenta o golpe.

A ganância da plutocracia em devorar direitos trabalhistas e sociais dificilmente será saciada em sua gula por um mordomo desprovido de qualquer decência e legitimidade.

A carta da Presidenta Dilma à nação, lastreada em negociação propositiva com os movimentos sociais e senadores, pode ter peso nesse magnetismo de convergência para as urnas.

Outras variáveis dançam desordenadamente na boca do vulcão.

Só quando houver mídia plural e ecumênica saberemos, por exemplo, o que se passou nos bastidores da Lava Jato até se chegar  à  ‘pandelação’ da Odebrecht.

Por que se definiu que a denúncia dos R$ 23 milhões doados a Serra abriria a fila dos vazamentos desta vez? Por que o assunto desapareceu da pauta da Folha –e de vários outros veículos–  24 horas depois de ter merecido garrafais  no domingo (07/08/2016)?

É possível que não tenha sido mais que um álibi desesperado.

Ou seja, o lubrificante para o golpe de morte contra Lula, às vésperas da votação do impeachment, capaz de despejar um balde de adesismo nos senadores hesitantes.

A eficácia da manobra de qualquer forma é no mínimo discutível.

O fato de não escarafunchar o PSDB e o PMDB com as lâminas do rigor cravadas no PT, já arrastou o califado de Curitiba à vala comum da corrupção moral na qual  buscou calcificar a agenda progressista brasileira.

Das togas, basta dizer que a mais atuante veste as medidas éticas de um dos principais militantes da direita brasileira, como diz o PT.

A fragilização do sistema econômico, político e jurídico assim intoxicado, atingiu tal anomia que de alguma forma tornou-se permeável à construção de uma alternativa de sobrevivência democrática da sociedade.

E é isso que deve ser heroicamente tentado nas semanas que antecedem, nos dias que sobram, nas horas poucas que dividem o Brasil pré e pós votação do impeachment.

No limite, os verdadeiros democratas, os nacionalistas, os liberais dignos e os progressistas com assento no Senado devem se recusar a participar da farsa, capaz de inviabilizar por décadas o sonho de construção de uma democracia social no país.

Para que não se naturalize a mentira diuturnamente martelada pelo jogral midiático, de que esse capítulo da tragédia brasileira será curetado com uma grande carbonização do PT e da CLT,  é preciso sacudir a previsibilidade do caminho ao cadafalso.

A mobilização popular turbinada pelas circunstancias extremas que ameaçam o país tem o poder de catalisar esse gesto de recusa.

Ao contrário de levar ao impasse ele consagra a repactuação do desenvolvimento como a única nesga de futuro capaz de furar a espessa noite de opressão que baixa sobre o Brasil.

Qualquer outra solução levará o país ao cemitério das nações.

Quando a névoa da crise embaralha os pontos cardeais de uma sociedade, e o conservadorismo  assume o leme das ‘soluções finais’  – sangrar ainda mais pobres para salvar os mercados, como apregoam os seguidores de um neoliberalismo esgotado–   povos e nações são esfacelados.

Não raro, permanecem no limbo anos a fio.

A sociedade brasileira já viveu esse inverno da esperança nas suas forças.

A chamada década perdida dos anos 80 foi um desses socavões do desenvolvimento.

O PIB per capita brasileiro registrou uma variação medíocre de 0,8%, em média, no período, mas o dos pobres ficou muito aquém disso.

A crise da dívida externa e o descontrole da inflação varreram o mundo do trabalho para o abismo do desemprego. O empobrecimento de amplas camadas da população disseminou a fome e a insegurança.

Entre 1979 e 1987, a economia brasileira foi sangrada com o pagamento de US$ 82,5 bilhões de juros aos credores externos.

Equivalia a subtrair do metabolismo econômico algo como 28,5 milhões de salários mínimos.

E eles foram subtraídos: a fatia dos salários no PIB caiu de 40%, em 1970, para 37% no final dos anos 80.

Era uma bola de neve.

Nenhum segmento da sociedade conseguiu materializar um projeto de futuro enquanto o impasse crônico da economia não foi destravado pela ascensão dos movimentos sociais.

Foi a luta pela democratização e o fim do arrocho da ditadura militar que destravou a história brasileira.

A virada condensou-se nas grandes conquistas sociais e políticas da Constituinte de 1988, fruto de uma ascensão popular que o conservadorismo nunca engoliu e agora, de novo, quer revogar.

A crise econômica atual foi magnificada pelo cerco –e os erros e recuos– que fragilizou as forças progressistas.

Na economia dispõe-se de algumas salvaguardas cuja ausência fomentou o quadro caótico dos anos 80: as reservas internacionais são robustas; inflação é alta mas não descontrolada;  há políticas sociais massivas para atenuar o desemprego, igualmente devastador; o salário mínimo tem poder de compra superior; há políticas desenhadas de fomento , infraestrutura e energia etc.

O ataque golpista, todavia, e a captura de recursos fiscais crescentes pela república rentista, estreitam a margem de manobra do Estado.

Em 2015, lembra o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, 82%  do déficit nominal das contas públicas decorreu do pagamento de R$ 502 bilhões de juros aos credores da dívida pública.

Na outra ponta,  o orçamento destinou R$ 103 bilhões ao Ministério da Educação, R$ 121 bilhões ao da Saúde, R$ 75 bilhões ao Desenvolvimento Social, R$ 20 bilhões aos Transportes e R$ 86 bilhões ao déficit da previdência  — um total de R$ 405 bilhões, quase R$ 100 bi menos que a ‘bolsa rentista’.

Turbinar essa irracionalidade com a restauração da mundialmente esgotada agenda de reformas neoliberais –basicamente, supressão de direitos, desregulação de mercados e queima de patrimônio público—é o que está posto no day after de uma vitória do impeachment.

Não será fácil convencer o imaginário social das virtudes intrínsecas  à troca do ‘populismo lulopetismo’ pelo estado de exceção de direitos e conquistas sociais, nas mãos de querubins da ética, como Temer, Padilha Serra ou Aécio.

Independente do resultado da votação, o gesto digno dos senadores  que se recusarem a assinar a licença para essa longa noite de execuções terá um peso referencial na repactuação do futuro brasileiro.

Pode ser a diferença entre a restauração do poder discricionário da democracia para ordenar os mercados e os frutos do desenvolvimento, ou a mexicanização do país.

0 Responses to “O Brasil espera um gesto de recusa”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.128 hits

Páginas

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: