Archive for the 'Enunciado de Violência' Category



SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DIVULGA NOTA DE REPÚDIO CONTRA O ASSASSINATO DO MENINO JUAN

A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) divulgou nota de repúdio pelo assassinato no menino Juan, de 11 anos, morto supostamente executado por policiais que entraram em combate com traficantes no dia 20 de junho, na Favela Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, cujo corpo foi encontrado dia 30, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

A SDH, em sua nota, afirma que vem acompanhando o caso desde a notificação do desaparecimento do menino Juan, e continua mantendo a família do menor em proteção federal, principalmente seu irmão de 14 anos, que também foi baleado, e que acompanhará o desenrolar das investigações para que não haja impunidade.

A evidência de envolvimento direto de agentes públicos, que têm a obrigação de zelar pela segurança da população, torna o episódio ainda mais revoltante.

O governo brasileiro não tolera esse tipo de crime contra qualquer ser humano. A situação se agrava por se tratar de uma criança que é, segundo a Constituição Federal, prioridade absoluta, que implica primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias.

Nesse sentido, é fundamental que o governo do estado do Rio de Janeiro atue de forma firme e competente para identificar os responsáveis, a exemplo do que fez no afastamento do delegado que acompanhava o caso e agiu inadequadamente diante dos fatos”, afirma trechos da nota.

TRABALHADORES RURAIS AMEAÇADOS DE MORTE NO PARÁ SERÃO OUVIDOS PELA DEFENSORIA

A Defensoria Pública do Pará deverá escutar amanhã, dia 21, as nove pessoas assentadas em Nova Ipixuna que se encontram ameaçadas de morte por pessoas que as consideram obstáculos para seus propósitos capitalistas. Os trabalhadores rurais assentados ameaçados de morte têm uma postura trabalhadora de defesa da terra Amazônica, o que irrita os grandes proprietários.

O grupo de nove pessoas ameaçadas de morte tem a proteção da Força Nacional, que faz parte da estratégia de combater a violência no campo nos estados do Pará, Rondônia e Pará, chamada de Operação Defesa da Vida. Todos os nove encontram-se no município de Marabá, escoltados pela Força Nacional, esperando serem entrevistados.

O coordenador do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado do Pará, Márcio da Silva Cruz, disse que “todos estão protegidos provisoriamente”, todavia a definição da situação só ocorrerá depois das entrevistas.

Ainda estamos em Belém, mas até as 16h de amanhã, teremos atendido a todos no local. Todos serão entrevistados para que saibamos se as ameaças sofridas estão relacionadas à militância em direitos humanos. Depois veremos em que estratégia de proteção cada um se encaixará.

Atualmente há, no Pará, sete pessoas sob proteção e outras 16 que tiveram a proteção autorizada pela coordenação estadual, mas ainda não foi implementada pelos órgãos de segurança.

O programa tem regras, já que não podemos impor proteção a ninguém. Ou seja: a pessoa tem que aceitar essa proteção. Como ainda não temos o panorama deles, estamos aguardando a conversa para decidir o que fazer.

É o caso do bispo da Ilha de Marajó, dom Luiz Azcona, e do padre Amaro, de Anapu, onde a irmã Dorothy foi assassinada. Nós sabemos que eles estão correndo risco, mas nada podemos fazer porque eles recusaram a participar do programa”, afirmou Cruz.

5 MIL FOI QUANTO O FAZENDEIRO JOSÉ RODRIGUES PAGOU PARA OS PISTOLEIROS MATAREM JOSÉ CLÁUDIO E MARIA DO ESPÍRITO SANTO

Polícia divulgou retrato falado de suspeitos de matar o casal no Pará

No dia 24 de maio, ainda na aurora matinal, o casal de líderes extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e sua esposa Maria do Espírito Santo deixou sua casa em direção à cidade para efetuar um negócio. Ao passarem por uma pequena ponte, foram atingidos por disparos provenientes de dentro do mato. Eram dois pistoleiros, em tocaia, pagos para matá-los e silenciar suas lutas contra a exploração ambiental e o desmatamento da floresta executada por madeireiros. Os assassinatos ocorreram no assentamento Nova Ipixuna, no Pará. Mais um crime contra as vidas de trabalhadores rurais que chocou a sociedade brasileira.

Diante do ocorrido, e a reverberação do fato, o governo federal tomou as medidas cabíveis para encontrar os executores e o mandante, ou mandantes. Hoje, dia 8 de junho, a Polícia Civil do estado do Pará apresentou o nome do mandante do duplo assassinato. Trata-se de José Rodrigues, fazendeiro, desmatador e grileiro, que comprou lotes de terra para expandir sua criação de gado. Só que a área comprada era para assentamento. O que fez com o líder extrativista José Cláudio enfrentasse o grileiro em nome dos assentados, impedindo que eles deixassem suas terras. Afirmando ainda, para o invasor, que aquelas terras não poderiam ser vendidas.

Não satisfeito com a posição tomada por José Cláudio, o grileiro foi até a Comarca de Nova Ipixuna, falou com a polícia, e voltou ao assentamento, agora protegido pelos policiais, para expulsar os assentados. Mas o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), informado da prepotência latifundiária, se fez presente no local, afirmando que as terras pertenciam aos assentados. José Rodrigues, o grileiro, não gostou do desfecho, e saiu vociferando em tom de ameaças que José Cláudio e sua esposa Maria do Espírito Santo iriam pagar caro pelo ocorrido, segundo testemunha.

Como soe ocorrer com os infelizes paralisados por profundo sentimento de inferioridade, que os faz se transformarem em pessoas ressentidas, e acima de tudo covardes vingativos, segundo a Polícia Civil, José Rodrigues contratou dois pistoleiros ao soldo de 5 mil, para assassinarem o casal de líderes extrativistas. A única forma capaz de um covarde calar pessoas que lutam pela preservação do Ambiente Amazônico. O dinheiro, o psicopata e a bala. Três elementos usados pelos latifundiários para eliminar os que são contrários às suas ambições psicopatológicas.

Agora, a Justiça da Comarca de Nova Ipixuna pediu a prisão do predador baseada na investigação da Polícia Civil, que segundo ela o predador pagou dois pistoleiros para assassinarem o casal.

Quanto aos assassinos, a Polícia Civil já divulgou os retratos falados de ambos, baseada em testemunhas que viram os dois pistoleiros seguindo para o assentamento às 5h30 no dia 24, e horas depois voltando. Há suspeita que eles tenham fugido usando o Rio Tocantins.

PRESIDENTE SUL-AFRICANO CONSEGUE QUE KADAFI RENOVE PEDIDO DE CESSAR-FOGO

Jacob Zuma, presidente sul-africano, manteve ontem, dia 30, na Líbia, conversa com o ditador líbio Muammar Kadafi para tratar de um possível cessar-fogo. Kadafi, que vem sofrendo além dos bombardeios das tropas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) a deserção de vários de seus aliados internos, entre eles militares e políticos, resolveu renovar seu pedido de cessar-fogo.

Entretanto, a conversa com Jacob Zuma, apesar de levá-lo a aceitar o cessar fogo, não o colocou em situação de acatar as imposições dos ocidentais para que renuncie. Para Kadafi, o acordo do cessar-fogo deve vir com a imediata paralisação dos bombardeios das tropas da OTAN sobre o território líbio.

Desde a primeira tentativa de negociação realizada por Jacob Zuma com Kadafi, os governos ocidentais que fazem parte da coalizão internacional que invadiu a Líbia não acatam as exigências do ditador. A maior prova foi o novo ataque desferido pelo militares da OTAN às instalações civis e militares no distrito de Tajura.

É aí que se encontra o impasse. Os países da coalizão não aceitam nenhum acordo que não inclua a renúncia de Kadafi, e por sua vez Kadafi não pretende renunciar. E a mola mestra do impasse é claramente o poder. Kadafi quer continuar com o poder sobre o Estado líbio, os países da coalizão, comandados eufemisticamente pela OTAN, quando em verdade quem comanda são os Estados Unidos, pretendem o poder econômico materializado no petróleo e na abundância de água que existe no território líbio.

Enquanto isso, a população é bombardeada pelas duas forças bélicas/repressivas. As tropas da OTAN e as tropas de Kadafi. Tudo em nome da liberdade democrática.

DOCUMENTO ENVIADO AO MPF IMPLICA MADEIREIROS NOS ASSASSINATOS DOS LÍDERES EXTRATIVISTAS

Cada vez mais vai ficando evidente a autoria dos assassinatos dos líderes extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e de sua esposa Maria Espírito Santo, mortos covardemente a tiros em uma estrada no município de Nova Ipixuna, no Pará.

A pista mais clara aponta para madeireiros que foram denunciados pelo casal às autoridades federais representantes dos órgãos responsáveis pela proibição e punição dos desmatadores da região. Dias antes dos assassinatos, José Cláudio e Maria Espírito Santo enviaram ao Ministério Público Federal, em Marabá, município do Pará, um documento denunciando a prática criminosa de desmatamento de três madeireiras no município de Nova Ipixuna. O documento mostrava que a maior parte de mata densa já havia sido destruída pela ação dos madeireiros. Um clamoroso crime ambiental que já vinha sendo praticado impunemente sem que as autoridades locais se manifestassem.

O documento, que foi assinado pelo casal e mais nove trabalhadores extrativistas, também denuncia que madeiras são tiradas da região e transformadas em carvão para abastecer as siderúrgicas de Marabá. O documento mostra ainda que existem 500 fornos de carvão nos lotes das famílias. As empresas estimulam alguns assentados sem formação política pagando R$ 30 por metro cúbico de madeira, enquanto no mercado internacional o valor é de R$ 1,2 mil.

Os assentados mais frágeis e entusiasmados com a possibilidade de ganhar dinheiro se submetem a essa exploração”, apresenta um trecho do documento.

No dia 4 de maio, dia em que o MPF protocolou a denúncia, o procurador Tiago Modesto Rabelo, solicitou informações ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) sobre as madeireiras denunciadas como responsáveis pela destruição na área de preservação do assentamento, Agroextrativistas Praia Alta Piranheira.

Espera-se que o poder público, que não pode evitar os dois assassinatos, possa, pelo menos, evitar as mortes dos nove extrativistas que assinaram o documento, além do casal assassinado.

PARA ASSESSOR ESPECIAL PARA ASSUNTOS INTERNACIONAIS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, A MORTE DE BIN LADEN NÃO ACABA COM TERRORISMO

A comunidade mundial deve aproveitar as manifestações populares que vem ocorrendo no Oriente Médio e no Norte da África para combater o terrorismo, afirmou o assessor especial da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, ao analisar que a morte de Bin Laden não vai acabar com o terrorismo internacional. Quanto à possível represália desencadeada pelos seguidores de Bin Laden, ele acredita que vai haver. De acordo com Marco Aurélio Garcia, também só repressão não soluciona o problema do terrorismo.

Os critérios de cada país são decididos pelos seus governos. Isso é mais ou menos que todo mundo acredita que vai haver. Se acham que o problema do terrorismo está resolvido com a morte do Bin Laden, estão muito enganados.

O problema do terrorismo evidentemente não se resolve com repressão, mas, sobre tudo, atacando as causas fundamentais do terrorismo.

Por sorte, Antônio Patriota levantou uma questão interessante: nós temos uma efervescência democrática na região muito grande, que coloca uma via distinta daquela que habitualmente nós tínhamos.

De um lado a submissão às grandes potências do Ocidente, que muitos governos tinham e ainda têm, e, de outro lado, essa rejeição ao fundamentalismo que se expressava, entre outras coisas, nas iniciativas terroristas. Acho que nós temos um caminho democrático, se nós resolvermos uma série de problemas da região, que é a questão da Palestina”, afirmou Marco Aurélio.

ESTADOS UNIDOS PRETENDENDO TREINAMENTO PARA REBELDES LÍBIOS CONFIRMAM SUA INTENÇÃO

O governo dos Estados Unidos, propriamente o presidente Obama, já havia afirmado que pretendia auxiliar os insurgentes contra a força militar de Khadafi. Agora foi a vez de Robert Gates, secretário de Defesa norte-americano, que explicitou a intenção intervencionista do país do Tio Sam.

Para Robert Gates, os insurgentes estão improvisando e precisão de treinamento.

Penso que a oposição precisa, antes de mais nada, de treinamento, comando e organização. Muitos países estão em condição de dar essa assistência. Não é uma capacidade que só os Estados Unidos possuem e, na minha opinião, outros deveriam ser responsáveis por isso”, afirmou, convicto, Gates.

Trata-se de simulação de Gates quando afirma que o treinamento não deveria ser dado pelos Estados Unidos. O estado norte-americano, compulsivamente interessado no petróleo líbio, é detentor de uma incontida megalomania, jamais permitiria que outros países da coalizão tomassem a frente da missão. Pode tomar, mas com os Estados Unidos no comando. Da forma como está sendo simulado o comando da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) nas operações na Líbia.

Duas provas incontestes são as declarações do governo norte-americano em pretender armar os rebeldes, e a estada e ação de CIA no território líbio, como foi noticiado pela imprensa norte-americana. Segundo a imprensa, a CIA tem mantido contato com os rebeldes para analisar suas condições e encontrar quais são as lideranças.

Para todos que já conhecem as tramas dos Estados Unidos com sua política exterior intervencionista, está óbvio que seu objetivo final é dominar o país árabe, como vêm fazendo com outros países. Aproxima-se dos líderes, depois os afasta do processo de mudança, e realiza o que já é do conhecimento da comunidade internacional. O mesmo que o filósofo francês Sartre – que falta faz à França nesse momento – conta em sua obra A Engrenagem.

DILMA CONFIA QUE O CONGRESSO VAI APROVAR A COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE

A presidenta Dilma Vana Rousseff concedeu entrevista à emissora portuguesa TV Sic, onde comentou alguns temas, entre eles a aprovação da criação da Comissão Nacional da Verdade, que irar apurar os crimes cometidos contra presos políticos durante o regime militar que ocorreu no Brasil entre os anos de 1964 a 1985. A presidenta falou também sobre a vinda do presidente dos Estados Unidos Barack Obama ao Brasil, justo no momento em que ordenou a invasão do espaço aéreo da Líbia.

Indagada como ela entendia o fato da possibilidade do Congresso Nacional aprovar a criação da Comissão Nacional da Verdade para apurar crimes de violação dos direitos humanos, a presidenta respondeu que “é muito importante”. E para confirmar sua posição Dilma disse confiar no parlamento.

Eu confio que será aprovada. Eu confio no meu apoio parlamentar”, afirmou a presidenta.

Questionada como entendeu o fato do presidente dos Estados Unidos ter determinado a ordem de invadir a Líbia, no exato momento em que estava no Brasil participando das atividades oficias, e se ela havia ficado chateada, a presidenta respondeu se opondo a qualquer tipo de guerra.

Eu não gosto de declaração de guerra onde quer que seja”, sentenciou.

A presidenta disse também que houve uma frustração com a vinda de Obama ao Brasil, principalmente em relação com as discussões e os resultados sobre as questões aduaneiras.

TRUQUE DA ALEMANHA: MANDA MAIS SOLDADOS PARA O AFEGANISTÃO, E LIBERA SOLDADOS DA OTAN PARA LUTAR NA LÍBIA

Na linguagem anti-bíblica, o que a Alemanha está fazendo é servir a dois senhores. Na votação para decidir a resolução do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas que criava a zona aérea na Líbia, e concedia à força militar internacional o direito de bombardear o território líbio, a Alemanha se absteve. Um ato visto pela maioria da sociedade global como racional. A parte da sociedade global que é contra a mentira usada em nome da paz, como fazem os países imperialistas/intervencionistas, comandados pelo histórico tirano Estados Unidos, quando querem usufruir dos bens materiais que possuem os povos violados em suas soberanias.

O governo alemão decidiu aumentar seu efetivo soldadesco-bélico no Afeganistão – outra invasão comandada pelos Estados Unidos – para serem liberados os soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) que se encontram nesse país, para que eles possam participar da invasão à Líbia, em nome da paz e da defesa dos civis, como prega o credo despótico do capitalismo norte-americano.

O governo alemão vai mandar mais 300 soldados-bélicos para se agruparem com os 5.000, que já se encontram lá. Dessa forma, serão 5.300, desde que a invasão se sucedeu no Afeganistão, em 2001. Mas a promessa de retirada das tropas feita pelo governo alemão continua em pé. Como é promessa, pode ter várias posturas em pé, deitado, de cabeça para baixo, em um só pé, sentado de cócoras, e assim por diante, dependendo da imaginação do corpo promesseiro.

Para confirmar a decisão anti-bíblica, o ministro da Defesa alemã, Thomas de Maizière, falando em uma rádio de seu país, afirmou que era “um sinal político da nossa solidariedade”.

É um alívio de fato para a OTAN e um sinal político da nossa solidariedade perante a aliança militar, também diante dos acontecimentos na Líbia”, afirmou o ministro solidário.

A solidariedade da Alemanha em política exterior intervencionista é conhecida como trapaça. Mas há aqueles de chamam de hipocrisia pacifista-multilateral. Na linguagem futebolística, é o famoso faz que não chuta. “Eu faço que não chuto, mas quando ele se distrair, eu chuto. E aí parece que eu não chutei”.

CHINA ACUSA OS PAÍSES QUE ATACAM A LÍBIA DE QUEBRAREM REGRAS INTERNACIONAIS

Nessa segunda-feira, dia 21, o mais importante jornal comunista da China, O Diário do Povo, órgão do Partido Comunista, publicou matéria afirmando que autoridades chinesas acusam os países que invadiram a Líbia de quebrarem as regras dos tratados internacionais.

Para os chineses, as manobras militares do Ocidente na Líbia contra o líder Khadafi, executadas pelos Estados Unidos, França, Reino Unido, Canadá e Itália, podem se transformar em mais uma forte força de atrito entre Pequim e Washington. Para o Diário, a invasão da Líbia contém semelhanças com a invasão norte-americana no Iraque.

As tempestades ensanguentadas que o Iraque sofre há oito anos e o sofrimento indizível de seu povo são um reflexo e um alerta.

Os ataques militares à Líbia são, após as guerras no Afeganistão e no Iraque, a terceira vez que alguns países lançaram ações armadas contra países soberanos.

Deveria ser notado que toda vez que os meios militares são usados para lidar com crises, é um golpe na Carta das Nações Unidas e nas regras das relações internacionais”, diz trecho da matéria.

PIÑERA SE DECLARA O NOVO PINOCHET

O novo presidente eleito do Chile, Sebastián Piñera, representante da direita conservadora e apoiado pelos remanescentes da sangrenta ditadura militar que varreu a liberdade e o humanismo na terra de Pablo Neruda, substituiu o quadrado estilizado com as cores da bandeira do Chile, usado nos governos democratas do ex-presidente Ricardo Lagos e da atual presidente Michelle Bachelet, por um escudo de armas em tons negro e cinza, tendo na parte inferior as palavra de ordem nazi-fascistas usadas pelo ditador terrorista Augusto Pinochet, que, entre os anos de 1973 e 1990, sequestrou, prendeu, torturou, mutilou e matou mais de 30 mil mortos: “Pela Razão ou pela Força”.

Como ostentação perversa da clara manifestação nazi-fascista, a palavra de ordem irracional foi colocada em cima da enunciação: “Governo do Chile”. O que leva qualquer neófito de Ciências Políticas a entender que a gestão de Piñera não terá compromisso com o governo como determina a democracia, mas sim, impor o discurso despótico ditatorialmente: “La Forza”.

O emblema original foi desenhado em 1834, com uso ostensivo pelo ditador Pinochet como arma de ameaça constante, e por razão da queda do poder chileno, o senador Nelson Ávila, em 2004, tentou mudar a palavra de ordem nazi-fascista “Pela Razão ou pela Força” pela mais democrática “Pela Força da Razão”, mas o projeto continua engavetado.

O que se pode entender mais sobre a decisão do uso da palavra de ordem nazi-fascista por Piñera é que o Logos Razão encontrado na enunciação despótica não tem nada com a faculdade superior do homem. É apenas um recurso gráfico sem força intelectiva-semiótica-política. Visto que a Razão nunca está acompanhada pela força, porque a força, em política, é o suporte irracional das ditaduras.

Mas como os tiranos são sempre irracionais, eles podem fazer o que bem pretenderem com suas projeções delirantes. Até que elas sejam tomadas como racionais pelas massas. Como foram pelos eleitores chilenos que o elegeram. O que nos leva à consideração do psiquiatra da Couraça, o alemão Wilhelm Reich, em sua obra Psicologia de Massa do Fascismo, quando, desdobrando Marx, ele diz que as massas não foram enganadas pelo nazismo, mas que elas o desejaram.

ONU ACUSA GOVERNO DE URIBE DE MANTER INSEGURANÇA PERMANENTE NO PAÍS

Há vigilância ilegal por parte dos serviços de inteligência do Estado, as detenções arbitrárias, as incursões em sedes de organizações não governamentais e roubo de informações. Algumas da violações dos governos humanos dos ativistas são atribuídas às guerrilhas, a novos grupos armados ilegais e a organizações paramilitares que, segundo os próprios ativistas, não foram desmanteladas.

As ameaças geram um clima de terror dentro da comunidade dos defensores dos direitos humanos e impedem seu papel legítimo”, afirma trechos do relatório apresentado pelo Alto Comissariado para os Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, e também assevera que, durante os estudos da ONU, autoridades do governo de Uribe tentaram dar uma outra versão sobre o que realmente ocorre na Colômbia. Tentaram amenizar as informações que a ONU já havia colhido.

Para Gustavo Callón, diretor da Comissão Colombiana de Juristas – uma das principais organizações de Defesa dos Direitos Humanos na Colômbia –, “este é um dos informes da ONU que mais foi fundado em relação à gravidade da situação”.

ZELAYA DEIXA A EMBAIXADA BRASILEIRA RUMO AO EXÍLIO

zelaya santo domingo

Foto: Orlando Barría/Efe

Depois de ser deposto da presidência de Honduras por força de um golpe de Estado, em 28 de junho de 2009, arquitetado e consumado por uma ação conjunta entre as Forças Armadas, Congresso Nacional e a Corte Suprema, e permanecer quatro meses abrigado, junto com alguns companheiros, na Embaixada Brasileira, ostensivamente cercada pelas Forças Armadas, o presidente deposto Manuel Zelaya – Mel, para o povo seu defensor -, recebeu um salvo-conduto para deixar o país, assinado pelo presidente Porfírio ‘Pepe’ Lobo, eleito em uma eleição suspeitíssima e sem o reconhecimento de alguns países, entre eles, o Brasil.

No mesmo momento em que Zelaya deixa o país por obra de um golpe de Estado, Porfírio ‘Pepe’ Lobo toma posse como presidente de Honduras depois da saída do ditador Roberto Micheletti, que assumiu o poder depois do golpe.

A saída de Zelaya foi triunfal. Apesar de todo o aparato de segurança promovido pelas Forças Armadas, formando um comboio para levá-lo para o aeroporto de Tegucigalpa, colocá-lo, junto com sua esposa, em um avião com destino à República Dominicana, a população se fez presente nas ruas da capital para protestar contra os golpistas, o presidente que assumia e homenagear com faixas, cartazes e palavras de ordem seu presidente antidemocraticamente deposto.

Enquanto isso, o suspeitíssimo Congresso Nacional aprovava o decreto de anistia aos golpistas, a Zelaya e seus aliados. Colocando todos, assim, no mesmo plano ideológico. Na mesma condição: golpista com deposto, tudo com o mesmo sentido político. Decreto onde não há o mal, muito menos o bem. Tudo em nome da paz democrática hondurenha do momento. Homogeneidade colonizada de republiqueta que não suspeita “que outro mundo é possível”.

CURTAS SOBRE A VOTAÇÃO DO “CASO WALLACE” NA ALE/AM

Atualizado em 14:05h:

  • Mais um dos que querem melhorar o quociente eleitoral, deputado Arthur Bisneto pede que votação seja aberta. Chico Preto volta atrás e diz que não vai revelar teor do voto.

  • Wallace faz defesa “metafísica”, se compara a Maria Madalena, cita todas as doenças das quais sofre, se diz vítima de perseguição política e usa o nome de Deus em cinco de cada quatro palavras que profere.

  • Wallace faz último apelo, ocupando ele mesmo os últimos 15 minutos do seu direito à defesa.

  • Neste momento, o advogado de Wallace, Francisco Balieiro, apresenta a defesa, que deve durar por volta de 45 minutos

  • Com 15 minutos de atraso, começou o julgamento de Wallace Souza.

  • Com a galeria totalmente lotada, Wallace chega ao plenário, vestido todo de branco (candidato(?), e é aplaudido pelas duas mulheres que carregam cartazes de apoio. Todo o restante é de vaias.

  • Como a votação será em regime secreto, alguns deputados já se aproveitam para fazer uso eleitoral da situação. Visceralmente ligado ao governo Braga, o deputado Chico Preto, envolvido com a Albatroz, afirmou que irá revelar o teor do seu voto, favorável ou não à cassação.

  • Marcada para as 12:30h, a votação do relatório do conselho de ética da Assembléia Legislativa do Amazonas, sobre a quebra de decoro parlamentar do deputado Wallace Souza (PP), atraiu manifestantes, a maioria favorável à cassação.

  • Estudantes de uma escola próxima à ALE foram até o local para protestar e pedir a cassação do deputado, acusado de formação de quadrilha e grupo de extermínio, porte ilegal de arma, tráfico de drogas e armas. Foram impedidos, no entanto. A diretora da escola os obrigou a retornar à sala de aula. É a orgulhosa educação do Amazonas em ação.

  • Detectores de metais foram instalados na entrada do acesso exclusivo aos deputados.

  • Cerca de 150 estudantes da UEA e UFAM estão no local, para acompanhar a votação e pedir a cassação de Wallace. No entanto, poucos foram autorizados a entrar.

  • Belarmino Lins, presidente da ALE, conhecido como Belão-Balão, informou que não dará entrevistas ao final do processo, seja qual for o resultado.

  • Dos 23 deputados presentes à sessão, Wallace precisará de pelo menos 13 votos a favor, se quiser manter seu mandato.

  • Apenas duas mulheres seguram um cartaz pedindo aos deputados que absolvam o deputado.

Fonte:agências de notícias no Twitter.

PROSAMIM: DO MARKETING À INTERDIÇÀO SOCIAL

A moral de classe é um sistema de valores e enunciações hierarquizantes que tem por objetivo estabelecer uma ordem classificatória e segregatória dentro de uma sociedade.

Entende-se daí que esta moral é um mecanismo incorporal de capturação de linhas de produção, que atinge todo aquele que ainda não conseguiu realizar um exame racional da sua condição no mundo. Assim, a classe média incorpora no seu trato social os valores e enunciados das alcunhadas elites, sem no entanto compreender que é justamente este sistema de valores que lhe segrega e estabelece a fronteira divisória da moral do rebanho. A morte do Desejo como produção autônoma, a diminuição da potência de agir e a capturação pelo buraco negro do Significante Despótico.

Claro que um governo que esteja a serviço desta ordem moralizante e que prefira construir armadilhas para seu povo a permitir que as linhas produtivas de comunalidades irrompam livremente irá trabalhar no fortalecimento da segregação pela signagem da moral de classe.

Assim, um povo educado é um povo bem adequado aos ditames do modo de produção do capital. Como é o caso do governo do Amazonas. Evidência profética, diriam alguns, a exibição do déjà vu, diriam os mais atentos, quando anos atrás, o então governador e agora prefeito sub judice, Amazonino Mendes, dava tapinhas à cabeça do então candidato e hoje governador, Eduardo Braga, exclamando “esse é o meu garoto!”. Toda “boa educação” é efeito da subalternidade. Por isso, como afirmam os filósofos Michel Foucault e Antonio Negri, cada um a seu modo, o Estado teme a Multidão. Nela, não há elementos de controle, os signos da dominação moral não encontram território para estabelecerem a troca simbólica.

Como governante bem educado, Braga, bom cristão que é, sabe que “a boa educação começa em casa”. Significa dizer que a família, como elemento propagador da ordem moralizante, cumpriu seu papel de sufocar a maior parte das manifestações de Vida e da potência de agir de seus membros. A neurose familiar, como bem mostrou o antipsiquiatra David Cooper, quando mostra que, nas famílias bem ajustadas, não é a “ovelha negra” mas sim o filho exemplar, o que mais exibe os sintomas da interdição.

PROSAMIM: DO MARKETING À INTERDIÇÃO SOCIAL

Como já mostrado neste bloguinho, o Prosamim carrega menos elementos de transformação social efetiva num plano constitutivo de uma cidade que de ação marketística de ordenamento hierárquico tocado a golpes de fórceps. Já ficou claro que num plano cosmético – a cosmética da assepssia social – o programa é um sucesso, quando o quesito é mover num plano físico os problemas sociais fermentados sob décadas de miserabilidade sustentadas pelos governos.

Quando os agentes governamentais tentam cobrir a ferida social aberta com o programa, que apenas transporta a violência e a ausência de perspectivas de desenvolvimento econômico para as famílias, num estado onde a economia é apêndice, fica claro a predominância da imagem do pensamento do Estado.

Daí os agentes do Prosamim tomarem os efeitos pelas causas, e proporem cursos de boas maneiras (a chamada “etiqueta”) para os moradores transferidos. São temas anódinos e expressivos da incapacidade do Estado em atender as reais demandas sociais de uma cidade que não se fez cidade. Evidência da incapacidade dos governos que passaram e os atuais em ver que que “os pobres se esquivam pelas barreiras e cavam túneis que enfraquecem as muralhas” (Toni Negri).

Uma ilustração é o próprio Prosamim: na área onde tudo foi ‘reurbanizado’, e que passa por baixo da ponte Benjamin Constant, a ponte metálica, enquanto toda a estrutura para um parque fica à míngua, e vários quiosques de comércio apodrecem à espera de que algum apadrinhado das secretarias estaduais/municipais tomem conta, do outro lado, na Av. São João, na Santa Luzia, os moradores do Parque Residencial Jefferson Péres transformaram o calçadão em mini-shopping, com venda de bebidas, roupas, bares e até uma danceteria.

Longe da submissão aos ditames da moral de classe e do controle social dos governos, a população mostra que não precisa que lhe mostrem o que é bom. Basta que abram o caminho e ela mesma o faz.

ENREDO ROCAMBOLESCO NA ATUAÇÃO DA POLÍCIA NO ‘CASO Pe. RUVOLLETTO

Enquanto o governador Eduardo ‘Guerreiro de Sempre’ Braga se encontra com o Papa Bento XVI, no Vaticano, a “sua polícia” corre para encontrar os assassinos do padre Ruggero Ruvolletto, encontrado morto no último sábado. Ruvolletto era pároco do bairro de Santa Etelvina, zona Norte da capital amazonense.

Braga, que carrega como mote para um governo de marketing o orgulho, afeto que diminui as potências de agir, por produzir uma idéia de si diversa daquilo que se realmente é, já afirmou certa vez que a polícia do Amazonas, instituição ligada ao poder executivo de Estado, é “sua” (e não é a primeira vez que Braga confunde público e privado, e usa o pronome possessivo para se referir à instituições de interesse coletivo).

Não é de se duvidar, se examinarmos o modus operandi das cinco (05) forças-tarefa, formadas por membros da PM e da Polícia Civil, para capturar os assassinos do padre, e assim, evitar que o governador se encontre com o chefe-maior da igreja, que classificou o crime como bárbaro e exigiu das autoridades locais uma investigação eficiente, sem apresentar um culpado. E de culpa, o Papa entende.

Imediatamente, e sem apresentar nenhum indício científico além do depoimento (que antes da ditadura e depois da ditadura, conhece-se como “deduração”) de outro detido, as cinco forças-tarefa destacaram-se para prender Diego Almeida, 20 anos, conhecido como Coiote. Segundo a imprensa domesticada local, as FT’s chegaram a montar campana na casa da mãe de Coiote. Esta, não capturada pela imagem do pensamento do Estado, mas compreendendo as suas ramificações, sabedora do não-envolvimento do filho com o crime, deu uma aula de técnicas de investigação às FT’s, ao afirmar que se o filho fosse culpado, era óbvio que jamais retornaria à casa da mãe, onde mora, por saber que o endereço era de conhecimento da polícia. Como inocente, retornou, e foi preso.

À manhã desta terça-feira última, em todos os jornais da cidade, a foto estampada de Coiote e as manchetes de que a polícia havia prendido “o” suspeito da morte do padre Ruggero lembravam o leitor que a mídia faz parte da rede de interesses nada republicanos de um governo não democrático. Diego, o Coiote, conseguiu provar que na hora do crime estava em outro lugar. E foi solto. Até a polícia do governo Braga (“a minha polícia”) sabe que não é possível a um mero mortal, ainda que filho de Deus, estar em dois lugares ao mesmo tempo. Onipresença.

Ainda assim, Diego aproveitou para relatar os métodos da moderníssima polícia amazonense para obter provas e determinar se o suspeito é ou não o culpado: “Eles me levaram para a estrada. Disseram que, ou eu confessava a morte do padre ou ia morrer naquela hora. Me espancaram e disseram que essa roupa que estou vestindo, que é velha que só, eu tinha comprado com o dinheiro roubado do padre”. Mais científico impossível.

DE WARNER BROTHERS A HANNA-BARBERA

Como num enredo rocambolesco, digno das fantasias persecutórias dos desenhos animados estadunidenses, a polícia passou a procurar – e capturou – outro suspeito da morte do padre Ruvolletto. A fonte para se chegar ao segundo suspeito em menos de uma semana é a mesma que foi usada para chegar em Coiote. A diferença está no nome. Este, cujo nome não foi revelado, é conhecido como “Scooby”. Em comum, o fato de serem negros, pobres, e carregarem as marcas da fome no corpo.

Não é a primeira vez que a polícia amazonense “fabrica” um culpado. Anos atrás, no início da gestão Braga, outro crime teve como desfecho em tempo recorde a prisão de um “suspeito” que, submetido aos mesmos métodos de investigação a que foi Coiote, chegou a assinar uma confissão, que depois foi revelada como falsa. Como recompensa por não processar o Estado, o até-então suspeito, recebeu uma casa (infelizmente não achamos na internet registros eletrônicos deste caso, que no entanto estampou as manchetes dos jornais à época).

Em tempo: já há rumores de que o deputado estadual Wallace Souza (PP), investigado por formação de quadrilha, assassinato, tráfico de drogas e armas, porte ilegal de armas, anda cogitando pedir que a acusação de forjar um sequestro para obter audiência para o programa “Canal Livre”, seja desconsiderada. Se a polícia pode forjar um suspeito, porque ele não?

PRÉ-GRITO DOS EXCLUÍDOS E EXCLUÍDAS 2009

O centro de Manaus, nos arredores do relógio municipal, ficou pequeno para a alegria dos movimentos sociais de Manaus ontem, 25 de agosto. Era ali que se compunha o Pré-Grito dos Excluídos e Excluídas de 2009.


O encontro veio promover a Carta Aberta à População, organizada e elaborada pela Arquidiocese de Manaus, Pastorais Sociais, Sindicato dos Jornalistas do Amazonas, Cáritas Arquidiocesana, Fórum Permanente das Mulheres de Manaus, Fórum pela Ética e Políticas Públicas, MCVE, MOCOCI, Rede de Educação Cidadã, Comitê Social, Movimento Fé e Política, Casa Mamãe Margarida, CEBI, CARMA, CPT, AMAFLORA, Marcha Mundial Pela Paz e Não Violência, AGNLBTT, Escolas e Fórum Fé e Política, Rádio Comunitária “A Voz das Comunidades”, CUT e FOPAAM.


A carta aborda problemas bem conhecidos da população amazonense, e cobra sua resolução através de políticas públicas que contemplem o acesso aos serviços básicos à população mais pobre. Em sintonia com os acontecimentos de uma cidade sem prefeito e cujos governantes são especialistas em criar armadilhas antidemocráticas para o povo, os movimentos sociais elegeram cinco grandes temáticas que foram abordadas na carta e, em linhas gerais, foram discutidas nesse belíssimo encontro:


Transporte Coletivo: a luta dos estudantes contra o fim da meia-passagem, o aumento abusivo do preço da passagem, o fim da integração temporal, a precariedade do serviço e a submissão do poder público ao empresariado (e a campanha contra o vírus IMTU/Sinetram deste bloguinho transitando entre os manifestantes).

Porto das Lajes: o posicionamento contrário à construção do porto das lajes, empreendimento social e ambientalmente insustentável, já que trará prejuízos à comunidade da Colônia Antonio Aleixo e ao encontro das águas. Os movimentos sociais não são contra a construção de novos empreendimentos de captação de água, mas se posicionam contrariamente à degradação social e ambiental que este projeto trará.

Saúde Pública: a piora no quadro de oferta de serviços da saúde pública, com a dificuldade na marcação de exames, o acesso a medicamentos, o mau atendimento, a sistematização terrorista e a tendência privatista da medicina de mercado.

Corrupção: a prefeitura sub judice, as relações entre a justiça e os poderes executivo e legislativo, a atuação do CNJ evidenciando o quadro grave da justiça amazonense, o caso Wallace Souza, a submissão do executivo estadual ao governador e o municipal ao prefeito.

Água – Bem Comum: a falta de água na cidade de Manaus, a privatização e a ineficácia no gerenciamento do sistema de distribuição,

clique aqui (Parte 1 e Parte 2) para baixar a carta em formato PDF.

O NEGRO COMO A COR DA LUTA


Longe do simbolismo mórbido que associa a cor preta à morte e ao lúgubre, os movimentos organizadores do pré-grito estenderam duas grandes faixas de tecido em cor negra no chão.

Em seguida, convidaram as pessoas que iam passando, e que se juntavam à festa democrática que ali ocorria, para que expusessem, através da pixação no pano preto, mensagens e palavras que chamassem a população à movimentar-se contra as forças reacionárias que impedem o estabelecimento de Manaus como cidade justa e democrática.



Neste sentido, a pixação incorpora a sua potência política de manifestação expontânea, discurso sem emissor determinado, que enuncia sem ser capturado pelas forças e pela ordem despótica de uma linguagem classificadora e rotuladora. Os pixadores, neste aspecto, são so revolucionários que apontam a inexistência da cidade como organismo em movimento intensivo.

Foi então que os animadores Moisés Aragão e Franci Júnior convidaram os participantes a cantar a música “Renovação”, de Candinho e Inês.

É hora de jogar as coisas velhas,

fora desse quarto,

Tomar nas mãos o leme desse barco,

Sair da tempestade, pôr ordem no tempo,

Sair de contra o vento e, cheio de vontade,

Sair desses porões e cantar ao céu, de

novo;

A voz já não aguenta e o peito já não cabe mais.

.

É hora de tomar nas mãos de novo a nossa geografia,

Pintar de liberdade o verde deste mapa,

Contar de novo a história como há muito tempo

Já não se ouve mais nem se contou verdade,

Bater na mesma nota e na mesma canção,

Cantar de braços dados, levantar a mão.

.

Canta, coração,

Por esta voz que canta em mim,

Esse desejo sem medida e paciência,

Quase já desesperado de esperar

Todo esse tempo e, esse grito

Sufocando a garganta sem parar

.

Canta, coração,

Por esta voz que canta em mim,

Esse desejo sem medida e paciência,

Quase já desesperado de esperar

Todo esse tempo e, esse grito

Sufocando a garganta sem sair.

.

Após a música, as pessoas se reuniram ao redor do relógio municipal. Ali, teatralmente, o relógio seria “vendado”, representando a cegueira da cidade para seus males, a desinformação da população da qual se aproveitam políticos exploradores e cultuadores da dor e da miséria social.


O relógio municipal foi coberto pelo manto negro, onde estavam escritos os dizeres de todas as pessoas que antes se manifestaram através da pixação. No momento em que os voluntários cobriam o relógio, uma pessoa que se identificou como administrador do monumento ameaçou chamar a polícia para impedir o ato, e foi lembrado por uma manifestante de que aquele monumento só existia por conta do povo que ali estava e era mantido pelo dinheiro das pessoas que ali se manifestavam.



Logo em seguida, representando o abrir de olhos da população diante dos problemas da cidade, completando a encenação, os voluntários retiraram o pano do “olho” do relógio. Daí o microfone ficou aberto para as demandas da população e dos movimentos sociais.



Daí se manifestaram sem-teto, a moçada do hip-hop que usa a batida do rap para desestabilizar o sistema, membros de associações de gênero, cidadãos, loucos, dentre muitos.

O companheiro Praciano aproveitou a deixa para convocar os movimentos sociais de Manaus a participar da campanha pela redução da jornada de trabalho, citando o exemplo do Pólo Industrial de Manaus, cujo crescimento dos lucros foi infinitamente maior do que o crecimento da oferta de emprego. Hoje, segundo o companheiro Praça, o trabalhador do PIM paga, com o seu trabalho gerando lucro, todos os encargos com salário e encargos trabalhistas que o patrão tem com ele durante o ano inteiro, trabalhando apenas uma semana. Praciano informou ainda em primeira mão a decisão da prefeitura interina da dupla Amazonino/Souza, que retirou o direito ao ticket-alimentação dos professores de modo retroativo: os professores ficam sem o benefício a partir de agora, e ainda terão descontados nos próximos contracheques o valor do benefício recebido nos meses anteriores. “Trabalho de Amazonino”, ironizou um estudante.


E NÃO PERCA:

07 DE SETEMBRO DE 2009

15o GRITO DOS EXCLUÍDOS E EXCLUÍDAS

Vida em Primeiro Lugar:

A força da transformação está

na organização popular”.

Concentração: Bola do São José I (Próximo ao Terminal 5)

Horário: 15:00h

VENHA PARTICIPAR!

ORGANIZAR PARA TRANSFORMAR.

HOMOFOBIA NA DINAMARCA: A MÁ CONSCIÊNCIA É DOS ‘DESENVOLVIDOS’

Robert Mapplethorpe - Charles and Jim - 1974

Robert Mapplethorpe - Charles and Jim - 1974

A homofobia, como outras formas de violência social, é um produto da má consciência. Nascida da imobilidade que é a autossabotagem do existir, e que é predominante em uma sociedade cultuadora da dor e que cria, como ídolo, a morte, força reacionária que tenta se opor à Vida.

Como má consciência, esse enunciado, para preservar seu existir, precisa eliminar outras formas de expressão que, existindo, tornam a autossabotagem não apenas desnecessária, mas impossível de existir. Por isso a reação extrema: a tentativa de aniquilação.

Daí o filósofo Michel Foucault ter afirmado que o que incomoda a sociedade capturada pela moral do rebanho na homossexualidade é a imprevisibilidade: não se sabe o que pode um corpo sexuado para além das linhas e fronteiras bem definidas da sexualidade domesticada. Aí, o desespero contra os LGBT.

Como a má consciência é um enunciado da sociedade burguesa capitalista, é claro que se espera que, ao mesmo tempo em que se coloque sobre as classes ditas ‘baixas’ a culpa por esta manifestação, ela, ao contrário, seja mais forte onde o capitalismo ‘triunfou’.

Daí não se estranhar, por exemplo, o que ocorreu neste final de semana: atletas que disputavam o World Out Games 2009, evento esportivo-artístico da comunidade LGBT internacional, tenham sido agredidos. A golpes de pedaços de madeira, um norueguês, um sueco e um britânico foram espancados e internados em um hospital da cidade.

Evidência de que nem sempre predomina a idéia supersticiosa de que o lado ‘mau’ do capitalismo se manifesta na população que não goza dos seus privilégios: ao contrário, é quem desfruta das suas benesses, aqueles que estão no topo da pirâmide, os mais sequelados pela má consciência, sem a qual o capitalismo e as desigualdades sociais não seriam possíveis.

MTE DIVULGA NOVA ‘LISTA SUJA’ DO TRABALHO ESCRAVO

O Ministério do Trabalho e Emprego atualizou a lista de empregadores envolvidos com o trabalho escravo no Brasil. Nesta atualização, foram incluídos 13 empregadores, reitera 4 (reiterados são os que têm o nome publicado pela primeira vez, mas que já faziam parte da lista antes, e mantinham-se “fora” por força de liminar) e exclui 34 nomes. Já são 175 infratores, entre pessoas físicas e jurídicas.

A lista é uma importante ferramenta de controle social. Como explica Marcelo Campos, da Secretaria de Inspeção do Trabalho: “ao divulgarmos os nomes dos infratores que foram flagrados explorando trabalhadores na condição de escravos, estamos permitindo que outros entes estatais tenham esta informação quando do estabelecimento de suas políticas públicas. Por exemplo, nenhum banco empresta dinheiro público para os infratores que estão no Cadastro”.

A maior parte dos nomes que estão na atual lista é de pessoas ou empresas que foram autuadas e não cumpriram determinação, ou não pagaram a multa. Enquanto estiverem com o nome ali, não podem, por exemplo, contrair empréstimos bancários.

No modo de produção capitalista, o lucro se dá pela apropriação da produção social do trabalho sem a referida remuneração: o patrão enriquece se tornando o dono daquilo que o trabalhador produz, sem pagá-lo. Quer no tempo de Marx, quando as horas trabalhadas ultrapassavam as horas pagas, quer no chamado trabalho imaterial, quando a criatividade, capacidade de resolução de problemas e de criação de novos produtos e soluções para a empresa geram lucro para o patrão, mas para o trabalhador, quando muito, um ‘muito obrigado’.

Embora este quadro seja mundial, no Brasil atual, pelo menos, o trabalho escravo, esteio da riqueza dos países chamados desenvolvidos (e que chamam colonização o processo exploratório das colônias das américas e áfrica), a justiça tem mostrado que não está à serviço do capital, mas sim da justiça. Uma adequação de idéias, que produz a democracia.

REFORMA PSIQUIÁTRICA: MODELO BRASILEIRO É REFERÊNCIA INTERNACIONAL. O AMAZONAS FAZ PARTE DO BRASIL?

O governo brasileiro foi convidado, neste final de semana, para compor uma comissão internacional, juntamente com Itália, Holanda e Egito, na elaboração de um programa global de atenção à saúde mental para a Organização Mundial de Saúde.

Segundo o diretor de saúde mental e abuso de substâncias da OMS, Benedetto Saraceno, o objetivo do grupo é traçar uma estratégia mundial de tratamento de pacientes com distúrbios mentais e abuso de drogas. Para ele, o modelo brasileiro, que tem como marco inicial a Lei Paulo Delgado (10.216 de 06/04/2001), é um dos mais desenvolvidos do mundo, ainda que desperte críticas quanto à lentidão de sua implantação.

O modelo instituído pela Lei Paulo Delgado prevê a substituição do modelo psiquiátrico tradicional, de internação e isolamento do paciente mental, por uma descentralização dos serviços, a criação de redes alternativas de atendimento e prevenção, e a extinção da internação, encarnada nos hospitais psiquiátricos.

MANAUS NÃO FICA NO BRASIL? (OU A DESINSTITUCIONALIZAÇÃO NÃO PASSOU POR AQUI…)

Se é que o modelo brasileiro é referência internacional, a despeito de suas falhas, fica a pergunta: o Amazonas faz parte do Brasil?

No Estado que vai ser sub-sede da copa 2014, a rede de atendimento aos pacientes mentais padece de uma dupla ineficácia:

Institucional: aqui, a reforma não pegou. Sequer no plano numérico, já que a pulverização dos serviços para facilitar o acesso dos pacientes e famílias jamais aconteceu. As referências continuam sendo o HPER (Hospital Psiquiátrico Eduardo Ribeiro) e o CAPS da Zona Norte, ambos insuficientes para a demanda que diariamente é produzida pelo modelo econômico e associal que predomina numa cidade que não se faz democrática.

Há ainda a predominância de grupos aos quais não interessa a publicidade da questão da saúde mental no Amazonas. Estes grupos, visceralmente ligados aos governos que, historicamente, têm transformado a cidade em terreno fértil para o delírio social, fazem com que o olhar institucionalizado da saúde mental no Amazonas se reduza ao plano financeiro/institucional. Ou nem isso, se considerarmos, à título de ilustração, que o prometido hospital da zona sul, há pelo menos 4 anos, é anunciado sempre “para o mês que vem”, e até o mês atual, não iniciou as suas atividades.

Desinstitucional: o psiquiatra Franco Rotelli, atuante na reforma psiquiátrica italiana e na questão do uso de substâncias narcóticas, afirma que o processual de desinstitucionalização não se reduz à análise do aparelho institucional psiquiátrico, ele próprio residual, criado para absorver aquilo que escapou da semiótica do modo de produção do capital, mas que passa por uma intervenção prática e política sobre “a cadeia das determinações normativas, das definições científicas, das estruturas institucionais, através das quais a doença mental – isto é, o problema, assumiu aquelas formas de existência e de expressão”.

Daí que a psiquiatria que se quer revolucionária – e não meramente reformista – deve se debruçar sobre os modos de produção de sentido e de subjetivação, e nas relações de produção e corte que se constituem num plano social, quer como linha de fuga revolucionária, quer como força reativa de atração para o campo do buraco negro social.

Haverá máquina produtora de ‘doença mental’ – entendida aqui como desequilíbrio da produtividade existencial ético-estética, diminuição da potência de agir diante dos maus encontros – mais eficiente que uma cidade onde as condições sociais de existência são inexistentes? Uma cidade onde os serviços básicos de condições de existência são regidos menos por uma lógica do movimento ativo que pela lógica da mais-valia e da exploração? Onde a exploração telemidiática da miséria social é trampolim certo para o estrelato na ribalta do legislativo e executivo? Onde os governos estão mais interessados em preparar armadilhas para o povo do que produzir as condições necessárias ao surgimento de novas comunalidades, e se quer o detentor/controlador de todas as formas de expressão e criação, eliminando a autonomia de seus cidadãos? De uma arte decadente e subserviente ao signo da força reativa: o capital? Onde as lideranças da chamada reforma psiquiátrica sentam à mesa e compartilham das mesmas certezas e verdades que estes governantes, igualmente infantilizados em sua capacidade crítica e de análise?

Manaus conta com essa peculiaridade: de um lado, uma máquina produtora de doença mental, e de outro, um sistema de atendimento ao paciente mental quase inexistente. Nada que passe próximo de outras experiências brasileiras e sudamericanas, por uma psiquiatria do oprimido, que sacudiu a ditadura argentina ou as experiências pós-ditadura no Chile. Nada que chegue perto de uma psiquiatria que não procure a cura, mas a possibilidade de “produção de vida, de sentido, de sociabilidade e produção de espaços e formas de convivência dispersas”.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.242.988 hits

Páginas

julho 2021
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivos