Archive for the 'Natal' Category

TEMER FANTASIA QUE A QUADRA NATALINA VAI FAZER O BRASILEIRO ESQUECER UM POUCO DELE. LEDO (IVO) ENGANO: NEM O PAPAI NOEL COCA-COLA FARÁ ESSE MILAGRE

Resultado de imagem para imagens de presépio de natal

Resultado de imagem para imagens de temer

O homem não é reificação, fetichização, alienação. O homem é real, diz Marx. Real em sua totalidade. Os objetos e as ideias que produzem a realidade humana continuamente afetam os homens, mulheres e crianças. Não é porque em um determinado momento a consciência de alguém lhe posicione direcionada a um objeto ou ideia que esse alguém abstraiu do mundo. O homem é sua consciência posicionada e sua consciência circunvizinha.

         Há temas atuais que se tornam presentes nas pessoas, principalmente temas coletivos que se impõem intensivamente a elas. São os temas tidos como concretamente imprescindíveis ao entendimento e a práxis. Como o tema principal de toda sociedade é apresentado como tema econômico, de onde desdobram outros temas, que fazem das pessoas suas contínuas totalizações, destotalizações e retotalizações, como mostra o filósofo Sartre, o brasileiro atual, dessa época cruel do golpe, não faz qualquer abstração do sofrimento que vem vivenciado pela imposição perversa das aberrações golpistas.

       Dizem que o golpista-mor, Temer, espera que, contagiados pelo espírito natalino, os brasileiros, esqueçam um pouco do Brasil atual. Ledo (Ivo) engano. O povo brasileiro não esquece a dor em razão da intensidade de dois corpos. Um é que o Natal é festa-comunalidade, onde o povo encadeia afetos produtivos de existir coletivamente. Existir sem a opressão da dor. Como, no momento, o povo sofre, coletivamente, ele vai se lembrar dos causadores dessa dor que violenta a afeição-móvel da alegria natalina. Ou seja, a dor, que é composta de corpos econômico, social e imoral, estará sendo questionada durante esse momento cruel que é uma brutalidade contra a confraternização-cristã.

       O outro corpo é o Papai Noel Coca Cola, que continuamente tenta desfigurar o verdadeiro sentido da festa natalina que é simbolizada original e singularmente, pelo presépio onde os personagens Cristo-menino, Maria, José, os Reis Magos e os animais encadeiam movimentos afetivamente alegres.

        O Papai Noel Coca Cola não tem qualquer relação com o Natal, nascimento de Jesus Cristo. O Papai Noel Coca Cola é uma personagem criada como figura de marketing no ano de 1931, aproveitando a tradição de São Nicolau, no século 3 depois de Cristo, com as cores vermelho, branco e cinto preto criado por Thomas Nast, em 1886, para empurrar a venda do condicionante refrigerante aos norte-americanos e aos americanófilos  espalhados pelo mundo.

        Como a Coca Cola é a representação maior do capitalismo consumista dos Estados Unidos espalhada pelo mundo, e quando se fala de mundo também se inclui o Brasil, apesar dos golpistas estarem fazendo todos os esforços para excluí-lo do mundo -, essa representação se mostra como possibilidade de compra no contexto da sociedade de consumo que transformou a comemoração de Natal (?) em gastos e lucros. E é aí que parte dos brasileiros vai lembrar de Temer travestido de Papai Noel da Coca Cola. Um Papai Noel que pretende arrotar abacaba*, mas só arrota Coca Cola. Para a dor desses brasileiros.  

           Temer não tem escapatória. Com São Nicolau ou com o Papai Noel Coca Cola, Temer será lembrado com um sonoro Fora Temer.

           Natal é presépio e não Papai Noel Coca Cola. 

         Abacaba é uma palmeira da Amazônia que produz um fruto que é usado para fazer um gostosíssimo vinho. Na linguagem da Amazônia é usada para tirar sarro de gente que tenta simular o que não é. “O cara tá arrotando a maior abacaba”. Exemplo mais concreto: “O otário toma Coca Cola e vem aqui com a gente arrotar a maior abacaba”

PAPAI NELSON NOEL DIZ ÀS CRIANÇAS QUE 2016 SERÁ MUITO MELHOR

altatk2fseyoxr-eq794bwloaa-blat_gdo9muhddahoyb

Poucos se enganam: o mundo construído pelo delírio capitalista de alguns sujeitos-sujeitados não é para criança. É um mundo em que a força da irracionalidade pelo lucro máximo coloca os adultos estúpidos como personagens e intérpretes principais. É um mundo em que a criança só é necessária quando é transformada em mercadoria através da falsa ludicidade caricaturada em “brinquedos” que a torna, como mercadorias, oral consumista compulsiva. Como impõe o ideário do lucro infinito capitalista.

Os rituais consumistas, como o natalino, servem de exemplo didático para se compreender essa máquina enferrujada, mas que ainda não perdeu sua funcionalidade molar. A funcionalidade que imobiliza todos os desejos de vida. Mas essa prisão de desejos autênticos não funcionaria eficazmente se não tivesse o amparo e o estímulo de governos cujas parcerias prontificam esse constante ajuste de suas peças indesejante. Governos que fluidificam as engrenagens que esmagam os desejos-naturais transformando-os em espectros de desejos expressados em suas mercadorias narcisadas como formas multifacetadas do capital. O universo dos objetos que brilham hipnoticamente com seu psicodelismo inebriador. Onde não há qualquer rastro de Cristo. A não ser o Cristo capitalizado. O que não é o Cristo filhos Maria. O revolucionário que fez os judeus e o Império Romano tremerem temerosos de seu Amor.

Nelson Noel 2012 (41)Nelson Noel 2012 (40)Nelson Noel 2012 (39)Nelson Noel 2012 (36)Como Manaus é um território do mundo, não poderia ser diferente. Manaus é um lugar também para adultos onde as crianças não são cuidadas como devem ser. Aliás, muitas delas são tratadas como alguns adultos entendem: com violência. Certamente, adultos parceiros de Eduardo Cunha na aprovação da redução da maioridade penal. Adultos que refletem também a falta de infância.

Dessa forma, em Manaus, existem crianças que tem outro tratamento pelos adultos. Ganham presentes, viajam para Disney, moram em condomínios, estudam em escolas particulares, tem plano de saúde, mas, em verdade, não podem ser tidas como essencialmente crianças, visto serem nada mais do que objetos onde seus pais projetam suas inseguranças de adultos muito bem capitalizados. Ou melhor, infantilizados pela força dos vícios burgueses. Adultos que quando crianças não experimentaram a dimensão superior da infância como devir criativo e distributivo, como dizem os filósofos franceses Deleuze e Guattari, encadeados com o filósofo alemão Nietzsche.

Nelson Noel 2012 (26)Nelson Noel 2012 (17)Nelson Noel 2012 (19)Nelson Noel 2012 (14)Nelson Noel 2012 (8)Quem habita Manaus, e não tem apenas um endereço, sabe disso, já que habitar é se tornar potência-criadora do território habitado em forma de comunalidade. Sabe que a criança, apesar das políticas para infância e adolescência criadas pelo governo federal, não é cuidada como deve, posto que criança é para ser cuidada pelos que alcançaram o grau da responsabilidade histórica do mundo. Tomar a criança como seu cuidado, é tarefa de que se responsabiliza pelo mundo. Ser seu companheiro oblativo e não captativo como forma policial-judicativa como fazem os adultos infantilizados. Assim, cuidar é ser responsável pela história que a criança está entrando para se tornar um adulto também responsável pela história. E é brincando, se satisfazendo, que a criança produz, junto com esse adulto, seus percursos que lhe tornarão um ser históricizado.

img_5519 img_5680A criança de Manaus, essa que não vai para Disney (melhor para ela), que mora nos bairros abandonados pelas alcunhadas autoridades (autoridade é quem trabalha com a razão no plano do diálogo, como diz a filósofa Hannah Arendt) não tem qualquer opção de entretenimento público. Quando essa criança quer entretenimento ela mesma cria nas ruas onde habita. Algumas vezes reúne umas moedas e vai a um parquinho de diversão que se instalou no bairro. Prefeitura, estado não têm um projeto de diversão gratuita para criança. A própria escola que deveria ser um território do entretenimento infantil, não é usada.

Pois foi exatamente analisando a situação da criança em Manaus que o empresário democraticamente lúcido e engajado, Nelson Rocha criou o personagem Papai Nelson Noel. Há 13 anos Papai Nelson Noel, no dia 24 de dezembro, percorre alguns bairros abandonados de Manaus, onde milhares de crianças se encontram com seus direitos a diversão e entretenimento negados, e distribui com a fantasia de Papai Nelson Noel, sorvetes e picolés. É a festa criada e comandada por Papai Nelson Noel e as crianças, e muitas vezes com a participação de alguns adultos que cuidam dessas crianças. O carro com Papai Nelson Noel em cima, acenando, desejando boas-festas, às vezes descendo do carro para abraçar as crianças, e quem aparecer pela frente para receber um abraço natalino, compõe o fator dionisíaco de um Cristo que não se metamorfoseou na cobrança, castigo, condenação, credor, mas na festa libertária.

Nelson Noel 2012 (13)Nelson Noel 2012 (11)Nelson Noel 2012 (9)Nelson Noel 2012 (2)altahxbmwd1smfeipavrujkk7wwdzl9podrs3fseov2evhu img_5493 altag6itwqdkg_pu3uk_3yze0n2bfbs7ndbf8mp8arwg7ckEntretanto, nesse natal de 2015, o Papai Nelson Noel não pôde se mostrar materializado às crianças. O seu criador passa por um momento existencial que lhe deixou impotente para fazer passar o personagem-coletivo, Papai Nelson Noel. Mas, ele mandou sua mensagem positiva às crianças.

No dia 24 de dezembro do ano de 2016, se Papai Nelson Noel permitir, ele estará atuando como Papai Nelson Noel. Palavra de Nelson Rocha.

NELSON NOEL, 13 VEZES NATAL REFRESCANDO COM PICOLÉS E SORVETES CRIANÇAS DOS BAIRROS DE MANAUS

altAtk2FSeYoxr-EQ794bwLOaA--blat_gDo9MuHddahOyb

No início era Papai Noelson, mas o verbo se fez necessidade então, para se autentificar, se fez Nelson Noel. Na intensidade de Papai Noelson e, agora, Nelson Noel, se movimentam 13 anos junto com as crianças no Natal. É a festa refrescante com picolés e sorvetes distribuídos para as crianças no encantamento da alegria no calor de Manaus.altAlc6eCPcJYrkBGzWTvZ6tYUv5WDjR4MgOd-gd2ztezwJ

altAg1GXqZC1BeiJLckM-vsYwApmVmWiJypTN0VzsuVAtnQ altAg1PfmyARTpgp1z7tnoNjb7FDkCx5kU8L3-ZFcR4TrZY altAg6ITwQdkG_Pu3uK_3YzE0n2BfBS7nDBF8Mp8arwg7ck altAg6rzHfTZk7DvzH0laNYzthMdUfMsxB9wNVSlfOTK85n altAhXBMwd1sMfeiPAVRujkK7wWDZl9pODRS3FsEov2EVHu altAiYivLwsESLJsNBKLdrD7b7WlgkZhQ-hyqQzkw4FbFo- altAj9FgRzvXb6taEgc5rthOkfgMrAUuzMa42-KH9yE9AIy altAk-AY9nCnofP6cUGq3SXVjRyaKnd6BIp9t1cslSopb3QA não-cidade de Manaus carrega um triste passado quando se trata de entretenimento público. Todos os prefeitos nada ofereceram de festividade pública para as crianças no Natal. E agora, o presente de Manaus, contínua triste nessa gestão pouco pública do prefeito Arthur Neto do PSDB, partido da burguesia-ignara. Daí a necessidade e a importância da atuação do Nelson Noel nesse período. Não é pela falta de administração pública, que as crianças dos bairros desassistidos de Manaus vão ficar sem uma alegria.

altAlTXCA7l1NDQRl2QbpId2Zidl6rMwqWkA1zFnJ0dVmSV altAlxJhDB-4BNYqFc-FZQ47efwQZq_0EyGxYo9A8rsToMr altAmqHT6PkpUQkz8G3mludr_bLsXhRc-Hver2YhzIXImoA altAndZ8TlI3x0mbSXnjxc-M9HbZhv-8kABSB0ZqBCtqUDU altAnQ3aaHPrWMyecbP2GoU5UJBgwf0YIEfqdZwJQ62BzkD altAo_goI24uQ5OeBp_MTGXSxXUsAdso8gQvB0lOIY8LQZG altAoDPCeWsq8Bri6YjXuKwYBq9TeYqkrfu6VrEp4z8PlUoO pós-cinquentão Nelson Noel, apesar das dificuldades que vem tendo financeiramente para realizar essa festa lúdica, não esmorece. Quando inicia o segundo semestre ele já começa a imaginar como vai ser a festa das crianças. Conforme o tempo vai passando e vai se aproximando dezembro, a imaginação começa a se materializar.

altAoGoa_iedtoEGFIlfvcnMksmbPENuQ8X6ooG8Z9EWK_P altAohBSi5ZMtkyRB8Ecig0heS_3IYaqRNElqx1GtOnYrFl altAoOoDkZS7KgykB6JH_yV36sW_uQVDB_HUO7E7Qg9lPZ2 altAp85IH32IQDIq-DjjjyETJWKLOvskK28KOBvpq4gupu2 altApEJoX5GXWpJ7Wa-Rfm_IU5RNw6q69vkXhgnYTHvnKTL altApFYU3EQ3khORVUOmKLSBFnoZ_qqxZy3NZetujkY4f91 altApGlsIpC2JjIDRVltd-1hkWmPMYOgR-ipAhX9K1xmDGn altAq0qOWygFVQ6y0y13tIkaKtgr2oZwm-YCOin4VxUq8ueEntão, chegou o Natal! E lá vai Nelson Noel com seus milhares de picolés e sorvetes para os bairros desassistidos pelo poder público. Nelson Noel acorda bem cedo e, junto com amigos colaboradores, inicia o ritual preparativo para a caminhada. Com sua barba branca de salão de beleza, visto ainda manter a barba preta e que deixou crescer durante todo o ano, se traveste de bom velhinho, como dizem alguns, e cai na estrada.

Ao contrário do alcunhado bom velhinho, que só se materializa nas famílias com dinheiro, Nelson Noel, democratiza o Natal com crianças de famílias desassistidas e só assistidas pelo Bolsa Família. Poderia até se afirmar que o Natal que Nelson Noel proporciona às crianças é o Bolsa Família picolé e sorvete do Natal. Bem que ele gostaria (gosta) que todo dia pudesse distribuir os refrescantes sabores nessa Manaus onde as crianças são cada vez mais empurradas para o isolamento. Mas, ele não é financeiramente um empresário com essas condições.

Não importa, ele vai à luta, como dizem os engajados socialmente que não se restringem a privacidade familiar que só persegue seu pirão primeiro. Então, nesse Natal, Nelson Noel, mandou ver. Quase 40 mil refrescantes distribuídos em vários bairros. Uma festa colorida de crianças e picolés e sorvetes. Crianças com panela, saco, copo, balde, bacia, entre outros objetos, para ganhar suas partes.

Vejam as fotos e confirmem a festividade. Vejam como se encadeou essa festa das crianças que quase sempre não têm dinheiro para comprar o mais simples picolé. Entretanto, essas crianças têm uma diferença abismal em relação às crianças cujos pais têm condições financeiras para comprar sorvete e picolé. Essas crianças saboreiam os refrescantes com os sentidos experimentadores. Saboreiam de forma inusitada, como se fosse pela primeira vez. Uma primeira vez que produz um afeto alegre inesquecível. E ainda mais porque é uma experiência coletiva. Uma experiência entre outras crianças, onde ninguém se encontra em uma posição superior à outra. São intensidades alegres.

altArKZgPEW-zvR3WHKm25e6F4gS5IVvmWfegrFjJgYPfYJ altArOlTInWjY02GwMuc4jZ46nN3BVii0PhJSO1m1ccxHOE altAsd3p7z9PU1n42L7wRBfwjqomLr_MfRMNsRpi2LA_7pD altAspFJyelmeh9xy6EV4CIbHQG_5kVFuMH7NQNtPGI3Fgd altAt5hW979_Eua4YrwlyIBvDcNk-y0uwna5bFoWzJozBFy altAtKKSBQJAKPdbhxagtXDfPlzLvClpdxSHlT7hDi_Q03e altAtLY8cdCmkx887BpxY9aiZtL-h6ohAkXeFCJSeOnm8BV altAtQOYiFfLKwrl_tArcaA5h5-RIKd4rtb8F32DzqoA5x_ altAvEmeJdwEpbMZ-_f8t1Gt4ukJBs9VLMpHobJETEKZemr altAvgsAzwESLqRXinlUaaBRJt-NAsxlw1X_GQF45aa94rNÉ provável que seja essa a fundamentação da atuação política de Nelson Noel como pedagogia-social. Possibilitar a experiência coletiva das crianças. Um ato que elimina a desigualdade unindo as crianças no afetivo e biológico. 

Valeu, Nelson Noel! Valeu, vale e valerá como forma democrática de produzir afetos alegres como expressão de autoestima das crianças! 

ANÊMICA ORNAMENTAÇÃO NATALINA DE MANAUS PROMOVIDA PELA PREFEITURA DE ARTHUR DO PSDB

arvore_de_natalDizem que Natal é uma festa cristã que simboliza a alegria produzida pelo nascimento de Cristo. Embora alguns queiram reduzi-a a uma festa eminentemente familiar, entretanto, concebendo Cristo como um ser/comunidade, ela é precipuamente coletiva.

O próprio evangélico cristão mostra essa realidade política-histórica. O cristianismo, apesar da dor, do ressentimento e da má consciência imposta nele por Paulo, não se constituiria em uma potência sacro-social se Cristo não tivesse assumido seu ser-coletivo.

Alguns filósofos e filósofas, como Hannah Arendt, mostraram em seus escritos-políticos-filosóficos, a importância história de Cristo como um ser implicado em uma ética-coletiva. Já o filósofo Nietzsche, em seu tratado O Anticristo, mostra Cristo como um ser que ama que não cobra, não culpa e não condena. Mas um ser que vive a vontade de potência. Todos como diferenças, mas amor-distributivo.

Com o capitalismo, o Ego-Ísmo-Familiar fez do Natal um caso de coletivização, onde os membros de uma família “celebram” a data com seus afetos-neuróticos muito bem particularizados. Afetos-neuróticos configurados – para alguns psicanalistas, simbolizados – nas trocas de presentes personificados nas lojas suportes da indústria de consumo que sabe muito indicar a ordem natalina. A ordem do capital como representação fetichista mercadoria/família/“amor cristão”. Quem não responde a essa ordem não tem Natal.

Quando o Natal é uma expressão coletiva, as classes desaparecem. Não há hierarquia-financeira estabelecendo a identidade-natalina. Muito pelo contrário. Há um encadeamento de afetos políticos-religiosos que concretizam o amor-cristão. O Natal não de configura em uma comemoração alienada nos afetos-neuróticos-burgueses. Há simplesmente a festa-natalina, o que se bebe e o que se come não segue um modelo imposto por um Natal capturado pelo desvio do desejo do amor-coletivo. Há presença de todos, sem intermediários fantasiosos, culposos e cobradores.

A prefeitura de uma cidade é uma representação coletiva. O prefeito foi eleito para administrar os negócios públicos do município em forma de Bem Comum, ou estatuto da cidade. No caso de comemorações coletivas, ele não pode seguir modelos particulares, mas sim o devir-coletivo. Por exemplo, uma data coletiva não pode ser comemorada como uma data familiar, como um aniversário de um fulano ou fulana de tal. A data coletiva tem que ser composta por corpos-festivos que inclua toda a sociedade.

Como uma cidade é composta de dois corpos, o urbano, os prédios, ruas, logradouros públicos etc., e a cite, a relação entre os seus habitantes, que compõem os movimentos-pulsantes dessa cidade em forma de existência-particular, o prefeito tem por obrigação proporcionar festa coletiva, como o Natal, que afetem de alegria os seus habitantes. Mas não é o que o prefeito de Manaus, Arthur Neto (que, no Senado, ameaçou surrar Lula), do partido da burguesia-ignara, PSDB, vem fazendo. O que ele já deveria, por experiência, saber. Porque se trata da segunda vez que ele é prefeito de Manaus. A primeira foi na era Collor quando que se tornou o primeiro prefeito do Brasil a se aliar ao falso caçador de marajá – Lula chamava de caçador de maracujá -, criado pela mídia acéfala, mormente a TV Globo.

A ornamentação da cidade de Manaus nesse Natal é uma homenagem-triste e anêmica a data do calendário cristão. Uma triste demonstração. Na Avenida Djalma Batista, considerada a mais importante de Manaus por ser composta por várias lojas, bancos, escola, faculdade, shopping, Arthur colocou alguns postes com opacas estrelas que ofendem a ordem celestial-natalina e, por ironia, a ordem capitalistas do comércio da dita avenida. Se seguisse a ideologia comunista, diriam que foi a forma que ele encontrou, como comunista, de se vingar do capitalismo. Mas Arthur não tem qualquer “baque” de comuna. É um puro burguês.

A indiferença do prefeito do PSDB com a festa natalina da cidade é tão ofensiva que algumas pessoas estão relembrando com “saudade”, as ornamentações de antigos prefeitos como Alfredo Nascimento e Serafim, todos também reacionários como Arthur, mas que não ficaram indiferentes com a festa-coletiva. Devem ter entendido que ser reacionário não concede direito de anular o que é do princípio coletivo.

Todavia, observando a não-administração de Arthur, já era possível aventar o que hoje ocorre. Há dois anos na prefeitura, ele não apresentou qualquer trabalho coletivo que possa ser digno de consideração pública. Recapeou a Avenida Djalma Batista e algumas ruas, e nada mais. Os velhos e eternos companheiros buracos da cidade de Manaus continuam a proliferar, o sistema de transporte coletivo segue deprimente e ofensivo aos usuários. Lazer público inexiste. Diante dessa desalentadora realidade, já existem pessoas prognosticando que se ele se candidatar a reeleição não ganha.

Mas Arthur não tem sido de todo negativo. Há uma atuação que lhe confere positividade. Ele conseguiu eleger seu filho Bisneto, também do PSDB – não podia ser diferente -, deputado federal com o maior número de votos nas últimas eleições. É lógico que ele não podia passar quatro anos na prefeitura sem realizar uma atuação positiva. Mesmo que fosse atuação em benefício a sua própria família. Assim, como o  individualismo do Natal da família-burguesa.

NA 5ª EXPOCATADORES, DURANTE ACELEBRAÇÃO DO NATAL COM OS CATADORES, DILMA, FALOU EM R$ 200 MILHÔES DE INVESTIMENTOS

5363240d-fbe4-422c-8af4-16eeaed78d6f

Durante o último dia da 5ª Expocatadores, coincidindo com a Celebração do Natal com os Catadores, a presidenta Dilma Vana Rousseff, anunciou a terceira edição do Programa Cataforte prevendo R$ 200 milhões de investimento que irão possibilitar a inserção de cooperativas no mercado da reciclagem. A 5ª Expocatores reuniu trabalhadores de 17 países latino-americanos que discutiram temas referentes as condições da categoria.

Dilma fez o anuncio do investimento diante de mais de 2 mil pessoas as cooperativas fortalecidas terão mais eficiências no tratamento dos resíduos sólidos, e combate a ideia de manter lixões e incineradores de lixo em funcionamento. As cooperativas criam renda e movimentam o mercado interno brasileiro.

Dilma entregou 11 diplomas do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (Pronatec) para a população em situação de rua. Os diplomas foram entregues em nome dos mil formandos que participaram do curso entes ano. Ela também anunciou a ampliação do Pronatec, a população em situação de rua. Serão duas mil vagas voltadas a formação dos profissionais da reciclagem.

“Cada vez mais olhamos para os catadores como uma pequena empresa. Essas hoje respondem por 80% dos empregos no Brasil. Nós temos que dar a mesma importância econômica para os catadores.

É aí que a gente ganha dos incineradores. Mostrando que há uma forma muito mais econômica de processar os resíduos e que vocês terão aumento de renda. O que é bom para o Brasil. E para todas as classes sociais.

Nossa concepção é todos os brasileiros têm direitos e oportunidades iguais. É por isso que nós lutamos. Para garantir a todos condições de vida digna.

Estou sempre buscando cumprir as metas que nós acordamos aqui. E aquelas que eu não cumprir vocês têm que cobrar”, observou a presidenta.

Para Roberto Laureano da Rocha, coordenador do Movimento Nacional dos Catadores de Recicláveis, houve um grande avanço nesses 12 anos, em que o governo Lula implantou o programa, mas é preciso diminuir a burocracia para que os catadores tenham facilidade em entrar no programa. Ele pediu que Dilma crie uma equipe para orientar e apoiar os catadores.

 “Em São Paulo ainda temos 20 mil catadores não cooperados, que precisam de apoio e organização. Muitos não conseguem acessar as oportunidades do programa, porque o processo é muito burocrático.

Queremos que os catadores de lixo sejam os protagonistas no processo. Para isso, eles devem ser incluídos na gestão de resíduos em todas as cidades, para fazer o que sempre fizeram com apoio e remuneração”, disse Roberto Laureano.

NATAL DE DIRCEU, EM FAMÍLIA, FAZ AS DIREITAS SE RASGAREM DE ÓDIOS

ze_dirceu56176

Não é que as direitas odeiam, porque escolheram, entre os piores afetos, o ódio. É pior: elas são impossibilitas de ir além delas para poder chegar no outro. O psicanalista Lacan/Freud diria que suas pulsões acabam nelas mesmas em forma de alienação de si mesmas. Não há mundo exterior para as direitas. Daí o ódio delas por elas mesmas.

O ministro Luiz Roberto Barbosa, Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou José Dirceu passar o Natal e Fim de Ano com sua família na cidade de Passo Quatro, no estado de Minas Gerais. Estado que Aécio Cunha impôs uma péssima administração, como Fernando Henrique impôs ao Brasil, e ainda impôs censura aos jornalistas que viam essa péssima administração. Assim, como a maior parte de sua população também viu, por isso votou em Dilma.

José Dirceu ficar do dia 23 de dezembro ao dia 2 de janeiro, com sua mãe na cidade mineira. As direitas se mordem com essa autorização. Elas não suportam a alegria do outro, visto que serem o ódio concentrado em si. Nada de Natal com família, nada de cristianismo familiar, nada de desejos de bem compartilhados. Só dor o que elas desejam ao próximo. Por isso, na noite de Natal e Ano Novo, embora suas residências, elas estarão lembrando, de Dirceu alegre e solidário junto à sua família. Dor insuportável.

“Na situação específica, sendo a genitora do requerente senhora de idade avançada, 94 anos, cuja vinda para o Distrito Federal não é viável, considero caracterizada situação excepcional, a justificar a ida do sentenciado ao seu encontro. Faço certo que o apenado continuará em prisão domiciliar, apenas com a mudança temporária do local do seu cumprimento, que seria na residência de sua genitora”, autorizou o ministro Barroso.

NELSON NOEL NÃO É PAPAI NOEL POR ISSO TODO ANO FAZ A FESTA DA CRIANÇADA

IMG_5637

O filósofo holandês Spinoza diz que “o estatuto de um Estado, seja ele qual for, chama-se civil, e o corpo inteiro cidade, os negócios comuns coisa pública”, e que cidadãos são os homens que gozam de todos os privilégios que a cidade concede em virtude do direito civil, e que esses homens são também súditos porque obedecem às regras instituídas pela cidade, ou seja, às suas leis.

O filósofo Spinoza em seu enunciado nos mostra claramente o que é um regime democrático. Um regime produzido pela composição das potências de todos os homens que faz com que todos sejam autores singulares da democracia. Um regime de igualdade que possibilita a existência de todos como cidadãos e súditos da cidade que se movimentam pelos afetos produzidos pelos negócios comuns como coisa pública. Em verdade, um Estado de igualdade.

Como é óbvio, o nosso Estado não é spinoziano. Não há igualdade. Há classes com maiores privilégios que outras. São as classes que detém o Poder Econômico e quase sempre são protegidas pelo Poder Judiciário. É um Estado em que a coisa pública não é tão pública, o que faz com que se diga que há classes sem direito civil, porque os negócios comuns não chegam até elas. Daí a impossibilidade de se afirmar que essa população existe em uma cidade, ela existe em uma não-cidade, porque lhe falta o estatuto civil. Embora se afirme que todo aquele que existe em um Estado é um identidade jurídica, visto se encontrar sob as leis desse Estado.

Como o Natal foi transformado em um rito capitalístico propagado pela indústria do consumo e fortalecido pelos sentidos capturados de consumidores vorazes – indivíduos-tristemente abandonados -, onde a alegria da essência da festa cristã foi substituída pela alegria-compensatória proporcionada pelo dinheiro, à igualdade desapareceu. O presépio, símbolo do nascimento do companheiro Jesus Cristo, foi escondido pelo Papai Noel da Coca-Cola – só escondido, porque jamais o substituirá -, representante máximo da força multifacetada do consumismo veiculado pela semiótica capiatalística natalina. Maria, José, Jesus Cristo, os Reis Magos, os Anjos, os animais, as estrelas, a natureza em si, tudo foi escondido. A Substância: Natureza-Naturante e o Homem não cantam no universo perverso do consumismo. 

Diante desse quadro desnatalizado, onde o Estado como estatuto civil está ausente, é ofensivo cantar, “como é que Papai Noel não esquece de ninguém, seja rico ou seja pobre o velhinho sempre vem”. Esse velhinho-sádico só vem para os que têm dinheiro para pagar seus serviços. Ele não vai aos lares cujas crianças não têm sequer sapatinho para colocar “na janela do quintal”. E muitas vezes, nem janela. Nisso a perversão desta desnatalidade: uma vez ao ano as crianças querem, pelo presente, se sentirem amadas juntas à Cristo. Ganhar um presente é irmanar-se com Cristo. Na criança, o Natal, faz do presente um nascimento com Cristo, porque Cristo teve a sublimidade de seu nascimento, também, pelo símbolo dos presentes que ganhou. Um símbolo de comunhão entre os homens e Ele.

IMG_5639

IMG_5478

IMG_5493

IMG_5494

IMG_5497 - Copia

Sabe-se que proporcionar presentes às crianças pela via filantrópica-calculista é recurso desumano de alguns indivíduos degenerados que com seus presentes pretendem o reconhecimento pela afirmação: “Olha como ele é bonzinho. É um verdadeiro cristão. Ajuda o próximo”. Exploração da dor para alcançar um objetivo pragmático-capitalístico. Pura sordidez que é disseminada nessas datas de cunho religioso. Mas esse não é o caso do Nelson Noel (Noël = a Natal, em francês), a pessoa física, Nelson Rocha. O Nelson é conhecedor de todas as hipocrisias da sociedade capitalística de consumo com sua semiótica desumanamente dominante. Por isso, ele escapa do grupo dos filantrópicos-calculistas. Como é um empresário mediano, ele pode realizar uma parte dessa comunhão da criançada em Cristo. Como trabalha com picolé e sorvete, ele pode levar para elas um pequeno presente. Um presente gelado, próprio para o clima de Manaus. Sorvete e picolé. São crianças pobres. Algumas sem sapatinho e outras sem janela.

IMG_5523

IMG_5519

IMG_5516

IMG_5518

IMG_5525

IMG_5526

IMG_5554

IMG_5573

IMG_5699

IMG_5680

Há 12 anos Nelson Noel realiza essa produção infantil. Que em verdade não é só uma produção individual. Muitas vezes alguns moradores da comunidade participam nessa produção. Esse ano foi penosamente diferente. Nelson Noel estava triste. Por razão financeira não iria poder se apresentar para as crianças. Seria um hiato-natalino para ele e as crianças. Como também para a comunidade. Desanimado ele não ficou à “espera do milagre”. Estava decidido: as crianças iam entender. Só que a potência criativa e o espírito da tradição o envolveram e o animaram na dimensão necessária para a produção da festa. Deram-lhe pneuma, impuseram-lhe alma. E ele realizou. Na verdade, como diriam os filósofos Deleuze e Guattari, tudo era possível. Só faltava realização.

IMG_5595

IMG_5619

IMG_5645

IMG_5649

IMG_5652

IMG_5689

IMG_5693

E lá foi o Nelson Noel firmando por alguns bairros e ruas de Manaus a tradição de 12 anos. Tradição que nem precisou convocar a imprensa, porque ela se apresentou crente de que a festa ia acontecer. E lá festejaram as crianças alegres com seus pequenos presentes de Natal: picolés e sorvetes. E lá ia a festa natalina no sol na chuva compondo o espírito cristão. Lá estava presente Cristo como potência criadora da vida comunalidade. E lá estava Cristo afirmando através do filósofo italiano Toni Negro que “o amor não pode ser algo que se fecha no casal ou na família, teve construir comunidades mais vasta, deve tornar-se construtor do outra”.

E lá estava Nelson Noel, comungado junto com as crianças em “Cristo, o mais amado (Nietzsche/Deleuze)” afirmando que “O amor é a chave essencial para transformar o próprio no comum (Toni Negri).  

UMA MENSAGEM DE NATAL DE CHICO XAVIER ENVIADA PELA PROFESSORA/FILOSOFANTE IVÂNIA ÉGAS

Algo por Eles Neste Natal

Compadece-te de todos aqueles que não podem ou não sabem esperar. Estão eles em toda parte…

Quase sempre são vítimas da inquietação e do medo. Observa quantos já transpuseram as linhas da própria segurança.

São casais que não se toleram nas primeiras rusgas do matrimônio e desfazem a união em que se compromissaram, abraçando riscos pelos quais, em muitas circunstâncias, cedo se encaminham para sofrimento maior;

são mães que rejeitam os filhos que carregam no seio, entregando-se à prática do aborto, recusando a presença de criaturas que se lhes fariam instrumentos de redenção e reconforto no futuro, caindo, às vezes, em largas faixas de doença ou desequilíbrio;

são homens que repelem os problemas inerentes às tarefas que lhes dizem respeito, escapando para situações duvidosas, sob a alegação de que procuram distração e repouso, quando apenas estão dilapidando a estabilidade das obras que, mais tarde, lhes propiciariam refazimento e descanso;

são amigos doentes ou desesperados que se rebelam contra os supostos desgostos da vida e se inclinam para o suicídio, destruindo os recursos e oportunidades que transportariam para a conquista da vitória e da paz em si mesmos;

são jovens, famintos de liberdade e prazer que, impedidos naturalmente do acesso a satisfações imediatas, se engolfam no abuso dos alucinógenos, estragando as faculdades com que o tempo os auxiliaria na construção da felicidade porvindoura.

Neste NATAL, façamos algo por eles, os nossos irmãos que ignoram ou que não querem aceitar os benefícios da serenidade e da esperança.

Pronuncia algumas frases de otimismo e encorajamento; escreve algum bilhete que os reanime para a bênção de viver e servir; estende simpatia em algum gesto espontâneo de gentileza; repete consideração e concurso amigo nos diálogos que colaborem na sustentação da paz e da solidariedade.

Não te declares sem possibilidade de contribuir, nem digas que tens todas as tuas horas repletas de encargos e serviços dos quais não te podes distanciar.

Faze algo, no soerguimento do bem.

Nas realizações da fraternidade, quem ama faz o tempo.

XAVIER, Francisco Cândido

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

UM CURSO DESEJANTE PARA VAN GOGH

ESPECIAL DE NATAL

Direto de ESQUIZOFIA.COM

van gogh santa

Nesta edição especial de natal trazemos algumas coisas bastante interessantes que envolve a aura natalina para o pintor monoauricular Vincent Van Gogh. Primeiro algumas das cartas que Van Gogh escreveu ou recebeu durante o período de natal, mas principalmente aquelas que ele fala sobre o natal, seu significado, como ele passava, os afetos familiares.

Além disto separamos alguns dos trabalhos de vários artistas que Van Gogh cita durante suas cartas e cujo a temática é o Natal. Esta pesquisa foi possível devido a sítios de catalogação das cartas e obras presentes nelas.

———————————————————————————————————————————–

Para Theo van Gogh. Haia, Janeiro de 1873.

Howard Pyle’s Christmas morning in Old New York, in Harper’s Weekly 24 (25 December 1880), pp. 828-829 Amsterdam, Universiteitsbibliotheek UvA

Howard Pyle- Manhã de Natal na velha New York, in Harper’s Weekly 24 (25 December 1880), pp. 828-829 Amsterdam, Universiteitsbibliotheek UvA

Que agradavel foram estes dias de Natal, eu penso neles com frequência; eles também serão longamente lembrados por você, com se eles também fosse seus últimos dias em casa. Você deve escrever para mim em particular sobre que tipo de pinturas você vê e o que você acha belo.

Para Theo van Gogh. Paris, Segunda, 13 de Dezembro de 1875.

John Gilbert - Uncle William’s Christmas presents - The Illustrated London News 29 (20 December 1856), p. 611 , The Hague Koninklijke Bibliotheek

John Gilbert – Presentes de Natal do Tio William – The Illustrated London News 29 (20 December 1856), p. 611 , The Hague Koninklijke Bibliotheek

Estou esperando pelo Natal e para te ver, velho garoto, mas agora será muito em breve. Eu provavelmente estarei partindo daqui na quinta desta semana, a noite.
Faça tudo que você pode para conseguir um alongar os feriados quanto possível.

Willemien van Gogh para Vincent e Theo van Gogh. Welwyn, Domingo 19 de Dezembro de 1875.

Myles Birket Foster, The Christmas holly cart in The Illustrated London News, Christmas number 1848  London, Witt Library

Myles Birket Foster,O carro de natal azevinho, The Illustrated London News, Christmas number 1848 London, Witt Library

Caro Vincent e Theo,
Meu sincero obrigado a vocês dois pelas suas últimas cartas, que nós ficamos muito alegres em receber.
Que maravilha será estar em casa no Natal. Aqui tem estado frio, mais agora está bem brando. Theo, que terrível coisa com a sua perna, está agora completamente melho? Nós provavelmente teremos um árvore de natal. Nosso feriado começa na quinta. E agora, adeus caro Vincent e Theo, eu desejo a vocês dois um ótimo e feliz natal.

Para Theo van Gogh. Amsterdam, Domingo, 9 Dezembro de 1877.

Charles Stanley Reinhart - Frank French - 'Merry Christmas to you, old barebones!' - Harper's Weekly. Journal of Civilization 26 (16 December 1882), pp. 800-801 Amsterdam, Universiteitsbibliotheek UvA

Charles Stanley Reinhart – Frank French – ‘Feliz Natal para vocês, velhos barões!’ – Harper’s Weekly. Journal of Civilization 26 (16 December 1882), pp. 800-801 Amsterdam, Universiteitsbibliotheek UvA

Atualmente eu consigo pega-los [mapas] no Seyffardt’s, mas lá provavelmente não estarei nunca com esta oportunidade. Eu desenhei aquele mapa e então eu o dupliquei, e por isso eu quis da-lo a Harry Gladwell como um presente de natal que eu pretendo envia-lo para ele através de você, para incluir quando um caixote for a Paris. (…)
Mas tudo isto passa, agora mais do que uma noite em questão. Do Tio Cor eu recebi Bossuet, Oraisons funèbres, em uma edição muito boa e acessível, muito completa que inclue entre outras coisas, o bom sermão sobre Paulo no texto “para quando estou fraco, então serei forte”. É um livro nobre, você o verá no natal, eu estava tão feliz com ele que até hoje tenho carregado por aí dentro de meu bolso, embora seja tempo de eu parar pois algo pode acontecer com ele. De Mendes eu recebi o trabalho de Claudius, também um bom e sólido livro; eu enviei a eleThomae Kempensis de imitatione Christi e escrito na frente, há nem judeu nem grego nele, nenhuma ligação nem livre, nenhum macho ou fêmea: mas Cristo é tudo, e em tudo. Do tio Stricker recebi uma caixa de charutos, você sabe que eu fiz com eles, eles estão sempre tão amigavelmente no the Rooses’ e eu tenho pensado se eu tivesse algo a enviar quando a caixa de charutos chegasse como uma dádiva de Deus. E de noite encontrei uma carta do tio Jan na mesa. Foi então breve sobre Vos and Kee, onde Tio e tia Stricker estavam bem também, mas não poderiam ficar pois eu tinha aula das 8 às 10 com Teixeira. Tio Jan passou a noite na casa do Tio Cor.

Para Theo van Gogh. Wasmes, Terça, 26 de Dezembro de 1878.

Alexandre Jean Louis Japhet (Jazet) - Christmas Eve (Goupil photograph) Paris, Bibliothèque National de France

Alexandre Jean Louis Japhet (Jazet) – A noite de Natal (Véspera de natal-Goupil photograph) Paris, Bibliothèque National de France

Havia neve nestes últimos dias, os dias escuros antes do Natal. Então tudo esteve remanescência de pinturas medievais do Camponês Bruegel, entre outros, e por muitos outros que foram tão bom expressando o efeito singular do vermelho e verde, preto e branco.

Para Theo van Gogh. Haia. Domingo 17 de Dezembro de 1882.

Edwin Austin Abbey - Joseph Swain - Christmas in old Virginia - The Graphic. An Illustrated Weekly Newspaper 22 (25 December 1880), pp. 660-661 Amsterdam, Van gogh museum

Edwin Austin Abbey – Joseph Swain – Natal na velha Virginia – The Graphic. An Illustrated Weekly Newspaper 22 (25 December 1880), pp. 660-661 Amsterdam, Van gogh museum

Uma das coisas que não vai passar é algo aberto e a crença em Deus, mesmo se as formas mudarem, umamudança como renovação do verde na primavera. Mas você entendera entre uma coisa e outra que minha meta netes desenhos não é pagar homenagem a forma mas mostrar que eu respeito grandemente o sentimento de Natal e Ano Novo.

Para Theo van Gogh. Haia, Sexta, 22 de Dezembro de 1882.

Edwin Austin Abbey - J.G. Smithwick - Winter - Harper's Weekly. Journal of Civilization Christmas number (1882), p. 17 Cambridge, Widener Library, Harvard College Library

Edwin Austin Abbey – J.G. Smithwick – Natal – Harper’s Weekly. Journal of Civilization Christmas number (1882), p. 17 Cambridge, Widener Library, Harvard College Library

Como eu espero que nós podemos passar alguns dias de natal juntos, por exemplo- eu também gostaria ternamente de ter você no meu atelier mais uma vez.
Eu, também, tenho labutado duramente recentemente, precisamente pois eu estava cheio de sentimento de natal, e sentimento nãoé suficiente, algum quem que traze-lo para seu trabalho.

Para Anna van Gogh-Carbentus. Saint-Rémy-de-Provence, Segunda, 23 Dezembro de 1889.

Samuel Read - Christmas reflections - The Illustrated London News London, Witt Library

Samuel Read – Reflexos de Natal – The Illustrated London News London, Witt Library

Eu as vezes penso que eu me sinto muito mais forte e as vezes mais clear-headed do que no último ano.
Agora lhe desejo um feliz natal e um bom ano novo. Envolvido no pensamento pelo

Seu querido
Vincent

A CULMINÂNCIA DA SOLIDARIEDADE E DO AMOR CONSTITUTIVO NO NATAL COM NELSON NOEL

Nelson Noel 2012 (16)

Não há nada demais no natal. Todo o discurso típico da época, envolvendo solidariedade, altruísmo, afetividade, igualdade social, amor ao próximo, religiosidade, abundância em alimentos e bebidas variadas, a família alegre reunida em torno da mesa, o carinho dos pais aos filhos; todo o simbolismo natalino, que alimenta as últimas esperanças de existências que resolveram esquecer-se de si mesmas durante boa parte do ano, na noite da véspera do natal, colore as pálidas alegrias. Então é festa! Mas festa no seu sentido pontual: após os comes e bebes, retorna-se ao ordinário estado de coisas constituído.
Mas no natal promovido pelo companheiro, pai, marido e empresário Nelson Rocha, o popular Nelson Noel – e por seus amigos – o personagem criado para alegrar, trata de arrematar toda a solidariedade e o amor constitutivo que vão sendo tecidos durante o ano, culminando no dia 24 de dezembro há onze anos. Nelson Noel não espera a noite chegar; inicia a festa da alegria cristiana já nos primeiros raios de sol que iluminam o núcleo 5 do bairro Cidade Nova, local onde os amigos e Nelson Noel se reúnem, fazem suas orações e iniciam a carreata que conta com vários carros e pessoas à pé, responsáveis por fazer a distribuição do delicioso sorvete para as crianças, que vão tornando a existência mais suave com seus longos e autênticos sorrisos iluminados.
Nelson Noel 2012 (36)

Nelson Noel 2012 (5)Nelson Noel 2012 (15)

Nelson Noel 2012 (12)

A alegria cristiana não envolve somente as crianças. Todos os moradores dos bairros da Cidade Nova, Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, Novo Aleixo, Águas Claras e Carlinhos da Carbrás (Parque São Pedro) saem às ruas e vão ao encontro de Nelson Noel para abraçá-lo, beijá-lo, para um simples aperto de mão, para compartilhar da festa.
Festa que não é em seu sentido pontual: a festa é durante o ano todo, sem hora ou data para terminar. Uma festa que se constrói à medida que é nutrida por tudo aquilo que faz o natal existir, mas de modo autêntico, verdadeiro e que não espera o sono chegar para que Papai Noel entre sorrateiramente e deixe os presentes enquanto crianças dormem, posto que Nelson Noel vai ao encontro das crianças na luz clara do dia, abertamente.
Junto com diversos voluntários que moram na Cidade Nova e outros bairros de Manaus, Nelson Noel foi construindo esta festa. Muitos ajudaram com a doação de fardos de açucar, outros com sua disposição e apoio técnico; outros, ainda, decidiram participar auxiliando a distribuir o sorvete enquanto vários motoristas forneceram seus carros para a carreata dos bairros da Zona Leste e Norte de Manaus.
Os bons encontros natalinos, entre a multidão nos bairros visitados e Nelson Noel, foram acontecendo durante a carreata. Esta se iniciou no núcleo 5 da Cidade Nova onde Noelson acordou ansioso pelo grande dia de sua produção solidária natalina.  Com sua alegria e disposição, o incansável Nelson superou, neste ano, diversas dificuldades e pôde fazer uma nova distribuição sorvetal natalina para as crianças de Manaus.
Logo cedo, Nelson se vestiu e transformou-se em Nelson Noel, e começou a divulgar nos arredores da Cidade Nova o grande encontro com as crianças de todas as idades (inclusive adultos e idosas). Os carros começaram, então, a serem carregados de sorvete e a carreata foi se formando em frente à lanchonete Degust’Gula, onde Nelson  promove encontros culinários todos os dias.
Nelson Noel 2012 (3)
Nelson Noel 2012 (37)
Nelson Noel e a moçada da Afin

Nelson Noel e a moçada da Afin

Antes de iniciar as atividades, fez-se uma oração em agradecimento por mais um ano de encontro coletivo e solidário do Nelson Noel. Logo a carreata, com Nelson Noel em cima de um carro, seguiu pelas ruas do núcleo 5 do Cidade Nova.
Nelson Noel 2012 (38)
Neste bairrro, onde Nelson trabalha, a população conhece o trabalho do Nelson Noel desde o início e sempre incentivou a empreitada. Lá, Nelson viu crescer muitas crianças durante estes 11 anos de Natal Solidário, que hoje já são adolescentes e cujo o reencontro a cada ano emociona Nelson.
Ainda nos primeiros metros da Cidade Nova, Nelson desceu do carro e seguiu, a pé, o encontro com os comunitários. Todas crianças corriam para abraçar Nelson Noel e também traziam suas sacolas, panelas e vasilhames para enchê-los de sorvete e da alegria deste encontro natalino.
Nelson Noel 2012 (7)
Nelson Noel 2012 (8)Nelson Noel 2012 (6)
Nelson Noel 2012 (11)
O percurso seguiu. Depois entrou pelo Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, onde uma multidão de crianças, idosos, trabalhadores e transeuntes receberam Nelson Noel com muita alegria.
A carreata seguiu por diversas ruas no bairro até chegar na rua principal, onde várias pessoas sairam de seus cotidianos para, também, ter este encontro noelsonlino. Algumas estavam no salão de beleza, outras preparando a ceia, outros trabalhando em obras, pintura de letreiros, no comércio. Mas todos pararam suas atividades para dar um abraço festivo em Nelson Noel e em seus vizinhos. Afinal, a caravana da solidariedade acontece todo ano e cria uma subjetividade própria aos encontros comunitários que produzem afetos alegres e aumentem a potência de agir de cada pessoa.
Nelson Noel 2012 (17)
Nelson Noel 2012 (13)
Nelson Noel 2012 (10)
Nelson Noel 2012 (18)
Nelson Noel 2012 (14)
Nelson Noel 2012 (10)
Nelson Noel 2012 (19)
Nestes encontros, Nelson Noel sempre interage com pessoas que, devido à alguma deficiência, são excluidas pela sociedade capitalista e suas instituições, que só se interessam por aqueles que estão aptos a serem explorados. Estas pessoas recebem o carinho de Nelson Noel que, com seu coração sensível, emociona-se com estes encontros.
Depois da longa caminhada pelas ruas do Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a carreata foi recarregar os isopores com sorvetes enquanto o resto da equipe do Natal Solitário preparava os detalhes da próxima parte da caminhada. Com as forças e os carros reabastecidos, a alegria de Nelson foi carregando as pessoas através dos núcleos 3, 4 e 16 da Cidade Nova, rumo aos próximos bairros.
Nelson Noel 2012 (20)
 O bairro do Novo Aleixo, onde a Afin desenvolve algumas de suas atividades, foi a nova parada da carreata. Pelas ladeiras e ruas, Nelson Noel e seus voluntários adentraram o bairro e o carregaram de muita aividade neste encontro comunitário.
No Novo Aleixo, a população sempre acolhe com muito afeto a presença da carreata e dos trabalhadores voluntários em sua solidariedade e, neste encontro, todos aparecem para prestigiar e compor novas formas de relações humanas durante o natal.
Nelson Noel 2012 (21)
Nelson Noel 2012 (22)
Nelson Noel 2012 (23)
Nelson Noel 2012 (24)
Nelson Noel 2012 (26)
Quando Nelson Noel chegou na rua Rio Jaú, dezenas de crianças  já esperavam a presença deste festejo para receberem e darem muitos abraços e ganharem sorvetes. Muitas das crianças e comunitários participam das atividades afinadas como o cinema, a bandinha do outro lado, os cursos e encontros que ocorrem durante o ano.
Neste ano, os afinados sugeriram um novo trajeto pelo caminho inverso do passeio dionisíaco da bandinha carnavalesca e, assim, foi possível Nelson Noel passar por novos territórios, ter novos encontros e presentear mais crianças.
Em todos os lugares por onde passava, a comunidade não deixava Noelson Noel sem abraços e trocas de afetos. E, nestes encontros,  além de distribuir sorvete, pode-se produzir o verdadeiro amor constitutivo do Natal.
Nelson Noel 2012 (25)
Nelson Noel 2012 (1)
Nelson Noel 2012 (32)
Nelson Noel 2012 (33)
Nelson Noel 2012 (35)
Nelson Noel 2012 (27)
Nelson Noel 2012 (31)
Nelson Noel 2012 (29)
Nelson Noel 2012 (39)
Dentre tantos amigos que já participam há vários anos do evento natalino, o menino Ezequias, participando pela primeira vez da caminhada natalina, tornou-se um destaque na festa como um ajudante de Nelson Noel. Isto, em razão de ele manifestar sua vontade de fazer parte da alegria, ajudando a entregar os sorvetes.
O menino Ezequias, de 11 anos, com seus pés descalços, levava sorvete e carinho a todos que encontrava. Longe de Nelson Noel estar praticando exploração do trabalho infantil. Ele compreende que o trabalho somente é uma exploração quando as energias mental e física do trabalhador são subtraídas, no intuito de favorecer o domínio de um sobre o outro.
Mas na carreata, a participação do menino Ezequias foi trabalho vivo, pois sua ação foi motivada pela afirmação da vida como produção solidária, criando laços afetivos sólidos com as comunidades por onde passava, demonstrando a compreensão que uma criança pode ter das distintas situações de outras crianças na mesma cidade. Ezequias fez, de sua ação, construção de bons encontros, divertindo-se com sua enorme disposição para a vida.
Nelson Noel 2012 (28)
Nelson Noel 2012 (30)
Nelson Noel 2012 (2)
Nelson Noel 2012 (34)
Nelson Noel 2012 (40)
Nelson Noel 2012 (41)
Depois, carros e amigos de Nelson Noel, seguiram pelo Águas Claras até o Carlinhos da Carbrás. Durante a caminhada, Nelson Noel, emocionado pela energia transmitida por todos que o recebiam em suas casas, na rua e em todos os lugares, públicos e privados, por onde passava; desceu do carro de onde acenava a todos e se juntou às crianças na rua.
Assim, durante mais um ano, o Natal Solidário de Nelson Noel e dezenas de voluntários encheu de vida a não-cidade de Manaus. Ainda que, durante todos outros dias do ano, este local geográfico sofra com seus governantes , que manipulam os eleitores e a não-cidade, na véspera de natal, a cidade é contagiada com uma festa de encontros transformadores e comunitários. Desta forma, aqueles que não tem força nenhuma produzem a potência necessária para aproximarem-se da vida em uma cidade real.

Poema de natal

 Natal… Na província neva.
Nos lares aconchegados,
Um sentimento conserva
Os sentimentos passados.

Coração oposto ao mundo,
Como a família é verdade!
Meu pensamento é profundo,
Estou só e sonho saudade.

E como é branca de graça
A paisagem que não sei,
Vista de trás da vidraça
Do lar que nunca terei!

Poema de Natal-    Fernando Pessoa

VÉSPERA DE NATAL

“VÉSPERA DE NATAL”

Era véspera de Natal, em toda casa
Nenhuma criatura, nem mesmo um camundongo;
As meias com cuidado foram penduradas na lareira com cuidado,
Na esperança de que Papai Noel logo chegasse;

As crianças aconchegadas, quentinhas em suas fronhas,
Enquanto visões de rosquinhas de natal dançavam em suas cabeças;
E mamãe com seu lenço, e eu com meu gorro,
Há pouco acomodados para uma longa soneca de inverno;

Quando fora no gramado cresceu uma algazarra,
Eu pulei da cama para ver o que estava acontecendo.
Para fora da janela eu voei como um raio,
Abri as persianas, e subi pela faixa.

A lua no colo da recém-caída neve,
Dava um lustro de meio-dia aos objetos abaixo,
Quando, o que para meus olhos curiosos deveria aparecer,
Mas Um trenó miniatura, e oitos renas pequenininhas,

Com um motorista velhinho, tão vivo e ágil,
E eu soube, na mesma hora, que era o Pap Noel.
Mais rápido que águias vinha pelo caminho,
E assobiava, e gritava, e as chamava os pelo nome;

“Agora, Dasher! Agora, Dancer! Agora, Prancer e Vixen!
Venha, Comet! Venha, Cupid! Venham, Donder e Blitzen!
Para o alto da sacada! Para o topo do telhado!
Agora fora, depressa! Fora todos, bem depressa!”

Como folhas revoltas que antes do furacão voam,
Quando encontram um  obstáculos, voam para o céu,
Tão alto, acima do telhado os corcéis voaram,
O trenó cheio de brinquedos, e Papai Noel também.

E então num piscar de olhos, ouvi no telhado
O toque-toque e o arrastar dos casquinhos.
Como desenhei em minha cabeça, e estava virando
Descendo a chaminé Papai Noel vinha com um salto.

Todo vestido de peles, da cabeça aos pés,
E com a roupa toda manchada de cinzas e fuligem;
Uma trouxa de brinquedos lançada em suas costas,
Parecia um mascate, só abrindo o saco.

Seus olhos como brilhavam! Suas covinhas que alegres!
Suas bochechas como rosas, seu nariz como uma cereja!
Sua boquinha engraçada curvada para cima como num arco,
E a barba em seu queixo era tão branca como a neve.

O cabo do cachimbo que segurava preso aos seus dentes,
E a fumaça em volta de sua cabeça como uma guirlanda;
Tinha um rosto largo e uma barriguinha redonda,
Que balançava quando sorria, como uma tigela de geléia.

Era gordinho e rechonchudo, um perfeito alegre e  velhinho elfo
E eu ri quando o vi, sem poder evitar;
Uma piscadela de seus olhos e um meneio de cabeça,
Na hora me fizeram entender que eu nada tinha a temer;

Não disse uma só palavra, mas foi direto ao seu trabalho,
E recheou todas as meias; então virou o seu joelho,
E colocando o dedo ao lado do nariz,
E dando um aceno com a cabeça, a chaminé ele escalou;

Ele saltou em seu trenó, ao seu time deu um assobio,
E para longe todos voaram, como o queda de um dente-de-leão.
Mas eu o ouvi exclamar,  enquanto ele desaparecia
“Feliz Natal a todos, e para todos uma Boa Noite!”

Tradução deste bloguinho Esquizofia com base na feita por Célia Mello

THE NIGHT BEFORE CHRISTMAS
by Clement Clarke Moore
or Henry Livingston

Twas the night before Christmas, when all through the house
Not a creature was stirring, not even a mouse.
The stockings were hung by the chimney with care,
In hopes that St Nicholas soon would be there.

The children were nestled all snug in their beds,
While visions of sugar-plums danced in their heads.
And mamma in her ‘kerchief, and I in my cap,
Had just settled our brains for a long winter’s nap.

When out on the lawn there arose such a clatter,
I sprang from the bed to see what was the matter.
Away to the window I flew like a flash,
Tore open the shutters and threw up the sash.

The moon on the breast of the new-fallen snow
Gave the lustre of mid-day to objects below.
When, what to my wondering eyes should appear,
But a miniature sleigh, and eight tinny reindeer.

With a little old driver, so lively and quick,
I knew in a moment it must be St Nick.
More rapid than eagles his coursers they came,
And he whistled, and shouted, and called them by name!

“Now Dasher! now, Dancer! now, Prancer and Vixen!
On, Comet! On, Cupid! on, on Donner and Blitzen!
To the top of the porch! to the top of the wall!
Now dash away! Dash away! Dash away all!”

As dry leaves that before the wild hurricane fly,
When they meet with an obstacle, mount to the sky.
So up to the house-top the coursers they flew,
With the sleigh full of Toys, and St Nicholas too.

And then, in a twinkling, I heard on the roof
The prancing and pawing of each little hoof.
As I drew in my head, and was turning around,
Down the chimney St Nicholas came with a bound.

He was dressed all in fur, from his head to his foot,
And his clothes were all tarnished with ashes and soot.
A bundle of Toys he had flung on his back,
And he looked like a peddler, just opening his pack.

His eyes-how they twinkled! his dimples how merry!
His cheeks were like roses, his nose like a cherry!
His droll little mouth was drawn up like a bow,
And the beard of his chin was as white as the snow.

The stump of a pipe he held tight in his teeth,
And the smoke it encircled his head like a wreath.
He had a broad face and a little round belly,
That shook when he laughed, like a bowlful of jelly!

He was chubby and plump, a right jolly old elf,
And I laughed when I saw him, in spite of myself!
A wink of his eye and a twist of his head,
Soon gave me to know I had nothing to dread.

He spoke not a word, but went straight to his work,
And filled all the stockings, then turned with a jerk.
And laying his finger aside of his nose,
And giving a nod, up the chimney he rose!

He sprang to his sleigh, to his team gave a whistle,
And away they all flew like the down of a thistle.
But I heard him exclaim, ‘ere he drove out of sight,
“Happy Christmas to all, and to all a good-night!”

FESTA AFINADA NATALINA EM MAIS UMA CRIAÇÃO DOMINICAL

Neste último domingo a Afin realizou junto com as crianças e toda rapaziada do Novo Aleixo uma grande festança pós-natalina com muita alegria, presentes e um delicioso jantar que incluia Vatapá, Bacalhau, Frango assado, Bolo e outros doces.

Porém a festa começou mesmo com a projeção cinematográfica com o vídeo do Projeto Quatro Cantos com a música brasileira natalina “Bate o sino” cujo video já postamos aqui neste bloguinho.

Durante a festa várias brincadeiras e adivinhações foram feitas mostrando o sentido lúdico do fazer-a-festa e que envolveram até os pais que estavam presentes.

E com a chegada do novo ano já começou na própria festa um esquenta da tradicional Bandinha do Outro Lado, que há quatro anos cria o movimento dionisiante pelo bairro do Novo Aleixo. O talentoso percursinista Rian mostrou que está com o batuque pronto para o carnaval, acompanhando algumas marchinhas no atabaque sem sair do ritmo.

Do ritmo carnavalesco para a música bailante de um ballet, que a sempre afinada Bia veio da Cidade Nova para apresentar-se para as crianças e deixou muitos olhos em sua sapatilha, mostrando na sua disposição e talento como uma jovem artista um deslocamento da vida já constituida.

Após mais algumas brincadeiras e jogos chegou o momento tão esperado… a distribuição dos brinquedos. Para fazer uma entrega mais democrática cada criança recebeu uma senha aleatória que correspondia a um número colado em algum brinquedo. Como os outros acasos desta vida a entrega poderia propiciar algo inesperado como um menino ganhar uma boneca ou um conjunto de fogãozinho e panelinhas. Só que como cada recebeu pela ‘graça do destino’ seu presente, caberia somente a ele decidir se trocaria com outra criança, ficaria com o presente, ou daria a alguém.

Assim conforme os acasos dos números foram sendo intregue os brinquedos e fazendo a alegria de todas as crianças. Cada novo brinquedo que era distribuido era celebrado e caso a criança desejasse trocar com alguém se conversava e assim recebia seus brinquedos.

Aderson mais conhecido como Vizinho mostraseu presente trazido pelo acaso: uma boneca

O jovem Yuri recebe afinadamente uma flauta para compor novos sons em sua vida.

E assim continuou a distribução até a última senha com todas as crianças presentes ganho seu brinquedo para neste novo ano poder com seu talento e criação, brincar e ter outras formas de se relacionar.

Por fim foi distribuido os deliciosos desbrocantes natalinos com bacalhau, vatapá,frango, arroz e muitas outros comes e bebes que celebrou a criação artística afinada de um novo ano realizador por todos nós.

E a partir deste domingo, o kinemasófico começa sua programação com a eleição feita pelas crianças e projeção dos melhores cinemas do ano de 2011 e que muitas imagens novas e produtivas continuem kinemasofikando nós crianças.

NELSON NOEL EM OUTRO NATAL EM COMUNALIDADES

Nesta vespera de Natal, a festa natalina não foi a mesma em Manaus. Isto pois mais uma vez o empresário e sorveteiro Nelson Rocha fez mais um Natal Solidário, evento que começou há 10 anos, e que faz a alegria das crianças e adultos Zonas mais empobrecidas e esquecidas da cidade: a Norte e Leste. Com ajuda de doações da comunidade (como fardos de açucar ) , Nelson vem realizando o Nelson Noel distribuindo 30 mil sorvetes a cada ano.

Os afinados conversaram com Nelson Noel sobre a história deste encontro comunitário e sobre a alegria que tem em mais um ano realizar esta festa com as crianças, jovens e adultos.

“O Nelson Noel surgiu quando eu nem distribuía sorvetes. Um dia vendo uma mulher descolorindo os pelos dos braços, das pernas e eu aproveitei e passei na barba e uma  amiga fez um gorro de papai Noel. Eu sai pela rua sem sorvete nem nada e percebi que as crianças me viam como papai Noel. Isto tem quase 20 anos e eu passei quase 10 anos sem pensar em nada. Quando foi em 2002 eu comecei a distribuir sorvete aqui no núcleo 5 da Cidade Nova e não era nem copinho, era caixinha de sorvete. Aí no outro ano já tomei gosto, já fiz roupa de papai Noel, aí fizemos todo o núcleo 5 levando 1000 copinhos de sorvete. Aí sucessivamente 2, 4,5, 10, 15 mil sorvetes e nestes últimos três anos, quatro contando com este ano a gente consegue distribuir 30 mil sorvetes em 5 bairros: Núcleo 5 da Cidade Nova, Bairro Nossa Senhora Perpétuo Socorro, Novo Aleixo, Carlinhos da Carbrás (Parque São Pedro) e Riacho Doce. Este ano além dos 30 mil sorvetes fizemos a confecção feita por mim desde o início até o final desde a mesa até a forma estou fazendo o maior picolé, segundo as pesquisas que eu fiz na internet, estou fazendo o maior picolé do mundo, deve entrar pro livro do Guiness Book com quase 2 metros e 80 de comprimento, 70 centímetros de largura, por 25 centímetros de altura com aproximadamente 450 litros de sorvete dentro desta forma de picolé. As crianças de toda a redondeza foram convidadas para vir comer o sorvete. A medida que ele for medido, fotografado, filmado, ele irá para degustação. É o mesmo sorvete que entregamos todo o ano em forma de um picolé gigante. Fazer este picolé foi um pouco de desafio por que o funileiro que faria a forma falhou, então eu mesmo tive que fazer a forma, fiz e fiquei com receio tremendo de não dar certo, mas deu certo.

Nesta festa o meu eu empresário fica distante deste evento por que na verdade estas coisas que eu faço toda é o Nelson Noel que faz e não faz só. Temos ajuda de muita gente tanto do núcleo 5 quanto da cidade de Manaus quase toda, pessoas que conheço, eu ligo, peço auxílio, alguém doa um fardo de açúcar, leite, um produto básico mas nunca doa dinheiro. É um trabalho junto com todas as pessoas, até gente de fora de Brasília, de Goiânia e neste caso mandam dinheiro por que fica difícil mandar um fardo de açúcar e a gente transforma isto nesta alegria que a gente faz todo ano. A minha festa maior é o sorriso da criança, aquilo que me motiva a cada ano a fazer mais, mais e mais. É uma festa feita pelas comunidades e para as comunidades.”

Porém neste natal de 2011 o sorveteiro Nelson trouxe uma novidade que certamente marcou a data na história: o maior picolé do mundo….. amazônico pelo menos. Um picolé gigante com 2 metros e 80 centímetros de comprimento e mais de 70 de largura fez a criançada da Cidade Nova, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e dos arredores trazerem suas sacolas, vasilhames, panelas para levar para casa um pedaço desta iguaria feita nos sabores uva, chocolate e creme.

Segundo as pesquisas este é o maior picolé do Brasil e provavelmente do mundo. Depois da partilha do sorvete recordista para todos os presentes, a comunidade junto com o bom Nelson Noel sairam em carreata para distribuir os sorvetes para o núcleo 5, e a comunidade toda se encheu de alegria para receber o Noelson.

“ Este trabalho é importante, por que no núcleo 5 só tem ele ajudando e mais ninguém. Este trabalho é um ótimo começo por que se todos fizessem um pouquinho melhoraria. Graças a Deus este trabalho está evoluindo cada vez mais e que ele continue sempre assim. Antes era só aqueles sorvetinhos derretidos agora já é picolé e já melhorou sendo esta iniciativa muito boa.” Ana  Francisca, Núcleo 5 Cidade Nova.

A carreata de Nelson Noel saiu pelas ruas da Cidade Nova distribuindo sorvetes levando alegria e logo chegou na comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, onde foi recebido com festa por todos os moradores, inclusive adultos, os trabalhadores e os passageiros dentro dos ônibus.

Nesta caminhada afectante encontramos a costureira Carmen que contou um pouco sobre a importância do trabalho de Nelson Noel para toda a comunidade:

“Este trabalho é muito bom, alegra as crianças desta comunidade que é mais carente, as crianças gostam de sorvete. Todo ano ele faz isto, este rapaz, aí eu acho importante por que eu moro aqui há 10 anos e nestes dez anos eu vejo ele fazer isto aí. É algo muito legal tanto pra criança quanto pros adultos, pois doce alegra todo mundo, tanto faz a idade” Carmen Libório, Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.”

E como não faltam crianças atrás dos deliciosos sorvetes de Nelson Noel, depois da Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a comitiva seguiu para um rápido reabastecimento na fabrica e já rumou para o Novo Aleixo, comunidade onde a Afin tem atividades fixas há 5 anos.

Dentre as diversas ruas onde Nelson Noel passou estava também a rua Rio Jaú, onde as crianças esperavam o encontro na casa da afinada Miriam, onde logo mais estarão no cinema nesta noite, e se deliciaram com a arte sorvelística natalina. Com os carros passando, toda a comunidade saiu para saldar o bom Noelson que trazia sua presença e um doce na vida da comunidade.

Todos deixaram seus afazeres para se juntar aos vizinhos para ver a comitiva da alegria passado pelo bairro. Nesta entrega sorvetal Nelson encontrou e se emocionou no caminhar ao lado de diversas crianças.

Do Novo Aleixo mais uma rápida passagem pela fábrica onde conversamos com Roberval Silva, morador do núcleo 5 que sempre auxilia o Nelson Noel e nos contou um pouco desta participação na construção de uma comunidade mais alegre:

Tenho acompanhado desde o começo este trabalho excelente que o Nelson faz e que dificilmente as pessoas fazem algo assim. E ele faz todo ano, deixa a barba crescer passa o ano todinho com a barba crescendo e depois todo dia 24 ele faz este trabalho legal e a gente acompanha a distribuição dos picolés com ele, fazendo voluntariamente também.  Eu ajudo também na fabricação dos sorvetes dando um fardo de açucar por que ele usa muito para fazer tanto picolé e a comunidade ajuda, muitos outros como o Chico, o pessoal da taberna  por que este trabalho é único. O benefício que traz para a comunidade é a alegria enorme para as crianças e até pros adultos que as vezes pegam mais que as crianças. A gente passa pelas invasões, como a Carbrás, que é uma coisa incrivel tanta criança, e para o Nelson é muito legal pois ele adora fazer isto. Ano passado fomos e em uma casa tinha um deficiente físico na cama, aí entramos na casa da senhora por que ele queria ver o papai Noel,e chamamos o Nelson que entrou na casa e começou a chorar e eu chorei assim como todo mundo que tava lá dentro por que é um negócio muito de coração que ele faz”

sobree logo a carreata seguiu rumo o Parque São Pedro, que também é conhecido como Carlinhos da Carbrás, onde a comunidade recepcionou com vários sorrisos e abraços Nelson Noel por mais um ano de encontro na comunidade.

No fim da tarde, Nelson Noel fez o último percurso rumo ao Bairro Riacho Doce onde foram soltados os rojões e comemorou-se mais um natal de comunalidades organizado comunitariamente junto com Nelson Rocha, ou melhor Nelson Noel.

E no fim desta andança nas comunidades Nelson Noel abençoou o pessoal da Afin desejando um ano de novas criações nas comunidades de Manaus, além de mandar um feliz natal a todos os leitores do bloguinho e os corpos de todo o mundo, para que possam deixar todas as privações e viver uma vida em feliz natal..

Nelson Noel dá benção para alguns membros da Afin

E ai vai um picolézinho?


UM NATAL-MUSICAL DA BAHIA PARA O MUNDO

NO NATAL DOS CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DILMA SE COMPROMETE A COMBATER CRIMES CONTRA MORADORES DE RUA

Participando do natal dos catadores de material reciclável, a presidenta Dilma Vana Rousseff, se defrontou com uma denúncia grave feita por uma das participantes sobre a violência executada contra os moradores de rua.

A líder dos catadores Maria Lúcia apresentou à presidenta uma lista informando os assassinatos, só neste ano de 2011, de 142 moradores de rua. Muito preocupada com a revelação, Dilma, se comprometeu a dialogar com os governadores para ver se conseguem acabar com essa violência que ela chamou de “limpeza humana”.

“Muitas vezes, o que está ocorrendo é uma limpeza humana nas grandes cidades deste país.

Nós temos todo um dever em relação à população de rua e o primeiro deles é proteger a vida e proteger contra a violência. O governo federal vai fazer tudo o que puder para impedir que haja nas cidades e nos estados esse nível de violência que vocês estão aqui denunciando. Não controlamos a polícia dos governadores, mas acho fundamental criar com eles um diálogo para impedir isso que a Maria Lúcia, veio aqui denunciar. E que não denunciou tudo, conforme ela me disse”, se comprometeu Dilma.

A presidenta durante seu discurso disse que os catadores deveriam se associar em cooperativas que o governo poderia auxiliá-los através do Plano Brasil Sem Miséria. Disse também que o governo pretende incentivar os catadores para se qualificarem e trabalharem no aproveitamento dos resíduos sólidos para que essa atividade passe a ter importância econômica. Dilma pediu ainda a colaboração das lideranças para que organizem os cadastros dos catadores para que eles sejam atingidos pelas políticas do governo.

“Essa atividade tem que ter conseqüências econômicas e sociais. Nossa maior preocupação é construir cooperativas e associações. É garantir que os catadores tenham a proteção de uma organização forte para, de fato, atuar na sociedade.

Eu juro para vocês que farei o possível e o impossível para que este país, as populações que até então foram marginalizadas sejam de fato, a partir do fim do meu governo, cada mais populações com direitos, com oportunidades e, sobretudo, com elevada autoestima. Saibam que todos nós temos que ter responsabilidade conosco mesmo, mas também com toda a sociedade”, considerou a presidenta.

Depois ela foi encontra-se com o ex-presidente Lula, criador da cerimônia de natal dos catadores que hoje faz parte da agenda presidencial, para lhe entregar um presente concedido por seus companheiros e companheiras catadoras e catadores de material reciclável.

Durante todos os anos de seus dois mandatos Lula participou ativamente na festa dos catadores e catadoras.  

LULA ENVIA MENSAGEM DE BOAS FESTAS E FELIZ ANO NOVO AOS BRASILEIROS

São Paulo, 22 de dezembro de 2011

“Minhas amigas e meus amigos
O ano de 2011 vai terminando e este momento especial do Natal, de confraternização com a família e os amigos, permite reforçar os laços de afeto e união para começarmos um novo ciclo com muita energia e amor.
Neste final de ano, quero agradecer de coração todo o carinho que recebi em 2011. A solidariedade de tantos amigos do Brasil e de outros países tem me ajudado muito durante o meu tratamento.
Desejo que todos tenham muita saúde, paz e prosperidade neste ano que vai começar. Vamos continuar juntos em 2012 com a presidenta Dilma, construindo um Brasil e um mundo cada vez melhor, mais justo e mais solidário.
Um forte abraço,
Luiz Inácio Lula da Silva”

OUTRA AFETIVIDADE DISTRIBUTIVA SORVETAL DO PAPAI NOELSON

foto
Clique nas imagens para vê-las de perto.

Em sua eticidade prática no mundo, indo além da redução comercial, o companheiro Nelson Rocha transmuda-se todos os anos, todos os dias do ano em Papai Noelson, ou Nelson Noel, que se plenifica sempre no dia 24 de dezembro, véspera do Natal, com a distribuição afetiva de sorvetes de sua fábrica, que transbordam na afetividade necessária para fazer a festa num encontro intenso de risos, abraços, sabores e conversas com humor e inteligência que apontam para novas práticas no mundo. Dessa vez, além dos bairros tradicionais – Núcleo 5 da Cidade Nova, Comunidade Maria do Perpétuo Socorro, Novo Aleixo e Carlinhos da Carbrás -, estava prevista também a distribuição no bairro Riacho Doce.

foto
Pela primeira vez presente na distribuição sorvetal, a bela Erêndira fez observações sobre sua experiência que vão além do sentido capitalístico de Natal – “Então é Natal…” -, percebendo ao mesmo tempo a alegria do encontro e a realidade objetiva massacrante que pode ser lucrativa para quem vive de explorar a miséria.

Eu achei engraçado que as pessoas que estavam comigo não sabiam às vezes como lidar com toda aquela criançada, mas acabava dando certo. Eu achei engraçado como as pessoas ficam felizes, não é só pelo sorvete que estão pegando. É como uma brincadeira. Eu achei interessante também, ao mesmo tempo que não é bom, ver o pessoal jogando de um lado para outro do igarapé. O que era aquilo? Igarapé é maneira de falar, só tem lama e imundície ali. É bom porque as pessoas que estão aqui ajudando não estão fazendo uma coisa porque tem que ser feito, elas estão fazendo porque gostam de fazer isso. Eu vi imagens que não gostaria de ver. Você ver uma criança sem roupas, próximo ou saltando num, entre aspas, igarapé, com uma água verde como aquele produto limpol de eucalipto, ali perto uma rua que não é asfaltada. É uma brincadeira, mas na verdade todas as crianças, e os adultos também, deveriam ter acesso a sorvete… quero dizer, muito mais, quero dizer de todas as suas necessidades básicas.

foto

foto
E enquanto a garotada chega correndo, sentindo a presença do Natal como nascimento do Novo, Eri resolveu tornar-se uma repórter deste bloguinho intempestivo e tomou do gravador, envolvendo-se em uma outra natalização atuante de dizeres que vão por aí abaixo.

Eu faço isso não querendo favorecer ninguém, assim como não quero nada em troca, mas para me sentir bem de alma, de espírito. Eu me senti feliz porque eu já tinha isso mesmo de me doar para as pessoas, as pessoas mais carentes, mais próximas. Eu faço isso assim, para os meus semelhantes, igual como os ensinamentos de Jesus Cristo: ‘Amar o próximo como a si mesmo’.” (Cristian)

foto

foto

Eu faço essa carreata porque eu me sinto alegre em ver as crianças alegres nesse projeto que o Nelson faz, junto com a gente e todo esse pessoal, tudo é muito maravilhoso. Eu me sinto feliz, parece cansativo, mas é prazeroso, sempre que eu puder eu estarei aqui participando.” (Antônio)

foto
foto
foto

Eu acho esse trabalho que o nosso Papai Noel faz maravilhoso, é um trabalho chique do Nelson Noel, é muito bom ter contato com as crianças, com as pessoas humildes. Eu ainda não tinha visto isso. Eu sou paraense, sou lá de Monte Alegre. Hoje eu estive aqui fazendo uma caridade de coração. É uma questão de carinho, de estar prestando um serviço, e hoje eu estou aqui abençoada por Deus, porque Jesus nasceu na Lapa. Já ouviu: ‘Noite feliz!…’” (Alijete do 5)

foto

Este bloguinho, que conhece em suas linhas o trabalho do Noelson há anos, aproveita para registrar a constatação do descaso do poder público com a cidade de Manaus. De ano a ano percebe-se que há aqui na verdade uma não-cidade. A diferença de um ano para outro no trajeto que o Noelson faz é que um buraco se tornou uma cratera, que uma rua, várias ruas se tornaram intransitáveis.

foto

foto

O companheiro Garnizé, nos seus 80 anos, falou sobre o trabalho do Noelson em não se submeter às fantasias lucrativas, e passou para as compreensões do que ele está vendo, depois de todas essas décadas, acontecer no Brasil. De Noelson a Lula e Dilma. Canta, Garnizé:

Eu conheço o Nelson desde 1973. Eu acompanho todos os anos, e acho uma coisa fantástica. É gente assim que tem que existir mais no mundo. O Nelson é uma pessoa boa. Ele não tem interesse pra ele não. O interesse dele é fazer coisas boas para as pessoas. Ele vem fazendo isso desde quando o Lula entrou. O Lula é um pai deste país. Não teve outro igual a ele. E eu acho que a Dilma vai fazer um governo maravilhoso. Mulher é muito inteligente, tem o pensamento muito mais rápido e percebe muito melhor as coisas do que os homens.

foto
foto
foto
Vitória, conhecida como a Mamãe Noelson, relatou a forma como se deu, sob sua coordenação, a atividade distributiva da fábrica Sempre Frio de sorvetes e sorvelitos.

É muito bom fazer isso. É trabalhoso organizar. Mas depois de todos esses anos a gente já sabe bem o caminho para organizar da melhor forma possível. Foi satisfatório. Só houve mais criança – a gente sentiu -, mais gente para pegar sorvete. Nós resolvemos fazer também mais um bairro, o Riacho Doce. Há muito tempo, quando era uma coisa bem menor, nós fomos lá uma vez, e agora resolvemos fazer o trabalho lá também todos os anos.

Que o amor nasça no coração de cada pessoa, que só o amor transforma. Só o amor pode tirar a violência, pode tirar a miséria. Tá faltando amor nos nossos governantes. A transformação é de dentro pra fora. A gente leva nesse sorvete um pouco de esperança, de alegria, de comunhão.

foto
foto
foto

Finalmente, o Noelson revelou em seus dizeres os entendimentos afetivos e políticos-filosofantes da atividade da qual é centro propulsor, explicando a diferença entre sua atividade e as atividades assistencialistas, e como não poderia ser diferente, analisou o momento atual da política brasileira.

A expectativa maior minha é ver dois homens descendo, José Alencar descendo junto com Lula, e Dilma subindo é a continuação dessa luta que se concretizou desde 1989 com a primeira candidatura de Lula à Presidência. Perdeu para o Collor; aliás, perdeu para a Rede Globo.

foto

Nós fizemos esse ano esse evento sem nenhuma ‘banda’, sem grana. Desde o ano passado que eu estou em crise econômica. Vai acabar fechando. Mas a fábrica é a fábrica. A gente fecha uma, faz outra em outro lugar, e, de qualquer forma, sempre se dá um jeito de movimentar o Nelson Noel. Foi meio difícil fazer, mas eu sou persistente, e consegui tudo. Até aumentei o trajeto, fazendo também o Riacho Doce.

foto

foto

Esse trabalho que a gente faz, tem que ficar claro isso, não é um trabalho assistencialista. A comunidade toda participa, e é uma festa imensa, enorme. Assistencialismo é uma outra coisa, que tem uma conotação política, ruim, feia, de quem utiliza a miséria. Por exemplo, nós temos um governo municipal aqui que fez, e que faz, e todo um grupo político que sempre agiu com assistencialismo. O trabalho que a gente faz é só reunir um monte de pessoas que querem fazer uma coisa. Aí nós vamos e fazemos.

foto
foto

E é nesses percursos e engendramentos do Noelson, Vitória, Vitorinha, Erêndira, Nelsinho e toda a comunidade do Núcleo 5, assim como diversas pessoas nos outros bairros, todos atuantes numa afetividade que carrega o verdadeiro Natal, como Nascimento da alegria, do amor, do humor, da festa, da construção de uma cidade, de um mundo para além do estado de coisas constituído.

foto

NATAL EM DOIS CONTOS

UM CONTO

O menino estava sentado na frente de sua casa muito triste. Não por ser pobre e ser véspera de natal, mas porque sua mãe estava doente e, como eram pobres, não tinha dinheiro para comprar um remédio que ela necessitava.

Com o olhar perdido em sua dor, o menino de repente foi despertado por um papel enrolado no meio da rua. O menino, curioso, levantou-se e foi até o local onde se encontrava o papel enrolado.

Tal não foi o susto do menino quando ele viu que o papel enrolado era dinheiro. Ficou surpreso de alegre, e alegre correu para comprar o remédio que a mãe necessitava naquele momento.

Na volta da farmácia, o menino, muito contente, encontrou outro menino no meio da rua chorando, olhando para o chão como se procurasse alguma coisa. Ele então se aproximou do menino que estava chorando e perguntou por que ele estava chorando. O menino respondeu que foi comprar um presente de natal para sua mãe, mas perdeu o dinheiro.

Ele então contou que havia achado um dinheiro que poderia ser o que ele perdeu e comprou remédio para sua mãe. Os dois ficaram em silêncio. Depois começaram a caminhar tristes, chegando ao cruzamento de duas ruas. Na esquina à direita da rua em que estavam tinha um circo, e na frente o dono do circo muito preocupado. Quando viu os garotos, correu para junto deles dizendo que havia muita gente no circo e um dos seus artistas, um garoto que fazia acrobacia, piruetas como no hip-hop, estava doente e não podia fazer seu número. Então perguntou se algum deles sabia dançar o hip-hop para substituir o menino doente, que ele pagaria. O menino cuja mãe estava doente sorriu e disse que sabia.

Contente, o homem levou os dois para o circo, o menino fez sua apresentação, e foi muito aplaudido. Um sucesso para o público e o dono do circo, que retribuiu com um bom pagamento. Os dois meninos saíram felizes. Já na rua, o menino cuja mãe estava doente deu todo o dinheiro que ganhou com seu talento de artista para o menino que perdeu o dinheiro. Ele viu que era mais do que tinha perdido, e devolveu o resto para o menino artista, que não quis aceitar.

Como nenhum queria ficar com o resto do dinheiro, entraram num acordo: compraram uma bola para cada um, e o que sobrou compraram duas taças para os campeões dos torneios de pelada que cada um ia fazer na rua onde moravam no dia de natal.

OUTRO CONTO

O ambiente era o mais luxuoso possível para uma noite de natal. E as iguarias e bebidas as mais sofisticadas para acompanhar o ambiente luxuoso. Tudo parecia mais uma superprodução hollywoodiana do que uma comemoração cristã como pedia na antiguidade cristiana essa celebração. Não, ali tudo tinha que seguir os anseios cristãos dos personagens que lhe davam a função de ser.

Gargalhadas, ruídos de talheres, estouros de rolhas de champanhas, de vez em quando uma canção natalina cortando as vozes de Roberto Carlos, Simone e Fábio Júnior, entre outros. Um quadro digno da estética dos presentes.

Foi então que a meia-noite anunciou o nascimento do Homem amante da Vida. O Homem que não inventou a dívida, a culpa, o castigo, a vingança, o ressentimento, o rancor, a inveja, a ganância, a luxúria, a prepotência, a arrogância, a perseguição, a hipocrisia, o julgamento, mas somente o amor que constrói o viver como o próximo.

No repicar dos sinos e fogos, começaram os votos de boas festas e felicitações entre os presentes. “Então é Natal!” Um político eleito usando a miséria do povo, sem qualquer escrúpulo moral, abraçou seu filho e, chorando, desejou-lhe sucesso na vida. Um empresário, cuja riqueza foi construída com malversações auxiliadas por homens públicos, abraçou sua mulher, dizendo: “Cristo foi muito bondoso conosco, meu amor. Que tudo continue assim”. Ao que ela respondeu: “Na graça de Deus, meu amor”. Um médico para o qual a medicina serviu apenas para ocupar cargo no governo, ao ver sua mulher se dirigindo a ele para felicitá-lo, desviou a tempo e foi abraçar um senador.

Então é Natal!” Uma juíza que teve sua carreira erguida na submissão diante dos governadores, desejou, em nome da Justiça, um “feliz natal para todos!”. Um jovem advogado, que antes se encontrava em animado papo com um delegado de polícia, abraçou sua noiva, apertando seu braço esquerdo, admoestando-a que se ela se esquivasse de conversar com a mulher do delegado ele iria encher sua cara de porrada. A mãe de uma menina, levando-a para um dos cantos do salão, reprimiu-a severamente porque ela lhe confessara que naquele momento havia tido sua primeira menstruação. Um professor universitário ligou para sua mulher desejando “feliz natal”, lamentando não poder estar com ela por não ter conseguido voo, mas estava aproveitando para colocar em dias alguns documentos da universidade. “Então é Natal!” Um garoto bateu com uma garrafa de champanha em outro garoto porque este dissera que ia ganhar um presente do Papai Noel mais caro que o dele. Um banqueiro abraçou a mulher de seu sócio, desejando-lhe “feliz natal”, ao mesmo tempo que apertava sua bunda. Ao que ela, sorrindo, respondeu: “E próspero Ano Novo!”

E, nessa ordem moral, se desenrolaram as felicitações de “Feliz Natal!”. Até que um pastor de uma igreja ligada com os empresários e políticos lembrou que era momento de orar e agradecer a Deus por tudo que Ele havia proporcionado de bom para os presentes, ao que todos concordaram e oraram agradecendo a bondade de Deus para com eles.

Depois caíram de boca e estômago nas comilanças e bebidas, porque era Natal, momento de fartura e descontração em homenagem ao Filho de Deus Pai. Aquele que a quem protege nada de mau acontece.

ENQUANTO CRISTO É FESTA, O GOVERNADOR CHORA SEM NATAL

A Vida é uma Festa!

Cristo, o evangelista, o Devir do Amor, da Nova Semiótica, o Companheiro dos homens livres, é filosofante. Porque a filosofia é uma Festa. E Cristo, como filosofante, com suas ações conduz à Festa. A Alegria como Estética de novos saberes e novos dizeres. A Educação transcendente dos sentidos e da cognição para que os homens não sucumbam na privação imposta pelos tiranos, onde os sentidos e a cognição encontram-se em estado entrópico, impossibilitados do sensível e do intelectível como matéria do exterior. O que sustenta os ímpios.

Mas eis que o entendimento oficial, em Manaus, apanhou a sonoridade e a grafia do nome Cristo, e se pôs a caricaturá-lo. Confeccionou um bonecão, crente ser a imagem de Cristo, chamou o espírito de Michael Jackson, lançou luzes lagrimosas(?), pegou a sempre disposta Ednelza Saddo, mais a condescendente Lucilene Castro, embrulhou canoa com celular, fez que mexeu e mandou bronca.

Sentadinhos em seus pontos indicativos estavam as designadas autoridades, o governador Eduardo Braga, com seu inseparável séquito, e o representante teo-metafísico, Dom Luiz. Bonecão-antiCristo pra lá, Michael Jackson pra cá, Ednelza e Lucilene para acolá, e vamos que vamos. É o espírito natalino do secretário de Educação, com sua trupe projetando na Praça São Sebastião imagens super-dimensionadas, produtos de suas internalizações imagéticas que não se metamorfosearam em ideias. Imagens de objetos amplificados com pretensão à elevação hipnogógica. Inebriamento pelo espetacular. Um recurso mágico para ocultar o vazio das Ideias. Ampliar as formas áudio-visuais no exterior com intenção de causar efeito de grandeza manipuladora. Síndrome do Colosso de Rodes. Em Hitler, grandes exércitos, grandes aviões e tanques de guerra, na urbe inadequada, grandes edifícios na 5ª Avenida, grandes pontes, grandes elevados, grandes estádios de futebol, tudo hiper, ou macro, mas tudo sem força, presos na ordem da impotência.

Terminado o cerimonial hipnótico, entrou em cena a sempre e boa amestrada imprensa. Entrevistando o governador sobre o que viu e ouviu, ele, Eduardo Braga, não se conteve: chorou. Pronto, estava comprovada a caricata festa anticristã. Se tudo que se refere a Cristo, o amoroso, é Festa, é Alegria, se o governador chora em um ritual que se dizia cristão, nada havia de Cristo. Comprova-se mais ainda quando Dom Luiz, embasbacado, afirma que é o maior Auto de Natal do Brasil. Logo ele, uma santidade usando o peso e a medida para invocar o espírito de Cristo. Assim, de acordo com as autoridades, não houve Natal, e muito menos Cristo. Mas a imprensa não viu o que o governador e o prelado viram.

No outro dia, a comprovação maior do caricato natalino. Pessoas que passavam na avenida Eduardo Ribeiro, e ruas adjacentes, viam, atrás do Teatro Amazonas, jogado, aquele que a oficialidade tentou passar como o espírito de Cristo: o bonecão anticristão.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4.243.303 hits

Páginas

agosto 2021
D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos